Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architexts ISSN 1809-6298


abstracts

português
O artigo trata da pequena e pouco conhecida Capela Pombo, no centro histórico de Belém, no Pará, que se encontra em um estado preocupante, tendo em vista suas degradadas condições físicas. Redescobri-la e revelá-la são objetivos do artigo

english
The article is about the small and unknown Pombo Chapel, on the historical city center of Belém, in Pará, which shows bad conservation caracteristicas. The article's objective is to re-descover it and reveal its value

español
El artículo trata de la pequeña y poco conocida Capela Pombo, en el centro histórico de Belém, en Pará, que se encuentra en un estado preocupante, teniendo en vista sus degradadas condiciones físicas. Redescubrirla es el objetivo del artículo


how to quote

DE CASTRO OLIVEIRA, Domingos Sávio. Capela Pombo, Belém PA: interpretação e perspectivas. Arquitextos, São Paulo, ano 10, n. 109.05, Vitruvius, jun. 2009 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/10.109/48>.

O oratório na casa brasileira no século XVIII

A presença da capela na casa brasileira tem antecedentes na casa nobre portuguesa. Segundo Carlos de Azevedo (2), a tipologia que integra a capela à fachada só encontrou no século XVIII sua melhor configuração. Essa solução esteve presente em Portugal, de norte a sul, durante todo o século.

Os relatos a respeito de casas com capela anexa no Brasil aparecem já no século XVII e são referentes à ocupação portuguesa. Luis Saia (3), Aracy Amaral (4) e Carlos Lemos (5) têm estudos a respeito dessa tipologia no período colonial e, apesar de as pesquisas estarem concentradas nos exemplares do sudeste e sul do Brasil, não havia muita diferença com as demais, já que a prática religiosa era similar em todo o país, acontecendo somente adaptações de acordo com o clima de cada região.

As grandes distâncias entre as propriedades rurais e o meio urbano ocasionavam o isolamento das famílias, que só frequentavam as cidades nos dias importantes, principalmente durante as festas religiosas. Isso não ocorria em Portugal e, forçosamente, obrigou a presença da capela nas residências rurais brasileiras, para uso diário da família, agregados e escravos.

Ao longo do tempo, a localização da capela foi sendo modificada. Até o século XVIII, ela aparecia no interior da casa. A partir deste século, houve um deslocamento para além da residência, tornando-se, aos poucos, independente. Em meados do século XIX, ela passou a ser instalada nas proximidades desta. Com a perda de importância e com a proibição de seu uso, passou a ser substituída por um compartimento da casa – o quarto dos santos – ou por um oratório (6).

Há registros da construção de engenhos de açúcar, no nordeste brasileiro, durante a ocupação da várzea do rio Paraíba, já no final do século XVI. Carvalho (7) analisa uma série de engenhos construídos entre os séculos XVII e XIX com capelas em suas instalações. Relatos descrevem a riqueza dos interiores dos templos, o que confirma sua importância.

No Pará, existem relatos da presença de engenhos de cana-de-açúcar (8) em documentos do período colonial (9). Em alguns, a existência da edificação religiosa é conhecida. Barata (10) relaciona alguns deles e suas capelas: dos Santos Reis ou de Ponta de Pedras, na Ilha do Marajó, com capela dos Santos Reis Magos; Real de Burajuba ou Ibirajuba ou São Francisco de Boya, no rio Mojú, com capela de N. S. de Nazaré; Curussambaba, no rio Tocantins, com capela de N. S. do Pilar; Itabora, no rio Mojú, com capela de Santo Cristo; Juquiri-Assu, no rio Mojú, com capela de Santo Antônio; e Marauarú ou Maruarú, na ilha do Marajó, com capela de São Miguel.

Marques (11) analisa quatro engenhos: Murutucu, Mocajuba, Uriboca e Jaguarari (12). Dos quatro, sabe-se que a presença da edificação religiosa ocorre em dois: no Murutucu, capela dedicada à Nossa Senhora da Conceição (13), e no Jaguarari (14), cujas ruínas estão em estado de destruição avançado.

A existência de capelas nas habitações foi um fenômeno peculiar na arquitetura rural brasileira. Nas cidades, entretanto, esse equipamento deixaria de ter sua funcionalidade lógica, pois a comunidade não apresentava as mesmas características do meio rural, como também a igreja pública predominava sobre qualquer iniciativa particular.

Exemplos de residências com capelas anexas no Brasil setecentista podem ser observados em Minas Gerais e no Maranhão. Em Sabará (MG), são conhecidos: o Solar do Padre Corrêa, sede atual da Prefeitura da cidade, no qual a capela fica situada em um dos salões na parte posterior da edificação, e a Casa Azul, em cuja sala-capela destaca-se um belo forro decorado. Em São Luis, no Maranhão, existe a Capela de São José anexa à Quinta das Laranjeiras. Originariamente, existiu um oratório ligado à casa-grande. No século XIX, o proprietário solicitou autorização ao Bispo para a construção de uma capela com acesso pela rua para uso público.

Em Belém, no Pará, há registros da existência de capelas particulares conforme cita o Bispo D. Fr. João Evangelista Pereira da Silva, em um ofício (15) datado de 1773. Nesse ofício, o religioso apresenta uma relação de sacerdotes, igrejas e capelas do Bispado e dentre essas, cita: “Nesta cidade [...] O oratorio nas casas dos herdeiros do [ilegível] de Campo Antonio Ferreira Ribeiro. Os das casas da viuva do Capitam Guilherme Bruum [?] de Abreu [?] na rua do Espirito Santo. O do Reverendo [?] Arcipreste Antonio Rodrigues”.

Alexandre Rodrigues Ferreira, em 1784, também faz referência, em seu Diario da Viagem Philosophica, à existência de capelas particulares na cidade de Belém:

“Oratorios publicos são o do Palacio do Bispo, o do Palacio do Governador e Capitão General, o do Seminario, o da Cadeya da Cidade, o do Capitão Ambrozio Henriques, alem de outros particulares, como o do defuncto Mestre de Campo Pedro de Sequeira, o do Capitão Luiz Pereira da Cunha, o de Manoel da Costa Leitão Xavier” (16).

De todas essas, apenas a capela do Palácio dos Governadores e a do Capitão Ambrósio ainda existem. Da segunda, é do que se ocupa esse artigo.

Caracterização histórica e atual da área

Considerando a formação da cidade de Belém a partir da chegada dos portugueses, em 1616, sua ocupação se deu, inicialmente, nas proximidades do Forte do Presépio, formando o bairro da Cidade, atual Cidade Velha. Em seguida, ainda no século XVII, foi expandida para a área que corresponde à Campina, atual bairro do Comércio, sendo essas duas áreas, à época, separadas pelo alagado do Piri.

A Campina surgiu a partir do eixo Rua Conselheiro João Alfredo (17) /Rua Santo Antônio. Outrora um bairro essencialmente residencial, foi, com o passar do tempo, sendo modificado para comercial, e, atualmente, conhecido como bairro do Comércio.

A área é marcada por vias estreitas, característica do traçado inicial da cidade. Essas vias têm revestimento asfáltico (18) e calçadas recobertas com pedras de lioz, cimento ou ladrilho hidráulico. O tráfego de veículos e pedestres é intenso na área. O eixo principal - a Rua João Alfredo - e algumas transversais são restritos aos pedestres, sendo liberados aos veículos apenas aos domingos, feriados e após o horário comercial, tendo em vista a intensa ocupação do leito viário por vendedores do comércio informal.

Há uma predominância de edificações de dois pavimentos, que ocupam os lotes quase totalmente, particularidade do período de ocupação da área.

O uso das edificações do local é predominantemente comercial, porém é possível encontrar as modalidades serviço e uso misto (comercial/serviço/habitacional). Além disso, ainda se encontram raras edificações de uso institucional. O uso residencial exclusivo quase não existe e o religioso é marcado pela capela do Senhor Bom Jesus dos Passos e por uma igreja evangélica.

Essa área está localizada no Centro Histórico de Belém, é tombada e regulamentada pela Lei N.° 7.709, de 18 de maio de 1994, e, como tal, possui várias edificações com interesse de preservação.

O bairro tem população reduzida, situação comum aos Centros Históricos, mas conta com uma população flutuante, correspondente aos trabalhadores ou frequentadores do comércio.

Embora receba grande fluxo de pessoas, a área, pelo estado de desordem física, visual e sonora, tem poucos elementos atrativos, a não ser aqueles que dizem respeito às funções de comércio e serviço, muitas vezes preteridos por outras opções na cidade.

A capela do Senhor Bom Jesus dos Passos e o casarão contíguo estão situados na Travessa Campos Sales, antiga Rua do Passinho (19), no perímetro compreendido entre as ruas 13 de Maio e Senador Manoel Barata, Bairro do Comércio. As duas edificações – capela e sobrado - são apenas alguns dos possíveis atrativos do local; entretanto, o estado de conservação e a descaracterização em que se encontram, preocupam pela sua manutenção na paisagem urbana. Ao mesmo tempo, esse estado imprime ao passante um sentimento de desconhecimento e desvalorização dos edifícios, diminuindo o potencial interesse por eles, salvo pelo referencial simbólico ainda associado à capela, porém sem maiores relações ao prédio em si, mas pelo seu valor religioso, ainda vinculado a algumas festividades do calendário católico na cidade.

Síntese histórica da Capela Pombo

A história da Capela do Senhor dos Passos (20) ou do Senhor Bom Jesus dos Passos (21) está ligada ao ilustre Coronel Ambrósio Henriques (c.1750-1820), ilustre senhor de engenhos, português, que se mudou para Belém na segunda metade do século XVIII. Diz a tradição que por ele foi mandada construir, anexa ao sobrado de sua propriedade, a fim de que a família pudesse participar da missa e de outras cerimônias religiosas, acompanhada dos amigos e dos escravos.

A data de sua construção não é conhecida. Teria sido concluída em 1790 (22) quando, de acordo com Tocantins (23), teria ocorrido sua sagração, embora já existisse em 1784, tendo sido referida pelo naturalista baiano Alexandre Rodrigues Ferreira (24). Barata (25), a respeito da Capela escreveu: “esta capela foi ereta em 1793, sob a invocação de N. S. da Conceição” (26).

Ambrósio Henriques casou com Antonia Joaquina de Oliveira e Silva, com quem teve dois filhos: João Florêncio e Maria do Carmo Henriques. Maria do Carmo, de quem provém a secular tradição da família Pombo, casou-se em 1801 com o português Joaquim Clemente da Silva Pombo, um dos homens mais discutidos da época.

A Capela dos Pombos, ou simplesmente Capela Pombo, assim chamada pela população, por associação ao nome da família proprietária da mesma, teve vários responsáveis ao longo de sua existência e, durante os anos, foi sendo passada aos descendentes do Coronel Ambrósio. É, hoje, a única capela particular existente em Belém.

Para Meira Filho (27), sua significação, seu nome, seu destino histórico, seu valor como obra de arte e patrimônio da cidade, estão intimamente ligados à evolução de Belém, sob diversos aspectos. A capela foi local de muitas cerimônias religiosas e atendia a várias dessas manifestações da população do entorno. Embora privativa, seus proprietários a cediam às famílias amigas para que ali realizassem diversas celebrações.

Ao longo do tempo, foi importante monumento e se incorporou à vida da cidade. Durante certo período, muitos Prelados designados para a diocese paraense, ao desembarcarem no porto de Belém, vinham diretamente ao Santuário, a fim de se paramentarem e, então, dirigirem-se aos cerimoniais de posse na Catedral (28).

Tocantins (29) relata que, na década de 1980, a capela abria ao público somente por ocasião das cerimônias da Semana Santa, quando servia como uma das estações da Procissão do Senhor dos Passos (30). Hoje, é aberta de segunda a sábado no horário comercial.

A importância do edifício como monumento e jóia da arquitetura é incontestável e confirmada pelas referências que autores como Donato Melo Júnior (31), Augusto Meira Filho (32), Leandro Tocantins (33) e Isabel Mendonça (34) fazem a seu respeito, inclusive atribuindo sua concepção projetual arquitetônica e estilística ao arquiteto italiano Antônio José Landi (1713-1791), a partir da análise de suas características e de comparações com a capela do Palácio dos Governadores, também em Belém, projeto, comprovadamente, do italiano.

Ao observar as características tipológicas e decorativas do monumento, quer da sua fachada, quer do seu interior, pode-se encontrar uma grande quantidade de elementos utilizados por Landi em muitos dos edifícios comprovadamente de sua autoria.

O arquiteto chegou a Belém em 1755, integrando a Comissão Demarcadora de Limites para a qual foi contratado como “desenhador”. Na cidade, desenvolveu inúmeros projetos de arquitetura religiosa, civil e militar. Tendo realizado sua formação na Academia Clementina, em Bolonha, recebeu influências da família Bibiena (35), além do movimento tardo-barroco, dominante na época. Foi ainda influenciado pelo estilo pombalino, quando de sua permanência em Lisboa, no período que antecedeu sua vinda ao Brasil.

A análise dos elementos decorativos utilizados por Landi em suas obras confirma que ele não se limitou à arquitetura, mas seguiu a tradição bolonhesa de dar atenção à decoração de fachadas e de interiores.

Por estar vinculado à pintura de quadratura (36) e à cenografia, o artista mostrou em sua produção essa tendência, através da utilização de elementos decorativos e arquitetônicos, com a constante utilização das ordens clássicas nas suas versões ornadas. Apresenta, com frequência, ornatos do barrochetto, versão italiana do rococó (37), e uma preferência por elementos decorativos inspirados em Jean Bérain (38).

Análise tipológica e arquitetônica: o sobrado e a capela

A análise arquitetônica da Capela não pode ser feita de forma isolada, já que a mesma está inserida entre dois casarões, os quais formam um conjunto marcado pela simetria e harmonia de formas (Fig. 2 e Fig. 3 ).

A Capela é um edifício do tipo que Camillo Sitte (39) chama de “encaixado” entre outros edifícios e tem apenas uma das faces livre. É um edifício singular na área, dada sua função diferenciada – capela em meio a edifícios comerciais.

O casarão à esquerda da Capela, pertencente à tipologia “casa comprida” (40) (Fig. 2 ), tem no pavimento térreo alguns estabelecimentos comerciais e, ao centro, o acesso a um estacionamento, que originalmente seria a entrada principal.

O casarão à direita (Fig. 3 ), um exemplar da tipologia “casa com capela anexa” (41), tinha comunicação com o templo. A edificação ainda possui claras linhas da arquitetura luso-brasileira do século XVIII: planta horizontal, (não entendi) dois pavimentos e fachada longa. São elementos de destaque: os azulejos que revestem a fachada, hoje apenas no piso superior; sua localização em lote de esquina; as cimalhas; o beiral; e os vãos com arco pleno no pavimento superior (Fig. 5 e Fig. 5).

A data de construção desse sobrado não é conhecida. Alexandre Ferreira (42), ao descrever as residências existentes em Belém em 1784, faz referência a um casarão que pode ser esse em tela. Hoje, sua fachada é azulejada (43), alteração possivelmente realizada no século XIX.

Ainda segundo Mello Júnior (44), em 1970, o casarão foi adulterado no térreo. Em 1991, sofreu sua maior descaracterização quando um dos locatários efetuou uma reforma. Foram retirados os azulejos portugueses da fachada do pavimento térreo e alteradas as aberturas dos vãos das portas, inclusive os arcos, outrora abatidos e, hoje, com vergas retas (Fig. 5 ).

A fachada da Capela Pombo tem pano (45) único e é rasgada no eixo central por uma portada e um vão superior, ambos com arco abatido. Essa tipologia guarda semelhança com as fachadas da Capela do Palácio dos Governadores (Fig. 5 ) e da Igreja de São João (Fig. 5 ), ambos projetos de Landi em Belém.

Apesar de as cimalhas da capela e do sobrado serem coincidentes, a fachada da capela é independente da do sobrado e é suntuosa, em contraste com a simplicidade dele. Essa característica diverge do que é observado na citada capela do Palácio, que tem sua fachada discreta e integrada à fachada lateral da edificação.

A capela possui dimensões modestas – “a menor das capelas [...] de Belém” (46) –, se comparada com outras capelas existentes na cidade. A planta é retangular, com nave (47) única e pequena sacristia na área posterior (Fig. 5 ).

O prédio possui, no interior, duas portas que ladeiam o retábulo e dão acesso à antiga sacristia, hoje, depósito. Segundo Pombo, “por atraz do altar fica a sacristia que se comunica com a capela por duas portas, uma das quais preparada para servir de confessionário; quando fechada, fica o sacerdote na sacristia e o penitente na capela” (48). Essa adaptação da porta, hoje, não mais existe.

A tipologia retábulo ladeado por duas aberturas é recorrente na obra de Landi e pode ser vista na Capela do Palácio dos Governadores (Fig. 5 ) e no salão dos Pontificais da Igreja da Sé, em Belém, e nos projetos para as capelas tumulares do Governador Ataíde Teive e de Santa Rita de Cássia, ambas em Belém, e para o altar lateral da igreja matriz, em Barcelos.

Ao acessar a nave, observa-se, acima, um balcão (49) (Fig. 5 ) ocupado pelo coro, cuja ligação com a residência era feita por uma porta, hoje fechada. Este balcão tem balaustrada e piso de madeira e era utilizado pela família e amigos, enquanto o povo e os escravos ficavam na nave. A respeito desse espaço, Tocantins diz: “a área foi suficiente para adotar a solução de um coro, à semelhança das capelas dos palácios de Portugal” (50).

A composição da fachada é simétrica (Fig. 11 ) e lembra uma composição retabular. Suas linhas gerais são essencialmente tardo-barrocas, marcadas por elementos arquitetônicos movimentados, como as volutas; pelo uso da linha curva (51) associada à linha reta de forma elegante; pelo uso livre das ordens arquitetônicas; e pela sobreposição de elementos escultóricos como rosetas e bossagens, colunas e pilastras.

A fachada é enquadrada por pilastras assentadas sobre pedestal elevado e arrematadas por entablamento ornamentado com tríglifos intercalados com rosetas (Fig. 11 - Det. 4). Acima do friso, há uma linha de dentículos (Fig. 11 - Det. 1). Um corpo central ladeado por volutas coroa a fachada. O corpo tem frontão em arco, seguido de segmentos de reta. Lateralmente, há segmentos de frontões seccionados que coroam as pilastras e, sobre estes, vasos (52) tipo fogaréu (Fig. 11 ).

Composição semelhante ao conjunto descrito anteriormente é encontrada em várias obras de Landi, dentre as quais a pintura de quadratura dos altares laterais da Igreja de São João, em Belém, e o projeto para a fachada da Igreja paroquial de Cametá, no Pará.

A portada, central, é encimada por um elemento decorativo composto por volutas e concha (53) (Fig. 11 - Det. 6). Sobre esta, há um frontão triangular, ladeado por dois segmentos de reta, apoiados em mísulas na forma de volutas, vistas de frente e de lado (Fig. 11 - Det. 3). Acima desse frontão, rasga-se a janela com guarda-corpo de balaústres, ladeada por pilastras assentadas em bases de perfil arredondado e decoradas com folhas de acanto (Fig. 11 - Det. 2). Os fustes das pilastras são decorados com bossagens (54) em forma de anéis e estrelas (Fig. 11 - Det. 5), semelhantes a elementos das cenografias dos Bibiena.

A tipologia do frontão sobre a porta de entrada é semelhante àquelas existentes nas tribunas da Capela do Palácio dos Governadores.

O interior da capela segue as mesmas linhas da fachada, predominantemente tardo-barrocas. As paredes da capela são molduradas por painéis de argamassa e encimadas por frisos. São assentadas sobre base onde se inserem os pedestais arredondados das pilastras. As pilastras dividem as paredes laterais em três panos, sendo o central (Fig. 11 ) ocupado por um painel moldurado e enquadrado com arco pleno, coroado com segmentos de frontão e pedra de fecho que serve de apoio a uma peanha, hoje, não utilizada. Acima desse painel, há uma falsa janela-nicho, encimada por segmentos de frontão em arco, ladeados por segmentos de reta, elemento aconcheado e uma flor que lembra uma rosa, símbolo mariano.

Segundo Mendonça (55), o painel moldurado da parede lateral direita seria originalmente a porta de comunicação com o piso térreo da residência. Leandro Tocantins (56) também se refere a uma porta na nave da capela que servia de acesso à residência, sem, entretanto, precisar sua localização. Teixeira (57) faz ainda uma referência à porta de comunicação com a senzala que teria sido fechada em 1973, por ocasião de uma reforma, não precisando, entretanto, sua localização.

Hoje, assim como a fachada, o interior é totalmente branco, diferente do passado, conforme o jornal A Palavra: “Entramos e... pasmamos com a limpeza! As paredes caiadas com frisos amarelos” (58).

Repetindo a fachada, elementos aconcheados também aparecem no interior, nos arremates das molduras das portas e nas paredes laterais (Fig. 14 ).

Conforme relato de Pombo “na parede da frente, ao lado da porta de entrada existe uma pia para água benta” (59); hoje, essa peça ainda existe, apesar de deteriorada pela ação do tempo.

As imagens de santos, hoje presentes na capela, são recentes. Segundo Teixeira (60), as originais, em parte, foram destruídas por cupins e outras estão em poder da família. A imagem do Senhor Morto que ficava no altar e que durante anos ficou desaparecida foi recuperada e faz parte do acervo do Museu de Arte Sacra do Pará.

Na parede posterior, à entrada, há um retábulo de argamassa que, assim como a fachada, é marcadamente simétrico. Tem características tardo-barrocas, o que pode ser observado no uso livre das ordens clássicas, combinadas com elementos cenográficos de influência bibienesca.

O retábulo (Fig. 14 ) é marcado por pilastras sobrepostas de capitel jônico e fuste estriado assentadas sobre bases de seção arredondada. Essas pilastras servem de base a volutas laterais.

No centro do retábulo, há um nicho pouco profundo, com peanha, coroado com elementos florais e figura angelical (61) (Fig. 14 - Det. 4), ladeado por pilastras com fustes decorados com escamas sobrepostas, bases em forma de volutas e arrematadas por placas de volutas convergentes (Fig. 14 - Det. 7), que servem de apoio a capitéis jônicos, dos quais pendem grinaldas de flores. No interior do nicho, existem elementos decorativos de argamassa. Abaixo dele, há um elemento composto por volutas ascendentes e descendentes (Fig. 14 - Det. 8). Acima, um resplendor com a pomba do Espírito Santo (Fig. 14 - Det. 6). Encimando o resplendor, há uma cártula com elementos aconcheados, que adornam o monograma mariano (Fig. 14 - Det. 5). Esse conjunto – cártula e monograma - é arrematado por uma figura angelical e ladeado por volutas ascendentes.

Vários desses elementos estão presentes em outras obras do arquiteto italiano. As placas de volutas convergentes, por exemplo, podem ser encontradas no altar-mor da Igreja da Ordem Terceira do Carmo e no da Igreja de Sant’Ana, e no átrio da Capela dos Pontificais, na Sé, todas em Belém. O conjunto formado pelo resplendor com a pomba do Espírito Santo ao centro pode ser visto na pintura de quadratura do altar-mor da Igreja de São João e no altar-mor da capela da Ordem Terceira do Carmo, além de ser encontrado também nos projetos do altar-mor e da capela do Santíssimo, da Igreja da Sé, todos em Belém. A guirlanda de flores é outro elemento recorrente nos projetos landianos e pode ser observada na pintura de quadratura do altar-mor da Igreja de São João e no projeto para a Portada da Alfândega, edifício não construído, ambos em Belém.

Importante é observar que o trabalho de Landi em Belém apresenta, paralelamente, as duas correntes do barroco tardio, a de tendência classicizante e a de influência borromínica, que caracterizavam a arquitetura de Roma naquela época.

Segundo Oliveira:

“Se a vertente classicizante inscreve-se diretamente no contexto de sua formação na Academia Clementina de Bolonha, a sedução dos temas borromínicos, ao que tudo indica, poderia estar relacionada com a breve estadia em Lisboa entre 1750 e 1755, à espera do embarque para a Amazônia” (62).

Para Braga (63), pelas influências que sofreu, Landi se valeu de elementos do tardo-barroco italiano, associados, às vezes, a elementos de influência portuguesa em composições simples e sem muitos ornamentos, talvez pela escassez de materiais na região, o que pode ter limitado o resultado final da obra, no que concerne aos elementos decorativos.

Considerações finais

O presente artigo reforça a importância da Capela Pombo e seu conjunto nos aspectos arquitetônico, artístico e histórico, e busca contribuir para reforçar a necessidade de sua preservação e consequente requalificação de seu entorno.

Do ponto de vista arquitetônico, o bem precisa ser valorizado, tendo em vista ser o único exemplar da tipologia casa com capela anexa ainda existente em Belém.

As pequenas dimensões do edifício, o desconhecimento de sua existência por parte da população, o fato de estar perdido no emaranhado de elementos visuais do seu entorno e estar encaixado entre residências podem ser os responsáveis pelo esquecimento por que passa o edifício. Sendo suas características arquitetônicas e artísticas singulares, é importante promover a disseminação dos conhecimentos sobre o mesmo, como forma de registro do período de formação da cidade e de possibilitar a revelação dos valores artísticos e culturais a ele intrínsecos.

As já citadas reduzidas dimensões e a delicadeza de suas formas podem servir de diferencial para sua revalorização. Redescobrir esse bem e revelá-lo à comunidade, ampliando seu uso, hoje reduzido, mostrando a importância do mesmo, pode, então, ser o meio através do qual sua valorização pode ser alcançada e, a partir de sua singularidade, tornar-se um ponto de atração na área.

Com relação aos questionamentos quanto à autoria de seu projeto, atribuída a Landi, nada pode ser confirmado; porém, a partir das comparações realizadas, não há como negar que há muitas semelhanças com as tipologias e os elementos utilizados pelo arquiteto em suas obras. E, sabendo-se ser o italiano o único arquiteto conhecido na região à época, é inevitável a ele atribuir sua autoria. Entretanto, não é totalmente descartável a possibilidade de ter o arquiteto deixado discípulos e de tal obra ter provindo de um desses, embora os documentos se calem quanto a isso.

O monumento está em condições físicas que inspiram cuidados. Medidas preservacionistas precisam ser tomadas de forma imediata, no sentido de tirá-lo do estado de abandono físico em que se encontra e evitar que mais um bem do patrimônio da cidade seja perdido.

Independente da autoria de seu projeto arquitetônico, o bem por si só já acumula, como se viu ao longo deste trabalho, qualidades ímpares que lhe conferem importância.

Várias são as formas de entender o monumento, várias as interpretações. Muitos são os significados que a capela possui, frente a seus usuários. A capela, apesar da falta de maiores cuidados, continua viva e escrevendo a história da Travessa Campos Sales, do bairro do Comércio, da cidade de Belém. Porém, quanto maior seu uso, maior seria sua participação na construção dessa história.

notas

1
Artigo extraído da seguinte monografia: OLIVEIRA, Domingos Sávio de Castro. Capela Pombo, Belém/PA: interpretação e perspectivas. curso de Especialização em Interpretação, Conservação e Revitalização do Patrimônio Artístico de Antônio José Landi. Orientação Roseane da Conceição Costa Norat. Belém, UFPA/Fórum Landi, 2008. Monografia disponível em <www.forumlandi.com.br/bibliotecaArq/domingosoliveira.pdf>.

2
AZEVEDO, Carlos de. Solares portugueses. Lisboa: [s.n.], 1969, p.82

3
SAIA, Luís. Morada Paulista. São Paulo: Perspectiva, 1978.

4
AMARAL, Aracy Abreu. A hispanidade em São Paulo: da casa rural à Capela de Santo Antônio. São Paulo: Nobel, 1981.

5
LEMOS, Carlos A. C. História da casa brasileira. São Paulo: Contexto, 1989.

6
O oratório, que substituiu progressivamente as capelas anexas às fazendas, é introduzido nas residências, colocado em nichos nas paredes ou nos quartos para uso individual. Teve origem nos primórdios da Idade Média. Chegou à Colônia pelas mãos do colonizador português e espalhou-se pelas fazendas, senzalas e residências, tornando-se parte do cotidiano da casa colonial brasileira. (Disponível em: <http://www.itaucultural.org.br>. Acesso em: 13/08/2008).

7
CARVALHO, Juliano Loureiro de. Capelas rurais da várzea do Paraíba: a construção de séries como metodologia para a história da arquitetura. Pergaminho - revista eletrônica de história da UFPB - ano 1 - n. zero - out. 2005. Disponível em: <www.cchla.ufpb.br/pergaminho/numero_0.html>. Acesso em: 16/07/2008. p.33

8
Em 1881, havia 209 engenhos ou engenhocas, dos quais 152 localizavam-se nas proximidades de Belém. MARQUES, Fernando Luiz Tavares. Modelo da agroindústria canavieira colonial no estuário amazônico: estudo arqueológico de engenhos dos séculos XVIII e XIX. Tese (Doutorado em História). Porto Alegre, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2004, p. LXIV. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=18771>. Acesso em: 20/09/2007).

9
Doc. N.º 4142, ant. 1760, “Relação dos engenhos existentes na Comarca do Pará”, localizado em APEP/AHU Arquivo Público do Estado do Pará / Secretaria de Estado da Cultura (SECULT) Projeto Resgate da Documentação Histórica Barão do Rio Branco – Documentos Manuscritos Avulsos da Capitania do Pará (1616-1883), Conselho Ultramarino – Brasil / Arquivo Histórico Ultramarino, Instituto de Investigação Científica Tropical, Lisboa, [2002].

10
BARATA, Manuel de Mello Cardoso. Apontamentos para as Ephemérides Paraenses. Rio de Janeiro: J. Leite [18--?], p.10-11, 205-6, 148-9)

11
MARQUES, Fernando Luiz Tavares. Op. cit.

12
O Engenho Murutucu localiza-se na periferia de Belém, às margens do igarapé Murutucu; o Engenho Mocajuba, na margem direita do rio Mocajuba; o Engenho Uriboca, na margem esquerda do rio Uriboca; e o Engenho Jaguarari, na margem direita do rio Moju (MARQUES, Fernando Luiz Tavares. Op. cit., p.XVII).

13
A capela do engenho Murutucu foi construída em 1711 pelos frades carmelitas e reformada pelo arquiteto italiano Antonio Landi, seu proprietário na época da reforma (MARQUES, Fernando Luiz Tavares. Op. cit., p.LXXXI).

14
Nas terras do Jaguarari, um inventário de 1761, relaciona uma igreja, dedicada à Nossa Senhora da Assunção, toda feita de pedra e cal, que media 22mx7m. Esse inventário foi realizado sob ordem do governador Manoel Bernardo de Melo e Castro com vistas à transformação da fazenda em vila (MARQUES, Fernando Luiz Tavares. Op. cit., p.CVII).

15
Ofício encaminhado para o Secretário de Estado da Marinha e Ultramar, Martinho de Melo e Castro em que o Bispo solicita, entre outras coisas, mais sacerdotes para o exercício do serviço religioso. (Doc. Nº. 5.948, de 08 de janeiro de 1773, “Ofício do Bispo do Pará, [D. fr. João Evangelista Pereira da Silva],...”, localizado no APEP/AHU. (transcrição de Moema Bacellar)

16
FERREIRA, Alexandre Rodrigues. Miscelânea Histórica para servir de explicação ao Prospecto da Cidade do Pará. [s.l.]: [s.n.]. 1784. “não paginado”.

17
A Rua Conselheiro João Alfredo foi inicialmente chamada Rua dos Mercadores e posteriormente Rua da Cadeia. Conforme relatos de Alexandre Rodrigues Ferreira (Op. cit., “não paginado”) “a rua mais larga aberta até o ano de 1784, [...] no bairro da CAMPINA [...] não tinha regularidade nem dimensão oficial”.

18
Inicialmente, essas ruas foram de terra batida e, posteriormente, de paralelepípedos. TEIXEIRA, Luciana Martins de Barros. Revitalização da Capela do Senhor dos Passos: “A Capela Pombo”. 1998. 101 f. Trabalho de conclusão de curso (Arquitetura). Belém, Unama, 1998, p. 58.

19
Essa denominação primitiva da rua se deveu à existência de uma pequena capela na confluência dessa via com a atual Rua Conselheiro João Alfredo: a Capela do Passinho.

20
Denominação utilizada em MEIRA Filho, Augusto. A Capela do Senhor dos Passos. A Província do Pará, Belém, 13 e 14, abril, 1969. Caderno 4, p. 1.

21
Denominação utilizada em TOCANTINS, Leandro. Santa Maria de Belém do Grão Pará: instantes de evocações da cidade. Belo Horizonte: Itatiaia, 1987, p. 265.

22
MEIRA Filho, Augusto. Op. cit. p. 1.

23
TOCANTINS, Leandro. Op. cit. p. 269.

24
FERREIRA, Alexandre Rodrigues. Op. cit., “não paginado”

25
BARATA, Manuel de Mello Cardoso. O Passinho. Folha do Norte. Belém, 15, agosto, 1914. Fastos Paraenses. p. 1.

26
Essa afirmação de Manuel Barata confirmaria a suposição da historiadora portuguesa Isabel Mendonça de que a presença do monograma mariano indicaria que, no passado, a capela fora dedicada à Virgem Maria. MENDONÇA, Isabel Mayer Godinho. Antonio José Landi (1713-1791): um artista entre dois continentes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003, p. 510.

27
MEIRA FILHO, Augusto. Op. cit. p. 1.

28
Idem, ibidem. p. 1.

29
TOCANTINS, Leandro. Op. cit. p. 266.

30
A procissão do Senhor dos Passos saía da Igreja da Trindade e fazia paradas nas igrejas do Rosário (1º passo), de Sant’Ana, de Santo Antônio, das Mercês, na Capela do Senhor dos Passos (5º passo), Igreja da Sé e terminava na Igreja do Carmo, onde cumpria o Sétimo Passo (A “Fugida” e a Procissão do Senhor Bom Jesus dos Passos. A Palavra. Belém, 14, mar. 1940, p. 4.)

31
MELLO Júnior, Donato. Antônio Landi. Arquiteto de Belém. Belém: Governo do Estado do Pará, 1973. “não paginado”.

32
MEIRA FILHO, Augusto. Op. cit. p. 1.

33
TOCANTINS, Leandro. Op. cit. p. 266.

34
MENDONÇA, Isabel Mayer Godinho. António José Landi (Bolonha 1713 / Belém 1791) e a transmissão de modelos artísticos da Europa para o Brasil. In: Seminário Landi e o século XVIII na Amazônia. Belém, Anais do Seminário, 2003, p. 10. Disponível em: <www.forumlandi.com.br/bibliotecaArq/transmissao.pdf>. Acesso em 28/12/2007.

35
Os Galli, chamados Bibiena, destacaram-se como desenhistas, organizadores de festivais, cenógrafos e arquitetos de teatros. Quatro membros da família se destacaram: os irmãos Ferdinando (1657-1743) e Francisco (1659-1739) e os filhos de Ferdinando, Giuseppe (1696-1757) e Antonio (1700-74). Com a família, a pintura de quadratura alcançou o auge e, assim, seus membros puderam conseguir reconhecimento internacional, enquanto o estilo bolonhês entrava já em decadência.

36
Técnica de pintura de afrescos utilizando desenhos em perspectiva ilusionista nos interiores de edifícios. Essa técnica esteve presente desde os últimos anos do século XVI e se prolongou até o final ao século XVIII em Bolonha.

37
MENDONÇA, Isabel Mayer Godinho. Op. cit. 2003. p. 238.

38
Jean Bérain (1637-1711) desenhista francês, entalhador, pintor e designer foi chamado por seus contemporâneos o oráculo do bom gosto nos assuntos ligados à decoração. Trabalhou na corte de Luís XIV da França. (Disponível em: <www.britannica.com/EBchecked/topic/61440/Jean-Berain-the-Elder>. Acesso em: 25/07/2008). (tradução livre do autor)

39
SITTE, Camillo. A construção das cidades segundo seus princípios artísticos. São Paulo: Ática, 1992, p. 39.

40
A tipologia “casa comprida” foi descrita por Carlos de Azevedo (Op. cit, p.80-1) em sua obra Solares Portugueses. A fachada dessa tipologia é desenvolvida horizontalmente e mostra a repetição de portas e janelas, distribuídas equilibradamente mantendo um ritmo constante.

41
Tipologia comum em Portugal em todo o século XVIII. A solução prioriza a organização da fachada que se desenvolve em um plano único e horizontalmente. A capela, na maioria dos casos, está na extremidade da residência, porém pode ser encontrada também ao centro. A capela é tratada de forma um tanto independente e, em alguns casos, até ligeiramente avançada em relação ao alinhamento da casa. AZEVEDO, Carlos de. Op. cit. p. 81-82.

42
FERREIRA, Alexandre Rodrigues. Op. cit., “não paginado”.

43
Segundo Robert Smith, esses azulejos são datáveis de cerca de 1890 e têm padrão da fábrica de Santo Antônio do Vale da Piedade. MENDONÇA, Isabel Mayer Godinho. Op. cit. p. 507.

44
MELLO Júnior, Donato. Op. cit. “não paginado”.

45
O pano é a superfície plana de uma fachada ou retábulo.

46
TOCANTINS, Leandro. Op. cit. p.266.
47
Nave [Do lat. nave.] 1.Espaço, na igreja, desde a entrada até o santuário, ou o que fica entre fileiras de colunas que sustentam a abóbada. BARROSO, M. E. G. Dicionário Aurélio Eletrônico - V. 1. 3, Editora Nova Fronteira, 1994.

48
POMBO, José de Miranda. A capela do Senhor dos Passos. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Pará. Belém, XIII, 1952/53. p. 111-112.

49
Desde tempos antigos a música faz parte das cerimônias religiosas. Isso explica porque muitas igrejas eram providas de balcões para os corais e órgãos. A posição elevada de ambos melhorava o impacto acústico e dava um efeito celestial. Desde o século XIII arquitetos e escultores foram chamados para embelezar tais espaços. (Organs and Cantoria). Disponível em: <www.romeartlover.it/organs.html>. Acesso em: 04/07/2007 (tradução livre do autor)

50
TOCANTINS, Leandro. Op. cit. p. 266.

51
A linha curva adquiriu, desde a Idade Média, o sentido de elevação da vida moral. No barroco, sendo mais livre, é mais propícia para expressar e gerar emoções, o que justifica o seu grande uso nesse período, não apenas na decoração, mas na própria estrutura arquitetônica. SOBRAL, Maria de Lourdes. S. As missões religiosas e o barroco no Pará. Belém: Universidade Federal do Pará, 1986, p. 116.

52
O uso constante de vasos na decoração dos templos deve-se, principalmente, ao seu sentido esotérico. O vaso está ligado à simbologia da fecundidade – o útero. O vaso representa, portanto, um depositário da vida, o tesouro da vida espiritual. SOBRAL, Maria de Lourdes Sampaio. Op. cit., p. 116).

53
“A concha [...] participa do simbolismo da fecundidade [...]. No Cristianismo, a concha é associada ao batismo, que purifica a alma, fecundando-a de graças e tornando-a digna do reino de Deus” (SOBRAL, Maria de Lourdes Sampaio. Op. cit., p. 115).

54
Bossagem é o tratamento dado ao revestimento de pedra de uma superfície parietal, deixando os blocos em relevo; abossadura, almofadado, relega, rusticação (HOUAISS, 2007). Parte saliente de pedra bruta ou talhada, deixada propositadamente numa parede ou numa coluna para receber escultura ou servir de ornamento Disponível em: <www.hostdime.com.br/dicionario/bossagem.html>. Acesso em: 20/05/2008)

55
MENDONÇA, Isabel Mayer Godinho. Op. cit., p. 508.

56
TOCANTINS, Leandro. Op. cit. p. 266.

57
TEIXEIRA, Luciana Martins de Barros. Op. cit. p. 38.

58
Relíquia artística e histórica: a capela do Senhor dos Passos. A Palavra. Belém, 16, outubro, 1949. p. 1.

59
POMBO, José de Miranda. Op. cit. p. 111-112.

60
TEIXEIRA, Luciana Martins de Barros. Op. cit. p. 38-9.

61
Na decoração da arquitetura barroco-religiosa, o uso dos anjos é profuso e se enquadra como elemento importante de composição embora nem sempre representados segundo o simbolismo das hierarquias angelicais da arte medieval, o que muitas vezes faz confundir anjos cristãos com Amores ou Cupidos da mitologia greco-romana (SOBRAL, Maria de Lourdes Sampaio. Op. cit. p.116).

62
OLIVEIRA, Myriam Andrade Ribeiro de. O Rococó Religioso no Brasil e seus antecedentes europeus. São Paulo: Cosac & Naify, 2003, p. 136.

63
BRAGA, Ana Cristina Lopes. Op. cit., p. 129.

sobre o autor

Domingos Sávio de Castro Oliveira, arquiteto (UFPA), Engenheiro Civil (CESEP), Especialista em Interpretação, Conservação e Revitalização do Patrimônio Artístico de Landi (UFPA/Fórum Landi). É servidor do Ministério Público do Estado do Pará e Professor da Faculdade Pan Amazônica, da disciplina Composição e Projeto Gráfico.

comments

109.05
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

109

109.00

Urbanismo ecológico:

tema de conferência internacional na Universidade de Harvard

Cecilia P. Herzog

109.01

A Estação de Mayrink do arquiteto Victor Dubugras:

resgate de um patrimônio arquitetônico (1)

Paulo Roberto Corrêa and Maria Augusta Justi Pisani

109.02

A Villa, reloaded

Patrícia Martins

109.03

Reordenação urbana do eixo ferroviário

José Paulo de Bem, Fábio de Bem and Mario de Bem

109.04

O fascínio do Novo Mundo:

arquitetos e intelectuais europeus e os arranha-céus de New York

Adson Cristiano Bozzi Ramatis Lima

109.06

A importância da educação ambiental para a prática da gestão urbana

Antonio Elias Firmino Ferreira

109.07

A reforma urbana nos primeiros anos da década de 1960

Cecilia Ribeiro and Virgínia Pontual

newspaper


© 2000–2018 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided