Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Fortim do Góes, Guarujá SP. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
Artigo que enfoca o conjunto do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos e visa sua conservação face às ameaças impostas pelas atuais condições urbanas fundamentado na historiografia e nos documentos patrimoniais

english
This article is focused on the Santuário do Bom Jesus de Matosinhos compound, aiming at its conservation in face of threats imposed by current urban conditions. The author is based on its history and some heritage documents

español
Artículo que enfoca el conjunto del Santuario de Bom Jesus de Matosinhos y apunta a la conservación frente a las amenazas impuestas por las actuales condiciones urbanas. La autora se fundamenta en la historiografía y documentos patrimoniales


how to quote

LORDELLO, Eliane. Pela conservação do patrimônio cultural de Congonhas do Campo. Arquiteturismo, São Paulo, ano 04, n. 042.02, Vitruvius, ago. 2010 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/04.042/3527>.


Em meados de junho de 2010, visitei Congonhas do Campo, após longa ausência dessa cidade mineira. O quadro consternador que encontrei ali, sobretudo no tocante ao patrimônio cultural da cidade, motiva este texto.  Surgida da mineração do ouro, no século XVIII, Congonhas apresenta visíveis bolsões de pobreza e nítida carência de planejamento urbano. Em toda parte, o município enseja a óbvia pergunta da destinação dos impostos das poderosas jazidas, mineradoras e demais empresas ali instaladas, boa parte delas altamente poluidoras. Mas os descaminhos de recursos públicos e demais mazelas antes relatadas, embora merecessem um texto detido a tais problemas, não são exclusivos dessa cidade mineira. Vários municípios brasileiros padecem dos mesmos infortúnios. Este texto, portanto, se restringirá unicamente a um importante distintivo de Congonhas, muito mal tratado na cidade: o título de Patrimônio Mundial do Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos.

O Santuário do Bom Jesus de Matosinhos é uma obra votiva, erguida em pagamento de uma promessa do português Feliciano Mendes, natural de Guimarães, arcebispado de Braga (1), que para a região acorrera em busca de ouro. Em penhor da cura de grave doença que o acometera, Mendes prometeu dedicar sua vida à construção de um templo consagrado ao Bom Jesus de Matosinhos. Sua inspiração, apontam alguns autores (2), seria o Santuário de Bom Jesus do Monte, localizado em Braga. Perpetuando no tempo a sua origem votiva, o santuário é até hoje um popularíssimo centro de peregrinação, sendo objeto do Jubileu. Grande romaria realizada no mês de setembro, o Jubileu reconstitui a Via Sacra, com sua multidão de fiéis em torno dos Passos da Paixão de Cristo.

Consistindo em um conjunto paisagístico, arquitetônico e escultórico (Figura 2), o Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos é formado pelas seguintes obras: a igreja; o adro, as esculturas dos doze profetas do Antigo Testamento, pousadas sobre os guarda-corpos do adro; e o conjunto de capelas que abrigam imagens dos Passos da Paixão de Cristo. As estátuas dos doze profetas e as imagens dos Passos são criações de Antônio Francisco Lisboa (3). Embora seja consabido que este artista é mais conhecido pela alcunha de Aleijadinho, aqui será sempre referido por seu nome próprio.

A construção da igreja foi iniciada em 1757 estendendo-se até 1765 (4), ocupando vários mestres e artistas. Sua capela-mor é um trabalho de Francisco de Lima Cerqueira, com talha de Antunes Costa, e foi concluída em 1773 (5). As pinturas do interior da Igreja ocuparam diferentes pintores. As do teto da capela-mor foram feitas por Bernardo Pires da Silva, entre 1773 e 1775; as do forro da nave principal foram pintadas por João Nepomuceno Correia e Castro, entre 1777 e 1784 (6).

A construção do adro e da escadaria estendeu-se de 1777 a 1796 (7), ocupando Tomás de Maia Brito entre 1781 e 1790 (8). Sobre os guarda-corpos que circundam o adro foram colocadas estátuas dos doze profetas do Antigo Testamento, criadas por Antônio Francisco Lisboa entre 1800 e 1805 (9). Selecionadas e dispostas segundo o cânone bíblico, as estátuas formam uma composição cênica emocionante. O porte e a sugestão de movimento de cada uma delas, e do conjunto como um todo, criam um efeito impactante contra o pano de fundo do firmamento, no alto do Monte Maranhão.

Esculpidas em blocos de pedra, as estátuas dos profetas trazem à mente um valor muito caro à história da arte, definido por Benjamin (10) como valor de eternidade. O filósofo alemão o formulou tendo por referência as esculturas da antiga Grécia. Na concepção de Benjamin, o estágio da técnica dos antigos gregos, em que as obras de arte eram irreprodutíveis, os obrigou a produzir valores eternos. Assim motivados, explica Benjamin, para os gregos a mais alta das artes era precisamente a menos perfectível de todas: a escultura, pois suas criações surgem de um único e irrecuperável bloco de pedra. As estátuas dos doze profetas podem não ter a excelência das antigas obras gregas, mas são únicas em sua magnitude e irrepetíveis em sua criação. Portanto, deveriam ser reconhecidas por seu valor de eternidade.

Além das estátuas dos profetas, Antônio Francisco Lisboa criou as sessenta e seis imagens dos Passos da Paixão de Cristo, entre 1796 e 1799 (11). As seis capelas que as abrigam foram construídas entre 1799 e 1875 (12). A primeira delas representa a Santa Ceia e foi concluída em 1808, sendo a única acabada durante a presença em Congonhas do artista, que faleceu em 1814. As imagens desse Passo foram encarnadas pelo pintor Manoel da Costa Ataíde. Um dos mais importantes artistas do Barroco Mineiro, Ataíde é autor de diversas obras sacras, entre elas, o painel da Adoração de Maria, que ilustra o teto da Igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto.

Estando seriamente adoentado na época da execução das estátuas e das imagens dos Passos, Antônio Francisco Lisboa nelas trabalhou persistentemente, com o cinzel e o martelo amarrados aos antebraços, posto que já lhe faltassem quase todos os dedos. Na tarefa de executá-las, o criador teve de ser auxiliado por costumeiros ajudantes. O gênio desse grande artista, reconhecido e exaltado já em seu tempo, vem encantando a muitas e diferentes sensibilidades ao longo da história. Para efeito de síntese, serão lembradas aqui apenas três célebres personalidades sensibilizadas pela obra do escultor.

A primeira delas é a do viajante e cientista francês Auguste de Saint-Hilaire, que em sua estada no Brasil, de 1816 a 1822, visitou Congonhas do Campo. Em seu relato sobre essa cidade, Saint-Hilaire ressalta a importância do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos: “Está visto que eu não deixaria Congonhas sem ir visitar a igreja do N. S. Bom Jesus de Matosinhos, que é, para esta região, como observa Luccock, o que é para a Itália a N. Sª. de Loreto”. Sobre as esculturas dos profetas, Saint-Hilaire, mostrando-se mais naturalista que conhecedor de arte, assevera: “Essas estátuas não são obras primas, sem dúvida; mas observa-se no modo como pelo qual foram esculpidas qualquer cousa de grandioso, o que prova no artista um talento natural muito pronunciado” (13).

A segunda personalidade é Manuel Bandeira (14), para quem Antônio Francisco Lisboa foi, “inegavelmente, o maior arquiteto e estatuário que já tivemos”. Bandeira vaticina que esse artista, se houvesse vivido na Europa, “teria dado motivo a toda uma biblioteca.” Sobre os profetas de Congonhas, “dão à encosta do santuário uma grandeza bíblica” (15), nas palavras de Bandeira.

Por fim, a terceira personalidade é o poeta modernista Oswald de Andrade, que ao Santuário do Bom Jesus de Matosinhos dedicou os seguintes versos, citados por Bandeira:

“No anfiteatro de montanhas
Os profetas de Aleijadinho
Monumentalizam a paisagemAs cúpulas brancas dos Passos
E os cocares revirados das palmeiras
São degraus da arte de meu país
Onde ninguém mais subiu

Bíblia de pedra-sabão
Banhada no ouro das minas” (16).

O Santuário é também exaltado nos guias turísticos, a exemplo do nacionalmente consagrado Guia Brasil quatro rodas (17), que o classifica como atração cinco estrelas, dedicando-lhe destaque especial, explicativo das razões de sua importância e atratividade. O guia australiano Lonely Planet (18), internacionalmente prestigiado, destaca os profetas e as capelas dos Passos, bem como o trabalho de Antônio Francisco Lisboa. Aos profetas, mais especificamente, o Lonely Planet destina uma bela passagem, que vale a citação direta: “As dramáticas estátuas quase parecem estar dançando um balé, e é uma experiência maravilhosa poder andar livremente entre elas” (19). O guia francês Le Guide Routard (20), que igualmente contempla o Santuário como atrativo, atribui ao trabalho de Antônio Francisco Lisboa a força maior do monumento.  Eis o que atestam as palavras do guia francês:

Há belas pinturas em exibição, mas a sua verdadeira veemência reside no trabalho do escultor, que ali dedicou as suas últimas forças, impulsionado por uma paixão perturbadora” (21).

Resultante de um alentado congraçamento de esforços, obra e paisagem, admirado e decantado, o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos foi devidamente reconhecido no âmbito patrimonial. O Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Sphan, atual Iphan) tombou o conjunto do Santuário em 1938. Endossando e concedendo relevância ainda maior ao reconhecimento dado pelo Sphan, a Unesco tombou o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos em 1985, como Bem Cultural. Sua inserção na Lista do Patrimônio Mundial se deu por dois dos seis critérios da Unesco, sendo ambos reproduzidos a seguir, para melhor compreensão da relevância do monumento.

“I. Representar uma obra-prima do gênio criativo humano.

IV. Ser um exemplo excepcional de um tipo de edifício ou de conjunto arquitetônico ou tecnológico, ou de paisagem que ilustre uma ou várias etapas significativas da história da humanidade” (22).

Em sua apresentação no site oficial da Lista da Unesco, o monumento é assim descrito:

“Consiste de uma igreja com um interior Rococó de inspiração italiana; uma escadaria externa decorada com estátuas de profetas; e sete capelas ilustrando as estações da Paixão de Cristo, nas quais as esculturas policromáticas de Aleijadinho são obras-primas de uma altamente original, comovente e expressiva forma da arte Barroca” (23).

Em tudo o que se acaba de ler, é flagrante a importância do monumento para a agência internacional; e deveria inspirar maior zelo em terras nacionais pela posteridade do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos. Desde o tombamento de 1938, porém, não se planejou o crescimento cidade de modo a preservar o conjunto sacro em sua dominância no vale. A aglomeração urbana o circunda de modo desordenado, comprometendo a sua percepção, como reconhece a própria Unesco (24).

Além disso, o local sofre historicamente com a poluição das mineradoras do entorno e problemas correlatos, registrados, já nos anos 1980, por Brant (25), que alertava sobre a ação de um “fungo que enferruja” a pedra-sabão. A situação atual é ainda mais preocupante, pois, além do contexto já descrito, o conjunto degrada-se a olhos vistos pela forte incidência da poluição das jazidas instaladas nas suas proximidades (Figura 3).

O que se constata no Santuário, portanto, é um total desrespeito à importância do monumento. Em seu adro, todas as estátuas dos doze profetas apresentam-se manchadas e perfuradas, efeitos sintomáticos da poluição do entorno. Exemplar dessa degradação é a estátua do profeta Jeremias, com sua cabeça totalmente perfurada, denotando os efeitos poluidores das jazidas e mineradoras do local (Figura 4).

Embora o conjunto do Santuário conte com bons guias credenciados, e vigilantes sejam vistos em seu entorno, o vandalismo tampouco é menor, e deixa suas marcas em várias estátuas, a exemplo do que se vê na cabeça do animal aos pés do profeta Jonas (Figura 5). A propósito também do vandalismo, atesta-o ainda um comovente pedido estampado em placa logo à entrada da igreja, pedindo aos visitantes que respeitem o espaço religioso, independente de terem ou não fé ou religiosidade. É de dar um nó na garganta pensar que em plena atualidade, com tanta informação acessível, por tantos meios de comunicação, ainda seja preciso fazer um pedido como esse. Mais triste ainda, é pensar que esse pedido vem em resposta a uma cabal falta de respeito e de consciência patrimonial por parte de muitos visitantes.

Se mais não basta a propósito da alarmante situação das estátuas do conjunto do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos na atualidade, vale lembrar que o título de Patrimônio Mundial não é eterno e imutável. Ao contrário, pode ser retirado pela Unesco, com base em motivos arrazoados, por exemplo, caso a manutenção do bem listado seja considerada inadequada ou ineficiente. É urgente, portanto, que as comunidades mineira, nacional e internacional se mobilizem pela preservação do conjunto do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em especial, pelas estátuas dos doze profetas, as obras mais ameaçadas.

Nascidas para a eternidade, conforme bem aponta matéria de 1974, da Revista Geográfica Universal, essas estátuas, “belas demais, têm aquela misteriosa propriedade – que caracteriza as grandes obras de arte – de subsistir no tempo” (26). Ao conservá-las condignamente, nós a ajudaremos a cumprir esse majestoso destino, pelo bem de toda a posteridade.

notas1
TIRAPELLI, Percival. Conhecendo os patrimônios da humanidade no Brasil. São Paulo: Metalivros, 2001.
2
Cf. BRANT, Chico. Congonhas do Campo: a cidade eterna dos profetas. In: Casa e jardim. Minas Colonial. São Paulo: Efecê Editora, 198?, p. 35-44.
3
Para o nome do artista, adota-se, neste artigo, a mesma grafia encontrada nas seguintes obras: UNESCO. Patrimônio mundial no Brasil. 3. ed. Brasília: UNESCO, 2004; BRANT. Chico. Congonhas do Campo: a cidade eterna dos profetas. In: CASA E JARDIM. Minas Colonial. São Paulo: Efecê Editora, 198?, p. 35-44. Registra-se, todavia, que Manoel Bandeira adota a grafia Antônio Francisco de Lisboa, em BANDEIRA, Manuel. Crônicas da província do Brasil. São Paulo: Cosac Naify, 2006.
4
UNESCO. Patrimônio mundial no Brasil. 3. ed. Brasília: Unesco, 2004.
5
BRANT. Chico. Op. cit., p. 35-44.
6
Idem, ibidem, p. 35-44.
7
UNESCO. Op. cit.
8
BRANT. Chico. Op. cit., p. 35-44.
9
UNESCO, 2004.

10
BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1985.

11
O dado é da Unesco (2004), mas Manuel Bandeira, citando a Relação Cronológica do Santuário do Senhor Bom Jesus, de autoria do padre Júlio Engrácia, faz constar que Antônio Francisco Lisboa nelas trabalhava desde 1791 (Cf. BANDEIRA, Manuel. Op. cit., p. 59).

12
UNESCO. Op. cit.

13
SAINT-HILAIRE, A. de. Viagem pelo Distrito dos Diamantes e litoral do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 2004, p. 92.

14
BANDEIRA, Manuel. Crônicas da província do Brasil. São Paulo: Cosac Naify, 2006, p. 50.

15
Idem, ibidem, p. 60.

16
BANDEIRA, M. 2006, p. 60.

17
NOGUEIRA, K. (Ed.). Guia Brasil Quatro Rodas. São Paulo: Abril, 2010.

18
ST LOUIS, R. (Org.). Lonely Planet Brazil. Victoria: Lonely Planet Publications, 2005.

19
Idem, ibidem, p. 240, tradução nossa. No original: “The dramatic statues almost seem to be perfoming a balletic dance and it´s a wondrous experience to be able to walk freely among them”.

20
BAIETTA, C. Le Guide Routard Brasile. Milano: Touring Editore, 2005.

21
Idem, ibidem, p. 229, tradução nossa. No original: “Vi sono esposti splendidi dipinti, ma il  suo vero punto di forza sta nel lavoro dello scultore, che vi dedicò le sue ultime forze animato da una passione dirompente”.

22
UNESCO, Op. cit., p. 290.

23
UNESCO. Sanctuary of Bom Jesus do [sic] Congonhas. Disponível em: <http://whc.unesco.org/en/list/334>. Acesso em: 27 jun. 2010. No original: “It consists of a church with a magnificent Rococo interior of Italian inspiration; an outdoor stairway decorated with statues of the prophets; and seven chapels illustrating the Stations of the Cross, in which the polychrome sculptures by Aleijadinho are masterpieces of a highly original, moving, expressive form of Baroque art”. [A propósito dessa citação, vale notar que o site se equivoca ao citar sete capelas, pois, na verdade, são seis.]

24
UNESCO, Op. cit.

25
BRANT, Chico. Op. cit., p. 44.

26
CARVALHO, B. de A. Congonhas: a luz eterna do Aleijadinho. Revista Geográfica Universal, Rio de Janeiro, v.1, n.1, p. 42-55, out. 1974.

imagens

Todas as imagens que ilustram o artigo são de autoria de Eliane Lordello e foram tiradas em junho de 2010.

sobre a autora

Eliane Lordello é Arquiteta e Urbanista (UFES, 1991), Mestre em Arquitetura (UFRJ, 2003) na área de Teoria e Projeto, Doutora em Desenvolvimento Urbano (UFPE, 2008), na área de Conservação Urbana (2008). Atua, sobretudo, nos seguintes campos: Memória e Patrimônio Urbanos; Representações Sociais de Arquitetura e Cidade; Poéticas Visuais de Arquitetura e Cidade.

comments

042.02 Arquiteturismo em questão
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

042

042.01 Viagem de estudo

O lugar, a cidade e os pálidos azuis: notas sobre Copenhague, Dinamarca

Cristina Meneguello

042.03 Na Estrada

Vila de Itatinga

Denise Fernandes Geribello

042.04 Ensayo fotográfico

La triple frontera

Fausto de Paula Eduardo

042.05 En la carretera

El santo mundo de Vishnou

Marcio Cotrim Cunha

042.06 Editorial

Para orgulho do Comendador Matinelli

Michel Gorski and Abilio Guerra

042.07 Ministério do Arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte...

Abilio Guerra

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided