Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architexts ISSN 1809-6298


abstracts

português
Neste artigo, Guillermo Jajamovich traz a análise de uma série de vínculos entre a cidade de Rosário, na Argentina e o debate internacional em torno das formas de pensar e intervir na cidade a partir do Parque Espanha

english
In this article, Guillermo Jajamovich analyzes some links between Rosário city, in Argentina, and the internacional debate about thinking and intervening in the city based on the experience of the Spanish Park

español
En este artículo, Guillermo Jajamovich hace un análisis de una serie de vínculos entre la ciudad de Rosario, en Argentina y el debate internacional al rededor de las formas de pensar e intervenir en la ciudad desde el parque España


how to quote

JAJAMOVICH, Guillermo. Rosário e seus vínculos com o debate internacional: uma análise do Parque España (1979-1993). Arquitextos, São Paulo, ano 10, n. 115.06, Vitruvius, dez. 2009 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/10.115/7>.

Introdução

Nos últimos anos a cidade de Rosário ocupa um lugar destacado no que se refere a atuações urbanísticas e arquitetônicas, muitas vezes enquanto contraposição a Buenos Aires (1). Diversos autores dão conta da crescente importância da cidade apontando, entre outros aspectos, fatores como a continuidade nas gestões urbanas, o papel das gestões socialistas e a produção arquitetônica recente de algumas figuras destacadas. Vários passos se sucedem avançando na recuperação pública da relação entre a cidade e o rio. Os gestos do primeiro prefeito eleito após a volta à democracia, Horacio Usandizaga, ao solicitar ao Centro de Arquitetos de Rosário candidatos para ocupar a Secretaria de Planejamento, criar a Oficina do Plano Diretor, o Plano Estratégico e as mudanças de planos na Faculdade de Arquitetura que incorporam a lógica morfo-tipológica, se destacam como parte de uma peculiar articulação entre políticos, técnicos e acadêmicos em relação à temática urbana. Grande parte da mudança do modo de intervir na cidade ocorre após a volta da democracia. Assim, assinala-se a complementaridade entre as mudanças políticas e urbanas. De fato, não é possível ignorar o estímulo que mudanças de tal natureza representam para o desenvolvimento de certas ideias urbanas; entretanto, a gestão urbana, a arquitetura e a própria cidade se desenvolvem numa temporalidade que, embora se vincule a episódios políticos, possui uma dinâmica própria. Nesse sentido, observando alguns momentos anteriores ao restabelecimento da democracia, destacam-se diversos episódios de relevância, assinalando uma mudança que, logo, na democracia, ocupará um lugar mais hegemônico (2). São episódios vinculados ao contexto internacional de modos distintos: tanto a partir da presença de arquitetos estrangeiros na cidade – como Oriol Bohigas e seu anteprojeto para o Parque España com Josep Martorell e David Mackay –, como através de viagens de arquitetos “locais” a centros difusores de ideias sobre temáticas urbanas, que ao retornar a Rosário as desdobram de diversas formas. Por sua vez, algumas outras iniciativas permitem visualizar elementos do debate internacional reprocessados em torno de problemas e tradições “locais” (3).

Perspectivas de sectores del Parque España y mirador que ata la pieza a la cuadrícula
[fonte: Revista bio, marzo 1988, Rosario]


Planos e projetos para a orla

Dentre estes episódios nos interessa estudar o Parque España que será, uma vez construído, um catalisador de intervenções sobre as margens do rio Paraná, induzindo uma mudança na imagem da cidade num sentido público (4). Isto não significa que a preocupação com os vínculos entre a cidade e o rio e com a falta de espaço verde se dê a partir do anteprojeto do Parque España. Tampouco significa que a área onde se desdobra o anteprojeto nunca tenha sido alvo de intervenção. Estas preocupações e os projetos para essa área são recorrentes na cultura urbana de Rosário, estudada por arquitetos e urbanistas tanto rosarinos como estrangeiros, tais como Bouvard e Hegemann, em sua visita a Rosário em 1931. Em 1873, já se desenvolvia uma primeira intenção de abertura do Passeio Ribereño: a lei nacional n. 11623 postulava o saneamento dos terrenos adjacentes à Avenida Belgrano e a realização de obras de embelezamento edilício aproveitando os barrancos naturais do rio Paraná. No século XX haverá uma mudança no modo de propor as intervenções, que se enfocam sobre a orla a partir de um reordenamento do transporte ferroviário e da atividade portuária. Entre 1925 e 1940 muitos projetos se apropriam da orla como tema e lugar “na medida em que a orla, como espaço de representação, provisão de espaços abertos e públicos e tratamento do verde urbano ocupa um lugar preferencial nas ideias técnicas e culturais sobre a cidade que se discute no âmbito nacional e internacional” (5). A centralidade temática da orla está ligada “à indecisão entre dois projetos de desenvolvimento da cidade: a extensão a oeste ou a consolidação do centro simultânea à revitalização dos bairros ribeirinhos” (6). Uma linha abordada por grande parte das propostas de intervenção aponta para a cidade que dá as costas ao rio, inserindo essa problemática num espaço mais amplo. Deste modo, a chave para a recuperação é dada por um novo plano ferroviário que permitirá obter maior superfície de espaço verde e uma vista adequada do rio. À luz do Plano Regulador de 1935 podem ser entendidos alguns projetos e abordagens a respeito da orla(7). Antes do Plano Regulador de 1935, supunha-se um deslocamento das atividades manufatureiras e ferroportuárias ali localizadas, com a finalidade de incorporar à atividade do mercado imobiliário um setor da área central, edilícia e funcionalmente degradado. Dois temas projetuais são característicos destes projetos: “o aproveitamento paisagístico da ribeira e a formação de parques na orla alta” e “a construção de uma avenida na orla baixa” (8).

O que se modificará então será o modo e a conjuntura em que se pensavam as intervenções. Ali radica uma das particularidades do anteprojeto do Parque España: a possibilidade de intervir através de projetos de arquitetura onde, num contexto internacional, o “urbanismo moderno” e seus instrumentos de intervenção vinham perdendo força, e, num contexto local, onde a atividade ferroportuária, antes pensada como causa da dificuldade de intervir, se encontrava em franco retrocesso.

Circulações de ideias urbanas

As condições da difusão de uma postura como a de Bohigas – ao redor do papel do espaço público e crítica ao planejamento modernista, postulando a intervenção através de projetos de arquitetura – não achavam então um espaço “ótimo” no meio político e institucional para estender-se (9). No entanto, com o surgimento de novas ideias sobre o urbano e sobre os modos de intervir na cidade a partir da arquitetura, a atuação de Bohigas, no contexto de outros episódios, destaca vínculos com a discussão internacional. O debate a respeito do papel da arquitetura na cidade, que se desenvolveu na Itália nas décadas de 60 e 70, e seus vínculos com a Espanha e com as transformações em Barcelona (10), são elementos que se combinavam de diferentes modos em Rosário.

Com menor visibilidade em relação às visitas de Bohigas, por volta de 1975-6, Manuel Fernández De Luco e Isabel Martínez de San Vicente, logo ocuparão um papel relevante na expansão de novas formas de abordar o urbano tanto na gestão pública (11) como em espaços acadêmicos (12). Eles partem a Roma e Veneza com bolsas de pesquisa onde entram em contato direto com o debate italiano, particularmente com a corrente de “análise urbana” (13). Aquele movimento, centrado no papel da arquitetura na cidade, foi se desenvolvendo em Rosário em diferentes espaços. Isto ficou mais evidente a partir da volta à democracia, embora possamos encontrar anteriores traços dessas posições. O caso do anteprojeto do Parque España é significativo e adquirirá particular relevância uma vez construído, sendo “continuado” através de projetos impulsionados pela Secretaria de Planejamento. No mesmo sentido podem ser destacadas outras experiências, como o desenvolvimento de uma “Confrontação de ideias e debate sobre o destino urbanístico dos terrenos do antigo Moinho Yerbatero Martin”, no ano 1982. Ali, se desdobra a preocupação em torno da problemática da arquitetura do espaço urbano, buscando “abandonar atitudes estéreis baseadas na intenção de transformar o conjunto urbano em sua totalidade, para formular hipóteses de reproposição, diversas das soluções usuais, mas possíveis de serem adotadas, sobre conjuntos setoriais que conformam a vida e a morfologia urbanas” (14).

Aquela convocatória, organizada pelo Centro de Arquitetos de Rosário – âmbito de particular relevância em torno da geração de debate no contexto de ditadura militar – buscava precisar critérios de intervenção arquitetônica apoiando-se em uma afirmação do papel do arquiteto e da arquitetura na conformação do fato urbano, ou “como afirmara Rossi, no conceito da própria cidade entendida como uma arquitetura” (15). As alusões a Rossi percorrem o documento da convocatória e se afirma a aproximação às instalações do antigo Moinho, utilizando a nomenclatura do arquiteto italiano e sua teoria da estrutura dos elementos urbanos.

A questão da preservação em Rosário

Entre outras preocupações presentes na cultura urbana rosarina pode-se mencionar aquela desenvolvida em torno da preservação do patrimônio. Isto reaparecerá em alguns elementos do anteprojeto do parque España, como no uso dos túneis já existentes – o que não significa que se trate de um projeto conservacionista. Enquanto alguns elementos prévios se mantêm, outros não. A preocupação face às demolições e à perda do patrimônio era um dado que, já em 1978, arquitetos como Horacio Quiroga (16) – que logo será o ganhador do concurso para a realização do projeto executivo do parque España –, Ernesto Yaquinto e outros, denunciavam publicando artigos sobre as demolições de peças arquitetônicas em Rosário. De fato, em um artigo de 1985, Quiroga interpreta o projeto do Parque España ressaltando os elementos “conservacionistas”, sustentando que “a obra se apresenta mais do que como uma simples construção, mas como restauração, onde não somente são corretamente restaurados os edifícios funcionalistas ingleses da ferrovia, mas também são atenciosamente cuidados os elementos estruturais existentes” (17).

Concurso e participação de escritórios rosarinos

A relação do escritório catalão com as linhas arquitetônicas desenvolvidas em Rosário se dará no concurso para a execução do anteprojeto. Bohigas participa, ao lado de Martorell e Ledesma – do Centro de Arquitetos de Rosário –, do jurado que designará o anteprojeto vencedor. No ano de 1980, o Estudio H e Quiroga & Asociados serão escolhidos em um concurso regional de propostas para desenvolver, respectivamente, o projeto Paisagístico e Viário e o edifício do Parque España. O Estudio H (18) era então um escritório de trajetória importante em Rosário, contando com uma ampla quantidade de obras e prêmios em diversos concursos. Mais adiante, já na democracia, muitos de seus integrantes seriam sucessivos reitores da Faculdade de Arquitetura e Planejamento. Com uma longa experiência prévia, este escritório foi constituído entre 1967 e 1970, a partir do escritório do arquiteto Hernández Larguía, pelos arquitetos De La Torre, Moliné, Santanera, Vidal, Torio e Utges. Um projeto dentro da trajetória do grupo H que interessou especialmente a Bohigas foi a ampliação da Associação Médica, onde o escritório apresentou novas intervenções sobre edifícios antigos. Por outro lado, Quiroga contava com uma ampla experiência em construção de escolas na província de Santa Fe, tendo anteriormente ganhado um concurso nacional para uma instituição cultural: a biblioteca Vigil. Por sua vez, tinha se empenhado na docência em História da Arte e da Arquitetura, e trabalhou com Hernández Larguía, um dos protagonistas da modernidade arquitetônica em Rosário. Além disso, contava com antecedentes em torno da preservação do patrimônio no interior do Centro de Arquitetos de Rosário. Esta temática preocupava também a Bohigas, embora com alguns matizes, como veremos em suas conferências de Rosário, em 1979, onde sustentava que “a significação dos objetos a conservar não depende de seu valor histórico permanente com caráter objetivo, mas daquela função que tiveram em respeito à cidade. (…). As raízes históricas desta cidade devem ser encontradas em pequenas coisas de meados ou finais do século passado (…) naquelas coisas que configuravam realidades urbanas consistentes” (19).

Do Plano Regulador ao Plano Diretor

No campo do urbanismo se estava operando uma série de mudanças em relação à concepção proposta pelo Plano Regulador de 1967. Em 1980, a primeira legislação municipal em torno do Parque España circunscreve a “aparição” do mesmo dentro de uma concepção que o entende principalmente como paliativo do déficit de espaços verdes (20). Nesta legislação é mencionado o Plano de 67, cuja concepção é diferente daquela que sustentará a criação da direção do Plano Diretor e seu escritório técnico no ano 1985, na qual se desdobraram algumas das novas ideias sobre os modos de intervir na cidade (21). Se o Plano Regulador de 67 fixava a expansão de Rosário mediante instrumentos para canalizar o desenvolvimento, com um código urbano que definia a população ótima em torno a 2,3 milhões de habitantes, perspectivas como a do Escritório do Plano Diretor trabalham sobre outra lógica. Centrando-se na temática da gestão da cidade, buscam poder se antecipar de alguma forma aos problemas e tentar se beneficiar dos mesmos. O próprio De Luco (22) ressalta algumas diferenças entre a visão ideológica e cultural do Plano Regulador e da gestão contemporânea. No Plano Regulador, sustenta, a abordagem enfoca o distante e estático, quantificável e finito. O progresso é entendido como constante unidirecional e a cidade física como homogênea, sem descontinuidades, conflitos nem contradições, como variável disponível e neutra. Em sua base ideológica, o Estado concentra e impõe papéis, ele sintetiza a estrutura do poder e pode dirigir os papéis dos principais atores. A técnica de planejamento ali expressa extrapola o processo de passagem do presente ao futuro. A outra perspectiva está vinculada à ideia de ser seletivo, priorizar a ação constante e não direcionada mediante uma postura permanente em relação a processos que variam. Deste modo propõe bases ideológicas e técnicas distintas. A ideia de futuro é construída sobre o presente, buscando atuar sobre processos em curso, selecionando projetos possíveis em função de possibilidades reais, e apresentando políticas que se efetivem circunstancialmente em projetos. Isto marca uma ruptura com a cultura do planejamento modernista e destaca o papel da gestão urbana nestes processos. A postura sustentada pela Secretaria de Planejamento propõe que o planejamento a longo prazo não conduza a uma gestão urbana democrática efetiva (23), o que não significa, segundo Martínez de San Vicente, (24) o abandono da figura do plano, mas uma “concepção renovadora” do mesmo. Apesar das diferenças nas concepções em torno ao Plano, a proposta do Escritório do Plano Diretor retoma alguns elementos já destacados no Plano Regulador, embora questione sua instrumentalização (25).

Projeto e gestões em torno do Parque España

O tempo transcorrido entre o anteprojeto catalão (1979) e a finalização do Parque España (1993) é permeado por diversas vicissitudes. Os vínculos entre as sucessivas gestões da Municipalidade e a Secretaria de Planejamento com o projeto do Parque España mudam ao longo do tempo. Se em seus primórdios era entendido como paliativo do déficit de espaços verdes (26), na democracia primará outra concepção, mais ligada à temática do espaço público. Logo, com De Luco como Secretario de Planejamento, a intervenção do Parque España será continuada tanto ao Norte como ao Sul (27). Antes do retorno à democracia, as gestões referentes ao parque sofreram diversas dificuldades, porém, logo as mudanças institucionais e a reunião com o então Presidente da Nação, Raúl Alfonsín, viabilizaram politicamente o projeto. O mesmo devia destravar-se institucionalmente, já que os terrenos onde se construiria pertenciam a diversos órgãos nacionais e provinciais (28). Uma vez conseguido o “apoio político”, reaparecem problemas de tipo econômico: os contextos de crise e inflação dificultaram o desenvolvimento, e por isso os impulsores do mesmo decidiram recorrer à Espanha em busca de fundos (29). Numerosas viagens, conferências e exposições foram realizadas, entre outros, por Horacio Quiroga junto a Gerardo Illanes Hernández – chanceler do Consulado da Espanha em Rosário – impulsionando o projeto em diversos âmbitos. Com esse trabalho conseguem fazer com que a Espanha decida terminar a obra no âmbito da comemoração do 5º Centenário.

Conferências e anteprojeto de Bohigas

As características do anteprojeto estão em sintonia com as conferências que Bohigas ministrou em 1979. Organizadas pelo Centro de Arquitetos de Rosário, seus temas eram “A arquitetura na cidade”; “A cidade na arquitetura”; e “Persistência tipológica”. Em relação ao primeiro tema, se propõe a projetar atendendo às qualidades urbanas do entorno. Cada projeto como resposta ao entorno urbano ou como proposta de entorno urbano: o teto-terraço do edifício do Parque España aponta nesse sentido. Nesta temática, Bohigas manifesta sua predileção pela cidade antiga, “na qual existem ruas e praças e não à solução urbana que o movimento moderno provocou” (30). Apesar da certeza da impossibilidade de reproduzir a cidade pré-industrial, a proposta tem a ver com o reencontro de características urbanas tradicionais. Ali se aborda a “sua” saída à crise do “movimento moderno”: trata-se de reconsiderar a cidade em termos tradicionais, e a adaptação ao entorno urbano como ponto de partida no processo de projeto. Com relação à “cidade na arquitetura”, Bohigas defendia que os elementos tradicionais e prestigiosos da cidade podem converter-se em temas geradores da própria arquitetura, como o fizera em relação aos túneis que fariam parte do Parque España. Por sua vez, defende que o conceito de persistência tipológica é um elemento inspirador do processo projetual. Os modelos são tipos que se repetem ao longo da história, são pontos de partida para o projeto. O projeto, em sua concepção, não se produz a partir do zero, porém existe uma evolução sobre tipos já existentes dados historicamente. A tipologia aparece como tema fundamental nos anos 1970 na polêmica arquitetônica e Bohigas a toma em contraposição com a metodologia indutiva. O ponto de partida é, então, a análise da experiência histórica produzida pela própria arquitetura. O tipo mantém a sua validez através da sobreposição de correções sucessivas (31).

A paisagem que origina o anteprojeto tem uma dupla estrutura. Transversalmente, se divide em quatro zonas: a primeira, mais próxima à cidade, absorve problemas de circulação e serve de transposição entre a aglomeração urbana e a zona de parque. A segunda é uma faixa linear na qual predomina o verde em setores de vazio continuo e massas de árvores e arbustos, buscando recriar um ambiente de paisagem natural isolado da circulação e da cidade. A terceira faixa linear é um grande passeio pavimentado à margem do rio, no qual se recupera o caráter urbano dentro da tradição dos grandes passeios marítimos. A quarta zona é a faixa pavimentada com paralelepípedos na cota baixa aproveitando as antigas docas. Longitudinalmente, o parque se divide em três grandes setores: o setor Leste constitui o acesso ao parque e concentra aspectos culturais que se articulam a partir da memória e da presença ativa da cultura espanhola, assim ocorre com o Centro Cultural Hispânico, o itinerário de monumentos e o mirante. O setor Central se organiza tendo como peça fundamental o espaço para exposições, integrado na reabilitação e reutilização do edifício da Estação de Rosário Central. O setor Oeste inicia a passagem ao setor mais informal com elementos paisagísticos de caráter pitoresco, em torno a um lago e uma montanha artificiais, cujo uso é basicamente recreativo (32). Como vemos, não se limita a um incremento de espaço verde, nem a uma “simples” recuperação do patrimônio existente.

Contemplando tais questões, o anteprojeto se propõe a abordar temáticas de diversas índoles: assim, proporciona uma solução ao nível viário, habilitando um túnel do Parque España como via automotriz até a Rua España, sem interferir nas funções cívicas do parque (33). Por sua vez, o anteprojeto tem uma sensibilidade em relação aos aspectos geográficos: as escadarias do mesmo conectam os desníveis da ribeira. Por outro lado, são criadas instituições culturais e o próprio edifício, ou melhor, a sua cobertura é o desdobramento de uma escadaria que se divide em duas partes, uma sobre os túneis e outra sobre o novo edifício, criando um espaço público que possibilita visuais privilegiadas do rio Paraná. Outros setores do anteprojeto não se desenvolverão, ainda que partes não desenvolvidas serão retomadas pela Secretaria de Planejamento, com ampliações ao Norte e ao Sul. O anteprojeto contemplava uma superfície maior do que o que fora efetivamente construído, e um dos elementos que não se materializaram é o mirante que atravessava parte do Parque España. Este simbolizava o fluxo do vínculo entre España e Rosário e, por sua vez, ajustava a direção da quadrícula com a nova peça: quadrícula ligada à presença “originária” da Espanha na América. Contudo, outros elementos do parque farão alusão à presença espanhola. As colunas, que neste caso não “sustentam” nada, aparecem como referência ao mito de Hércules e como memória da presença espanhola na América. Daquilo efetivamente construído, vários elementos do anteprojeto sofreram mudanças, alguns dos quais por conta das modificações no programa de necessidades. A reforma educativa na Espanha obrigou uma necessidade de ampliação do edifício e seu uso. Recordemos que no interior do mesmo funcionaria o Colégio Espanhol de Rosário, o qual oferece formação argentino-espanhola. Quiroga resolve a necessidade de mais espaço mediante a construção de um andar a mais, com o qual se perde o jogo visual resultante do desnível entre os dois setores do terraço-passeio.

Se o anteprojeto não é idêntico ao construído, tampouco Bohigas será o mesmo entre 1979 e a finalização do projeto, em 1993. O anteprojeto é anterior a suas intervenções mais relevantes em Barcelona. De fato, Pampinella e Rigotti (34) hipotetizam uma influência do rio Paraná nas atuações de Bohigas em Barcelona. Isto era comentado por Bohigas, em reportagens em jornais locais, quando lhe perguntavam sobre possíveis imagens de Barcelona no projeto para Rosário: “Eu creio que é ao contrário. Há experiências de Rosário que logo foram aplicadas em Barcelona. Esta preocupação da abertura da cidade ao rio ou ao mar eu creio que nosso escritório começou em Rosário e logo as concretizou não somente em Barcelona, mas em outras cidades. É uma linha que aqui se intuiu prematuramente, mas neste momento é a preocupação de todas as cidades” (35).

Conclusões

Analisamos algumas características que a cidade de Rosário foi adotando em relação ao debate internacional e em torno das novas formas de pensar e intervir sobre a cidade. O processo através do qual circulam, se desenvolvem e cristalizam aquelas ideias não é linear. Diversas histórias confluem numa rede que, se por um lado vincula-se aos acontecimentos políticos e econômicos, por outro tem sua própria temporalidade. Nessa rede, percorremos o caminho que seguiram aquelas ideias, que não respeita fronteiras nacionais nem locais. Assim, consideramos ideias e figuras internacionais que são retomadas e reelaboradas em contextos particulares. O caminho das novas ideias, como pretendemos assinalar, entrelaça múltiplas histórias de âmbitos urbanísticos, arquitetônicos e de gestões urbanas.

notas

1
Surgida em meados do século XVIII, sem fundação oficial e localizada no Centro-Leste da Argentina, Rosário é a segunda cidade em importância do país, capital do departamento homônimo e a mais populosa da província de Santa Fe. Possui um importante porto sobre a margem ocidental do rio Paraná. Junto com outras localidades, forma a Área Metropolitana da Grande Rosário, com uma população de 1.161.188 habitantes. É o núcleo de uma região de grande importância econômica, e possui uma posição geograficamente estratégica com relação ao Mercosul, graças ao trânsito fluvial e o transporte terrestre. 80% do cereal do país se exporta pelos portos da Grande Rosário. É a principal metrópole de uma das zonas agrárias mais produtivas da Argentina, sendo centro comercial, de serviços e de uma indústria diversificada. O Município de Rosário tem uma superfície total de 178,69 km2, dos quais 117 km2 se encontram urbanizados e sua densidade é de 5.661 habitantes por Km2..

2
Mudança que, com suas particularidades, se vincula a temáticas que já vinham expandindo-se em outros contextos. NOVICK, Alicia. “Espacios y proyectos. Oposiciones, hegemonías e interrogantes” In: Las dimensiones del espacio público. Problemas y proyectos. Buenos Aires, SP-GCBA, Akian, 2003.

3
Os vínculos com o debate internacional nem sempre têm a ver com a presença de arquitetos ou teorias “importadas”. Essas teorias “sofrem” mudanças uma vez inseridas em outros contextos. Por outro lado, ainda que não de forma equivalente, deveria considerar-se, ao aprofundar sobre o vínculo com o debate internacional, a presença de arquitetos rosarinos trabalhando em centros internacionais de discussão, tal como Mario Corea Aiello em Barcelona. Por outro lado, e posteriormente à intervenção de Bohigas, diferentes figuras do debate internacional realizaram intervenções em Rosário. Assim, Corea Aiello, Pelli e Siza materializarão nos Centros Municipais de Distrito (CMD), a política de descentralização de Rosário.

4
Dentro da série de intervenções, se podem mencionar: os parques da Cabecera, Costa alta e Paseo do caminante, Sunchales, de las Coletividades, España Norte, España Sur, de la Bandera (recuperação do porto dos eventos), Italia, de la Tablada, Hipólito Yrigoyen, o centro de renovação urbana Scalabrini Ortiz e a reurbanização do bairro da Universidade.

5
ADAGIO, Noemí e RIGOTTI, Ana María. “Recuperando el Río. Ideas, proyectos, realizaciones: Rosario 1925-1940”. A&P, n. 10, 1995, p. 19.

6
Idem.

7
DELLA PAOLERA, Carlos M.; FARENGO, Adolfo O.; GUIDO, Ángel. Plan regulador y de extensión. Memoria descriptiva y justificativa. Rosário, Municipalidad de Rosario, 1935.

8
BRAGOS, Oscar. “Planes urbanos, espacio público y proyectos de cidade. Rosario, 1875-1935”, A&P, n. 10, 1995, p. 13.

9
O anteprojeto de MBM é de 1979. Cabe recordar que nesse momento, e desde 1976, a Argentina se encontrava sob a égide de uma ditadura militar que se afastaria do poder apenas em 1983.

10
SAINZ GUTIÉRREZ, Victoriano. El proyecto urbano en España. Génesis y desarrollo de un urbanismo de los arquitectos. Sevilla, Universidad de Sevilla, Consejería de Obras públicas y transportes, 2006.

11
Fernández De Luco ocupou a direção do Escritório do Plano Diretor em 1985, e a Secretaria de Planejamento entre 1989 e 1995.

12
Martínez de San Vicente desdobra a “análise urbana” como modo de releitura da história de Rosário, dentro do Centro Universitario Rosario de Investigaciones Urbanas y Regionales – CURDIUR –, e junto a De Luco, na Cadeira de Projeto Urbano da Faculdade de Arquitetura de Rosário. Nos artigos publicados por Martínez de San Vicente, pode-se ver a intenção de conformar uma teoria interpretativa da formação histórica de cidades recentes, a partir das abordagens da “análise urbana” italiana, e de figuras como Aymonino e Polesello.

MARTÍNEZ DE SAN VICENTE, Isabel. La naturaleza arquitectónica de las ciudades de reciente formación. Hacia la construcción de una teoría interpretativa. Rosario, Cuadernos del CURDIUR, n. 6, FAPYD, UNR, 1985.

MARTÍNEZ DE SAN VICENTE, Isabel. La formación de la estructura colectiva de la ciudad de Rosario. Rosario, Cuadernos del CURDIUR, n. 7, FAPYD, UNR, 1985.

13
Nos vínculos entre De Luco, Martínez de San Vicente e o debate italiano, caberia agregar as relações que ambos mantêm com Toni Díaz, que desde “La Escuelita” (espaço alternativo de ensino de arquitetura surgido em Buenos Aires na época da ditadura militar) impulsionou um movimento de reflexão em torno da função da arquitetura na cidade, responsável pelo convite a figuras como Aldo Rossi naquela cidade.

14
Centro de Arquitectos de Rosario. “Confrontación de Ideas y debate sobre el destino urbanístico de los terrenos del Ex Molino Yerbatero Martín”.Rosário, 1982, p. 2.

15
Idem.

16
Na Revista Dana, n. 5, de 1978, se apresenta um texto denunciando a “devastação patrimonial” e reclamando uma série de medidas que enfrentem aquele processo.

17
QUIROGA, Horacio. “Parque España: cinco años después”. Revista del Taller, n. 9, 1985.

18
ALBERTALLI, María Pía. “Estudio H” Em: LIERNUR, J. ;ALIATA, F. (orgs.). Diccionario de Arquitectura en la Argentina. Buenos Aires, AGEA, 2004.

19
ELGUEZABAL, Eduardo. “Oriol Bohigas en Rosario”, Summa, n. 140, 1979, p. 53.

20
Intendencia Municipal de Rosario. Ordenanza. n. 2527. Rosário, 11 jan. 1980

21
Isto não implica que desapareçam as posições anteriores ou que sejam substituídas in toto pelas novas perspectivas. As mudanças que implicam o Plano Diretor se vinculam, assim mesmo, a questões políticas. Não ter que recorrer à legislatura provincial, de signo político contrário, para modificar o Plano Regulador, era um dos motivos para a criação da figura do Plano Diretor.

22
FERNÁNDEZ DE LUCO, Manuel. “Plan Estratégico” Em: VENESIA, J. C. (org.) Políticas públicas y desarrollo local. Rosário, FLACSO – UNR – IDR, 1998.

23
Esta “nova” perspectiva se sintoniza com os debates que vinham se desenvolvendo em outros contextos, em torno do papel da urbanística. Assim, se reconceitualiza o papel do Estado, considerando as mudanças nas estruturas econômicas das cidades.

24
MARTÍNEZ DE SAN VICENTE, Isabel. “La sutil belleza de la ciudad aluvional. Crónica de 15 años de arquitectura pública en Rosario”, Summa+, n. 33, 1998.

25
FERNÁNDEZ DE LUCO, Manuel. (1987) “Rosario. Conocer para transformar”, A & P, n. 0, Rosário, pp. 40-52.

26
Uma das ideias nas quais se inseria o projeto do Parque España tem a ver, em seus primórdios, com um “Plan de Incrementación de Áreas Verdes”.

27
Alguns inconvenientes nos vínculos entre os arquitetos e a gestão urbana, podem ser vistos em: PAMPINELLA, Silvia. “La ciudad cambió la voz. Tres temas para pensar la arquitectura de Rosario”, Block, n. 7, 2006.

28
A área delimitada para o Parque España inclui terrenos em nome da Prefeitura de Rosário, da empresa de Ferrocarriles Argentinos, da Junta Nacional de Granos e da Administración Nacional de Puertos.

29
Segundo Quiroga, havis sido projetado um parque em terrenos alheios, pois a Prefeitura não contava com a propriedade dos mesmos. Por outro lado, não se encontrava investidor. A Prefeitura contribuía com as gestões, mas ninguém se responsabilizava pelo financiamento. A Federação de Associações Espanholas da província de Santa Fe se comprometerá a ser responsável pelo financiamento do projeto, com conhecimento da inadimplência da mesma, que já havia pago os honorários do Escritório MBM para o anteprojeto, porém isso permitia continuar as gestões em torno de um futuro financiamento.

30
ELGUEZABAL, Eduardo. “Oriol Bohigas en Rosario”, Summa, n. 40, 1979, p. 56.

31
Uma análise dos vínculos entre tipo e projeto urbano para o caso de Rosário pode ser vista em: FERNÁNDEZ DE LUCO, Manuel; FLORIANI, Héctor; MÁRTINEZ DE SAN VICENTE, Isabel. “Tipo y proyecto urbano” Em: Coloquio sobre el problema tipológico. Papers. Cadeira Wladimiro Acosta, Buenos Aires, Secretaria de publicações CEADIG, 1987.

32
MARTORELL, J.; BOHIGAS, O.; MACKAY, D.; ESTUDIO H; QUIROGA, H. “Parque España, Rosario”. Revista Summa, Colección Temática, 3/83,1983.

33
Ao longo do presente trabalho fala-se da Espanha nos seguintes aspectos: o Parque propriamente dito, a rua España que desemboca no parque e o país, Espanha, de onde provém Bohigas.

34
PAMPINELLA, Silvia; RIGOTTI, Ana María. “Complejo Cultural Parque de España (1980-1992)”. Rosario, Mapa de Arquitectura. Buenos Aires, Diario de Arquitectura Clarín, 2006.

35
DAGNINO, Tomás. “La importancia de hacer ciudad”. Reportagem com Oriol Bohigas em Rosário. Diario El Cronista comercial. 18 mai. 1994.

[tradução de Felipe Contier, revisão técnica de Flávio Coddou]

sobre o autor

Formado em Sociologia pela Universidade de Buenos Aires (UBA). Bolsista do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (CONICET) – Centro de Estudos Desenvolvimento e Território (CEDET) – Universidade Nacional de San Martín (UNSAM). Doutorado em Ciências Sociais, Faculdade de Ciências Sociais (UBA), mestrado em História e cultura da arquitetura e da cidade, Universidade Torcuato Di Tella. Editor da Revista Serie Urbana do Instituto de Pesquisa em Humanidades Dr. Gerardo H. Pagés. Colégio Nacional de Buenos Aires – Universidade de Buenos Aires.

comments

115.06
abstracts
how to quote

languages

original: português

others: español

share

115

115.00

O ateliê de projeto como mini-escola

Edson Mahfuz

115.01

Lucio Costa: problema mal posto, problema reposto

Cecília Rodrigues dos Santos

115.02

A catedral do século XXI: o caso do novo MIS

João Masao Kamita

115.03

Archetekton: algumas considerações em torno dos trabalhadores da arquitetura na Grécia antiga

Adson Cristiano Bozzi Ramatis Lima

115.04

Shigeru Ban e sua contribuição para a arquitetura efêmera

Bruna Caroline Pinto Campos

115.05

Definições incertas: arquitetura

Wellington Cançado

115.07

Ruídos, marcas e caminhos na escrita da cidade moderna: apontamentos de um balanço historiográfico

Iranilson Buriti, Silvera Vieira de Araújo and José Clerton de Oliveira Martins

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided