Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Park Hotel, Nova Friburgo, 1944, arquiteto Lúcio Costa. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
Viagens são fundamentais para Arquitetos Urbanistas. O artigo apresenta a experiência e a história de Governors Island, uma ilha próxima a Manhattan, Nova York. Muita história está por trás de uma ilha de lazer, cultura e caminhabilidade.

english
Travels are essential for Urbanistic Architects. The article presents the experience and history of Governors Island, an island near Manhattan, New York. A lot of history is behind an island of leisure, culture and walkability.


how to quote

ESPINDULA, Lidiane. Experiências em Governors Island. Arquiteturismo, São Paulo, ano 13, n. 144.04, Vitruvius, mar. 2019 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/13.144/7284>.


Como arquiteta, urbanista e paisagista sempre que possível dou preferência em viajar nas minhas férias. Não foi diferente em julho de 2018, quanto fui para os Estados Unidos e pude conhecer, durante quinze dias, a Big Appel (Grande Maçã), como é conhecida a cidade de New York (ou Nova York, em português).

Vista aérea de Governors Island
Imagem divulgação [Google Earth, 2018]

Um dos passeios que mais me chamou atenção foi para a Governors Island (Ilha do Governo), bem próximo a Manhattan e ao Brooklyn, com 172 acres, ou cerca de 70 mil m². O acesso é somente por balsa e está aberto ao público todos os dias da semana, entre 1º de maio e 31 de outubro. Além do acesso à ilha, o passeio de balsa permite uma nova visão da cidade, em um ângulo privilegiado.

Vista sob ponte a partir da balsa de acesso
Foto Lidiane Espindula, 2018

O local contém uma antiga base militar abandonada. Havia boliche, motel, escola, lanchonetes, pois muitas famílias habitaram o local. Hoje é considerado destino para recreação, cultura e inovação, com maior liberdade para as crianças. Local seguro, diferente da agitação de Manhattan, onde não é possível entrar de carro, ou seja, toda a área é exclusiva para pedestres e ciclistas, permitindo maior caminhabilidade, bastante discutida no urbanismo contemporâneo. Há foodtrucks espalhados e locais para pequenas apresentações musicais.

Chegada a Governors Island
Foto Lidiane Espindula, 2018

Toda a ilha permite uma vista surpreendente para Nova York. Manhattan, Estátua da Liberdade, Brooklyn, além do porto com a entrada de grandes navios. É curioso observar que a maioria das edificações estão vazias, algumas contêm exposições de arte e áreas administrativas.

Pista de caminhada e ciclismo com foodtrucks para alimentação
Foto Lidiane Espindula, 2018

O Conselho Administrativo da ilha apresenta um programa cultural diferente a cada ano. Há uma série de exposições, concertos e mercados culturais e de arte. Mas a melhor maneira de ter uma ideia geral de Governors Island é de bicicleta. É possível conhecer a parte histórica e as recém-construídas.

Pista de caminhada e ciclismo
Foto Lidiane Espindula, 2018

Durante o percurso, além das exposições, é possível encontrar cursos de pequena duração sobre botânica, educação ambiental, jardinagem, compostagem, além do projeto com abelhas. Além do ciclismo e corrida, outros esportes podem ser praticados, como pesca (com autorização individual dada pelo Governo), golfe, o famoso baseball e até tirolesa! Mas o curioso mesmo é a possibilidade de acampar em retiros coletivos. A ilha acomoda até oitenta hóspedes e oferece serviço completo; não é um camping comum, pois as pessoas podem escolher tendas privativas com banheiros ou contêineres modulares, bem como barracas premium com banheiros compartilhados.

Fonte de água
Foto Lidiane Espindula, 2018

Após a visita fiquei muito curiosa em pesquisar a história do local, que começa no século 16. (1). No ano de 1524 os nativos americanos de Manhattan, conhecidos como Lenape, utilizavam a ilha para pesca, conhecida por eles como Pagganuck, ou Ilha das Nozes, devido a abundantes nogueiras, carvalhos e castanheiras existentes no local.

Vista da ilha para a Estátua da Liberdade
Foto Lidiane Espindula, 2018

Um século depois, em 1624, a Companhia Holandesa das Índias Ocidentais chegou a Nova Amsterdã, como Nova York era conhecida, montou um acampamento na ilha e chamou o local de ilha de “Noten Eylandt”. Os novos habitantes construíram um forte para se protegerem no local.

Vista para Manhattan com exposição de quadro de artista não identificado
Foto Lidiane Espindula, 2018

Poucos anos depois, em 1637, Wouter Van Twiller, diretor da referida companhia holandesa, comprou a ilha dos nativos por duas cabeças de machado, um colar de contas e um punhado de pregos, como registrado historicamente. Apesar de ser o representante oficial da Companhia, o governo holandês confiscou a propriedade um ano depois.

Em 1664, os ingleses conquistaram Nova Amsterdã, deram o nome de Nova York e tomaram a área. Em 1699 a ilha foi renomeada para Governors Island, para acomodação dos governadores britânicos e Sua Majestade, o então Rei Guilherme III.

Vista da ilha para Manhattan
Foto Lidiane Espindula, 2018

Durante a Revolução Americana, em 1776, os britânicos foram incapazes de continuar ocupando Nova York, se retiraram para o Canadá, com a intenção de retornar à cidade. Na retirada, as tropas continentais fortaleceram a ilha para impedir o avanço da Marinha Real Britânica, contudo na conhecida Batalha do Brooklyn, o exército britânico dominou o general George Washington e as forças americanas recuaram, sendo a ilha novamente ocupada pelos britânicos e usada como base militar no restante da Revolução Americana.

Castelo Williams, antigo forte e antiga cadeia
Foto Lidiane Espindula, 2018

Somente após a Guerra Revolucionária as tropas se retiraram da cidade, em 25 de novembro de 1783, conhecido como o “Dia da Evacuação”. Após esse período o estado de Nova York herdou todas as terras pertencentes aos britânicos, incluindo a Governors Island. Posteriormente, em 1794, o governo fortaleceu o porto, com um sistema de defesas costeiras, construindo outro forte, mais tarde chamado de Fort Jay, no centro da Ilha. Em 1800, Nova York transformou a ilha em base militar. Entre 1806 e 1809 o exército americano reconstruiu o segundo forte, o Castelo Williams, em frente ao porto. Em 1812 um terceiro forte foi construído, durante a Guerra Anglo Americana, em que as tropas se concentraram no local.

Castelo Williams, antigo forte e antiga cadeia
Foto Lidiane Espindula, 2018

A ilha também foi base para a Guerra Civil americana, entre 1861 e 1865. O Fort Jay e o Castelo Williams foram transformados em cadeias para os prisioneiros confederados e os policiais presos podiam passear na ilha em seu tempo livre.

Durante a década de 1870, o exército americano construiu seis casas de novos generais na ilha para abrigar escritórios de oficiais. Em 1878, a Governors Island evoluiu de um pequeno posto militar para um quartel-general e guarnição do exército e abrigava, também, a família dos militares.

Castelo Williams, antigo forte e antiga cadeia
Foto Lidiane Espindula, 2018

No início do século 20 a ilha sofreu mudanças. Sua área foi aumentada em 40m² devido ao depósito de pedras e terra da escavação do metrô e da drenagem do porto, depositadas no local, aumentando para o tamanho atual, em 1912. Durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1818), a 22ª Infantaria permaneceu na ilha, protegendo o depósito de suprimentos e a infraestrutura vital entre Nova York e Washington, D.C.

Castelo Williams, antigo forte e antiga cadeia
Foto Lidiane Espindula, 2018

Entre as duas guerras mundiais, a ilha serviu como sede para as forças terrestres e aéreas do exército americano. Na década de 1960, novos quartéis e prédios de apartamentos foram construídos na parte sul, permanecendo como uso militar até novembro de 1964. Após essa data o Departamento de Defesa dos EUA anunciou o fechamento da Governors Island.

Crianças observando a cidade do outro lado da baía
Foto Lidiane Espindula, 2018

Em 1966, a administração da ilha foi transferida à Guarda Costeira dos Estados Unidos, com uma comunidade residencial independente de aproximadamente 3.000 habitantes. E, acredite, havia um “Burger King” (restaurante popular de hambúrguer) no local, o único dos Estados Unidos que vendia cerveja.

Como medida de redução de custos, a Guarda Costeira fechou suas instalações na ilha em 1995. No ano seguinte todas as pessoas foram realocadas, era o fim de uma era para milhares de famílias da Guarda Costeira e do Exército que habitavam no local.

Crianças brincando
Foto Lidiane Espindula, 2018

No ano de 2003, o Governo Federal vendeu quase todo o território da ilha (60 mil m²) para as pessoas da cidade e do estado de Nova York com escrituras que asseguravam que grande parte da ilha seria ocupada para benefício público, ou seja, uma pequena parcela ainda pode ser utilizada de forma privada. No mesmo ano foi aberta aos visitantes, mas somente em 2006 tornou-se ponto turístico da cidade e a linha de balsa deu acesso à ilha, abrindo visitação a pedestres e ciclistas. Em 2009 foram feitas pistas de caminhada e ciclismo, com cerca de 3.500 metros de extensão e uma área para piquenique na área sul.

Crianças brincando em parquinho lúdico
Foto Lidiane Espindula, 2018

Outros usos foram inseridos no local, não somente lazer. Alguns edifícios abandonados foram restaurados e utilizados para fornecer educação preparatória para a faculdade, além de áreas artísticas e de exposições públicas. Exposições essas que atraem, em média, 70 artistas por ano. Algumas construções, porém, foram demolidas, mas para dar espaço a áreas abertas para campos, quadras de esportes e até área para minigolfe.

Crianças brincando em parquinho lúdico
Foto Lidiane Espindula, 2018

Enfim, para conhecer o local o governo de Nova York possui um transporte público de balsas que dá acesso a diversos pontos estratégicos da cidade, como forma de melhorar a mobilidade urbana. Durante a semana, a Governors Island Ferry (nome da linha de acesso) passa uma vez a cada hora, aproximadamente, e a cada meia hora nos finais de semana. A balsa parte do Battery Maritime Building, localizado na 10 South Street (leste da Staten Island Ferry) em Lower Manhattan, e custa $3,00 dólares. Durante os fins de semana no verão também é possível utilizar a NYC Ferry. Entre as 10h00 e 17h00, as balsas East River Route e South Brooklyn Route vão para Governors Island, cerca de uma vez a cada hora.

Crianças brincando em parquinho lúdico
Foto Lidiane Espindula, 2018

O passeio foi uma ótima experiência, pois a ilha mostra que é possível ter mais qualidade de vida também e que espaços abertos de lazer são importantes para unir famílias, exercitar, descansar, brincar, mesmo na cidade que nunca dorme!

Crianças em rede de descanso
Foto Lidiane Espindula, 2018

nota

1
A pesquisa foi baseada no website oficial do Conselho Administrativo de Governors Island. <https://govisland.com>.

sobre a autora

Lidiane Espindula é mestre em arquitetura e urbanismo pela Universidade Federal do Espírito Santo – Ufes. Pós-graduada em Paisagismo e Plantas Ornamentais pela Universidade Federal de Lavras – Ufla. Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Ufes.

comments

144.04 roteiro de viagem
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

144

144.01 viagem cultural

Na península ibérica

Anita Di Marco

144.02 ministério do arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte...

144.03 arquiteturismo em questão

Detalhes em São Luiz do Paraitinga

Eduardo de Lima Caldas, Patrícia Laczynski de Souza and Martin Jayo

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided