Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architexts ISSN 1809-6298


abstracts


how to quote

COMAS, Carlos Eduardo. A máquina para recordar. Ministerio da Educação no Rio de Janeiro, 1936/45. Arquitextos, São Paulo, ano 01, n. 005.01, Vitruvius, out. 2000 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/01.005/967>.

Lucio Costa e equipe: Oscar Niemeyer, Affonso Reidy, Jorge Moreyra, Carlos Leão, Ernani Vasconcellos

O grande prisma puro de 14 pavimentos atravessa a quadra regular no centro do Rio exibindo junto aos extremos de sua laje de cobertura dois volumes salientes, curvilíneos e azuis, unidos por um pavilhão horizontal e circundado por um terraço: casa de máquinas dos elevadores e reservatório superior manipulados para evocar a superestrutura de um navio. O mar visível a quatrocentos metros e as peculiaridades do programa conferem densidade inusitada a uma metáfora já então familiar. O ministro exigia ao mesmo tempo um edifício de escritórios eficiente e uma representação monumental da nação que redescobria suas raízes e se construía nova pelo trabalho do Ministério: uma máquina para recordar. Le Corbusier tentou satisfaze-lo e não o conseguiu. A equipe brasileira foi mais hábil. Em nome do programa e do sítio, aproveitou a oportunidade para corrigir o mestre, a partir de uma compreensão cabal de suas inovações compositivas e das continuidades disciplinares que se estabeleciam.

O prisma puro é aqui a exceção isolada e memorável frente a um entorno moldando-se com edifícios contínuos e alinhados. O vidro da sua fachada sul revela as lajes planas balanceadas de esqueleto de concreto e reflete a velha igreja vizinha. O da fachada norte se protege com brise-soleil móvel, enorme muxarabi que unifica o corpo do edifício. As laterais estreitas e cegas se revestem de granito local. Em sua base, os dois vestíbulos requeridos pelo programa são o pretexto que transforma a seção central do pilotis em uma sala hipóstila ou em um propileu, um vazio entre dois sólidos que remete igualmente ao Grande Trianon de Gabriel ou a Bauhaus de Gropius, ao Palácio dos Soviets do mesmo Corbusier. Na vizinhança da palmeira imperial plantada por Burle Marx, a geometria estrita de uma coluna cilíndrica e esbelta fala das quintas do Rio e das margens do Nilo.

O vestíbulo principal se penetra lateralmente e ele se adossam dois volumes de dois pisos e altura igual ao pilotis, com serviços abaixo, uma galeria e um auditório acima. A galeria é uma caixa transparente, o auditório é um trapézio abobadado e franqueado por corredores vidrados. Coincidência do eixo longitudinal, largura e especificação do material se conjugam para criar a ilusão de um paralelepípedo único de extremidade rasgada e deformada pela cunha do auditório, um bloco baixo contínuo que fecha a rua menos importante ao redor da quadra e intercepta o bloco alto. As colunas exteriores de galeria e corredores do auditório se agarram por mísulas à laje de entrepiso, reforçando a ilusão e figurando uma ordem colossal contemporânea.

Bandas plantadas de um lado a outro do vestíbulo de empregados configuram uma ala vestigial, paralela ao bolco baixo, e o equilíbrio entre arquitetura e vegetação formaliza uma idéia insinuada por Corbusier na composição do Palácio da Liga das Nações. Sem perder a linearidade de atalho, a esplanada de granito intermediária se fragmenta em dois átrios, a que não são alheios nem o Campidólio nem Versalles, ou os largos em frente às igrejas coloniais do país. Os azulejos que recobrem o vestíbulo de serviço não são produzidos em série, integram painéis pintados e proclamam a descendência dos claustros barrocos luso-brasileiros. As alusões são ambíguas mas não esotéricas. São declaração de linhagem tipológica e, talvez, reinvidicação de herança, que acode à mente enquanto o corpo se sujeita a uma elaborada coreografia de acesso.

A avenida principal do centro do Rio se chama Rio Branco e passa a duzentos metros a oeste do quarteirão do ministério. O prisma puro se liga perpendicularmente a ela, o bloco baixo se desenvolve paralelo ao comprimento da testada mais distante. Sua montagem reconhece a direção predominante de chegada ao sítio, as faixas plantadas qualificam precisamente o reconhecimento. A composição resiste à aproximação frontal, frustrando o olho com parede ou oco que o afasta. Só a visão desde as esquinas vizinhas à avenida rio branco aclaram a anatomia e fisiologia do projeto, e essa visão é diagonal. Se o projeto se elabora a partir de ortogonais, eixos, simetrias ou assimetrias equilibradas, a disposição de portas e portais privilegia a percepção e o movimento oblíquos, rotatórios, laterais, a horizontalidade das lajes desmente as eventuais afirmações de centralidade. Eixo conceitual e eixo visual só coincidirão no auditório ao visitante tomar assento, repouso merecido ao final de uma dilatada procissão

Tudo o qual assinala a adesão a idéia de arquitetura moderna como debate e integração entre aspereza clássica e topologia pitoresca. A adesão começa fora. A "promenade architecturale" que Corbusier contrapôs à "marche" acadêmica pôde aqui iniciar-se ao ar livre. O clima permite a extroversão, favorece a ambivalência e a ambigüidade espaciais, é simpático à exuberância insinuada pela composição aditiva, aceita bem a porosidade do volume construído. Nada mais fácil que interpretar extroversão, exuberância, porosidade, ambigüidade como índices de uma paisagem e de um temperamento aberto, mesmo que controlado pela mesura serena que corresponde a um monumento.

Mas o ministério é ao mesmo tempo monumento e protótipo. Essencialmente solidário e integrado com o sítio ao qual que se implanta, tem além disso o potencial de reprodução do protótipo. Giedion dizia que era "um passo certo em direção à monumentalidade contemporânea". Uma praça semi-edificada cercada por quarteirões fechados não se vincula à cidade da carta de Atenas. Mais parece protótipo de edifício institucional que reinterpreta, em termos contemporâneos, as idéias tradicionais de rua, quarteirão, praça e a oposição entre tecido e monumento

De outro lado, o ministério é uma aplicação pioneira da '"planta e fachada livres" a um edifício de escritórios em altura, e o número de inovações ou refinamentos técnicos é notável- as lajes-cogumelo forradas com material isolante em sua face inferior, os brises de controle manual que se afastam da fachada para permitir a tiragem do ar e se calibram dimensionalmente para evitar a sensação de grade; as aberturas detalhadas para garantira ventilação cruzada sobre os painéis divisórios do andar tipo, a organização modular das redes elétricas e de telefone embutidas no piso e no parapeito corrido de ferro à frente das esquadrias.

A qualidade da construção não desmerece a qualidade do projeto, em que o cuidado de índole pragmática está associado à preocupação significativa e a representação de situação não elude a responsabilidade de correção construtiva. Os materiais são nobres e resistentes: uma máquina para recordar que não perdura materialmente seria uma contradição operacional, a minimização de custos de manutanção é medida economicamente sensata. A lucidez abstrata do partido e a justeza das proporções se revestem com uma tactilidade que outorga frescor apropriado ao calor do lugar. O ministro ficou contente, a disciplina agradeceu.

sobre o autor

Carlos Eduardo Dias Comas é arquiteto, membro da Comissão Coordenadora do PROPAR (Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura) da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e responsável pela pesquisa "Arquitetura Brasileira Contemporânea: Cidade Figurativa, Teoria Acadêmica, Arquitetura Contemporânea".

comments

005.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

others: español

share

005

005.00

Três questões sobre urbanismo (editorial)

Abilio Guerra

005.02

A fotografia de Maxe Fisher

Eduardo Aquino

005.03

Empoli

Mobiliário urbano para o centro histórico (1)

Italo Rota, Alessandro Baldassari, Paolo Cinacchi and Susanna Viviani

005.04

Os desafios da destruição e conservação do patrimônio cultural no Brasil

Pedro Paulo Funari

005.05

Four horizons

a casa auto-suficiente

Ana Rosa de Oliveira

005.06

Sobre o vídeo "Mi multi es mi multi"

Historia oral do Multifamiliar Miguel Amenán, 1949-1999

Elaine Cavalcante Gomes and Joelma Santana Siqueira

005.07

Aspectos de uma estética deleuziana

Ludmila Brandão

005.08

Hiroshi Hara

Maria Isabel Marocco Milanez

005.09

Edifício Luciano Costa

Um enfoque apositivo (1)

Luiz Manuel do Eirado Amorim

005.10

A fotografia e a periferia

Carlos M Teixeira

005.11

Rossi e Eisenman... Freud explica!

Denise Xavier de Mendonça

005.12

Outros resíduos

Sérgio Sister

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided