Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architexts ISSN 1809-6298


abstracts

português
A arquiteta carioca comenta a exposição Washington, Símbolo e Cidade, inaugurada em outubro de 2004 no National Building Museum da Capital norte-americana


how to quote

GUIMARAENS, Cêça. Exposição Washington, Cidade e Símbolo: o city beautiful no museu. Arquitextos, São Paulo, ano 05, n. 055.06, Vitruvius, dez. 2004 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/05.055/521>.

A exposição Washington, Símbolo e Cidade, inaugurada em outubro de 2004 no National Building Museum, amplia e atualiza os conteúdos da primeira versão que, visitada por mais de quatro milhões de pessoas, esteve exposta entre 1991 e 2001. À maneira das muitas diretas e indiretas leituras museológicas da cidade de Washington, a nova mostra, também classificada “de longa duração”, apresenta as conquistas e os desejos dos idealizadores e habitantes da cidade, capital dos Estados Unidos da América do Norte, face às condições internacionais, nacionais e locais.

O National Building Museum é a instituição privada que lidera a “exploração” museológica do ambiente construído nos Estados Unidos. O edifício onde o museu encontra-se instalado tem à sua frente a Judiciary Square, uma das mais modernas praças de Washington. Projetado em 1887 para servir de sede ao United States Pension (que amparava os sobreviventes da Guerra Civil), e restaurado na década de 1980, o edifício do National Building Museum integra, ingênua e artisticamente, o estilo naîve da arquitetura americana em imensa estrutura composta de 15.500.000 tijolos. A cobertura metálica exibe um frontão cujo ponto mais alto atinge a altura de um prédio de 15 pavimentos; o vazio do hall monumental – quase do tamanho de um campo de futebol americano – é configurado perifericamente por cento e quarenta e quatro colunas jônicas e dóricas, metade de terracota e metade de ferro, e oito enormes colunas coríntias centrais, marmorizadas em técnica de trompe d´oeil, que mereceram comentários divertidos, mas elogiosos, de Charles Jencks.

As exposições e programas complementares procuram informar e educar o público de todas as idades sobre as casas modestas, grandes arranha-céus e monumentais edifícios públicos, além dos parques, pontes e cidades. A história, arte e tecnologias contemporâneas da arquitetura do edifício, da cidade e da paisagem são enfocadas do ponto de vista do design, engenharia, planejamento urbano e construção. Recentemente, além da abordagem da história da arquitetura e do urbanismo em suas diversas facetas, as atividades apresentam exposições e discussões sobre os diversos aspectos do crescimento dos subúrbios, preservação de marcos paisagísticos e revitalização de centros urbanos, promovendo as variadas formas que contribuem para identificar a América e definir o caráter nacional do país (1).

A cidade de Washington é, sem dúvida, o emblema dos conflitos e das diferenças dos Estados Unidos da América do Norte. Hoje, a saga eleitoral americana, ainda em exibição nas melhores tevês do mundo, opõe liberais e republicanos-conservadores, despertando a curiosidade sobre o lugar onde vive o, novamente coroado, filho dileto da família, ou clã, Bush.

A cidade-federal foi nomeada por George Washington em 1791; e, originalmente projetada por L´Enfant – o francês de nome Pierre Charles que renominou-se Peter, porque não gostava de sua origem européia –, foi construída com a ajuda insuperável de Thomas Jefferson (2). Os projetos da sede do Congresso (Capitólio) e da Casa Branca – principais edifícios representativos do poder republicano e federativo foram escolhidos por concurso e destruídos pelos ingleses em 1812. A localização (extremamente favorecida pelo presidente Washington, que era proprietário de terras ao longo do rio Potomac) e a perene rivalidade com Baltimore e Nova York (que abrigaram por pouquíssimo tempo o governo independente) em assuntos políticos, além dos negócios e da indústria, podem ter justificado o bom-humor ou ironia de Charles Dickens que declarou, em 1842, ser Washington “uma cidade de intenções magníficas”.

O fato de a capital nacional ter sido criada pelo governo e para o governo, e estar “em desenvolvimento” desde 1790, provoca, desde sempre, tensões entre as esperanças “monumentais” da população do país, as demandas cotidianas dos funcionários e as necessidades dos moradores e visitantes, sejam estes “comuns” ou excepcionais (3). Indiferente a tudo isto, o centro do território hoje vulgarmente nomeado “América”, expõe-se de muitas maneiras em museus e espaços culturais. No extenso National Mall e adjacências, em suportes de naturezas e funções diversas, a capital americana é exaltada e, portanto, recebe, além de turistas, muitos (mas muitos, mesmo!) migrantes e imigrantes de todas as partes do mundo.

Em Washington, a luta entre o Modernismo e o estilo Beaux-Arts está representada até às últimas tendências do Pós-modernismo. Sem excluir o Minimalismo, nem a elegância do Neo-Modernismo, as recentes produções de arquitetura da cidade abrigam e orgulham-se de exibir fantásticas adaptações do Neoclássico, o verdadeiro estilo dos sonhos dos arquitetos dessa América mais que norte-americana. Portanto, orgulhosa de múltipla diversidade, que permanece a principal característica do, também nosso, Novo Mundo, Washington exibe a condição de cidade museológica tanto em espaços fechados quanto abertos. Generosa, a cidade oferece arte e urbanismo em quase todos os lugares, seja com finalidade cultural e educativa, de lazer ou entretenimento.

Inúmeros e variados objetos expõem o desenho e a forma simbólica da cidade, inspirando constantemente os visitantes e, em especial, os arquitetos. Dentre os incontáveis motivos museográficos que satisfazem (e impulsionam!) a exaltação nacional, pode-se destacar: os painéis de rua que cercam o terreno do Newseum – o mais novo museu em construção, vizinho da estupenda Embaixada do Canadá – e possibilitam aos habitantes e turistas a leitura diária da primeira página do Washington Post e de vários jornais do mundo inteiro, onde se incluem o Globo e o Estado de São Paulo; os módulos expositivos Presidency e First Ladies no National Museum of American History, que recuperam fatos e fotos dos principais moradores, sem esquecer de relacioná-los à cidade e seus lugares mais significativos; a maquete de Washington do Castelo da Smithsonian que informa e diverte porque ilumina a um simples toque de botão os principais edifícios e marcos paisagísticos; o multimídia visual da entrada do novíssimo National Museum of the American Indian que relembra os primeiros donos e as cidades em que se transformaram as suas terras; o mapa e as vitrines-painéis do City Museum que narram a memória social de grupos negros, judeus e chineses que ocuparam as fronteiras esquecidas da cidade; as maquetes eletrônicas no eclético Corcoran Gallery que exibem as recentíssimas idéias de Frank Gehry para integrar a sua escola de arte com a vizinhança pós-moderna e neoclássica; os totens que fazem parte do sistema de orientação e sinalização do circuito histórico de Downtown; e os panfletos que divulgam o roteiro da exibição Pandamania que começa (ou termina) no National Zôo.

Dois espaços conectados evocam, em Washington: Símbolo e Cidade, os ideais da mais grandiosa democracia republicana do século 21, ao mesmo tempo em que dispõem sobre a vida de quase 1 milhão de residentes que, ao espalhar-se por mais de 100 bairros, partilham ícones arquitetônicos, além de museus, memoriais e parques, entremeados por high-ways. No primeiro espaço, as informações predominantes são referentes à história e às principais modificações do plano urbanístico de L´Enfant. As maquetes imensas, textos narrativos e ilustrativos, reproduções de fotos e mapas, e alguns objetos revelam a importância da monumentalidade da forma arquitetônica para simbolizar a força da nação. Entretanto, para satisfazer desde o mais simples até o mais exigente conhecimento da cultura sócio-arquitetural da cidade, há muito mais que isto na superfície de pouco mais de 900 quadrados de painéis e vitrines, repletos de imagens e textos.

Os módulos da versão atual de Washington, Símbolo e Cidade contêm a seguinte estrutura temática: “Cidade do desejo”, “A promenade da nação”, “Cidade em desenvolvimento”, “A presença federal”, “Rua principal” e “Cultura e Representação”. Os temas, por sua vez, agrupam os assuntos decorrentes em sub-módulos e destacam os espaços mais reconhecidos internacionalmente da cidade. Dentre estes, a exposição contém as grandes maquetes do National Mall – a elaborada em 1901, quando o centro monumental recuperou o desenho de L’Enfant, e que apresenta a situação atual, ocupam grande área da primeira sala. Breves biografias apresentam dos personagens que formaram o passado e projetaram o futuro da cidade, ou seja, os pais e mães fundadores, nativos e estrangeiros brancos, e African-Americans que tiveram importância na história da educação superior, na música e na luta pela cidadania e igualdade de direitos políticos. E, claro, não podiam ser excluídas as imagens das famosas marchas de protesto das décadas de 1950, 60 e 70, realizadas entre o Capitólio e o Memorial Lincoln.

As fases antiga e atual da história da cidade ligam-se por meio do módulo que exibe a ânsia por modernidade e prioriza o desenvolvimento da habitação, da educação e o transporte. Dessa maneira, verifica-se que a substituição da arquitetura de estilo vitoriano pelos edifícios de mármore branco de origem romana, inspirados no classicismo e com a simetria regida por disciplina geométrica, reforçou o urbanismo dos grandes eixos, praças e círculos, transformando Washington na cidade dos museus.

Os registros históricos dessa parte da exposição demonstram que, em meados do século XIX, as ruas arruinadas, a desvalorização imobiliária, as inundações e o incêndio da Library of Congress (então localizada no Capitólio) aceleraram as obras de reservatórios e aquedutos, da mesma forma que canais e estradas, e contribuíram para a consolidação da idealizada capital do império americano. Assim, a ênfase da mostra para a construção da infra-estrutura transforma o suprimento de água, a proteção dos mananciais, o tratamento do esgoto e a drenagem nos principais temas do sub-módulo “Serviços Públicos”.

Nessa época, além dos limites do National Mall, a demanda por moradia impôs o avanço da ocupação e valorização imobiliária de bairros residenciais, que foram o principal fator de expansão da cidade. Os edifícios de apartamentos e as habitações apalacetadas e afastadas dos lotes foram construídas após a Guerra Civil, substituindo as casas alinhadas e conjugadas. O auge da construção habitacional ocorreu entre as guerras mundiais do século XX, sendo que, de 1940 até 1960, o modo de vida suburbano tornou-se, ao mesmo tempo, solução e problema.

Na perspectiva de integração (4) com os estados limítrofes do Distrito de Columbia (a designação completa da sigla DC que acompanha o nome de Washington), a construção das pontes, auto-estradas e o desenvolvimento do sistema de Metrô a partir de 1966 partilham, na exposição, o mesmo grau de importância com os edifícios governamentais, parques e museus (5). Mas, é a rua principal, isto é, a avenida Pennsylvania que preenche incisivamente o percurso do segundo espaço expositivo e estabelece uma linha de fronteira significativa. A Pennsylvania Avenue é o elo do Capitólio com a Casa Branca, justificando o epíteto de Main Street, por tudo que este adjetivo significa, tanto na prática da vida social e política, quanto na teoria urbanística. A exposição ressalta que, desde 1972, a Pennsylvania Avenue Development Corporation encarrega-se de implantar planos e projetos de revitalização da área da avenida, que foi designada “Sítio Histórico Nacional” em 1965. Assim, a rua principal de Washington mantém-se na condição de microcosmo e, cada vez mais, mescla as diferentes faces da cidade.

O patriotismo encarnado pela população é notável e, neste sentido, destaca-se a relação direta com os memoriais e museus que até hoje crescem em número e representatividade em Washington. Por outro lado, a segregação racial e religiosa, foi, desde o início, a causa de diferenciação na ocupação e expansão da cidade. Criando as concentrações “alternativas”, tanto em razão da moradia, quanto do comércio e do ensino superior, a população negra, judaica e chinesa desenvolveu espaços de viver em muitas áreas da cidade. A exposição também apresenta a presença dos latinos, destacando a luta pelos direitos civis dos imigrantes de várias nacionalidades em imagens e referências às marchas de ativistas políticos na década de 1950.

Esses moradores, apesar das constantes mudanças físicas decorrentes do jogo imobiliário e das perseguições ideológicas, integraram as atividades de negócios e habitação e, portanto, preservaram grandes trechos dos espaços significativos do urbanismo da cidade.

No sub-módulo “Downtown em Preto e Branco”, ou a “Cidade Segregada”, a cultura de “alto espírito” é representada por meio da arquitetura, música, artes visuais e performática. Os textos e imagens da exposição informam que, em museus e universidades, e também no setor de comércio e os negócios, quase todas as implicações da segregação e da desegregação racial (6), encontraram em Washington a tradução perfeita das lutas da democracia americana.

Em Washington, cidade e símbolo, os espaços públicos – praças e memoriais, parques e museus –, que servem para as atividades culturais e comemorativas, são exibidos na condição de tópicos centrais para o planejamento da cidade. Embora as pressões imobiliárias e políticas sejam até hoje formidáveis, as decisões para preservação e uso dessas áreas são decorrentes de debates com as comunidades. O governo, representado pela National Capital Planning Comission, manda na terra, foi durante muito tempo a única indústria empregadora da cidade e procura manter as bases do plano de L´Enfant para as gerações futuras.

O módulo “Cultura e Representação” desenvolve os sub-temas da preservação do ambiente construído e da criação de museus. Os estilos das casas e sedes das embaixadas, ao lado de memoriais e parques, rememoram a perene integração e atualização cultural da cidade e complementam as informações a respeito da formação de acervos artísticos (7).

Os recursos expositivos utilizados são de forma e natureza diversa: monitores exibem filmes de Hollywood e registros antigos e atuais de eventos políticos e de guerras; o som do ambiente reproduz discursos e canções de épocas e objetivos variados; fotografias e reproduções de mapas e desenhos antigos, e imagens digitalizadas de satélites espaciais são apostas em painéis, compostos de informações textuais e objetos referentes aos respectivos módulos e sub-módulos temáticos.

Os painéis criam pequenos “nichos” e possuem trechos vazados em locais inusitados que ampliam o campo visual, estabelecendo transparência e a integração com outros espaços da sala e o grande hall do museu. As cores azul, rosa, vinho verde e bege são usadas em faixas e formas de tamanhos diversos, destacando a estrutura e elementos do edifício com tons pastel nas paredes e tetos; no piso, foram utilizadas as mesmas cores em tonalidades mais escuras.

As vitrines de vidro são, em maioria, de tipo pequeno acoplado aos painéis; existe ainda um painel-vitrine que divide os ambientes. Este último compõe o módulo central que transforma a segunda sala em dois espaços expositivos e complementa os sub-temas “Preservação” e “Atualização”. Estruturado em dois diferentes tipos de vitrine e suportes de madeira e vidro, esse módulo central exibe a Pennsylvania Avenue de um lado, e, do outro, edifícios modernos, entre eles, os apartamentos vizinhos da Renwick Gallery e o painel “o Leste encontra o Oeste” com a nova ala da National Gallery construída na década de 1970 e os novos edifícios do FBI de M. Pei.

Os grandes temas de Washington, Símbolo e Cidade são a arquitetura e a engenharia que foram geradas em patriotismo e protesto. A mostra confirma a hipótese de que a eterna luta entre Academia e Vanguarda até hoje simboliza o sonho americano triunfal e ainda é utilizada pelos arquitetos das formas físicas e dos espaços sociais de Washington. Assim, as cópias de interiores dos palazzos e catedrais florentinas e as reinterpretações neoclássicas, da mesma forma que as modernistas e neomodernas fachadas, atualizam constantemente a identidade da cidade-capital. Portanto, até mesmo em tempos de war on terror, em busca da “pura” e sempre contemporânea paisagem urbana, esses construtores misturam arte, negócios e lazer, contribuindo para consolidar o poder político do império na condição de cultura e way of life global.

notas

1
No mês de novembro, as palestras, visitas guiadas e filmes apresentam e possibilitam discutir com os autores (arquitetos e firmas) a arquitetura de edifícios e o urbanismo das cidades sustentáveis que utilizam ecologicamente os recursos culturais e construídos. Atualmente, além da Washington, símbolo e cidade, estão em exibição fotos dos trabalhadores que montaram a estrutura metálica do Walt Disney Concert Hall, projetado por Frank Gehry; a exposição Pedra líquida: a Nova Arquitetura em Concreto, sobre a história e o desenvolvimento da técnica construtiva, com maquetes e projetos contemporâneos onde se encontra exemplo de tijolos de concreto translúcido (uma das inovações exibidas é o Bloco–Digital, usado para construir paredes transparentes capazes de transmitir e receber informações no Museu do 21º Século, de Nova York projetado por Gisue Hariri); e a mostra especial para crianças intitulada: Investigando onde vivemos.

2
L’Enfant, como Lucio Costa, desentendeu-se com os executores da cidade, sendo seu plano original retomado apenas em 1901. Segundo textos da exposição, George Washington era um cavalheiro, arquiteto e construtor; Thomas Jefferson omitiu o nome de L´Enfant na carta em que apresentava o plano da cidade para o Congresso; e L´Enfant graduou-se na Academia de Escultura e Pintura e, portanto, embora familiarizado com os princípios básicos da arquitetura, não seria considerado arquiteto na Europa.

3
O atentado de 11 de setembro de 2001 produziu uma sensacional mudança nos padrões das guaritas e nas barreiras físicas das entradas de pedestres e veículos em quase todos os edifícios de Washington. O presidente do AIA escreveu artigo no Washington Post referindo-se aos problemas que as formas e os tipos dessas barreiras estão causando para a fruição da arquitetura e urbanismo dos monumentos e principais marcos paisagísticos. Ao criar novos limites visuais para os edifícios, esses elementos “arquitetônicos” fazem parte do desenho urbano e do mobiliário da cidade. Assim, em tempos de alerta máximo contra o terrorismo, tornaram-se, sob todos os aspectos, assunto polêmico para jornalistas, designers, arquitetos e responsáveis pela segurança.

4
O plano McMillan, que recuperou os traços originais de Washington em 1901, indicou a relocalização da ferrovia e depósitos que existiam no National Mall. Assim, a recém-inaugurada Union Station foi considerada, em 1908, a maior estação de trem do mundo.

5
Exemplo dos fatos da formidável concorrência urbanística entre as grandes cidades, também existente no início do século XX, o Rock Creek Park foi criado entre 1913 e 1936 para rivalizar com o Central Park de Nova York, mas fica longe do National Mall e é ocupado por lotes residenciais, o que dificulta o total e livre acesso, além do uso “urbano” e, portanto, cultural.

6
No começo de 1800, somente os brancos podiam ter estandes de venda no interior do Mercado Central; os negros vendiam seus produtos em vagões e barracas do lado de fora. No final do século XIX, embora a população negra pudesse comprar em lojas de departamentos, não podia usar os banheiros nem as cabines para experimentar roupas. Em 1920, o auge do crescimento comercial e cultural de bairros e ruas habitados quase que exclusivamente por negros fez com que teatros e casas noturnas da área conhecida como Black Broadway em Washington, rivalizassem com o Harlem de Nova York. Apenas em 1950 os empresários negros puderam viver e negociar mais livremente.

7
O criticismo fachadístico, questionando a contextualização do estilo contemporâneo com os exemplares neoclássicos predominantes na arquitetura da cidade; a construção do Castelo, sede da Smithsonian Institution, depois da aquisição de objetos de muitos estados norte-americanos e de 34 países, expostos na Philadelphia Centennial Exposition, em 1876; e a consolidação da gestão de Andrew Mellon na National Gallery, que decorreu da doação de 21 obras de arte pictóricas, compradas do museu russo L´Hermitage em 1930; além da atuação de Jackeline Kennedy na preservação e modernização do Downtown washingtoniano, são alguns dos assuntos tratados no módulo “Cultura e Representação”.

sobre o autor

Cêça Guimaraens é arquiteta, doutora em Planejamento Urbano e Regional e professora adjunta da FAU/UFRJ. Atualmente, como Professora Visitante da New York University na área de Estudos de Museus e Estudos Americanos, realiza pesquisas de pós-doutorado em Washington, Estados Unidos

comments

055.06
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

055

055.00

Cultural assertiveness:

An effective and practical attitude towards an identity in architecture (1))

Cristián Fernández Cox

055.01

La restauración de La Ricarda

Work in progress (1)

Fernando Alvarez Prozorovich and Jordi Roig

055.02

Centros Educacionais Unificados: arquitetura e educação em São Paulo

Renato Anelli

055.03

No ninho de uma enguia

José Mateus and Hiroyuki Sugiura

055.04

Espaço urbano contemporâneo:

As recentes transformações no espaço público e suas conseqüentes implicações para uma crítica aos conceitos tradicionais do urbano (1)

Raphael David dos Santos Filho

055.05

Importância e interferências da concepção dos subsistemas verticais em edifícios altos na arquitetura

Ricardo Henrique Dias

055.07

Sobre as Gôndolas da Corderie - 9ª Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza – Metamorph

Carlos M Teixeira

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided