Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

newspaper

selections

O projeto tem o intuito de gerar uma série de pesquisas e reflexões sobre iniciativas autônomas, coletivas ou autogeridas de médio e pequeno porte; os trabalhos inscritos não precisam ser focados exclusivamente em práticas artísticas específicas.

Transformar a Casa do Povo em um laboratório em escala real e refletir sobre práticas autônomas, coletivas e autogeridas existentes é a ideia do Laboratório de Estruturas Flexíveis, contemplado pelo Rumos Itaú Cultural 2015-2016 – um dos principais programas de fomento à cultura do país. Como parte do projeto, a Casa do Povo lança uma chamada aberta no dia 2 de maio a coletivos, grupos de estudos, movimentos, companhias, conselhos, associações ou outra forma de agenciamento coletivo, autônomo e/ou autogerido.

As propostas serão recebidas até o dia 4 de junho, via e-mail, e duas delas selecionadas e divulgadas até 3 de julho. O período de desenvolvimento de cada uma é de 60 a 90 dias e a iniciativa selecionada compartilhará o espaço com os demais coletivos e atividades do local. Esta chamada é voltada para as que visam aprimorar o desenvolvimento das suas ferramentas de gestão, a partir de uma auto-reflexão sobre as suas práticas vigentes.

Construída logo após a Segunda Guerra Mundial pela comunidade judaica progressista do bairro do Bom Retiro (SP), para funcionar como um monumento vivo, a Casa do Povo já é conhecida por apoiar o pensamento crítico, incentivando práticas artísticas focadas no processo e na experimentação, por meio de uma gestão coletiva. 

Sobre o projeto

Com grupos de estudo, aberturas públicas, oficinas, conversas, residências de pesquisa e produção de textos, o projeto Laboratório para estruturas flexíveis propõe um espaço teórico e prático de reflexão coletiva para que iniciativas autônomas, coletivas e/ou autogeridas possam compartilhar ferramentas de trabalho ou criar novas ferramentas em comum. Tendo como base a ideia de que muitas instituições não são mais capazes de dar conta das mudanças do contexto contemporâneo, o projeto pretende ser uma plataforma para discutir outras formas de trabalhar.

Ele se divide em três momentos. O primeiro se organiza ao redor de um grupo de estudos, que conta com a gestores, artistas e acadêmicos, que se encontra quinzenalmente para discutir gestão, organizar programas públicos e participar da construção do projeto. O segundo passa pela realização da chamada aberta aqui descrita que resulta em duas residências. O terceiro momento consiste em um encontro, em outubro, com gestores, artistas e pesquisadores, para fomentar a troca de ferramentas de gestão.

Sobre a chamada

A chamada incentiva a transdisciplinaridade, ou seja, não é focada exclusivamente em práticas artísticas específicas, mas propõe o diálogo com outras áreas, como as científicas, urbanísticas, sociais, agrícolas. A proposta deve sugerir uma forma de utilizar o recurso oferecido (R$12 mil para cada proposta selecionada), e apontar uma linha de pesquisa a ser desenvolvida no período de duração do laboratório.

Não precisando estar restrita ao espaço da Casa do Povo, a proposta pode se desenvolver nos locais que forem mais pertinentes ao trabalho. O processo de cada uma das escolhidas será apresentado em aberturas públicas (cujos formatos poderão ser definidos conjuntamente) como parte da programação que integra o projeto ao longo do ano.

Embora a inscrição seja aberta a todo o território nacional, se o selecionado for de fora de São Paulo, os custos com passagens e hospedagem não são cobertos a mais pelo projeto (mas pode-se usar a verba da residência para esta finalidade). O júri é composto pela equipe da Casa do Povo e pelos membros do grupo de estudos em gestão, que foi criado no contexto do projeto.

Inscrição

Os coletivos interessados precisam enviar as informações abaixo, em um único e-mail, para info@casadopovo.org.br. Os resultados serão divulgados no Facebook e no site. Os selecionados receberão acompanhamento e apoio da equipe de produção da Casa do Povo no desenvolvimento da proposta, ajuda de três tutores com experiência nos assuntos tratados e garantia de uso de alguns espaços da Casa do Povo (a definir conjuntamente) durante o período da residência.

  • Currículo das atividades ou pesquisas realizadas no último ano;
  • Breve texto com até 200 palavras definindo, a partir de sua prática, o que entende por autogestão e até três imagens para ilustrar o texto;               
  • Proposta descrevendo a linha de pesquisa a ser adotada durante a residência e um plano de como será utilizado o recurso oferecido. As propostas podem ser desenvolvidas em formato livre, como por exemplo textos, ensaios fotográficos, vídeos, publicações. Os arquivos enviados devem ter até 10MB e podem ser enviados nos formatos .PDF, .MOV, ou .JPG;
  • Previsão orçamentária de utilização de R$ 12mil que contemple a realização da proposta;
  • Cronograma de trabalho;
  • E-mail e telefone de contato de um responsável pelo coletivo;

Chamada aberta para coletivos com propostas voltadas para iniciativas autônomas, coletivas e/ou autogeridas

inscription dates
from 02/05/2017
to 04/06/2017


Casa do Povo
Rua Três Rios, 252 - Bom Retiro
São Paulo SP

source
Carina Bordalo
São Paulo, SP

share


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided