Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Praça e Basílica de San Pietro, Vaticano. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
Este ensaio – teórico e fotográfico – propõe reflexões, poéticas e utópicas, e sugere outras possibilidades de olhares às questões patrimoniais e seus desdobramentos simbólicos, econômicos e materiais nas cidades.

english
This essay – theoretical and photographic – proposes reflections, poetic and utopian, and suggests other possibilities of looking at the patrimonial issues and their symbolic, economic and material unfolding in the cities.

español
Este ensayo – teórico y fotográfico – propone reflexiones, poéticas y utópicas, y sugiere otras posibilidades de miradas a las cuestiones patrimoniales y sus desdoblamientos simbólicos, económicos y materiales en las ciudades.


how to quote

BETTEGA, Marcela Cristina. Corpo de sonho. Arquiteturismo, São Paulo, ano 11, n. 130.02, Vitruvius, jan. 2018 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/11.130/6841>.


“Evitem dizer que algumas vezes cidades diferentes sucedem-se no mesmo solo e com o mesmo nome, nascem e morrem sem se conhecer, incomunicáveis entre si. Às vezes, os nomes dos habitantes permanecem iguais, e o sotaque das vozes, e até mesmos traços dos rostos; mas os deuses que vivem com os nomes e nos solos foram embora sem avisar e em seus lugares acomodaram-se deuses estranhos”.
Ítalo Calvino, Cidades invisíveis (1)

Paranaguá – Paraná. Porto. História que se confunde com a própria história do país – extração de ouro, tráfico de escravos, ciclo do café, da erva mate, dos grãos.

Sonhada para ser capital da província, Paranaguá ainda tem traços arquitetônicos da suntuosidade de seus moradores, e de sua primeira vocação.

Sobrados de vidro aparente, com eira, beira e tribeira. Ladrilhos hidráulicos, sacadas, colunas ecléticas, estrada de ferro e estação de trem, indícios do progresso, do dinheiro e do sonho de outrora.

O centro histórico é protegido pelas esferas federal, estadual e municipal. Compreende-se o valor estético e histórico da arquitetura urbana.

Ao caminhar por este centro aos poucos a cidade começa a se revelar, muitos destes exemplares arquitetônicos, representantes dos sonhos de outrora se encontram em estado de abandono. A ordem previa – da preservação e da História – foi subvertida (2).

Subversão e antagonismo. O abandono coabitando o espaço preservado. Em Paranaguá é comum encontrar quadras inteiras de edificações em desuso.

Gaston Bachelard considera a casa um corpo de sonho, e aqui, estendemos o conceito à cidade (3). Se comparássemos edifícios abandonados a corpos humanos?

Um edifício abandonado pode ser pensado como um corpo cuja alma original – àquela que lhe foi soprada às narinas assim que terminada a formação – já o deixou para trás, e acaba a dar corpo a outras vidas, outras ocupações. Uma nova encarnação em um corpo antigo, das vidas que habitam o abandono – o musgo, o líquen, a aranha, a teia, os sem-teto que abrigam tetos sem propriedade afetiva.

Edifícios que contam uma história cujo ponto de partida é o fim, o fim do sopro nas narinas do boneco de barro, que se esvai, mas deixa o corpo que fica se deteriorando a vista. Talvez seja neste lugar o incômodo diante dos edifícios abandonados: A evidência, clarividência da morte, do fim. Do sonho que deixou de existir, cuja materialidade explícita não oferece alternativa senão ficarmos diante do fim, da ação do tempo, da corrosão/ transmutação da matéria.

Essas imagens de abandono convocam a imaginação, e tocam (des) afetos.

O antagonismo dos edifícios abandonados dentro de áreas de preservação só reforça a sensação incômoda do fim sem funeral.

A cada semana um novo líquen, uma nova teia, uma nova rachadura, um desabamento.

Para Choay,

“Campos de deleite, redes de laços afetivos e novos tecidos com vestígios dos movimentos históricos (...). Muralhas, esqueletos, musgos, ervas daninhas, rosto erodido do apóstolo no pórtico. Lembram que a destruição e a morte são o término desses maravilhosos inícios” (4).

Talvez a função desses edifícios seja somente oferecer à paisagem reflexão.

Como o estopim de narrativas individuais para que de algum modo, se possa relacionar-se com os próprios fins.

E repensar a cidade, os espaços, os vazios, aquilo que já não tem mais serventia senão ao olhar, à contemplação.

Em Paranaguá há um tempo que passou que permanece parado, em mumificado em algumas edificações que guardam vestígios de beleza que um dia houve. Uma vitrine do para trás à espera de um olhar que as desabandone, pois olhar para um abandono já é um des-abandonar (5).

notas

1
CALVINO, Ítalo. Cidades invisíveis. São Paulo, Folha, 2013, p. 32-33.

2
ROCHA, Eduardo. Arquiteturas do abandono – ou uma cartografia nas fronteiras da arquitetura, da filosofia e da arte. Porto Alegre, UFRGS, 2010.

3
BACHELARD, Gaston. Poética do espaço. São Paulo, Martins Fontes, 2008.

4
CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. Trad.: Luciano Vieira Machado. São Paulo; Editora Unesp/Estação Liberdade, 2001, p. 133:

5
ROCHA, Eduardo. Op. cit.

sobre a autora

Marcela Cristina Bettega é mestranda em Desenvolvimento Territorial Sustentável pela UFPR Litoral, com pesquisa relacionada à estética do espaço. Especialista em Gestão Publica Municipal pela mesma Instituição, e especialista em Leitura e Produção de Texto – FAE; possui licenciatura em Artes Visuais pela FAP PR e é produtora cultural há cerca de 15 anos.

comments

130.02 ensaio fotográfico
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

130

130.01 eu estive lá!

Casas-estúdio de Juan O'Gorman, Diego Rivera e Frida Kahlo

Victor Hugo Mori

130.03 arquiteturismo em questão

Novos elementos em bens e sítios históricos

Eliane Lordello

130.04 viagem de estudos

Lugares (in)comuns de Grenoble

Bárbara Thomaz

130.05 quiz show

Quem sabe o nome do arquiteto e onde fica essa obra?

Michael Wesely

130.06 ícone urbano

Sobre o Farol Santander

Martin Jayo

newspaper


© 2000–2018 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided