Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

São Paulo. Foto Abilio Guerra

abstracts

português
O artigo apresenta considerações sobre o processo de reconstrução urbana, arquitetônica e identitária de Christchurch, Nova Zelândia. O centro da cidade foi quase totalmente destruído por uma série de terremotos ocorridos entre 2010 e 2012.

english
This paper regards the process of urban, architectural and identity reconstruction of Christchurch, in New Zealand. Christchurch Central City has been largely destroyed by a series of earthquakes that hit the city between 2010 and 2012.

español
El trabajo presenta consideraciones acerca del proceso de reconstrucción urbana, arquitectónica y de la identidad de Christchurch, Nueva Zelanda. El centro de la ciudad fué casi totalmente destruido por uma serie de terremotos ocurridos entre 2010 y 2012.


how to quote

TAVARES, Silvia Garcia; COCCOZZA, Glauco de Paula . A reconstrução de Christchurch. Arquiteturismo, São Paulo, ano 09, n. 098.04, Vitruvius, maio 2015 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/09.098/5574>.


Christchurch, a principal cidade e porta de entrada da Ilha Sul da Nova Zelândia, é conhecida mundialmente pelos esportes radicais. Em fevereiro de 2011 a cidade ficou ainda mais conhecida devido a um forte terremoto que destruiu grande parte do centro histórico e outras áreas da cidade, tirando a vida de 185 pessoas.

SoLA
Foto Silvia G. Tavares

Mais de 1.000 prédios no CBD (Central Business District) e 10.000 casas nos bairros foram demolidos. O CBD foi isolado e entitulado red zone, área onde o estrago do terremoto foi mais intenso. A área só foi completamente reaberta em 28 de junho de 2013, até então, por dois anos e quatro meses, o acesso à red zone só era permitido a pessoas especializadas.

SoLA
Foto Silvia G. Tavares

Christchurch pré-terremoto era uma linda e organizada cidade, conhecida como ‘Garden City’ e com ares ingleses. Localizada entre a montanha (os Southern Alps) e o mar, a cidade é planejada e o traçado regular do centro só é alterado pelo Rio Avon, principal estrutura da paisagem, e duas diagonais: Victoria e High Streets. Christchurch conta com uma grande quantidade de parques e jardins, e está localizada na planície de Canterbury. A cidade é cercada por inúmeras pequenas propriedades rurais e pequenas cidades que criam uma importante interface entre os ambientes urbano e rural. A paisagem, como em toda Nova Zelândia, é de uma beleza sem igual, uma simbiose perfeita entre os diferentes elementos que compõem os ambientes urbano e natural.

SoLA
Foto Silvia G. Tavares

A Escola de Paisagem da Lincoln University (SoLA) foi o que nos levou a Christchurch. A universidade está localizada em Lincoln, uma pequena cidade com cerca de 2.500 habitantes nos arredores de Christchurch e em meio a áreas rurais. O principal foco de estudo da universidade são as ciências da terra, entre elas a paisagem. O curso de paisagem está instalado em um edifício novo, concluído em 2009 e que recebeu o prêmio da NZIA (New Zealand Institute of Architects) em 2009, para edifícios de uso público.

Foto da Catedral Ancorada
Foto Silvia G. Tavares

A Nova Zelândia se localiza no Anel de Fogo do Pacífico, sobre uma das áreas com atividade sísmica com mais ativa do planeta, por isso convive-se com a possibilidade de terremotos a qualquer momento. Desde a colonização em 1840, a maioria das casas neozelandesas são estruturadas em madeira e os nativos dizem que as casas têm ‘swing’, balançam, mas dificilmente rendem-se em um terremoto. As saídas de emergência são muito bem planejadas e a população é treinada para responder rapidamente e prestar socorro no caso de tremor.

Cashel Mall, Projeto Re:START
Foto Silvia G. Tavares

O terremoto do dia 22 de fevereiro de 2011 foi um teste, tanto para os edifícios como para a população. 6.3 graus de magnitude na escala Richter não parece dos tremores mais violentos, mas cientistas acreditam que efeitos sísmicos que raramente são documentados ocorreram de maneira combinada, produzindo um tremor de terra extraordinariamente forte.

Cashel Mall, Projeto Re:START
Foto Silvia G. Tavares

A aceleração do solo em Christchurch, a mais forte registrada na história da Nova Zelândia, foi cerca de quatro vezes maior do que a aceleração mais alta registrada durante o terremoto de 9.0 ocorrido próximo à costa do Japão e que gerou a tsunami de 11 de março de 2011. Além disso, o epicentro do tremor foi próximo à superfície e ao CBD, por isso a grande destruição. Christchurch havia vivenciado outro terremoto em 4 de setembro de 2010, de 7.1 na escala Richter, que causou muito menos destruição e é frequentemente descrito como muito menos intenso.

Cashel Mall, Projeto Re:START
Foto Silvia G. Tavares

Na região central os rastros da destruição ainda estão em muitos lugares. Quarteirões quase que inteiramente destruídos, sem construções, com grandes espaços vazios ou tomados por estacionamentos indicam a extensão do evento. Ruínas de edifícios importantes, como a catedral da cidade, ainda se sustentam apoiados em escoras. Edifícios condenados, rachaduras no espaço urbano e memoriais marcam a paisagem. Durante cerca de um ano e meio a diminuição do número de moradores e turistas era visível, mas nos últimos anos o estado de emergência e ‘demolição’ foi transformado em estado de reconstrução e aos poucos moradores e turistas começam a retornar. 

Cashel Mall, Projeto Re:START
Foto Silvia G. Tavares

Christchurch vive hoje um ‘tempo entre tempos’, enfatizando a relação entre  desenho da paisagem e tempo, onde manter a cidade em funcionamento é o aspecto mais importante. O centro foi ocupado por projetos temporários cuja finalidade é gerar interesse e manter a cidade viva enquanto seguradoras e donos de imóveis negociam o caminho a seguir. Processo que pode levar anos.

Cardboard Cathedral, do arquiteto Shigeru Ban
Foto Silvia G. Tavares

Na principal via de pedestres, Cashel Street, um centro comercial feito com containers mantém a vitalidade da região central. O projeto denominado Re:START conta com lojas, cafés e restaurantes. Na condição pós-desastre de Christchurch, iniciativas como essa são importantes para reerguer o centro da cidade.

Cardboard Cathedral, do arquiteto Shigeru Ban
Foto Silvia G. Tavares

Nem por serem provisórios esses edifícios dispensam a qualidade arquitetônica. Um exemplo é a nova catedral de papelão, projetada pelo renomado arquiteto japonês Shigeru Ban, vencedor do Pritzker 2014. Atualmente, a Cardboard Cathedral, como é conhecida, cumpre papel de centro religioso enquanto se discute se como a Christ Church Cathedral, Catedral original, será reconstruída.

Cardboard Cathedral, do arquiteto Shigeru Ban
Foto Silvia G. Tavares

Recentemente antigos estabelecimentos retomaram as atividades, espaços que estavam fechados estão gradativamente sendo reabertos ao público, e iniciativas de comerciantes e empresas locais dão nova e gradual reocupação ao centro da cidade. A região central conta com um plano de recuperação, denominado The Blue Print, que entre outras ações tenta promover um novo modelo de ocupação, com gabarito menor, maior diversidade de uso, e relação com a paisagem de forma mais harmônica. 

Cardboard Cathedral, do arquiteto Shigeru Ban
Foto Silvia G. Tavares

Assim como muitas cidades que sofreram com catástrofes Christchurch utiliza os grandes espaços vazios deixados pelo terremoto para redesenhar o seu centro. A nova proposta valoriza a imagem de ‘Garden City’ e promove Christchurch como um exemplo de cidade sustentável. Esse potencial vem sendo muito bem trabalhado por uma equipe de arquitetos e urbanistas locais e internacionais

The Blueprint Plan [Canterbury Earthquake Recovery Authority, 2012. Imagem usada sob ‘Creative Commons Attribu]

Só o tempo dirá o que será de Christchurch, e se a cidade conseguirá se reconstruir, se as marcas da destruição irão cicatrizar, e se o temor por novos tremores fará com que a cidade adote uma nova postura construtiva e de relação com a paisagem.

sobre os autores

Silvia Garcia é doutoranda em Arquitetura da Paisagem na Lincoln University em Christchurch, onde desenvolve pesquisas em sociologia urbana em um ambiente pós-desastre. Membro do time vencedor da competição ‘48 Hour Design Challenge’ para Gloucester Street Site (focada na reconstrução de Christchurch). Recentemente passou temporada no ILS (Research Institute for Regional and Urban Development), na Alemanha.

Glauco Cocozza é doutor em Arquitetura e Urbanismo pela FAUUSP, Professor Adjunto do PPGAU da Faculdade de Arquitetura Urbanismo e Design da UFU. Em recente viagem à Austrália para participar do ISUF 2013 em Brisbane, aproveitou a oportunidade para realizar uma visita técnica à Escola de Arquitetura Paisagística, SoLA, da Lincoln University,na cidade de Christchurch, Nova Zelândia. 

comments

098.04 viagem de estudo
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

098

098.01 ensaio fotográfico

Complexo Hospitalar do Juquery

Abilio Guerra

098.02 viagem de trabalho

Lençóis, o rio mais generoso do mundo

Liziane Peres Mangili and Tom Alves

098.03 eu estive lá!

Farnsworth House

Sarah Suassuna

098.05 ministério do arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte...

Michel Gorski and Abilio Guerra

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided