Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Vista panorâmica de Nova York a partir do The Metropolitan Museum of Art - MET. Foto Michel Gorski

abstracts

português
O boom turístico que Lisboa tem vivenciado nos anos recentes tem dois lados: um, o dos benefícios da revitalização urbana, criação de novos empreendimentos e da geração de empregos e renda. O outro, o das consequências negativas do turismo de massa.

english
The tourist boom that Lisbon has experienced in recent years has two sides: one is the benefits from urban revitalization, new enterprises and the generation of jobs and income. The other is the negative consequences of mass tourism.

español
El boom turístico que Lisboa ha experimentado en los últimos años tiene dos partes: a de los beneficios de la revitalización urbana, creación de nuevas empresas y de puestos de trabajo y ingresos; y el de las consecuencias negativas del turismo de masas.


how to quote

JATOBÁ, Sergio. Turismo de massa em Lisboa. Arquiteturismo, São Paulo, ano 12, n. 135.03, Vitruvius, jun. 2018 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/12.135/7002>.


Que o turismo de massa gera grandes inconvenientes para os moradores locais, beneficia grandes grupos empresariais em detrimento dos pequenos empreendedores e causa estragos que podem descaracterizar justamente o que torna atrativo um lugar, já sabemos. Mas também é forçoso admitir que o turismo traz empregos, aumento de renda, estimula novos negócios e melhora a qualidade urbana em muitos aspectos, via revitalizações urbanas, melhoria da infraestrutura e construção de equipamentos culturais, por exemplo.

Lisboa vista do interior do Museu Nacional dos Coches, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia – MAAT, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia – MAAT, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Lisboa vivencia há alguns anos um boom turístico que têm estes dois aspectos. A cidade mudou, sem dúvida. Reabilitações urbanas deram nova vida às áreas deterioradas, com a revitalização de espaços públicos, investimentos na recuperação e retrofitização de edifícios que de outro modo, em muitos casos, estariam condenados a ruir. Novos equipamentos culturais foram construídos, como o Museu de Arquitetura, Artes e Tecnologia – MAAT, projetado pela arquiteta britânica Amanda Levete e o novo Museu dos Coches de Paulo Mendes da Rocha, em associação com os escritório MMBB arquitetos e Bak Gordon Arquitetos.

Edifício a venda em área sendo reabilitada, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Edifício retrofizado em área sendo reabilitada, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Edifício em obras em área sendo reabilitada, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

O conjunto destas obras e outras intervenções criaram um ciclo virtuoso que aqueceu o turismo e o mercado imobiliário e atraiu mais investimentos para melhoria urbana. É claro que nem todos estão ganhando nesse ciclo e há externalidades não computadas nessa equação. O preço dos imóveis encareceu, assim como os serviços públicos e o custo de vida. O resultado foi a gentrificação que expulsou moradores e comerciantes antigos dos bairros revitalizados.

Parque das Nações, área revitalizada a partir de 1998, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Barreira visual causada por navio em Alfama, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Interferência visual na paisagem vista do Miradouro das Portas do Sol, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

 

Há outros exemplos negativos do turismo de massa em Lisboa que, por outro lado, também beneficiam uma parte da população. Grandes transatlânticos que aportam no Tejo, e podem ter a altura de um prédio de 16 pavimentos, são uma interferência incômoda na bela vista que se descortina dos miradouros de Alfama, mas trazem levas de turistas que aumentam os lucros de restaurantes e lojistas, dentre outros. Os tuk-tuks a gasolina, que criaram uma alternativa de renda para muitos lisboetas, causam barulho e poluição nos outrora bairros tranquilos da cidade. Prédios deteriorados se transformam em edifícios restaurados onde surgem hotéis e novos apartamentos arrendados via Airnb, que a despeito do ganho que proporcionam a muitos, provocam a antipatia de moradores e elevaram em demasia o preço dos aluguéis.

Revitalização urbana no Campo das Cebolas/Fundação José Saramago, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Turistas assistindo ao pôr-do-sol na Ribeira das Naus, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Turistas na Praça do Comércio, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Lisboa também ganhou em animação urbana, que às vezes se transforma em perturbação do sossego de outrora. Diga-se da famosa Rua Augusta, na Baixa, antes quase sempre deserta à noite e atualmente tão apinhada de gente que se iguala na dificuldade de mobilidade às ruelas de Veneza, bem mais estreitas.

Escultura de Niki de Saint Phall na porta do Museu Coleção Berardo, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Movimento de turistas na Rua Augusta (Baixa) no final da tarde, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Reflexo da Igreja de Santa Luzia no Miradouro de Santa Luzia, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

O dinamismo econômico trazido pelo turismo de massa, que recém descobriu Lisboa, renovou a cidade e ajudou a amenizar os efeitos da crise de 2008, que ainda perduram. Uma parte dos lisboetas, contudo têm crescentemente questionado os ganhos advindos desse turismo massivo. Coisa que já se passou de forma semelhante em Barcelona e levou à adoção de medidas de controle da atividade turística e imobiliária, não sem resistência dos setores que lucram com elas. Na verdade Barcelona, que tem 2 milhões de habitantes e recebe 7,5 milhões de turistas por ano, quer evitar o que comprometeu Veneza, que tem 60 mil habitantes e recebe 20 milhões de turistas por ano. Dados recentes dão conta que quase 50% dos venezianos abandonaram a cidade nos últimos trinta anos, expulsos pelo encarecimento da vida e dos imóveis e pelo caos turístico.

Desenho representando Fernando Pessoa no Café Martinho da Arcada, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Rua da Saudade em Alfama, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Cartaz na Rua Augusta, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

Lisboa quer aprender com as experiências de Veneza e Barcelona e não vender literalmente a sua alma poética ao turismo de massa. Mas sabe que não é fácil corrigir os seus excessos sem inibir os benefícios econômicos e urbanos que ele traz. Enquanto isso, nós, os turistas, nos apressamos em visitar Lisboa antes que o turismo de massa destrua a sua atmosfera mágica, sem levar em conta que, tal qual na tragédia dos comuns, só estamos contribuindo para abreviar essa destruição.

Pichação nos muros de Alfama, outubro de 2017
Foto Sergio Jatobá

sobre o autor

Sérgio Jatobá é arquiteto e urbanista (UnB, 1981). Doutor em Desenvolvimento Sustentável (UnB/Universidad de Valladolid, 2006). Gerente de Estudos Urbanos da Codeplan/GDF. Pesquisador do Núcleo de Estudos Urbanos e Regionais – NEUR e do Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília. Foi pesquisador bolsista do IPEA.

comments

135.03 arquiteturismo em questão
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

135

135.01 viagem cultural

Andanças e desenhos

José Clewton do Nascimento and Eunádia Silva Cavalcante

135.02 exposição

Uma bienal em freejazz

Jorge Figueira

135.04 turismo exótico

Um paraíso perdido na Ásia

Simone da Silva Costa and Muhammed Rafikul Islam

135.05 quiz show

Quem sabe os nomes do arquiteto e de sua obra?

Abilio Guerra

newspaper


© 2000–2018 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided