Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Forte de São João, Bertioga SP. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
Este texto ficcional apresenta um breve relato de uma cidade murada, a Cidade de Muur, onde os muros são elementos construtivos primordiais, modificando a maneira de experimentar e construir o espaço e as relações interpessoais.

english
This investigation is a brief narrative about a city of walls, the City of Muur, where the walls are the main constructive elements, changing the way we experience and build the space and our relationships.

español
En esta investigación, se presenta un breve relato de una ciudad amurallada, la Ciudad de Muur, donde los muros son elementos constructivos primordiales, modificando la manera de experimentar y construir el espacio y las relaciones interpersonales.


how to quote

BARROS, Aline de Camargo. Muur, a cidade de muros. Um relato sobre os limites da vida urbana. Arquiteturismo, São Paulo, ano 11, n. 129.01, Vitruvius, dez. 2017 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/11.129/6798>.


Em Muur, todos vivem condicionados entre limites e obstáculos. As muralhas, cercas, grades e fronteiras formam faixas infinitas na cidade, não sabemos onde começam ou terminam. Chamam essas faixas de murados, aqueles que protegem uns aos outros, enquanto o lado de fora é esquecido, como um rastro e um resto de uma cidade. Cada murado tem uma característica, uma história e moradores que lá vivem.

Os habitantes de Muur são individualistas, não permanecem nenhum nem qualquer tipo de laços ou vínculos. Cada um vive em um dos murados fechados da cidade, eles não interagem uns com os outros, seguem costumes diários, funções e compromissos, e são cercados de regras e restrições. Vivem muito preocupados em segui-las e não se dão conta de que estão enclausurados.

Neste relato, são descritos cinco diferentes murados encontrados na cidade de Muur e como os habitantes vivem e convivem junto a eles.

Cinco diferentes murados na cidade de Muur, autoria de Aline de Camargo Barros [Acervo pessoal]

Muur e as divergências

Muur é uma cidade grande, com seus bilhões de habitantes que não conseguem viver com diferenças. Assim, construiu-se um murado para os diferentões. É um dos murados mais extensos da cidade. Uma grade de muros e mais muros dividindo grupos, comunidades, clãs e famílias. São valores, ideias, gostos e aparências diferentes. Cada dia surge uma nova divisão: muros remendados, em construção e hostis que evitam uns aos outros. Os habitantes que ali vivem passam o dia discutindo suas opiniões. Se uma opinião diverge com a do outro, nasce ali mais uma extensão do murado, constroem tijolo por tijolo antes que o sol se ponha. Há também aqueles que percebem que mudaram de opinião e, portanto, voltam aos seus nichos antigos ou migram para um outro que acharem mais conveniente para si. Logo, muitos muros ficam abandonados, à venda ou em reforma. Dessa maneira, Muur procura evitar a violência, a divergência e a discórdia, divide seus habitantes em nichos mas assegura a identidade social e os estereótipos de cada grupo da cidade.

Muur e as divergências, autoria de Aline de Camargo Barros [Acervo pessoal]

Muur e o rio

No meio de Muur passa um rio. Conta-se em uma lenda que o rio era água de se beber, de se pular e de se pescar. Não se sabe como nem quando, o rio passou a feder, virou lixo descartável, todos o evitavam para não sentir o seu cheiro. Assim, um grupo de moradores resolveu transformar o rio em muro. Subiram duas paredes invisíveis em cada uma de suas margens. Vidros altos para barrar o mal cheiro de esgoto, mas que ainda assim fosse possível admirar as águas, como um grande aquário, e lembrar dos tempos de banhos refrescantes no verão de Muur.

Muitos habitantes contestaram o rio murado. Agora os que estavam do lado de cá não mais podiam atravessar o rio para o lado de lá. Assim, para evitar qualquer rebeldia, o vidro que protege o rio é cercado por cabines de vigias. Os vigias não só tomam conta do murado mas também passam dias e horas cheirando o rio e criando fórmulas e descobertas para limpar de vez suas águas. Eles dormem em suas cabines aprisionadas de apenas alguns metros quadrados, acordam cedo, usam o rio como privada e, ai então, começam a desenvolver fórmulas, químicas e aparelhagens para limpar a sujeira que permeia a superfície d’água. São horas de esforço e não conseguem entender o porquê, apesar de tantas tentativas, o rio fica ainda mais sujo com o passar do tempo.

Muur e o rio, autoria de Aline de Camargo Barros [Acervo pessoal]

Muur e a muralha

Assim como em muitas outras cidades, Muur é cenário de famosas lendas urbanas. Os habitantes conhecem e compartilham muitas histórias que aconteceram no passado, terrores, superstições, lendas que, com o passar do tempo, de boca em boca, foram ficando ainda mais amedrontadoras. A cada ano que passa, mais habitantes comentam sobre essas lendas e o medo de perder a vida é implantado e germinado em cada um. Logo, grande parte da população de Muur foi tornando-se cada vez mais medrosa, imaginavam as piores situações a todo momento, temiam a cidade e os outros e tudo era considerado uma ameaça à sobrevivência.

Não aguentando mais essa situação, parte dos habitantes de Muur decidiu construir um muro tão alto quanto seus medos. Uma muralha defensora, um escudo para os seus temores. Foram anos de construção, pedra em cima de pedra, até chegar na altura ideal. Para reforçar suas seguranças, os moradores da muralha instalaram câmaras, que vigiavam a todos, e cercas elétricas, que eletrocutavam qualquer um que alcançasse o topo. Quem morava ali dentro passava o dia vigiando, rastreando qualquer movimento duvidoso e caçando seus medos. A Muralha era tão alta, pálida e intimidadora que ninguém de Muur conseguia desviar o olhar. Tomava conta da paisagem monótona da cidade. Virou uma Muralha famosa, conhecida! Nunca ninguém conseguiu entrar dentro dela. Sua sombra protege grande parte da cidade durante o verão quente, e torna ainda mais frio o inverno gelado. Muitos dos que vão visitar Muur não deixam de passar por essa grande parede dura, construída para proteger o medo dos que moram lá dentro, mas que permeia ainda mais o terror para aqueles do lado de fora.

Muur e a famosa muralha, autoria de Aline de Camargo Barros [Acervo pessoal]

Com o passar do tempo, a Muralha passou a ser o principal atrativo da cidade. A parede dura passou a ser mais permeável e menos temerosa. Assim, o topo da muralha de Muur ainda é pálido, medroso, vigia elétrico, duro e defensor, mas quando você se aproxima, lá no chão, encontra os verdadeiros habitantes de Muur, a parede com a voz do povo, o vendedor que grita, o habitante, que sem medo, se identifica e se apropria daquilo que é seu: a cidade e o muro.

Na beira da muralha de Muur, autoria de Aline de Camargo Barros [Acervo pessoal]

O dia-a-dia na muralha de Muur, autoria de Aline de Camargo Barros [Acervo pessoal]

Muur e o design

O muro virou moda. Construir os limites urbanos era divertido, era chique. Em uma certa ocasião, perto das reeleições, o governador de Muur convocou vários arquitetos para projetarem o melhor muro da cidade. O muro foi estudado, projetado e construído. Não se sabe ao certo se a culpa é do governador ou dos arquitetos, mas aquele que era para ser o muro do design elegante, hoje é conhecido como o deformado. É um muro com vários ângulos, traços e alturas.

Muur e o design deformado, autoria de Aline de Camargo Barros [Acervo pessoal]

Ainda assim, não podemos desvalidar todo o trabalho feito. O muro e a sua geometria complexa acolhem aqueles de passagem ou refugiados pela cidade. É uma arquitetura que cria possibilidades e experiências para os moradores de Muur: eles podem escalar, andar e se equilibrar pelos moldes de concreto, é uma parede para brincar... O design deformado, apesar de muito estranho, ainda assim é muito divertido.

O design permeável, autoria de Aline de Camargo Barros [Acervo pessoal]

O design recreativo, autoria de Aline de Camargo Barros [Acervo pessoal]

Muur e o esconderijo

Muitos dos habitantes de Muur estavam cansados da correria e dos medos do dia-a-dia, queriam viver em lugares mais escondidos, isolados de toda a bagunça e perigos urbanos. Queriam poder se esconder sem ao menos ninguém saber. Eles, portanto, se infiltraram dentro dos parques e praças da cidade e lá, estancaram muros ocos, estacas finas e camufladas junto a paisagem, um murado quase imperceptível. Os moradores dentro do murado oco passam os dias se camuflando e se escondendo daqueles do lado de fora. Estudam as tonalidades das cores na paisagem e as pintam em seus muros camuflados, pesquisam os materiais mais imperceptíveis e, enfim, faz do muro parte da paisagem, ele é a paisagem.

O muro camuflado, autoria de Aline de Camargo Barros [Acervo pessoal]

Há aqueles que andam e se perdem por entre o labirinto de estacas finas. Passam horas desvendando seus caminhos à procura de uma saída. São caminhos ora estreitos, ora largos, onde o corpo se perde, sente e vive cada espaço a ser descoberto. Um muro que esconderijo, mas também labirinto de surpresas e experiências na cidade de Muur.

O muro esconderijo junto a paisagem do MUBE, autoria de Aline de Camargo Barros [Acervo pessoal]

Labirinto de estacas finas, autoria de Aline de Camargo Barros [Acervo pessoal]

sobre a autora

Aline de Camargo Barros é graduada em Arquitetura e Urbanismo, em 2016, pelo Centro Universitário Senac. Em sua tese de trabalho de conclusão de curso, investigou os muros e limites urbanos na cidade de São Paulo, abrangendo o tema não apenas em escalas espaciais mas também sociais, políticas e econômicas. A tese já foi publicada no Congresso Latino-americano CICAU – Paraguai, Assunção e apresentado na Universidade Andina de Cusco, Peru, ambos em 2017. Em sua carreira acadêmica, Aline participou da bolsa do Governo brasileiro (Capes) – Ciências sem Fronteiras, em 2014, quando cursou um ano letivo na University of Illinois at Chicago – Illinois e trabalhou um período no laboratório MIT Senseable City Lab, em Cambridge – Massachusetts. Atualmente, trabalha como designer gráfica e assistente de mídia na plataforma Esquina: Encontros sobre Cidades, no qual organiza debates, cursos e passeios pela cidade de São Paulo, junto aos fundadores, Mariana Barros e Eduardo Andrade. Em paralelo, Aline também desenvolve uma produção gráfica, com enfoque em colagens. Uma de suas colagens, desenvolvida especialmente para uma tese de doutorado, foi publicada nas Resenhas Online da Revista Vitruvius.

comments

129.01 ficção
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

129

129.02 na estrada

Amerika on the road

André Luiz Joanilho

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided