Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Praia José Menino com monumento do Emissário Submarino de Tomie Ohtake, Santos. Foto Abilio Guerra

abstracts

português
Em recente viagem de estudos ao Rio de Janeiro, graduandos de arquitetura e urbanismo do Tocantins vivenciam a cidade conhecendo obras, lugares e experimentando distintas formas de se apropriar da cidade.

english
On a recent study trip to Rio de Janeiro, Architecture´s students from Tocantins, experience the city by knowing works, places and experimenting with different ways of appropriating the city.

español
En un reciente viaje de estudios a Río de Janeiro, los graduandos de arquitectura y urbanismo de Tocantins vivencian la ciudad conociendo obras, lugares y experimentando distintas formas de apropiarse de la ciudad.


how to quote

BOTTURA, Roberto; BOTTURA, Ana Carla de Lira. Tocantins visita Rio de Janeiro. Arquiteturismo, São Paulo, ano 11, n. 126.03, Vitruvius, set. 2017 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/11.126/6689>.


Atualmente, os que exercem a docência no curso de Arquitetura e Urbanismo têm se deparado com certas exigências nas reformulações dos métodos de ensino, onde são requeridas as metodologias ativas que colocam o aluno no centro da ação, reservando ao professor o lugar de tutor, guiando os grupos na solução de situações-problema e enfatizando o desenvolvimento de suas habilidades e competências.

Para a formação do arquiteto urbanista, sem dúvida nenhuma a metodologia de ensino mais ativa que pode haver é a experiência de uma viagem de estudos, que deve ser incentivada em todos os aspectos, pois ensina o aluno a conhecer não apenas espaços, mas também modos de vida, pessoas e lugares. Conceitos trazidos em sala de aula como urbanidade e vitalidade urbana precisam ser vivenciados e sentidos verdadeiramente, ao que se incluem as percepções individuais ao se percorrer obras arquitetônicas analisadas em salas de aula, cuja experiência – em épocas de hiper-virtualidade – é insubstituível.

Conhecendo o Aterro do Flamengo, com parada obrigatória no Museu de Arte Moderna – MAM-RJ, Rio de Janeiro, 06/08/2017
Foto equipe ITPAC – Porto Nacional

Recentemente, estivemos no Rio de Janeiro conduzindo um grupo de 22 alunos do Instituto Presidente Antônio Carlos de Porto Nacional – ITPAC, de Tocantins, cuja principal missão em cinco dias de viagem foi a de mostrar uma outra realidade de cidade e de cotidiano muito distinta a da vivenciada pelos estudantes da região norte do país, dentre os quais a maior parte havia sequer viajado de avião e alguns tampouco conhecido o mar. Frente a esta simbólica distância dos grandes centros urbanos, nosso desejo foi acercá-los à história, à arte e à metrópole, intuindo despertar nestes jovens graduandos uma reflexão crítica entre a realidade Norte/Sudeste, entre obras arquitetônicas vistas em aula e logo vivenciadas durante a visita; e entre a vida simulada no noticiário do jornal e real experienciada pelas ruas da cidade. Da mesma forma, buscou-se uma certa injeção de ânimos frente aos tempos presentes de temeridade.

Inicio da subida no Morro da Babilônia, acompanhados pelo guia local Dinei, Rio de Janeiro, 07/08/2017
Foto equipe ITPAC – Porto Nacional

Uma premissa inicial de nós professores era a de rejeitar o aluguel de ônibus particular para nossos deslocamentos, ou seja, nos moveríamos pelo Rio de Janeiro em transporte público e, em alguns casos, utilizando o uber. Com isto, buscava-se uma maior interação dos estudantes com as dinâmicas cotidianas da cidade, além de propiciar maior independência na compreensão e interação com o tecido urbano. E assim aconteceu. Passados os dois primeiros dias de viagem, conhecendo o metrô, o bondinho, o ônibus, o VLT, o BRT e outras formas de locomoção urbana, logo os estudantes se apropriaram da cidade e já realizaram seus próprios roteiros nos momentos livres com liberdade e flexibilidade. Alguns optaram por assistir à noite um jogo no Maracanã, assim como outros que subiram o Pão de Açúcar, os que voltaram sozinhos de Santa Teresa para percorrer a Lapa e uns outros tantos que mergulharam pela primeira vez nas praias da Zona Sul.

Houve passeios em alguns exemplares singulares da nossa arquitetura antiga, moderna e contemporânea. A ideia era a de direcionar os olhares para a relação entre a obra e o contexto, a arquitetura e o espaço urbano, confrontando o entendimento de cidade de acordo com sua respectiva temporalidade. Os principais pontos visitados foram o Píer Mauá e Museu do Amanhã, o bairro de Santa Teresa e o Centro Cultural Parque das Ruínas, Niterói e MAC, Aterro do Flamengo e MAM, Cinelândia e Teatro Municipal, Centro e Palácio Capanema, Copacabana e Morro da Babilônia/Chapéu Mangueira, Barra da Tijuca e Cidade das Artes e da Música.

Vivenciando uma outra realidade social, urbana e econômica no Morro Chapéu Mangueira, acompanhados pelo guia local Dinei, Rio de Janeiro, 07/08/2017
Foto equipe ITPAC – Porto Nacional

Destacamos um momento ímpar para os estudantes do Tocantins: a visita guiada ao Morro da Babilônia/Chapéu Mangueira. Sendo realizada com um guia local, credenciado à Associação de Moradores Morro Chapéu Mangueira, foi-nos apresentada uma vívida realidade da cidade maravilhosa. Subimos o morro, conversamos com os moradores, percorremos suas vielas e becos, chegamos aos mirantes com suas belas vistas e almoçamos na comunidade. Os alunos, a princípio ansiosos, aflitos e inseguros, logo se sentiram muito à vontade na favela, tentando desvendar a complexidade na trama de relações que se estabelecem ali, perguntando ao nosso excelente guia Dinei sobre o cotidiano na favela, se os Correios entregavam carta, se as grávidas subiam aquelas escadas, se a UPP realmente trazia segurança e como chegava água e eletricidade. Certo momento, um aluno – acostumado com uma realidade urbana na qual sobram vazios urbanos e a principal questão fundiária passa longe da escassez – pergunta:

– Mas as pessoas não têm medo de irem construindo assim, umas em cima das outras?

O guia responde:

– É necessidade, mermão… necessidade!

Contemplando a vista do alto do Morro da Babilônia, no mirante localizado dentro do Parque de proteção ambiental acompanhados pelo guia local Dinei, Rio de Janeiro, 07/08/2017
Foto equipe ITPAC – Porto Nacional

Nesta viagem, percebemos, enquanto professores, a crescente percepção dos alunos para os espaços visitados, como por exemplo o edifício da Cidade das Artes e da Música, que nos deu um ótimo parâmetro de comparação entre a qualidade de espaço público dos bairros tradicionais do Centro e Zona Sul e os realizados na Barra da Tijuca, além da inegável qualidade arquitetônica de Portzamparc em detrimento do insípido projeto de Calatrava para o badalado Museu do Amanhã. A monótona paisagem urbana da Barra evidencia o modelo de desenvolvimento carro-condomínio-shopping, onde notaram a enorme diminuição de pessoas caminhando pelas ruas e calçadas, além sentirem certa dificuldade de localização naquele contexto ao se chegar por meio de transporte público. A monumentalidade do edifício e sua expressão plástica em meio às vias expressas rodoviárias nos deram insumos para discutir a presença urbana da arquitetura, bem como sua força no que diz respeito à luminosidade, as vistas ao entorno natural do Rio de Janeiro e sua configuração espacial singular naquela grande plataforma do imenso navio atracado na Barra. Com certeza nos recordamos dos textos de Flavio Villaça ao indagar o equívoco na escolha do sitio na Barra da Tijuca, mal servida de transporte público e autista em relação a cidade. Choramos juntos ao descobrir que o projeto estava pensado inicialmente para o Aterro do Flamengo.

Visita a Cidade das Artes e da Música na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, 08/08/2017
Foto equipe ITPAC – Porto Nacional

Entre as memórias desta viagem, permanece vívido o contentamento dos alunos nesta grande experiência urbana proporcionada, mesmo que breve e um tanto quanto corrida, mas igualmente intensa e de grande valia para a formação do caráter intelectual do futuro arquiteto urbanista. Enquanto metodologia indiscutivelmente ativa, a viagem de estudos deixa marcas não apenas nos estudantes para quem novos horizontes se abriram na percepção da cidade, do urbano e de outras realidades, como também na experiência docente, que sai enriquecida e renovada através da reafirmação do óbvio: no ensino da arquitetura e urbanismo a melhor sala de aula é a cidade.

Aula de arquitetura contemporânea na Cidade das Artes e da Música na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, 08/08/2017
Foto equipe ITPAC – Porto Nacional

sobre os autores

Roberto de Almeida Bottura é arquiteto urbanista, formado pela Puc-Campinas e mestre em Teoria e História da Arquitetura pela Universitat Politécnica de Catalunya. Atualmente é docente no curso de arquitetura e urbanismo do ITPAC – Porto Nacional e pesquisador do Núcleo de Estudos, Pesquisas e Práticas em Urbanismo – Neppur.

Ana Carla de Lira Bottura é arquiteta urbanista pela Universidade Federal da Bahia – UFBA, Mestre em Antropologia Urbana pela Universitat Rovira i Virgili (Tarragona/ Espanha) e Doutoranda em Arquitetura e Urbanismo no Instituto de Arquitetura e Urbanismo – IAU USP. Atua como docente de disciplinas de Urbanismo no ITPAC – Porto Nacional.

comments

126.03 viagem de estudos
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

126

126.01 viagem arquitetônica

A Catalunha do Norte, entre França e Espanha

Antonio Claudio Pinto da Fonseca

126.02 viagem cultural

No delta do Parnaíba

Mauro Ferreira

126.04 roteiro de viagem

Paisagens do sul

Esdras Araujo Arraes

126.05 passeio turístico

Caminhada Noturna no centro histórico de São Paulo

Ivan Fortunato

126.06 fotonovela

Keite Haring

Michel Gorski and Abilio Guerra

126.07 quiz show

Quem sabe os nomes da obra e do arquiteto?

Abilio Guerra

126.08 ministério do arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte...

Michel Gorski

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided