Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architexts ISSN 1809-6298


abstracts

português
Neste artigo, Luiz Augusto dos Reis-Alves busca definir o conceito de lugar e determinar a sua estrutura, tendo como base diversas linhas de pensamento como de Yi-fu Tuan e de Norberg-Schulz


how to quote

REIS-ALVES, Luiz Augusto dos. O conceito de lugar. Arquitextos, São Paulo, ano 08, n. 087.10, Vitruvius, ago. 2007 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/08.087/225>.

Muito se escreve sobre os conceitos do espaço e do lugar. O que é o “espaço”? O que é o “lugar”? são perguntas freqüentes de pesquisadores das mais diversas áreas e abordagens teóricas em diferentes períodos históricos.

Existe diferença entre o espaço e o lugar? Se não existe diferença, todo espaço pode ser considerado um lugar? Mas se ela existe entre os dois conceitos, o que os diferem? Neste contexto, há diferentes tipos de lugares? Estas inquietações nos servirão como diretrizes para o alcance dos nossos objetivos neste artigo, quais sejam: definição do conceito de lugar e a determinação da sua estrutura.

Algumas reflexões sobre os conceitos do espaço e do lugar

Arquitetos, ao se questionarem sobre o que é a Arquitetura, acabaram por refletir sobre a questão do espaço. Zevi (2) afirma que as quatro fachadas de um edifício constituem apenas a caixa dentro da qual está encerrada a jóia arquitetônica, isto é, o espaço. O autor coloca como o protagonista da arquitetura o espaço, o vazio. O referido autor considera o espaço e o vazio como sinônimos. Para ele, a arquitetura não provém de um conjunto de larguras, comprimentos e alturas dos elementos construtivos que encerram o espaço, mas precisamente deste vazio, do espaço encerrado, do espaço interior em que os homens andam e vivem. A relação entre a Arquitetura e o espaço é retomada também em Coelho Netto (3), que afirma que a Arquitetura não é somente a organização do espaço, mas também é o ato de criá-lo. Oliveira (4) em seu pensar, por uma via fenomenológica, sobre o que é a arquitetura, a encontra como a […] “instauração de uma espacialidade no mundo por um corpo polarizado por suas tarefas” (5). Segundo a autora, a arquitetura por ser atividade transformadora e ordenadora, podemos compará-la a um jogo dado por meio de atos primordiais de ordenar e construir, atos como: adicionar-subtrair, alternar, antepor-pospor, apoiar, etc.

Mas, qual é a definição deste principal elemento com que a arquitetura trabalha e que tanto referencia?

Para responder ao nosso primeiro questionamento, se existe diferença entre o espaço e o lugar, recorremos às etimologias dos cognatos. Segundo a filósofa Chauí (6), na escrita alfabética ou na fonética, não se representa apenas uma imagem da coisa que está sendo dita, mas a idéia dela, o que dela se pensa e se transcreve. Em Cunha (7) e Ferreira (8) encontramos a mesma definição para o termo espaço (do latim spătĭum), ele é a “distância entre dois pontos, ou a área ou o volume entre limites determinados” (9). Comparando com a do lugar (do latim locālis, de locus), este é o “espaço ocupado, localidade, cargo, posição” (10). Em Ferreira (11), encontramos como acréscimo para a definição do lugar, “1. Espaço ocupado; sítio. 2. Espaço. 3. Sítio ou ponto referido a um fato. 4. Esfera, ambiente. 5. Povoação, localidade, região ou país”.

Segundo as definições e as origens das duas palavras, entende-se como relação entre os dois conceitos que o lugar é o espaço ocupado, ou seja, habitado, uma vez que uma de suas definições sugere sentido de povoado, região e país. O termo habitado, de habitar, neste contexto, acrescenta à idéia de espaço um novo elemento, o homem. O espaço ganha significado e valor em razão da simples presença do homem, seja para acomodá-lo fisicamente, como o seu lar, seja para servir como palco para as suas atividades.

A palavra habitar tem como definição na língua portuguesa: “1. Ocupar como residência; residir. 2. Tornar habitado. 3. Ter hábitat em. T.c. 4. Habitar (1). T.i. 5. Morar (com alguém)” (12). Residir apresenta como algumas de suas definições: “2. Acontecer; estar presente; […] 3. Achar-se; ser; estar” (13). Estar presente, achar-se, ser e estar, neste contexto, referem-se ao homem e na sua capacidade de habitar. Para nós, o homem constrói para habitar e não habita para construir.

Tuan (14) discursa que o significado de espaço freqüentemente se funde com o de lugar, uma vez que as duas categorias não podem ser compreendidas uma sem a outra. Segundo ele, o que começa como um espaço indiferenciado, transforma-se em lugar à medida que o conhecemos melhor e o dotamos de valor. “O espaço transforma-se em lugar à medida que adquire definição e significado” (15). “Quando o espaço nos é inteiramente familiar, torna-se lugar” (16). Tuan define os lugares como “centros aos quais atribuímos valor e onde são satisfeitas as necessidades biológicas de comida, água, descanso e procriação” (17).

Através da dimensão temporal é que poderemos então conhecer um espaço, definindo-o e dotando-o de valor. Já dizia Zevi que além das três dimensões da perspectiva, e conseqüentemente da arquitetura, existia uma quarta. “Existe […] outro elemento além das três dimensões tradicionais, e é precisamente o deslocamento sucessivo do ângulo visual. Assim designou-se o tempo, quarta dimensão” (18).

Tuan relaciona o Tempo e o Lugar de três formas: adquirimos afeição a um lugar em função do tempo vivido nele; o lugar seria uma pausa na corrente temporal de um movimento, ou seja, o lugar seria a parada para o descanso, para a procriação e para a defesa; e por último, o lugar seria o tempo tornado visível, isto é, o lugar como lembrança de tempos passados, pertencente à memória (19). De modo semelhante, diz o antropólogo Augé: “Se um lugar pode se definir como identitário, relacional e histórico, um espaço que não pode se definir nem como identitário, nem como relacional, nem como histórico definirá um não-lugar” (20). Augé defende a hipótese que a supermodernidade é produtora de não-lugares, e que eles “são diametralmente opostos ao lar, à residência, ao espaço personalizado. É representado pelos espaços públicos de rápida circulação, como aeroportos, rodoviárias, estações de metrô, e pelos meios de transporte – mas também pelas grandes cadeias de hotéis e supermercados” (21).

Lugares que induzam a um rápido movimento associado a uma não personalização do espaço e do indivíduo seriam para o antropólogo um não-lugar. “O espaço do não-lugar não cria nem identidade singular nem relação, mas sim solidão e similitude” (22). O autor baseia-se em Michel de Certeau (23) ao referir-se ao não-lugar, este seria uma espécie de qualidade negativa do lugar, de uma ausência do lugar em si mesmo.

Na realidade, com a definição de Tuan acerca do Lugar (24), este pode existir em muitas escalas e modos de ser diferentes. No extremo de uma escala, uma sala de aula preferida é um lugar inserido num lugar maior que seria a sua escola, em outro, toda uma cidade.

O geógrafo nos indica duas características válidas para o nosso estudo, as quais compõem o lugar, o valor a ele atribuído e o tempo, que seria o responsável pelas experiências vividas.

O arquiteto Norberg-Schulz busca na filosofia grega uma reflexão sobre o conceito de lugar. Para os gregos cada lugar era regido por um deus, genius loci (25), ou o espírito do lugar. Os homens, a princípio, não conceberam os deuses como divindades zeladoras de toda a raça humana; pelo contrário, acreditavam que cada divindade pertencesse a um determinado povo e localidade. Nas religiões que vinculam o povo firmemente ao lugar, as divindades parecem ter em comum as características do lugar, conferindo a sua personalidade a este. Não têm poderes além dos arredores de seu domicílio particular; recompensam e protegem o seu próprio povo, mas fazem mal aos estrangeiros (26).

Na realidade, este procedimento é uma tentativa de “antropomorfizar” o espaço, isto é, transformar o espaço “selvagem” em um lugar, fundando um microcosmos, um imago mundi (27). Eliade (28) reflete que o sagrado e o profano constituem duas modalidades de ser no mundo. Para o homem religioso, o espaço não é homogêneo, ele apresenta roturas. Sendo assim, as sociedades antigas compreendiam o espaço qualificando-o nessas duas formas, o primeiro é o território habitado, é o mundo, o nosso mundo, é conhecido e sagrado (Cosmos), e o segundo, o espaço indeterminado que cerca o primeiro, é um outro mundo, é desconhecido e profano, é o Caos, habitado por figuras estranhas e monstros. Nenhum “Mundo” pode nascer no Caos da homogeneidade e da relatividade do espaço profano. Conferindo um caráter ao lugar, através do genius loci, o homem colocava-se em posição central no universo. Este exercício não era mais do que a repetição de um ato primordial: trabalhando a terra desconhecida, realiza novamente o ato dos deuses que organizaram o Caos, dando-lhe uma estrutura, formas e normas, interpretando-o para nele poder habitar.

Norberg-Schulz afirma que o lugar é mais do que uma localização geográfica, ou seja, mais do que um simples espaço. “O lugar é a concreta manifestação do habitar humano” (29). O autor coloca que o mundo, como lugar, é constituído por elementos que transmitem significados. Em sua insatisfação por uma definição sobre o que é o lugar, ele a busca novamente na filosofia, mais precisamente no filósofo existencialista Heidegger (30). Este declara que o homem para ser capaz de habitar sobre a terra deve tomar consciência que habita entre dois mundos dicotômicos, o céu e a terra. “sobre a terra já significa sob o céu”, diz Heidegger (31). Por isso cabe ao homem não somente compreendê-los separadamente, mas, sobretudo, entender a relação existente entre eles.

“Terra é o detentor servente, florido e frutífero, dispersando-se em rocha e água, erguendo-se em planta e animal […]. O céu é o caminho abobadado do Sol, o curso das mudanças lunares, o brilho das estrelas, as estações sazonais, a luz e o crepúsculo do dia, a escuridão e o brilho da noite, a bonança e a não-bonança do clima, as nuvens flutuantes e o azul profundo do éter” (32).

O homem habita entre esses dois mundos completamente opostos, o primeiro tangível e acessível, o segundo não-tangível e inacessível. Mas para Norberg-Schulz, o habitar significa muito mais do que o abrigo, habitar é sinônimo do que ele chama de suporte existencial. O suporte existencial (que segundo ele seria o objetivo da arquitetura) é conferido ao homem através da relação entre este e o seu meio através da percepção e do simbolismo. O autor introduz o conceito de espaço existencial, que “não é um termo lógico-matemático, mas compreende as relações básicas entre o homem e o seu meio” (33), sendo dividido em Genius Loci em dois elementos complementares: o espaço (ou seja, a terra) e o caráter (ou seja, o céu), o que o autor entende, respectivamente, como a orientação e a identificação. Somente através destes dois elementos é que o homem terá o seu “suporte existencial”, ou seja, o seu Lugar sobre a terra é construído, o Caos é transformado em Cosmos. Na realidade, o arquiteto baseia-se na definição adotada por Heidegger; para este último, “O modo no qual você está e eu estou, o modo no qual nós humanos estamos sobre a terra, é habitar” (34).

“Nós temos usado a palavra ‘habitar’ para indicar a relação total homem-meio. […] Quando o homem habita, ele está simultaneamente locado no espaço e exposto a um certo caráter ambiental. As duas funções psicológicas envolvidas, podem ser chamadas “orientação” e “identificação”. Para ganhar o suporte existencial o homem tem que ser capaz de orientar-se; ele tem que saber onde ele está. Mas também ele tem que identificar-se com o meio, isto é, ele tem que saber como ele está num certo lugar” (35).

Norberg-Schulz (36) conclui que a estrutura de um Lugar, seja ele natural ou construído, é composta por duas categorias: o espaço (terra) e o caráter (céu), que sendo analisadas pela percepção e pelo simbolismo permitirão o suporte existencial, ou seja, a capacidade de habitar, ao homem.

O espaço (terra), nesta estruturação, é o elemento mais estável, embora algumas de suas propriedades sejam suscetíveis a mudanças no decorrer do ano. O caráter (céu), o mais instável, é uma função do tempo, mudando com as estações sazonais, com o curso temporal diário e do clima. Segundo o autor, há cinco modos básicos para compreender o aspecto do lugar, natural ou construído, sejam eles: Elementos e Ordem cósmica (dados pelo elemento espaço: terra), Caráter, Luz e Tempo (dados pelo elemento caráter: céu). Todos esses modos são analisados segundo a percepção e o simbolismo (37).

Na análise do elemento espaço (terra), Norberg-Schulz (38) o analisa através de suas características morfológicas, tais como: elementos constituintes (descrição e caracterização); relação interior x exterior (relação entre o lugar e o seu entorno); extensão (topografia); limites (fechamentos horizontais e os verticais, forma e volume do espaço); escala/proporção (macro, média, micro); direções (orientação solar, sentidos horizontal e vertical) e ritmo (tempo, caminhos, centro e domínio).

O elemento caráter (céu) é analisado basicamente pelo autor (39) por dois aspectos: (a) constituição qualitativa (qualidade da luz, da cor e classificação) e (b) constituição quantitativa (quantidade da luz).

Porém, em seu discurso acerca do elemento caráter (céu), é possível identificar características deste pertencentes não somente ao céu, propriamente dito, mas também à caracterização climática do ambiente. Ao comparar a descrição de dois ambientes distintos com o propósito de apontar diferenças quanto ao genius loci de cada um, é possível destacar alguns fatores e elementos climáticos que compõem o lugar.

“A floresta nórdica […] O chão é raramente contínuo […] tem uma variedade de relevos; pedras e depressões, arvoredos e clareiras, arbustos e tufos […].

O céu é dificilmente experienciado como uma hemisfera global, pois ele é espremido por entre os contornos das árvores e pedras, e muitas vezes modificado pelas nuvens.

O Sol é relativamente baixo e cria uma variedade de spots de luz e sombra, as nuvens e vegetação funcionam como “filtros”. A água está sempre presente como um elemento dinâmico […].

A qualidade do ar está em constante movimento, da neblina úmida até o refrescante ozônio” (40).

Comparando com a descrição da paisagem do deserto do Saara, temos:

“A infinita extensão da monotonia do chão árido; a imensa abóbada que abraça o céu sem nuvens […] o Sol escaldante que quase dá uma luz sem sombra; a secura, o ar quente […] O pôr-do-Sol e o amanhecer conectam dia e noite sem os efeitos transacionais da luz, e criam um simples ritmo temporal” (41).

Na descrição do ambiente da floresta nórdica, o relevo, o céu modificado por nuvens, o Sol baixo, a qualidade da luz e da sombra, a vegetação, a água, a qualidade do ar e a neblina são totalmente diferentes da paisagem desértica, com o seu solo árido, a abóbada celeste sem nuvens, o Sol tostante, a secura do ar quente e a ausência dos efeitos transacionais da luz. Estes elementos destacados são definidos pela localização geográfica desses pontos em relação ao planeta Terra, em termos da latitude, altitude, longitude, proximidade ou não do mar, a relação entre as massas de água e terra, enfim, são os elementos e fatores que configuram o clima de um local. Desta forma, implícito no trabalho do arquiteto Norberg-Schulz (42), podemos dizer que o suporte existencial não seria conferido ao homem somente pela percepção e simbolismo do lugar; inseridas na percepção estariam as características climáticas da região.

Por uma nova construção do lugar

Com base em nossas reflexões, entendemos o conceito de Lugar em concordância com o arquiteto Norberg-Schulz, ou seja, “O lugar é a concreta manifestação do habitar humano” (43). Como diferenciação entre o espaço e o lugar, recorremos às etimologias dos cognatos. Procuramos aqui adotar a postura dos pesquisadores franceses ao recorrer às etimologias dos termos empregados. Espaço (do latim spătĭum) é a “distância entre dois pontos, ou a área ou o volume entre limites determinados” (44), e o Lugar (do latim locālis, de locus) é o “espaço ocupado” (45). O espaço só se torna um lugar no momento em que ele é ocupado pelo homem, fisica ou simbolicamente.

Dentro deste universo de lugares, existem tipos de lugares qualitativamente diferentes. Tomando como exemplo a casa, que para Bachelard “é o nosso canto do mundo. […] abriga o devaneio, […] protege o sonhador, […] permite sonhar em paz” (46), ela seria o lugar primeiro do homem, o seu lugar de referência. Mesmo nela, podemos encontrar um lugar preferido, onde gostamos de ficar, o nosso canto, como diz ainda Bachelard: “não encontramos nas próprias casas redutos e cantos onde gostamos de nos encolher” (47). Ocorre ainda, tipos de lugares que possuem uma qualidade negativa, valores negativos, que segundo Certeau (48) seriam os não-lugares, uma vez que são lugares que não se definem nem como identitário, relacional e histórico.

Quais elementos participam da construção de um Lugar?, seria o último de nossos questionamentos. Um espaço possui seus elementos físicos e estes têm uma relação entre si, mesmo que aleatória. Pensemos em uma paisagem. Eis o cenário: ela está lá, com todos os seus elementos, o céu, a terra, o mar, a vegetação, as montanhas, flores, etc., ou seja, todos os seus elementos físicos relacionados espacialmente. O clima também está presente, o Sol forte, as nuvens, as chuvas, etc., enfim, todos os elementos e fatores climáticos globais e locais. Contudo, este espaço não pode ser definido como um lugar, pois ele não está ocupado, não está habitado pelo homem. O clima e os elementos daquele espaço estão interagindo, porém ele não é um lugar, mas sim apenas um espaço. No momento em que o homem nele é inserido, esta paisagem é transformada em um Lugar. A simples presença do homem modifica e qualifica-a.

Uma vez que o lugar é o espaço dotado de valor pelo homem, e este está contemplado naquele, em presença física e/ou simbólica, propomos como estrutura para o lugar a intersecção de três mundos, ou atributos: os espaciais, os ambientais e os humanos. Transitando nas esferas bioclimática e humana está o elemento tempo. Sejam alguns deles:

Somente com a interrelação dessas três (3) esferas, um espaço torna-se um lugar. Sem os atributos humanos, o espaço não é um lugar, mas apenas um local onde todos os atributos espaciais e os ambientais agem, porém sem a interação humana, sem os valores humanos.

Os atributos espaciais se referem às questões relativas ao espaço tridimensional, em termos de morfologia. A forma, as áreas, o volume, os planos constituintes e a proporção entre as suas dimensões, os elementos que dele fazem parte, as relações de configuração espacial que se fazem presentes e as características físicas dos planos e dos elementos do espaço quanto à cor e à textura.

Os ambientais dizem respeito às características climáticas do espaço. A latitude, longitude e a altitude onde se localiza a região, a quantidade e a qualidade da luz natural, a caracterização do céu, a orientação solar, a incidência eólica, a temperatura do ar, a umidade do ar, as precipitações, os odores naturais, os sons naturais e etc.

Por último, os atributos humanos são a interação do homem neste universo espacial, influenciando, modificando e concedendo valores aos atributos espaciais e os ambientais. Presente fisicamente ou simbolicamente, tem-se uma relação de escala entre o homem e o espaço que o circunda. À medida que se movimenta, seu corpo explora o ambiente espacial, o usufrui para as suas atividades e estabelece uma comunicação perceptiva. Concede valores e significados, apropria-se do espaço e o guarda em sua memória.

O elemento tempo exerce influência sobre os atributos ambientais e os humanos. Por exemplo, ao longo do dia o ambiente visual de um espaço se modifica em razão da variação da luz; o movimento do corpo e a percepção cinestésica são regidos também em função do espaço disponível e percorrido (física, visual, acusticamente, e etc) e do tempo necessário para a execução destas tarefas; e etc.

Quanto à essência (sentido originário) do lugar, Norberg-Schulz (49) informa-nos que os gregos entendiam que cada lugar possuía a sua identidade, o seu stabilitas loci.

Com a inauguração da fenomenologia por Husserl, este a chama de eidos, que é aquilo “que se encontra no ser autárquico de um indivíduo constituindo o que ele é” (50), ou seja, seria a idéia fundamental deste ser. Esta definição é reforçada pela etimologia do cognato, cuja origem provém do latim: “essentĭa, a natureza de qualquer coisa” (51). Ser a natureza de algo significa o que de mais puro possamos obter deste ser.

“Imaginamos a essência como uma espécie de estrutura inata dos seres, elemento indecomponível e incorruptível, substância plena impermeável às vicissitudes da experiência. Para sabê-la, precisaríamos despi-la dos acidentes que a existência lhe conferiu: estes véus que a encobrem, os adereços, as relações supérfluas, todas essas coisas que lhe retiram a leveza de uma idéia sem mácula. Conseguimos isso procedendo a combinações, subtrações, acréscimos, fazendo variar tudo aquilo que aparentemente lhe pertence, para descobrirmos o que não é mais aparência, mas, essência: um invariante” (52).

Falar da essência não significa devotar-se a uma “compreensão mística” que permitiria a somente alguns iniciados ver o que outros não vêem, mas, ao contrário, ressaltar que o sentido de um fenômeno lhe é imanente e, portanto, que existe sempre nele e lhe é inseparável.

Cada objeto que percebemos tem uma essência: árvore, mesa, casa, etc., e também as qualidades que atribuímos a estes objetos: verde, rugoso, confortável, etc. Mas a essência não é a coisa ou a qualidade e, no caso da Arquitetura, a tipologia arquitetônica; ela é o ser da coisa ou da qualidade. Dartigues (53) exemplifica-nos que se tomarmos a IX Sinfonia de Beethoven, a sua essência persistiria mesmo se todas as partituras, orquestras e ouvintes desaparecessem para sempre. Ela persistiria, não como uma realidade, como um fato, mas como pura possibilidade. É essa pura possibilidade que me permite nomeá-la e distingui-la de imediato de toda outra sinfonia.

“A intuição da essência se distingue da percepção do fato: ela é a visão do sentido ideal que atribuímos ao fato materialmente percebido e que nos permite identificá-lo. [...]

Se a essência permite identificar um fenômeno, é porque ela é sempre idêntica a si própria, não importando as circunstâncias contingentes de sua realização. [...] Esta identidade da essência consigo própria, portanto esta impossibilidade de ser outra coisa que o que é, se traduz por seu caráter de necessidade que se opõe à ‘facticidade’, isto é, ao caráter de fato, aleatório, de sua manifestação” (54).

Assim como ao riscar sem o auxílio do compasso um menino dirá que a forma ligeiramente oval em seu caderno é um círculo, por muitos que sejam os desenhos de triângulos sobre os quadros-negros de todas as escolas do mundo, é sempre do triângulo que se trata, podemos dizer que, por numerosos que sejam os tempos e os espaços em que se fala do lugar, é pela impossibilidade de ser outra coisa, que é deste lugar que se refere, e a sua essência nos permite identificá-lo, nomeá-lo e distingui-lo de imediato de todo e qualquer outro lugar.

notas

1
O presente trabalho foi registrado na Biblioteca Nacional conforme a referência a seguir: REIS-ALVES, Luiz Augusto dos. O conceito de lugar. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, 2004. il., 10 p. Mimeografado. ISBN 332544., e faz parte do seguinte trabalho: REIS-ALVES, Luiz Augusto dos. O pátio interno escolar como lugar simbólico. Um estudo sobre a interrelação de variáveis subjetivas e objetivas do confoto ambiental. Tese de doutorado. Rio de Janeiro, FAU-UFRJ, 2006.

2
ZEVI, Bruno. Saber ver a arquitetura. Tradução: Maria Isabel Gaspar e Gaëtan Martins de Oliveira. 5ª edição. São Paulo, Martins Fontes, 1996.

3
COELHO NETTO, José Teixeira. A construção do sentido na arquitetura. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, (edição original s/d.) 1999. 178 p.

4
OLIVEIRA, Beatriz Santos de. O que é arquitetura? In: DEL RIO, Vicente; DUARTE, Cristiane Rose; RHEINGANTZ, Paulo Afonso (Org.). Projeto do lugar: colaboração entre psicologia, arquitetura e urbanismo. Rio Janeiro, Contra Capa/PROARQ, 2002, p. 135.

5
Idem, ibidem, p. 141.

6
CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. 12ª edição. São Paulo, Ática, 2002.

7
CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário etimológico nova fronteira da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1982.

8
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Mini-Aurélio século XXI escolar: O minidicionário da língua portuguesa. 4ª edição. Coordenação: Margarida dos Anjos e Marina Baird Ferreira. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2001.

9
CUNHA, Antônio Geraldo da. Op. cit., p. 320.

10
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Op. cit., p. 433.

11
Idem, ibidem.

12
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Op. cit., p. 359.

13
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Op. cit., p. 601.

14
TUAN, Yi-fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Tradução: Lívia de Oliveira. São Paulo: Difel, 1983.

15
Idem, ibidem, p. 151.

16
Idem, ibidem, p. 83.

17
Idem, ibidem, p. 4.

18
ZEVI, Bruno. Op. cit., p. 22.

19
TUAN, Yi-fu. Op. cit.

20
AUGÉ, Marc. Não-lugares. Introdução a uma antropologia da supermodernidade. 3. ed., Coleção Travessia do século. Campinas, Papirus, 1994, p. 73.

21
Idem, ibidem.

22
Idem, ibidem, p. 95.

23
CERTEAU, Michel de. L’ invention du quotidien. Paris, Gallimard, 1990.

24
TUAN, Yi-fu. Op. cit.

25
Genius loci
é um conceito romano, do latim, que significa Espírito do lugar. Segundo os gregos cada ser “independente” tinha o seu genius, o seu espírito-guardião, que dava vida às pessoas e aos lugares, os acompanhava desde o nascimento até a morte e determinava as suas características e essência. (Paulys Realencyclopedie der Classischen Altertumswissenschaft, s/d. Apud. NORBERG-SCHULZ, Christian. Genius loci. Op. cit.)

26
TUAN, Yi-fu. Op. cit.

27
“Etimologicamente, imaginação está ligada a imago, representação, imitação, a imitor, imitar, reproduzir”. Imago mundi seria a reprodução do ato primordial da criação (ou ordenamento) do Cosmos, originariamente feita pelos deuses, e agora pelos homens. Cf. ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo, Martins Fontes, 1992, p. 16.

28
ELIADE, Mircea. Op. cit.

29
NORBERG-SCHULZ, Christian. Op. cit., p. 6.

30
HEIDEGGER, Martin. “Language”. In: Poetry, language, thought. 1971, p. 97-99. Apud NORBERG-SCHULZ, Christian. Op. cit., p. 10.

31
HEIDEGGER, Martin. Op. cit., 149. Apud NORBERG-SCHULZ, Christian. Op. cit., p. 10.

32
NORBERG-SCHULZ, Christian. Op. cit., p. 5.

33
Idem.

34
HEIDEGGER, Martin. Op. cit., 97-99. Apud NORBERG-SCHULZ, Christian. Op. cit., p. 10.

35
NORBERG-SCHULZ, Christian. Op. cit., p. 19.

36
Idem.

37
Idem.

38
Idem.

39
Idem.

40
Idem, p. 42.

41
Idem, p. 45.

42
Idem.

43
Idem, p. 6, grifo nosso.

44
CUNHA, Antônio Geraldo da. Op. cit., p. 320.

45
Idem, ibidem, p. 482.

46
BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Coleção tópicos. São Paulo, Martins Fontes, 1993, p. 24-26.

47
Idem, ibidem, p. 21.

48
CERTEAU, Michel de. L’ invention du quotidien. 1990. Apud AUGÉ, Marc. Op. cit.

49
NORBERG-SCHULZ, Christian. Op. cit.

50
HUSSERL, Edmund. Ideas relatives a una fenomenologia pura y una filosofia fenomenológica. 1986, p. 20. Apud OLIVEIRA, Beatriz Santos de. Op. cit., p. 4.

51
CUNHA, Antônio Geraldo da. Op. cit.

52
OLIVEIRA, Beatriz Santos de. Op. cit., p. 10.

53
DARTIGUES, André. O que é a fenomenologia?. Tradução Maria José J.G. de Almeida. Rio de Janeiro, Eldorado Tijuca, 1973.

54
Idem, p. 22-23.

sobre o autor

Luiz Augusto dos Reis-Alves é arquiteto e urbanista, Mestre e Doutor em Arquitetura nas áreas de Conforto Ambiental e Teoria e Projeto (PROARQ/FAU/UFRJ). Estágio de doutorado/sanduíche na ENSAT (Ecole Nationale Supérieure d’Architecture de Toulouse – França). Professor substituto da UFRJ/FAU/DARF e professor da Universidade Gama Filho.

comments

087.10
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

087

087.00

Olho sobre o Bexiga

Marcelo Ferraz

087.01

O princípio do urbanismo na Argentina

Parte 1 – O aporte francês

Ramón Gutiérrez

087.02

A Caraíba de Joaquim Guedes

A trajetória de uma cidade no sertão

Ana Carolina de Souza Bierrenbach

087.03

Inflação patrimonial: o complexo de Noé da contemporaneidade e as ilusões de eternidade

Andrea Zerbetto

087.04

Antonio Bonet e a arquitetura do cone sul: o exemplo de Punta Ballena

Luís Henrique Haas Luccas

087.05

O estudo da forma urbana no Brasil

Stael de Alvarenga Pereira Costa

087.06

A ampliação da Biblioteca de Estocolmo

Discussões sobre dois arquivos

Igor Guatelli

087.07

Influência francesa no patrimônio cultural e construção da identidade brasileira: o caso de Pelotas

Glenda Dimuro Peter

087.08

O projeto para o Plano-piloto e o pensamento de Lúcio Costa

Francisco Lauande

087.09

Capacidade de reciclagem

Fredy Massad and Alicia Guerrero Yeste

087.11

Os azulejos de Portinari como elementos visuais da arquitetura modernista no Brasil

Rafael Alves Pinto Junior

newspaper


© 2000–2014 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided