Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930


abstracts

português
O artigo de Marco Antônio Galvão é fruto de sua ida à cerimônia de inauguração do restauro da Capela de Nossa Senhora das Mercês em Pilar de Goyaz, em que foi fotografando e coletando informações e imagens sobre a cidade

english
The article by Marco Antônio Galvão is the result of his trip to the inauguration ceremony of the restoration of the Chapel of Nossa Senhora das Mercês in Pilar de Goyaz. He got information and pictures about the city

español
El artículo de Marco Antônio Galvão es fruto de su asistencia a la ceremonia de inauguración de la restauración de la Capilla de Nuestra Señora de las Mercedes en Pilar de Goyaz, donde acumuló información e imágenes sobre la ciudad


how to quote

GALVÃO, Marco Antônio. Pilar de Goiás, do século XVIII ao XXI. Arquiteturismo, São Paulo, ano 02, n. 020.05, Vitruvius, out. 2008 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/02.020/1468>.


Recebendo um convite para inauguração da obra de restauro da Capela de Nossa Senhora das Mercês, em Pilar de Goyaz, resolvemos retornar ao “arraial” onde morou por alguns anos, Pedro Taques, autor da “Nobiliarquia Paulistana”.

De Brasília a Pilar um dos percursos cruza Pirenopolis e Jaraguá, ambas também com sua origem no século XVIII, quando os reflexos do ouro povoavam a mente bandeirante.

E, desde o século XIX é conhecido o adágio: “É vezo corrente apontarem-se as seguintes cousas notáveis de Goyaz – Torres de Luzia, Sinos de Pilar, Cadeia de Trahiras e Feitiço de Crixás.”

As Torres de Luzia já não existem mais na atual Luziânia, hoje entorno de Brasília demolida que foi em 1928, sua Igreja Matriz.

Trahiras
Desenho de William John Burchell, 1825

Da Cadeia de Trahiras, nas proximidades de Niquelandia, sobraram umas poucas ruínas e um magnífico desenho do botânico Willian John Burchell, datado de 1825.

Do Feitiço de Crixás, terrível briga entre dois feiticeiros, um de Crixás e outro de Pilar, nem é bom falar.

E assim, voltemos a Pilar e seus famosos sinos. Montados em elegante torre sineira, toda de aroeira, resistem aos séculos e a incúria dos homens.

Muita coisa foi destruída neste arraial que pouco a pouco vai se descaracterizando, apesar de protegido pelas leis do Patrimônio Histórico.

A lenda informa que na fundição destes sinos gastaram-se cem quilos de ouro. Por isto é um espanto ainda estarem em seu lugar. Mesmo que uma analise metalografica feita em 1988, em dois sinos de Pirenopolis, não tenha detectado nenhum percentual deste metal.

Foto histórica de Pilar de Goiás
Foto Elvin Dubugras

Mas, outras riquezas persistem em Pilar. Únicas. A Capela das Mercês, agora restaurada, a Matriz detentora de belíssima talha, a preciosa Casa de Câmara e Cadeia e três primorosas edificações residenciais.

Uma delas em enxaimel, técnica construtiva européia, comum no sul do Brasil, mas raríssima no centro-oeste, principalmente no século XVIII.

As outras duas, possuem belíssimas rotulas em todas as janelas que dão para a rua. Uma pertence ao Iphan e abriga pequeno Museu com curioso acervo. Entre as peças um jacá revestido de barro, utilizado para guarda de cereais. A taipa de sopapo aplicada em objeto de domestico uso.

A outra edificação, conhecida por casa de Dona Otilia, hoje pertence à Diocese. Perdeu o uso residencial, mas mantém suas treliças nas janelas e jabuticabeiras no quintal.

Hoje, o núcleo urbano não tem mais as características de um antigo arraial do ciclo do ouro e que haviam sido mantidas a relativamente pouco tempo. Este fato podem atestar as fotos da década de 60 do século passado, existentes na excelente tese do arquiteto Elvin Mackay Dubugras, aliás, descendente de Victor Dubugras.

Foto histórica de Pilar de Goiás
Foto Elvin Dubugras

Ao asfalto e ao progresso, sucumbiram o rústico calçamento de pedras e outros significativos edifícios.

Mas, o que restou vale a visita daqueles interessados na arquitetura e no modo de vida de nossos antepassados no sertão de Goyaz, século XVIII à dentro.

sobre o autor

Marco Antonio de Faria Galvão, natural de São Paulo/SP, formou-se em arquitetura pela Universidade de Brasília em 1972. Arquiteto aposentado do Iphan, atualmente exerce a função de Coordenador Técnico do “Programa Monumenta”, do Ministério da Cultura. Coordenou a elaboração dos “Dossiês” para Patrimônio Mundial de Goiás-GO e São Cristóvão-SE e dedica-se também a fotografia

Marco Antônio Galvão em Pila de Goiás
Foto divulgação


comments

020.05 Roteiro de viagem
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

020

020.01 Ensaio fotográfico

São Pedro do Atacama, Chile

José Carvalho Góes

020.02 Viagem literária

A visita de Bush a Fidel

Michel Gorski and Valdir Zwetsch

020.03 Entrevista

Arquitetura em sítios históricos

Francisco Fanucci

020.04 Viagem de estudo

Tempos e lugares de Roma

Claudia dos Reis e Cunha

020.06 Na estrada

Sudeste asiático: um desejo antigo

Lucia Maria Borges de Oliveira

020.07 Edifício histórico

Universidade de Évora

Junancy Wanderley

020.08 Editorial

O que fazer nas férias?

Abilio Guerra and Michel Gorski

020.09 Ministério do Arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte

Michel Gorski

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided