Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Rampa do Pavilhão da Bienal de São Paulo. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
O artista paraense Éder Oliveira traz a temática da desumanização dos criminosos em páginas de jornais e revistas. Texto e vídeo apresentam a montagem da obra no Pavilhão da Bienal.

english
The Para artist Éder Oliveira brings the thematic of the dehumanization of criminals in the newspapers and magazines. Text and video shows the assembly of his work in the Biennale Pavilion.


how to quote

PIRELLI, Giovanni; GUERRA, Helena; GUERRA, Caio; SCHILLING, Ludovico. Éder Oliveira. Montagem de trabalho. Arquiteturismo, São Paulo, ano 08, n. 090.02, Vitruvius, ago. 2014 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/08.090/5268>.


Ao caminhar próximo ao artista paraense Éder Oliveira enquanto ele completa suas obras, o passo se faz mais curto, mais respeitoso, sob o olhar de seus caboclos. Originário de Nova Timboteua, Éder traz para São Paulo sua pesquisa sobre a desumanização dos criminosos operada cotidianamente pela mídia local. As fotos, única representação dos marginalizados nas páginas das revistas e dos cadernos policiais dos jornais, negam a complexidade e a profundidade que cada ser humano traz em sua essência, reduzindo-os à condição unidimensional de bandidos violentos, verdadeiros monstros alienados da sociedade. Em seus trabalhos, o artista lhes devolve a humanidade, a vida, a dignidade. É poderoso o contraste entre as cores vibrantes dos retratos e a luminosidade branca quase etérea da arquitetura. O artista obriga os visitantes à atenção, paralisados pelos olhos dos criminosos, tão vivos, tão conscientes e presentes, que parecem responder ao olhar do observador como a questioná-los.

sobre os autores

Giovanni Pirelli é produtor cultural e diretor do laboratório cultural Casa do Cactus.

Helena Guerra e Caio Guerra, diretores e roteiristas, sócios da produtora Irmãos Guerra Filmes, são autores de documentários para exposições e curtas de ficção.

Ludovico Schilling é sound designer e produtor de musica eletrônica. Nascido em Milão, atualmente desenvolve pesquisa em Londres.

ficha técnica

texto
Giovanni Pirelli

vídeo
Helena Guerra

edição
Caio Guerra

som
Ludovico Shilling

comments

090.02 31ª bienal de sp
abstracts
how to quote

languages

original: português

others: english

share

090

090.01 31ª bienal de sp

A Bienal e seu pavilhão

Tommaso Protti

090.03 31ª bienal de sp

Coisas que não existem

Bruno Schiavo

090.04 31ª bienal de sp

Voluspa Jarpa, histórias de aprendizagem

Helena Guerra, Caio Guerra and Ludovico Schilling

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided