Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

newspaper

news

Em resposta à proposição de Alejandro Aravena, diretor da 15ª Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza – Reporting from the front, o curador escolhido pela Fundação Bienal de São Paulo Washington Fajardo apresentará a mostra “Juntos”. O projeto para o Pavilhão do Brasil busca evidenciar histórias de pessoas que lutam e alcançam mudanças na passividade institucional das grandes cidades do País, conquistando arquitetura em processos lentos cujo vagar não é problema, mas um apontamento de soluções ao esfacelamento político do planejamento do território. De acordo com o curador, “a mostra é uma composição dessas trajetórias e parcerias, do processo do encontro do ativista, do lutador, com o arquiteto e com a arquitetura, tornando-se imanados pela elaboração do novo espaço”.

Segundo Luis Terepins, presidente da Fundação Bienal de São Paulo, o projeto da participação brasileira desenhado por Fajardo vai ao encontro do tema geral do evento internacional. “Ao estabelecer o diálogo entre a arquitetura brasileira e as discussões contemporâneas de cunho internacional, a Bienal alinha-se com sua missão central de difusão da cultura do país em contexto global”, afirma Terepins.

Cultura negra, população negra, centralidades históricas, acesso à cultura através da arquitetura, de conteúdos de design, são os relatos do pavilhão brasileiro, na busca pelo entendimento do que seria estarmos "juntos", conforme destaca, ainda, Fajardo. A exposição reúne processos e seus estados da arte, que podem estar concluídos, em projeto, por fazer ou inacabados. São processos que falam de arquitetura, urbanismo, patrimônio cultural, publicações, ativismo e tecnologia social. Por isso vídeos, fotos, cartas, artigos, poesias, textos, fatos, desenhos e dados também fazem parte da mostra, “compondo um memorial para estas vidas imbricadas na melhoria do ambiente construído, nas suas comunidades, no resgate de um modo de ser e saber”. Para realizar “Juntos”, o curador brasileiro selecionou os projetos abaixo. Seus respectivos autores e envolvidos também estão indicados.

Projetos brasileiros participantes da Bienal de Veneza

Vila Flores, Goma Oficina, Porto Alegre / Associação Cultural Vila Flores
Foto Lauro Rocha

Selo de Qualidade MCMV, Nanda Eskes (Atelier 77), Parauapebas, Pará (Projeto Piloto) / Letícia Monte, Instituto Casa (Convergência de Arte Sociedade e Arquitetura)
Imagem divulgação

Parque + Instituto Sitiê, Pedro Henrique de Cristo e Caroline Shannon de Cristo (+D Studio), Rio de Janeiro / Mauro Quintanilha, Paulo César de Almeida e Comunidade do Vidigal
Foto divulgação

Parque de Madureira, Ruy Rezende, Rio de Janeiro / Mauro Bonelli e Tia Surica
Foto divulgação

Casa do Jongo, Pedro Évora e Pedro Rivera (Rua Arquitetos), Rio de Janeiro / Dyonne Boy e Tia Maria (Ong Jongo da Serrinha)
Foto Pedro Évora

Circuito da Herança Africana, Sara Zewde, Instituto Rio Patrimônio da Humanidade, Rio de Janeiro / (Merced Guimarães, IPN, Damião Braga, Quilombo da Pedra do Sal, Pequena África, Tia Ciata, Giovanni Harvey, Grupo de Trabalho Curatorial do Projeto Urbaníst
Imagem divulgação

Circo Crescer e Viver, Rodrigo Azevedo (AAA_Azevedo Agência de Arquitetura) e Maxime Baron, Rio de Janeiro / Junior Perim e Vinicius Daumas
Imagem divulgação

Escola Vidigal, Brenda Bello e Basil Walter (BWArchitects), Rio de Janeiro / Vik Muniz
Imagem divulgação

Escola Novo Mangue, Bruno Lima, Francisco Rocha, Lula Marcondes, (O Norte -Oficina de Criação), Recife / Comunidade do Coque
Foto Chico Rocha

Casa da Vila Matilde, Danilo Terra, Pedro Tuma, Fernanda Sakano (Terra e Tuma Arquitetos Associados), São Paulo / Dona Dalva Borges Ramos
Foto Pedro Kok

Placas de Rua da Maré, Laura Taves, Azulejaria, Rio de Janeiro / ONG Redes de Desenvolvimento da Maré (parceria)
Foto divulgação

Ciclo Rotas do Centro, Clarisse Linke (Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento - ITDP Brasil), Zé Lobo (Transporte Ativo), Pedro Rivera (Studio-X), Rio de Janeiro / Usuário de bicicleta
Foto Stefano Aguiar

Programa Vivenda, Fernando Amiky Assad, Igiano Lima de Souza, Marcelo Zarzuela Coelho, São Paulo / Comunidade Jardim Ibirapuera
Foto divulgação

Complexo Jardim Edite, Fernando de Mello Franco, Marta Moreira e Milton Braga (MMBB); Eduardo Ferroni e Pablo Hereñú (H+F), São Paulo / Miguel Bucalem, Elton Zacarias, Ricardo Pereira Leite, Elisabeth França, Luiz Fernando Fachini (Administração pública)
Foto Nelson Kon

Piseagrama, Fernanda Regaldo, Renata Marquez, Roberto Andrés e Wellington Cançado (editores); Felipe Carnevalli e Vitor Lagoeiro (editores assistentes); Paula Lobato (estagiária), Belo Horizonte / Comunidade e Colaboradores
Imagem divulgação

Sobre Washington Fajardo

Fajardo é presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade e do Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural e também assessor especial do Prefeito Eduardo Paes para assuntos urbanos. Em toda sua carreira profissional, trabalhou com projetos vinculados às questões urbanas e desde 2009 está na Prefeitura do Rio de Janeiro, primeiro como subsecretário de Patrimônio Cultural, Intervenção Urbana, Arquitetura e Design e, a partir de 2012, como presidente do IRPH. O órgão municipal é responsável por cuidar dos aspectos culturais, históricos e urbanos do patrimônio da cidade, eleita pela Unesco em 2012 como Patrimônio Mundial, na categoria Paisagem Cultural Urbana. Como pesquisador do Programa de Pós-graduação em Urbanismo (Prourb) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Fajardo estudou projetos urbanos e estruturantes do espaço físico das principais regiões portuárias de todo o mundo. Fez parte da equipe vencedora do Concurso Nacional para a revitalização do Mercado do Ver-o-Peso, em Belém do Pará, em 1999, e também foi o primeiro colocado no concurso para o projeto de reconversão do Gasômetro, na Região Portuária do Rio de Janeiro, no ano 2000. Fajardo é ainda o autor da concepção arquitetônica das Arenas Cariocas – programa da Prefeitura do Rio que leva cultura e entretenimento para regiões periféricas da cidade – e da revitalização do “Novo" Imperator – Centro Cultural João Nogueira, no Méier.

À frente do patrimônio municipal, Fajardo foi o autor do mecanismo que dedicou 3% do valor das CEPACs (Certificados de Potencial Adicional de Construção) da operação urbana Porto Maravilha para a recuperação do patrimônio cultural da região portuária. Também criou o edital Pro-APAC (Áreas de Proteção do Ambiente Cultural) de fomento direto de restauração de imóveis privados, que ganhou o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), em 2014. Fajardo também criou o Centro Carioca de Design e o edital Pro-Design. Localizado na Praça Tiradentes e inaugurado em 2010, o espaço é um núcleo de discussão, exibição e de pensamento sobre o campo do design enquanto manifestação cultural e conta com galerias de exposições e espaços integrados e multiuso para conferências, reuniões, oficinas, exposições e atividades diversas. Outra iniciativa de Fajardo para este espaço foi trazer para o Centro um braço do Studio-X da Universidade de Columbia (USA), um laboratório dedicado a investigações sobre a condição urbana contemporânea.

Na Praça Tiradentes, no Centro do Rio, foi responsável pela requalificação da praça, com a retirada das grades, concluindo o programa Monumenta / BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) previsto para a área, que se converte hoje em um vigoroso cluster urbano dedicado ao design, reabilitando a centralidade histórica do lugar.

Sobre a 15a Mostra Internacional de Arquitetura – Bienal de Veneza em 2016

Com o tema Reporting from the front, o diretor da 15ª edição do grande evento, o arquiteto chileno Alejandro Aravena, prevê trabalhos que contribuam para o bem comum e melhoria de vida das pessoas. Conhecido por seus projetos de habitação social e intervenções em zonas de desastre ambiental, Aravena declarou que “há inúmeras batalhas que precisam ser vencidas e diversas fronteiras que precisam ser expandidas, com o objetivo de melhorar a qualidade do ambiente construído e consequentemente a qualidade de vida das pessoas”.

Sobre a Fundação Bienal de São Paulo

A Fundação Bienal de São Paulo é uma instituição privada sem fins lucrativos de caráter educacional e cultural sem vínculos político-partidários ou religiosos. Sua missão é apresentar e debater a arte contemporânea através da realização da Bienal de São Paulo e outras ações como a organização da participação oficial nas bienais de arte arquitetura de Veneza, realizadas em colaboração com o Ministério das Relações Exteriores e o Ministério da Cultura.

Participação brasileira na Bienal de Veneza

Comissário: Luis Terepins, Presidente da Fundação Bienal de São Paulo

Curador: Washington Fajardo

Título da Exposição: JUNTOS

Local: Pavilhão do Brasil

Endereço: Giardini Castello, Padiglione Brasile, 30122 Veneza, Itália

Data: 28 de maio a 27 de novembro de 2016

Projetos brasileiros da Bienal de Veneza 2016

source
Pool de Comunicação – Martim Pelisson
São Paulo SP Brasil

share


© 2000–2018 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided