Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

arquiteturismo ISSN 1982-9930

Piazza del Campo, Siena, Itália. Fotos Michel Gorski. Fotomontagem Victor Hugo Mori
mouseovermouseover

Ghost bike, memorial a Márcia Prado na Avenida Paulista
Foto Abilio Guerra

sinopses

português
A lendária bicicleta branca dos anarquistas hippies holandeses tem como sucessora a funebre "ghost bike" das ruas paulistanas.


como citar

GUERRA, Abilio. Da white bicycle à ghost bike. Andar de bicicleta em tempos de guerra urbana. Arquiteturismo, São Paulo, ano 05, n. 053.09, Vitruvius, jul. 2011 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/05.053/3985>.


Nos anos 1960, artistas anarquistas holandeses inventaram a white bicycles, de propriedade comum, que cada um usava quando precisava, deixando-a na rua para o próximo usuário. Esta bicicleta, que faz parte da mitologia libertária do século passado, ganhou uma versão brasileira que simboliza algo muito distinto. A bicicleta branca tupiniquim é um memorial que marca no território urbano os locais da morte trágica de ciclistas. É conhecida popularmente por “ghost bike”, com um humor negro talvez excessivo.

No dia 14 de janeiro de 2009, a ciclista Márcia Prado foi atropelada por um ônibus urbano. Ela percorria a faixa da direita da Avenida Paulista e, segundo depoimentos, não fez nenhum movimento brusco ou imprudente. Sua imprudência foi acreditar que é possível dividir civilizadamente o espaço urbano com outros veículos na metrópole paulistana.

A bicicleta branca estática no canteiro lateral da principal avenida da cidade é um memorial de uma vida que se foi prematuramente, mas também uma metáfora incômoda do lugar que cabe a este meio de transporte em nosso meio social. O uso da bicicleta como meio de transporte nos grandes centros urbanos é tão disseminado hoje que não se estranha quando um astro da música pop –caso de David Byrne – vem à Feira Literária Internacional de Paraty (Flip) falar sobre o tema.

Enquanto isso, nós plantamos nossas bicicletas nos canteiros, ao lado das flores. Alguma coisa precisa ser feita. Aos arquitetos e urbanistas cabe algum papel neste debate.

sobre o autor

Abilio Guerra é arquiteto, professor da FAU Mackenzie e editor do portal Vitruvius.

comentários

053.09 editorial
sinopses
como citar

idiomas

original: português

compartilhe

053

053.01 arte na arquitetura

Quando o arquiteto alemão encontrou o artista plástico brasileiro

Abilio Guerra

053.02 exposição

Berlinscapes

Tuca Vieira

053.03 visita arquitetônica

MAXXI – Museo Nazionale dele Arti del XXI Secolo

Haifa Yazigi Sabbag

053.04 viagem de estudo

Akko ou São João de Acre

Victor Hugo Mori

053.05 arquiteturismo em questão

Patrimônio histórico, turismo e registro fotográfico

José de Souza Martins

053.06 ensaio fotográfico

Los colores del Uruguay

Silvio Zamboni

053.07 ensaio fotográfico

Bicicletas: esculturas na cidade

Francisco Alves

053.08 fotonovela

O maravilhoso surge quando menos se espera!

Michel Gorski

053.10 quiz show

Quem sabe o nome do arquiteto e do artista?

Abilio Guerra

jornal


© 2000–2019 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada