Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930


abstracts

português
O workshop Walking Mattatoio realizou-se na Faculdade de Arquitetura de Universidade degli studi Roma 3, entre 17 e 20 de setembro de 2013, como atividade de extensão do Laboratório Arti Civici – LAC, junto com o professor Francesco Careri.


how to quote

PAESE, Celma. Walking Mattatoio. Workshop na Faculdade de Arquitetura de Universidade degli studi Roma 3. Arquiteturismo, São Paulo, ano 07, n. 083-084.01, Vitruvius, fev. 2014 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/07.083-084/5054>.


O workshop Walking Mattatoio realizou-se na Faculdade de Arquitetura de Universidade degli studi Roma 3, entre 17 e 20 de setembro de 2013, como atividade de extensão do Laboratório Arti Civici – LAC, junto com o professor Francesco Careri, diretor do laboratório. O LAC é um laboratório de extensão e pós-graduação filiado à Faculdade de Arquitetura de Roma 3 que tem como objetivo estudar, em conjunto com grupos sociais e comunidades locais, uma visão coletiva e compartilhada do espaço urbano – este é o significado de “Arte Civica”. A atividade do workshop faz parte da minha pesquisa de doutorado – Contramapas de inclusão social, hospitalidade e acolhimento – que desenvolvo no Propar UFRGS junto com o meu orientador, professor Fernando Fuão (1).

Além de sua sede no bairro de Monti, a Faculdade de Arquitetura ocupa com seus ateliês alguns dos prédios do antigo Mattatoio de Testaccio, no bairro Pirâmide, em Roma.

Cartaz de chamada do Walking Mattatoio
Imagem divulgação

O objetivo deste workshop no Mattatoio foi apropriação espacial dos locais abandonados e sem uso oficial do complexo através da deriva, método utilizado em meu workshop e pelo LAC, para o mapeamento dos níveis e formas de acolhimento do local através de cartografias influenciais que formarão os Contramapas de hospitalidade e acolhimento do Mattatoio.

Os Contramapas se propõem a rever as fronteiras entre a utopia e a mudança. Estudo que envolve uma tradução do concreto ao abstrato e novamente ao concreto, ao buscar pontos de encontro ou terrenos comuns entre diferentes linguagens e realidades espaciais e culturais e sociais. Os Contramapas nos colocam diante de questões como pensar o direito universal à expansão do sujeito, à expansão da vida em comunidade, à expansão da esperança.

Contramapas criados no workshop já estão sendo utilizados neste momento no exercício de projeto proposto aos alunos do LAC: adequação, revitalização e restauração dos espaços e arquiteturas não oficialmente ocupados ou abandonados na área do Mattatoio.

Caminhando de Lygia Clark
Foto divulgação

A primeira atividade foi a minha reinterpretação da atividade Caminhando de Ligia Clark com a finalidade de inserir os participantes no processo criativo das próximas etapas.  Esta atividade foca na descoberta e preservação da identidade pessoal e autoestima através do resgate de experiências da vida, onde os participantes revivem as suas experiências de forma alegre e projetam o futuro de suas vidas.

A segunda parte da oficina chama-se Contramapas de Caminhando. Contraponto da cartografia interior da primeira parte as cartografias influenciais do Mattatoio partem do princípio que para cada olhar existe um espaço a ser descoberto, como na experiência proposta pela frase de Marx: “Os homens não veem nada em torno de si que não seja o próprio rosto, tudo lhes fala dele mesmo. Até a paisagem é algo vivo” (2)

Tendo como base a cartografia “oficial” do espaço de deriva, os participantes podem se utilizar das mais diversas técnicas de registro – como filmagem, fotografia, desenho e pintura para criar sua cartografia.

Como já foi dito, as cartografias influenciais da deriva compõem o Contramapa do participante que é apresentado ao grupo. No caso do Mattatoio criamos um mapa coletivo, que se chama Mappatoio, onde todos interferiram de alguma maneira. A exposição dos trabalhos foi montada pelos alunos e corpo docente finalizou o workshop.

A apresentação da exposição para a comunidade foi marcada para as 12 horas. Estiveram presentes membros do corpo docente, pesquisadores do LAC, alunos e colegas do professor Careri no coletivo de arte chamado Stalker.

A primeira atividade – Caminhando de Lygia Clark – foi disposta na exposição em caixas individuais e iniciou a sequencia da exposição, junto com a primeira versão do Mappatoio. O Mappatoio será modificado pelos alunos conforme o desenvolvimento do trabalho de projeto no LAC.

Apresentações dos contramapas dos alunos pelos alunos

Luca Petroni – Ferronia

Luca Petroni – Ferronia
Foto divulgação

Quando acordei era a aurora. Não sabia onde me encontrava talvez uma universidade ou um museu, mas era um matadouro, agora desativado: restava a memória de uma tecnologia que não servia mais. O traço de uma revolução eminente nos edifícios destruídos. O mundo era finalmente aberto a uma perene mutação. A natureza havia mudado, restavam ramos de tubos que acolhiam folhas, flores, ervas e frutas de cores nunca vistas. Nos humanos recolhíamos as frutas desta natureza metálica: nossa única ocupação era a brincadeira da contemplação.

Adriano Mosielo – A terra sob nossos pés e seu entorno

Adriano Mosielo – A terra sob nossos pés e seu entorno
Foto divulgação

Obscuro a vista / Tudo é um vazio / Resta o reflexo do mundo entorno.

Angelo Del Grosso – No entry

Angelo Del Grosso – No entry
Foto divulgação

Fechamento é o sentimento mais forte que eu tinha andando pelo Mattatoio...

Fechamento e impermeabilidade para o mundo exterior, mas também entre os vários mundos, eu vivo o Mattatoio.

Daniele Gosti – Retículas ridículas

Daniele Gosti – Retículas ridículas
Foto divulgação

Uma gaiola onde uma parte da malha acolhe a quem chega e a entende, outras se abre só para poucos e ainda partes que são impenetráveis: conjunto de singularidades incapazes de se comunicarem e por isso caem no ridículo.

Elisabeta Rampazzo – Deriva cega

Elisabeta Rampazzo – Deriva cega
Foto divulgação

Privei-me de um sentido... E os outros quatro me mostraram o Mattatoio de uma maneira que eu jamais havia “visto”. Vozes, odores, sabores e formas que sugerem o passado e o presente de um lugar que se narra por si: basta escutar e se deixar embalar pela imaginação.

Enrico Perini – Desenha-me o Mattatoio

Enrico Perini – Desenha-me o Mattatoio
Foto divulgação

Eu tentei explicar-me o espaço do mattatoio. Cada lugar tem uma função precisa durante a sua história. Anotando ideias e emoções eu completo os mapas e registro o momento neste tempo.

Francesca Luciane – Lógica

Francesca Luciane – Lógica
Foto divulgação

O mapa mostra em volume os espaços viáveis e utilizáveis pela comunidade em oposição aos representados em planos, “lacunas” das numerosas barreiras que delimitam o uso e expressão. Registra o sentimento claustrofóbico causado pela minoria de espaços livres em relação aos fechados por apropriações. As proporções não refletem as dimensões reais, mas registram os sentimentos do usuário. Os espaços utilizáveis estão em evidência, pela espessura diferente que lembra o idioma braile e as linhas registram o inatingível.

Giulia Bassi – Distância/proximidade

Giulia Bassi – Distância/proximidade
Foto divulgação

A distância física é apenas uma característica de um lugar.

Proximidade é o que não se caracteriza pela distância física, mas pela nossa capacidade de encurtar distâncias.

Sentimentos, impressões, julgamentos e seus respectivos sons e lugares são traduzidos aqui em uma experiência táctil.

Gabriele Ajó – Map book

Gabriele Ajó – Map book
Foto divulgação

Grades metálicas, telas, cerâmicas e outros materiais formam este mapa-livro do Matattoio.

Sente-se e divirta-se levantando e abaixando as barreiras. Se desejar escreva alguma reflexão.

Em cima ou embaixo?

Finalização do workshop

Durante a exposição houve uma conversa de finalização do workshop com a equipe do LAC, docentes da FAU Roma 3, Grupo Stalker e alunos.

Mappatoio
Foto divulgação

Final do workshop. À direita, ao lado do Mappatoio e ao meu lado (atrás da câmera), Francesco Careri. Do outro lado do Mappatoio, Marc Latapie e, à esquerda, Lorenzo Romito, ambos do Grupo Stalker. Os alunos estão no centro da foto
Foto divulgação

notas

1
Agradeço ao Francesco Careri, Maria Rocco, Emanuela di Felice e toda a equipe de docentes, pesquisadores e alunos do LAC pela acolhida em Roma; ao meu orientador do Propar UFRGS, Prof. Fernando Fuão e à Prof. Elisabetta Romano da FAU UFP pela indicação do meu trabalho ao LAC. O workshop é fruto da pesquisa de mestrado da autora, Caminhando – o caminhar e a cidade, que é a base do seu doutorado em curso. Mais informações sobre o workshop: https://www.facebook.com/caminhandonacidade.

2
JAPPE, Anselm. Guy Debord. Petrópolis, Vozes, 1999, p. 88. Sobre os temas abordados neste artigo, consultar seguinte bibliografia: CARERI, Francesco. Walkscapes: walking as an aesthetic practice. Barcelona, Gustavo Gili, 2002; DEBORD, Guy-Ernest. Teoria da deriva. In: JACQUES, Paola Berenstein. Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro, Casa da Palavra, 2003; DUFOMANTELLE, Anne. Anne Duformantelle convida Jacques Derrida a falar da hospitalidade. São Paulo, Escuta, 2003; ECARTE. Munster. Arts Therapy: recognized discipline or soul-grafitti? – Approaches, Applications, Evaluations. Abstract Book of the 7th bi-annual European Arts Therapies Conference. Madrid, Lit Verlang, 2003; FABBRINI, Ricardo Nascimento. O espaço de Lygia Clark. São Paulo, Atlas, 1994; PAESE, Celma. Caminhando: o caminhar e a cidade. Dissertação de mestrado. Porto Alegre, Propar UFRGS, 2006.

sobre a autora

Celma Paese é arquiteta (UniRitter, 1985), mestre (2006) e doutoranda do Propar-UFRGS com a pesquisa Contramapas de inclusão social, hospitalidade e acolhimento. É professora colaboradora da Faculdade de Arquitetura da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões.

comments

083.01 viagem de estudos
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

083-084

083.02 viagem para evento

Welcome to Melbourne

Gabriela Celani

083.03 passeio cultural

Festival de Cinema de Arquitetura de Rotterdam

Fabio Jose Martins de Lima

083.04 viagem cultural

Um certo Uruguai

Eliane Lordello

083.05 viagem cultural

Estamos em obras

Cynara de Sá Fernandes and Petterson Michel Dantas

083.06 ministério do arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte...

Victor Hugo Mori

083.07 descoberta

Bon Voyage

Martin Jayo and Edson Luiz Mendes

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided