Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architexts ISSN 1809-6298


abstracts


how to quote

OLIVEIRA, Ana Rosa de. Four horizons. A casa auto-suficiente. Arquitextos, São Paulo, ano 01, n. 005.05, Vitruvius, out. 2000 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/01.005/971>.

A casa Four Horizons se ergue sobre um alcantilado no interior de da Floresta Estadual de Watagan, recentemente transformada em Parque Nacional. Situa-se a 150 Km de Sydney, 430m, a acima do nível do mar e se abre a espetaculares vistas do vale do rio Hunter.

O essencial desse projeto é a concepção holística da casa. O lugar em que se situa, com seu relativo isolamento geográfico e a ausência de qualquer serviço público (rede de água e esgotos, eletricidade, telefone) leva a pensar na vontade do seu autor e cliente de ir mais além, de realizar um experimento em condições extremas, já que se a casa não definisse sua auto-suficiência energética e de serviços, provavelmente estaria condenada ao fracasso.

Desse modo, a utilização do lugar é feita para que seus mecanismos de ajuste, como todo sistema auto-regulado não se voltem contra os interesses humanos. Nesse sentido, não se tratou de dispor a casa tentando "proteger" a natureza (ela mesma se autoprotege), mas de organizar nela a sustentabilidade da presença humana.

Isso confere novos conteúdos à casa, que deve se encarregar de obter, controlar e gerir suas próprias fontes de energia. O objetivo foi servir-se de materiais e tecnologias facilmente disponíveis, reciclar os resíduos gerados e viabilizar atividades de baixo impacto ambiental.

A provisão de água é feita por coleta e aproveitamento da água da chuva. A energia solar é utilizada para o aquecimento da água, geração de eletricidade e acionamento de uma rádio que unifica telefone/fax/e-mail. A orientação da casa e as soluções construtivas permitem a climatização natural. Os resíduos gerados são tratados e logo lançados outra vez ao ambiente, cuidando para minimizar o impacto sobre o seu entorno. A lenha é usada para cozinha e calefação.

A casa se instala paralelamente aos alcantilados para aproveitar o sol da manhã no inverno e as brisas frescas do verão, voltando sua parte posterior aos ventos dominantes. Externamente dispõe-se uma série de placas solares , os geradores, as dependências de garagem e estábulo, unidas a um jardim fechado que conforma um pátio.

O sistema de coberturas da casa é resolvido com um teto a duas águas, construído com estrutura metálica e chapa ondulada galvanizada, seguindo o padrão das naves agrícolas australianas. Esta primeira cobertura é separada da casa propriamente dita, para regular a ventilação, as temperaturas e a entrada de luz, além de aportar uma grande superfície de sombra e de coleta de água da chuva. A água coletada na cobertura da casa armazena-se em tanques com uma capacidade muito superior à utilizada diariamente (600l) e garante uma reserva para muitos meses de consumo.

Sob essa estrutura são dispostos dois módulos habitáveis com sub-tetos metálicos curvados, que abrigam por um lado, a área comunitária e as salas de estar, cozinha e despensa e de outro, um estúdio e dois quartos com seus respectivos banheiros. Estas duas dependências da casa separam-se através de um estreito corredor ao ar livre que possibilita maior eficiência térmica, ao mesmo tempo que atua como isolante de ruídos e atividades.

As soluções construtivas são adequadas às condições térmicas das diferentes disposições. Enquanto que, internamente, os muros de alvenaria (concreto) são expostos, o lado que dá ao exterior é revestido com poliester/lã isolante, mini-esferas de aço e tábuas de eucalipto, possibilitando o seu isolamento térmico.

Essas condições, associadas às propriedades físicas e a clara disposição de outros elementos como os brises, a cobertura, os tijolos perfurados, o corredor ao ar livre e as dependências externas, conduzem à uma boa resposta térmica da casa que mantém uma diferença de menos 10°C com a temperatura externa no verão e, inversamente no inverno.

No âmbito tradicional da casa unifamiliar australiana esta residência também se destaca pela sua economia energética. Em Four Horizons, a situação, orientação, seleção de materiais, o método construtivo, o cuidadoso manejo de recursos e resíduos gerados, foram orientados por uma concepção integral do processo. A apresentação desse projeto supõe também um desafio, ele estabelece que uma arquitetura ecológica e sustentável pode ser estabelecida como norma e integrada ao cotidiano.

Ficha Técnica

Watagan Forest, Hunter Valley Austrália, 1998
Arquiteto: Lindsay Johnston, professor associado do Departamento de Arquitetura da Faculty of Architecture, Building and Design, University of Newcastle, Callaghan, Australia
Colaboradores: Su Johnston, Robert White.
Imagens: http://info.newcastle.edu.au/department/ar/papers/LNJ/Steel-Profile/Steel-Profile-64.html

sobre o autor

Ana Rosa de Oliveira é engenheira florestal e doutora em Arquitetura pela Universidade de Valladolid. É co-autora do livro Ecotecture-Ecological Architecture (Loft, Barcelona, 1999). Na França trabalhou com os paisagistas Daniel Laroche (Montpellier) e Guéric Pére (Lion). No Brasil, no Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais. Atualmente é professora e pesquisadora do PROPAR - Programa de Pós Graduação e Pesquisa em Arquitetura, UFRGS e bolsista recém-dr, CNPq.

comments

005.05
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

005

005.00

Três questões sobre urbanismo (editorial)

Abilio Guerra

005.01

A máquina para recordar

Ministerio da Educação no Rio de Janeiro, 1936/45

Carlos Eduardo Comas

005.02

A fotografia de Maxe Fisher

Eduardo Aquino

005.03

Empoli

Mobiliário urbano para o centro histórico (1)

Italo Rota, Alessandro Baldassari, Paolo Cinacchi and Susanna Viviani

005.04

Os desafios da destruição e conservação do patrimônio cultural no Brasil

Pedro Paulo Funari

005.06

Sobre o vídeo "Mi multi es mi multi"

Historia oral do Multifamiliar Miguel Amenán, 1949-1999

Elaine Cavalcante Gomes and Joelma Santana Siqueira

005.07

Aspectos de uma estética deleuziana

Ludmila Brandão

005.08

Hiroshi Hara

Maria Isabel Marocco Milanez

005.09

Edifício Luciano Costa

Um enfoque apositivo (1)

Luiz Manuel do Eirado Amorim

005.10

A fotografia e a periferia

Carlos M Teixeira

005.11

Rossi e Eisenman... Freud explica!

Denise Xavier de Mendonça

005.12

Outros resíduos

Sérgio Sister

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided