Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architexts ISSN 1809-6298


abstracts


how to quote

NUNES, Antonio-Manoel. Um “Big-bang” multidisciplinar. Arquitextos, São Paulo, ano 02, n. 023.06, Vitruvius, abr. 2002 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/02.023/792>.

Relações binárias e influências entre textos são meros retratos na parede do comparativismo literário. Há décadas que a questão metodológica que imprimia uma relação de puro confronto entre obras,  autores ou temas foi se esvaziando. Termos como fonte, origem, influência, autonomia, dependência, metrópole e periferia perderam o seu peso, para flagrar na atual virada de século uma rota que se dá pela acumulação das formas de criação artística e literária: uma espécie de aglutinação informacional que, ao invés de comparar pelo sinal de subtração, utiliza o valor de somatório para a sua operação estética.

Com efeito, o caminho a ser trilhado pela Literatura Comparada, hoje, precisa levar em consideração a idéia wagneriana de arte total, embutida na arte contemporânea. Em sua prática de arte total, Richard Wagner afirmava  a capacidade que cada meio de expressão artística tem em atravessar suas fronteiras formais, transpassando histérica e herculeamente os seus limites, à procura do pleno da arte, da plenitude do excesso (2).

Este excesso, que acumula sem discriminar uma diversidade de vozes, parte do pressuposto de que a expressividade dos objetos artísticos, se dá justamente na apreensão globalizante de sua construção. Não sendo ermo detalhe, nem harmonia perene, a obra é efeito de um todo internamente em confronto e em diálogo com diversos sistemas discursivos. A estética do excesso nasce, assim, dentro de sistemas culturais abertos que ignoram um centro fixo como valor da conformação e irradiação das simetrias. Tais sistemas descentrados organizam-se assimetricamente e ativam forças que ultrapassam seus limites.

Portanto, os estudos comparativistas descobrem a estética do excesso e sua imprescindível atuação na análise dos produtos discursivos e disciplinares. Tais produtos seguem sua rota de expansão, baseando-se em um movimento equivalente à teoria física da Grande Explosão primordial. No “Big-Bang”, a origem do universo é concebida a partir de uma explosão primeira, ocorrida entre 15 e 20 bilhões de anos atrás. Esse “instante zero” do “Big-Bang” pode ser definido como uma situação de extrema compressão e temperatura extremamente alta, onde as leis da física habitual não são válidas. O resultado desse processo foi, então, a progressiva estruturação da matéria, das partículas elementares aos átomos mais simples, até a formação das galáxias, dos planetas e da vida.

A descoberta do “Big-Bang” ocasionou os avanços recentes da investigação científica, trazendo novos elementos de reflexão sobre os conceitos de ordem e desordem, lógica e acaso na natureza. Nasce o caos ou, mais precisamente, o comportamento caótico, fruto da descoberta de que a maioria dos sistemas dinâmicos não segue um comportamento regular e previsível, mas um comportamento altamente complexo, com características aleatórias.

A arte comunga também com o caos. Observando-se a dicotomia/complementação que Nietzsche analisa em A origem da tragédia (3), Apolo e Dionísio seriam, respectivamente, a “ordem” e “desordem”. Da mesma maneira, o compositor experimental paulista Livio Tragtemberg comenta em relação à música:

“Ao longo do tempo, a música ocidental [...] caminhou de forma a estabelecer padrões e parâmetros cada vez mais estáveis e uniformes para o fenômeno musical, no sentido de elaborar um sistema globalizante. Esse movimento atuou na uniformização da escala de frequências [...] sistema temperado [...], num sistema de durações baseado em números proporcionais [...] e ainda num elenco de formações instrumentais [...] e de formas musicais." (4)

Assim, se o caminho da música ocidental aponta para o lado apolíneo, “no sentido da uniformização e do estabelecimento de um repertório controlado a priori da criação propriamente dita”, hoje se pode inverter a seta para o lado dionisíaco. Tragtemberg, na criação musical operada pelo caos, sugere que, “a partir dos equipamentos eletrônicos, é possível interferir na natureza acústica básica do som, a ponto de simular nela procedimentos não-lineares e aleatórios que perturbem desde a formação da própria freqüência até o timbre”. O que comumente se chamaria de ruído é um fenômeno sonoro cujos formantes combinam-se de maneira irregular, “incorporando equações complexas que não são redutíveis a um ou mais padrões predominantes (5).

Totem exemplar desse universo em expansão, onde aguçados graus de imprevisibilidade varrem sua lógica interna, sua comunicabilidade, a obra Galáxias, de Haroldo de Campos, foi produzida ao longo dos anos de 1963 a 1975, convivendo tanto com composições elíptico-concretistas quanto com obras de alta carga redundante do poeta-crítico-tradutor.

Às cinqüenta páginas impressas das Galáxias correspondem os cinqüenta cantos/fragmentos. O primeiro e o último canto são denominados por Haroldo de “formantes”, numa clara alusão à terminologia musical, retirada do maestro e compositor contemporâneo Pierre Boulez.

"e começo aqui e meço aqui este começo e remeço e arremesso e aqui me meço: quando se vive sob a espécie da viagem o que importa não é a viagem mas o começo da [...] por isso meço por isso começo a escrever mil páginas escrever milumapáginas para acabar com a escritura para começar com a escritura para acabarcomeçar coma escritura por isso recomeço por isso arremeço por isso teço escrever sobre escrever é [canto 1]

*  *  *

fecho encerro reverbero aqui me  tino aqui me zero não canto não conto não
quero anoiteço desprimavero me libro enfim neste libro neste vôo[último canto]" (6)

Leitura linear ou em fragmentos, o texto foi concebido por seu autor para ficar no limite entre a prosa e a poesia, entre a harmonia e a melodia, entre o plano do conteúdo e o plano da expressão, construindo em rompantes uma estética do excesso. E cada canto/fragmento, mesmo lido separadamente, irá espelhar o seu conjunto, sua totalidade: “galáxias”. É Haroldo quem relata: “cada um possui a sua diferença específica. Há uma vértebra geral que é o livro como viagem e a viagem como livro” (7).

A vocação barroquizante de Campos – nem tanto em relação à linguagem, porém, mais em relação à proliferação das imagens  e dos torneios de significantes inclusos – aproxima as Galáxias à teoria do “Big Bang”. Numa radical multidisciplinaridade comparativista, a obra ultrapassa a si mesma, rompendo as fronteiras de sua mídia primeira e expande-se. Expande-se para outras mídias tecnologicamente mais sofisticadas e de apelo massificante.

Dezesseis fragmentos da obra foram lidos pelo autor no compact-disc  Isto não é um livro de viagem (8). Se o oitavo fragmento serve de motivação ao título [“isto não é um livro de viagem pois a viagem não é um livro de viagem / pois um livro é viagem...”], o ruído pela utilização do novo meio permite a ironia que se instalou na capa do CD: “isto não é um livro; é a própria viagem”.

Por outro lado, a relação dos concretistas [Décio, Haroldo, Augusto] com a música popular e a música erudita brasileiras estreita-se e, também, surpreende as Galáxias – que tem alguns de seus fragmentos [ou parte de] musicados ora por Edvaldo Santana e Péricles Cavalcanti, ora por Lívio Tragtemberg e por Caetano Veloso no décimo quinto canto: “Circuladô de Fulô”:

"circuladô de fulô ao deus ao demodará que deus te guie porque  eu não posso guiá e viva quem já  me deu circuladô de fulô e ainda quem falta me dá..." (9)

Do som viaja-se às imagens. Novamente, é esse menestrel da eletrônica quem lê passagens da epopéia digital no filme “Os Sermões”, de Júlio Bressane. Haroldo reduplica-se no Pe. Antônio Vieira, sob a lente neobarroquizante do cineasta e parceiro. São eles que, no vídeo “Veredas do Grande Sermão”, de Cássio Morandei e Gil Hungria, discutem a transposição dos Sermões, de Vieira, para o cinema.

Em termos de radicalidade estética, as Galáxias se prestaram para a produção de três vídeos instigantes pelo processo formal apresentado.

O primeiro deles é o mais simples. Realizado como uma videocolagem, como uma videorreportagem sobre o lançamento do CD Isto não é um livro de viagem, o vídeo “Ouver galáxias”, de Moradei e Hungria, reúne as idéias estéticas e de comportamento caótico de Haroldo e do músico Tragtemberg em contraponto com imagens da festa.

Passando da esfera documental para a esfera dramático-experimental, têm-se Bressane e Haroldo de Campos surgindo como “videomakers” e, juntos, produzindo os vídeos “Galáxia Albina” [1990] e “Infernalário: Logodédalo, Galáxia Dark” [1992]. “Galáxia Albina” – com Bete Coelho, Giulia Gam e Tânia Nomura – é o primeiro de uma trilogia sobre as Galáxias, transposição de uma viagem solitária de palavras e de papel para imagens sonorizadas em VHS.

Já a parte II desta trilogia galáctica, “Infernalário: Logodédalo, Galáxia Dark” – com Bete Coelho e Mariana de Moraes –, apoia-se numa estética “dark” que retira da obra de Campos sua “matéria-escura” para combiná-la às imagens rarefeitas do cineasta e às marcações marionetizadas das atrizes: lusco-fusco mítico, cênico e interpretativo. Nessa galáxia negra, é perceptível o mundo lido pelo taoísmo chinês: a multiplicidade é concebida como manifestação da Unidade, que, por sua vez, é gerada pelo Vazio – um vazio impenetrável ao raciocínio, mas paradoxalmente pleno de virtualidades.

O universo primordial era pura energia. A partir daí, desenharam-se cenários mais e mais complexos das dramáticas transformações do cosmo em sua estruturação material. A criação das Galáxias segue, por analogia, o “modelo inflacionário” do “Big Bang” e a estética do excesso que representa a arte finissecular do final do século vinte e do início deste. Da palavra primordial a gerar escritura, aos cantos/galáxias que se expandem e proliferam, esta obra de Haroldo não reluta em transpassar linguagens, mídias, fronteiras: universo em expansão.

notas

[Pinturas do alemão Ferdinand Leeke (1859-1925), encomendadas em 1889 por Siegfried Wagner, para ilustrar cenas das Óperas de seu pai, o compositor Richard Wagner]

1
Este texto foi publicado, com pequenas modificações em: CUNHA, Eneida L. e SOUZA, Eneida M. de. Literatura Comparada; ensaios. Salvador: Programa de Pós-Graduação  em Letras e Lingüística da UFBA/EDUFBA, 1996.

2
CALABRESE, Omar. A idade neobarroca. São Paulo, Martins Fontes, 1988, p. 64.

3
NIETZSCHE, Friederich. Origem da tragédia. Lisboa, Guimarães &Cia., 1972.

4
TRAGTEMBERG, Livio et alii. A ciência e a arte do acaso. Ciência Hoje. São Paulo. V. 14, nº 80, mar/abr 1992, p. 60.

5
CAMPOS, Haroldo de. Galáxias. São Paulo, ExLibris, l992.

6
CAMPOS, Haroldo de. A poesia de Haroldo chega ao CD. O Globo, Rio de Janeiro, 28 de jun. de 1992, 2.cad, p.7.

7
CAMPOS, Haroldo de. Isto não é um livro de viagem. Rio de Janeiro, 34 Letras, 1992  [compact-disc]

8
No site  www.haroldodecampos/tela-cd/cd.htm  são listadas outras gravações que partem da obra de H. de Campos.

9
CAMPOS, Haroldo de. Galáxias. Ed. cit.

sobre o autor

Antonio-Manoel Nunes é doutorando de Literatura Comparada na UFRJ

comments

023.06
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

023

023.00

Os arquitetos e o poder público

Renato Luiz Sobral Anelli

023.01

1968-2008: do Projeto Jari ao Protocolo de Kyoto

Carlos M. Teixeira

023.02

Megacidades, exclusão e mundialização

Do ponto de vista da América Latina

Jorge Mario Jáuregui

023.03

Lo popular y lo postvanguardista (o como é gostoso o meu francés).

Una cronica de la 25ª Bienal de São Paulo

Eduardo Subirats

023.04

Desconstruindo Koolhaas – parte 1: P. MP. M. [pouco, muito pouco, mínimo]

Clarissa Moreira

023.05

Armadilhas: Algumas palavras sobre o concurso para a sede do Grupo Corpo

Silke Kapp

023.07

Cuba: sociedad y arte deco

Lohania Aruca Alonso

023.08

Los materiales de construcción cubanos al desarrollo y generalización del "art decó" en Cuba

Una contribución

Juan de las Cuevas Toraya

023.09

Biblioteca Pompeu Fabra de Mataró, Catalunya, España

Ana Rosa de Oliveira

023.10

La Biblioteca Virgilio Barco de Rogelio Salmona

Benjamin Barney Caldas

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided