Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architexts ISSN 1809-6298


abstracts

português
A partir do artigo “Sobre as gôndolas da Corderie”, de Carlos M. Teixeira, publicado em Arquitextos,o autor faz comentários sobre a última Bienal de Arquitetura de Veneza


how to quote

CORINALDI, Vittorio. Arsenale e Cá Pesaro: algumas considerações sobre a última Bienal de Arquitetura de Veneza. Arquitextos, São Paulo, ano 05, n. 059.05, Vitruvius, abr. 2005 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/05.059/474>.

Embora tendo raízes familiares em Veneza, e apesar de meu profundo amor por essa cidade, não me foi possível pôr em prática o desejo de visitar a última Bienal de Arquitetura lá realizada.

Tinha especial curiosidade de ver a instalação da mostra no ambiente do antigo “Arsenale”, e também me atraía a retrospectiva de Lina Bo Bardi, arquiteta que sempre admirei desde meus tempos de estudante, e cuja obra sem dúvida terá ganho uma dimensão especial ao ser apresentada no espaço da Cá Pesaro e na excepcional atmosfera cultural e física de Veneza.

Por isto foi ainda maior o interesse com que li o artigo “Sobre as gôndolas da Corderie”, de Carlos M. Teixeira, em Textos Especiais Arquitextos nº 272, Portal Vitruvius, de dezembro de 2004.

Mas à parte estas considerações que tocam a um relacionamento pessoal, encontrei no artigo eco para impressões e pensamentos que vêm me ocupando de tempos para cá diante das tendências que se afirmam no panorama internacional da arquitetura.

A polêmica cultural e a crítica de arquitetura sempre sofreram por um excesso de intelectualismo e por uma prolixidade semântica com que grande parte de autores se referem à produção de seu período: a ponto de outorgar ao processo criativo características de um “mistério poético” ou de um sofisticado exercício mental que nem sempre correspondiam à personalidade do arquiteto ou à natureza de sua obra.

Mas este endereço se tornou quase indecifrável diante da eclosão morfológica e da ilimitada liberdade gráfica desencadeadas pelo computador como instrumento de projeto, e apoiadas num desenvolvimento tecnológico que permite executar a qualquer preço “fantasias” espaciais que glorificam os novos deuses do mercado e os arquitetos que os servem..

E então nenhuma cidade de respeito se sentirá realizada sem que possa exibir a sua versão do Museu de Bilbao. E nenhum político municipal de importância arriscará sacrificar sua carreira deixando de inscrever algum Ghery ou Nouvel no rol dos encargos de sua administração.

E ao mesmo tempo, diante da infinita gama de possibilidades técnicas que o arquiteto tem hoje a seu dispor, parece tornar-se menos importante o realmente realizar o projeto, e a “visão virtual” toma às vezes o lugar da obra concluída, colocando-se no mesmo grau de importância no contexto cultural. E os expedientes gráficos, expositivos e mesmo coreogrãficos se transformam num custoso mas indispensável fator da ação do arquiteto.

É isto que tansparece – na minha compreensão – de quanto descreve Carlos M. Teixeira sobre o conteúdo e a montagem do exposto na Bienal. E não posso deixar de registrar uma nostálgica lembrança da retórica direta e simples com que os mestres de minha geração transmitiam em traços e em palavras sua linguagem arquitetônica: a leitura visual era clara, assentada sobre conceitos lógicos de utilidade e economia, e traduzida em formas e espaços racionalmente assimiláveis e esteticamente classificáveis. O contexto da cidade ou do entorno ambiental e da memória histórica interferia de forma mensurável no resultado construído, e o emprego dos materiais ou das estruturas se baseava num conhecimento natural e imaginoso, inovador mas também respeitoso de costumes e tradições.

Mas mais do que tudo, os programas construtivos e a argumentação ideológica se voltavam muito mais para o preenchimento de necessidades e aspirações da sociedade e do indivíduo, do que para reluzentes e impressionantes engenhos formais.

Será talvez este um dos motivos que fizeram certamente da mostra de Lina Bo Bardi um marco de exceção no quadro do grande evento da cidade lagunar. E sua colocação em separado na nobre sede da Cá Pesaro poderá então ter dado lugar a reflexões equilibradas e comparativas, sobre os caminhos mais autênticos que a arquitetura de hoje deveria buscar.

Concedi-me entrar nestes comentários, mesmo ciente da ousadia de dar opiniões baseadas em intuição e não numa verificação de fatos: intuições sugeridas pelo artigo de Teixeira a um observador algo afastado, pouco familiar com os mais novos nomes da vanguarda da arquitetura mundial, e certamente prisioneiro de seus próprios conceitos, formados no exercício profissional em dias já superados. E conhecedor apaixonado de Veneza, sob o fundo da qual qualquer exibição adquire um significado vibrante, e qualquer polêmica se humaniza e modera, ao som musical e amigo do dialeto vêneto.

sobre o autor

Vittorio Corinaldi é arquiteto formado na FAU-USP e correspondente Vitruvius em Tel Avivi, Israel

comments

059.05
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

059

059.00

Metrô x Retrô: Califórnia 2004. Cidades, diversidade, inovação, clusters e projetos urbanos

Carlos Leite

059.01

Desenvolvimento local e projetos urbanos

Nadia Somekh and Candido Malta Campos Neto

059.02

Enclaves globais em São Paulo: urbanização sem urbanismo?

Zeuler Lima

059.03

Fragilidade ambiental das áreas urbanas: o metabolismo das cidades

Paula Raquel da Rocha Jorge Vendramini, Gilda Collet Bruna and Juliana Di Cesare Margini Marques

059.04

Cidade moderna sobre cidade tradicional: movimento e expansão – parte 2

Célia Helena Castro Gonsales

059.06

“A Vila” medrosa e a Broadacre esperançosa: um ensaio comparativo de simbologias territoriais no cinema e na arquitetura

Eliane Lordello

059.07

Operações Urbanas em São Paulo: crítica, plano e projetos. Parte 1 – Introdução

Pedro Manuel Rivaben de Sales

059.08

A questão doutoral ou a globalização da epistemologia e da pesquisa em arquitetura

Jean Pierre Chupin

059.09

O novo “Learning Center” para a Escola Politécnica Federal de Lausanne – EPFL

Olivia de Oliveira

059.10

Uma introdução aos Sistemas de Informações Geográficas no planejamento urbano

Renato T. de Saboya

059.11

Arquitetura penitenciária: a evolução do espaço inimigo

Suzann Cordeiro

059.12

Operações Urbanas em São Paulo: crítica, plano e projetos. Parte 2 – Operação Urbana Faria Lima: relatório de avaliação crítica

Pedro Manuel Rivaben de Sales

059.13

Cidades na sociedade de informação: clusters urbanos

Fábio Duarte

059.14

Notas sobre o fomento de Arranjos Produtivos Locais para o desenvolvimento econômico e renovação territorial urbana

André I. Leirner

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided