Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Lisboa. Foto Michel Gorski

abstracts

português
A obra Eixo Paralelo ao da Rotação da Terra, escultura pública de Marco do Valle na Unicamp inaugurada em novembro de 1987, foi restaurada no primeiro semestre de 2016 pela Casa do Corten durante a Reitoria de José Tadeu Jorge.


how to quote

CHAUÍ, Marilena. Talismã. Sobre a obra “Eixo paralelo ao da rotação da terra”, escultura pública de Marco do Valle na Unicamp. Arquiteturismo, São Paulo, ano 11, n. 121.06, Vitruvius, abr. 2017 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/11.121/6512>.


O realismo espontâneo de nossa percepção – que alguém chamou, certa vez, de fé perceptiva - nos faz crer que o mundo é aquilo que vemos, e que vemos aquilo que é e tal como é. Envolvida no “é” de invisível, a fé perceptiva crê-se banhada na mais pura visibilidade. Vemos, afinal, porque deixamos de ver. Eis porque a obra de arte plástica celebra apenas um enigma: o da visibilidade secreta do mundo.

Restauro da obra Eixo Paralelo ao da Rotação da Terra em 2016, escultura pública de Marco do Valle na Unicamp
Foto Melissa Vendite

A fé perceptiva, crença mágica nas coisas, conduz, ainda que não o saiba, à crença de que a obra de arte plástica é uma representação do real. Tão arraigada é essa suposição que se encontra implícita quando falamos em arte “abstrata” para designar uma arte que, não sendo figurativa, não seria representadora, definindo-se, portanto, menos que efetivamente é e mais pelo que supõe que não seja. No entanto, desde a crítica platônica à estatuária grega (que “deformaria” a forma dos corpos esculpidos para produzir a ilusão de um olhar representador), até os escritos dos artistas da Renascença sobre a geometria da perspectiva artificial (e o termo “artificial” deveria servir-nos de alerta), nada mais longe da obra de arte do que a representação. Quando as artes plásticas contemporâneas romperam com os cânones clássicos, em geral, não romperam com a representação que nunca houve – mas com maneiras de ver e fazer, com o que julgaram ser os liames que atavam excessivamente a obra de arte à fé perceptiva inconsciente de si. Mas, em qualquer momento de sua história, o que obra de arte faz (ainda que seu resultado pareça mimético) é fazer aparecer no mundo as operações de ver o visível: cor, volume, textura, movimento, profundidade, concentração e dispersão do espaço-tempo. Ciência secreta.

Restauro da obra Eixo Paralelo ao da Rotação da Terra em 2016, escultura pública de Marco do Valle na Unicamp
Foto Melissa Vendite

Geometria, astronomia, óptica, física, química, topologia, topografia, geografia – ciências manifestas do espaço-tempo – quando passam pelo olho e pela mão do artista sofrem transmutações, como se uma outra ciência, oculta, do corpo e do mundo, mais velha que nosso saber explícito sobre eles, viesse celebrar a materialidade do intelecto e a espiritualidade da matéria. É assim a escultura de Marco do Valle.

Intelecto manifesto, matéria trabalhada, a escultura não se separa do mundo: não repousa sobre um pedestal, mas pousa docemente sobre a terra. Não nos oferece a imagem de outras coisas, mas é plenamente coisa. Não se confunde com a coisa natural, mas é artefato humano. Por sua matéria, por sua forma, por sua posição é meditação cósmica. Eixo da terra, irônico pêndulo, ferreamente submisso à gravitação universal, vetor astronômico, ferruginosa árvore impossivelmente implantada sobre o verde, esguia nave, mensagem estelar, mediação entre o terrestre e o celeste. Talismã. Figura do mundo.

Marco do Valle ao lado de escultura pública de Eixo Paralelo ao da Rotação da Terra, na Unicamp
Foto Melissa Vendite

notas

NE1 – o presente texto – “Talismã”, de Marilena Chauí, foi publicado originalmente na quarta capa da publicação: MOREIRA, Márcia M. C. Adunicamp Caderno 4 – Campinas. São Paulo, Adunicamp, jun. 1991.

NE2 – A obra <i>Eixo Paralelo ao da Rotação da Terra</i>, escultura pública de Marco do Valle na Unicamp inaugurada em novembro de 1987, foi restaurada no primeiro semestre de 2016 pela Casa do Corten durante a Reitoria de José Tadeu Jorge.

sobre a autora

Marilena Chauí possui graduação em Filosofia pela Universidade de São Paulo (1965), especialização em Licenciatura pela Universidade de São Paulo (1965), mestrado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (1967) e doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (1971). Atualmente é professora titular da Universidade de São Paulo.

comments

121.06 arte pública
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

121

121.01 viagem de estudo

Serenbe, lugar de viver tranquilo

Adilson Costa Macedo

121.02 roteiro de viagem

Arte urbana em Covilhã

Carolina Guida Cardoso do Carmo

121.03 roteiro turístico

Herança futurística da Cidade Olímpica

Laura Burocco and Pedro Victor Brandão

121.04 ministério

Ministério do Arquiteturismo adverte...

Michel Gorski and Abilio Guerra

121.05 quiz show

Quem sabe o autor, o endereço e o nome do edifício?

Abilio Guerra

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided