Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

jornal

agenda cultural

Mostra em parceria com a UQ! Editions traz ao público 60 relevos realizados pelo poeta e artista

"As coisas na vida acontecem por acaso. Eu embarco nelas ou não", escreveu certa vez o poeta Ferreira Gullar. Os relevos, nascidos do acaso, habitavam um universo particular do artista. A beleza e o colorido das obras que criou encantam o olhar: há um surpreendente contorcionismo de verso e reverso que emerge das formas. São esses os trabalhos que o público poderá conferir em Relevos, exposição organizada pela Dan Galeria em parceria com a UQ! Editions, entre 9 de junho e 14 de julho.

A mostra dá continuidade ao lançamento de A Revelação do Avesso, livro de arte de edição limitada lançado em 2014, no mesmo espaço. A obra trazia 60 relevos, de três exemplares cada, reproduzidos em aço e acompanhados de um livro com poemas do próprio Gullar. A edição esgotou-se rapidamente. O autor do Manifesto Neoconcreto (1959), que lançou as obras de Lygia Clark e Helio Oiticica, estava aos 84 anos de idade, na plenitude do viço e do frescor criativo. Agora os originais em papel destes 60 relevos, nunca mostrados antes, são apresentados pela primeira vez.

As colagens em relevo de Gullar nasceram, de fato, do acaso. Segundo o próprio autor, ele já os fazia há tempos. Divertia-se em meio ao processo de escolhas de cores e surpreendia-se com as formas inesperadas que surgiam enquanto recortava o papel. Em determinado dia, colocou os recortes sobre um desenho para em seguida colá-los. A cena foi interrompida por seu gato, que estapeou abruptamente as folhas de papel, desarrumando os recortes. "Colei-os tal como estavam: disso resultou que o desenho era a ordem e os recortes coloridos, a desordem", escreveu no texto de A Revelação do Avesso.

Poeta e crítico, Gullar nunca deixou de ser artista - à sua maneira, como ele explica no mesmo texto: "Me convenceram, alegando que não importava se eu sou ou não artista plástico; importava é que as colagens em relevo eram bonitas e originais. Tomei-me de entusiasmo e continuei a produzir estas colagens em relevo, que me divertem muito. Se são arte ou não, pouco importa, já que não me pretendo artista mesmo".

Lançada pela UQ!, editora de Leonel Kaz e Lucia Bertazzo, a edição, hoje, é considerada uma raridade entre colecionadores e entusiastas da arte. "Gullar era ético, estético, poético... e muito divertido. Não economizava nada, nem em integridade, nem em gestos ou palavras com que a expressamos. Ele dizia que 'a vida não basta', por isso precisava ser reinventada a cada dia. Dizia também que a criação vinha de um espanto. E do entusiasmo que colocava em tudo. Estes relevos, nascidos do entusiasmo e do acaso, são aqui apresentados como o que são: marcas significativas para a história da arte brasileira", pontua o editor.

Sobre o artista

Ferreira Gullar é o pseudônimo de José Ribamar Ferreira, poeta, dramaturgo, tradutor e crítico de artes plásticas nascido em 1930, em São Luís, Maranhão. Foi um dos grandes nomes da fase inicial do movimento concretista, tendo participado da 1ª Exposição Nacional de Arte Concreta, realizada no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), em 1956.

No ano seguinte, rompe com os concretistas e, em 1959, redige o Manifesto Neoconcreto, defendendo a experimentação nas artes e destacando o papel da intuição em sua criação, em contraponto ao racionalismo acentuado do grupo concreto de São Paulo. Ao novo movimento, juntam-se figuras como Hélio Oiticica, Lygia Clark e Franz Weissmann.

Um dos mais notáveis poetas brasileiros, seu livro Poema Sujo (1976) é elencado por muitos críticos como sua obra prima. Escreveu ainda Barulhos (1987) e Muitas Vozes (1999), entre dezenas de outros títulos.

Foi também crítico de arte e publicou inúmeros livros como Argumentação contra a Morte da Arte (1982), Sobre Arte (1983) e Etapas da Arte Contemporânea: Do Cubismo à Arte Neoconcreta (1998). Gullar nos deixou em 2016.

Sem título, 2014, Ferreira Gullar

Sem título, 2014, Ferreira Gullar

Obras inéditas de Ferreira Gullar são apresentadas em exposição na Dan Galeria

acontece
de 11/06/2018
a 14/07/2018

abertura
9 de junho, das 10h às 14h

local
Dan Galeria
Rua Estados Unidos 1638 – Jardim Europa
São Paulo SP Brasil
de segunda a sexta, das 10h às 18h; sábado, das 10h às 13h
+55 11 3083.4600

fonte
A4&Holofote
São Paulo SP

compartilhe


© 2000–2018 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada