Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architexts ISSN 1809-6298

abstracts

português
O projeto “Default Urbano”, exercício crítico em andamento, foi apresentando pela primeira vez na X Bienal de São Paulo em 2013 como exposição. O objetivo é explicitar os padrões com os quais as cidades vêm sendo conformadas na contemporaneidade.

english
This paper intends to present the Urban default project, a ongoing critical exercise, presented for the first time in São Paulo Bienal of Architecture and urbanism in 2013. It aims to present the patterns and typologies in which cities are based of.

español
El projecto Default Urbano, un ejercicio crítico en curso, fue presentado por primera vez en la X Bienal de São Paulo en 2013 en forma de exposición. Tiene por objeto aclarar las normas a que las ciudades han sido formados en la época contemporánea.


how to quote

CANUTO, Frederico; BRAGANÇA, Luciana Souza. Default urbano. O espaço urbano e suas tipologias. Arquitextos, São Paulo, ano 17, n. 199.01, Vitruvius, dez. 2016 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/17.199/6342>.

1.

A Modernidade se constitui como movimento de racionalização e tipificação total do indivíduo através de seu disciplinamento e normatização, coloca o filósofo francês Michel Foucault (1). Neste contexto, a arquitetura e urbanismo são disciplinas cujo objetivo reside na transformação de tal ideário moderno num cotidiano vivido espacialmente. Assim, desde o século 19 com a emergência da cidade como fato da vida pública pela industrialização, o acompanhamento deste desenvolvimento pela arquitetura se dá através da introdução no pensamento disciplinar da noção de tipo.

Para racionalizar sobre problemas cada vez mais estruturais da vida moderna e seu espaço, parte-se de um entendimento de que qualquer problema pode ser pensado, e consequentemente resolvido, através de um módulo estruturante. A ideia é de que tal modulação – não é estranho que Le Corbusier considere o homem como objeto racionalmente modulável, denominando-o Modulor – poderá ser replicada e usada em realidades cada vez maiores em termos de escala e tamanho. Cada problema ora é acaso ou contingência a ser extinto porque é exceção; ora é repetição tornada regra; ora é parte de um desenho maior de um sistema cujas engrenagens homens comuns estão longe de compreender e, mesmo de acessar senão pelo erro(ar).

Com base nessa compreensão, um plano de composição da superfície terrestre se constrói desde o mínimo: revestimentos de parede aparecem em capas de revistas de todos os lugares do mundo; habitações são construídas ad infinitum a despeito de qualquer contextualização a respeito de dimensões geográficas mais específicas; círculos gigantescos no deserto do centro dos EUA ou na Amazônia brasileira compõem a paisagem do agronegócio em escala mundial. Tal forma é repetida globalmente porque tecnicamente é mais produtivo: o tipo serve porque é repetição do que pretensamente funciona. O traçado ortogonal de Manhattan é levado às últimas conseqüências e tornado o traçado Jeffersoniano dos EUA ou mesmo traçado de ocupação e parcelamento de cidades no norte do Brasil, especificamente em Rondônia. Os lotes são a unidade métrica do capital espacializado. Figuras geométricas compõem o planeta como um quadro abstrato nada abstrato porque é vivido, mesmo que não visto senão do céu ou pelo googlearth.

Com a industrialização potencial do mundo construída desde século 19, parece que todas as peças se encaixam na construção de um aparato maior durante o século 20: a cidade. E se forem tomadas as compreensões do filósofo francês Henri Lefebvre sobre a noção de tecido urbano e urbano (2) assim como suas leituras mais contemporâneas capitaneadas por Neil Brenner (3), o maior aparato é toda a superfície terrestre tornada urbana. Antecipando, Manfredo Tafuri, em Projecto e Utopia, já colocava:

“Do elemento padronizado à célula, ao bloco singular, a siedlung, à cidade: esta é a cadeia de montagem implantada com excepcional clareza e coerência pela cultura arquitetônica de entre duas guerras. Cada pedaço é resolvido em si e tende a desaparecer, ou melhor, diluir-se formalmente na montagem.

Tudo isto revoluciona a própria experiência estética. Agora, já não são objetos que se apresentam à apreciação, mas sim um processo, a viver e fruir enquanto tal. O fruidor, chamado a contemplar os espaços ‘abertos’ de Mies Van Der Rohe ou Walter Gropius, é o elemento central deste processo. A arquitetura, chamando o público a compartilhar na planificação, dado que as novas formas já não pretendem ser valores absolutos, mas propostas de organização da vida coletiva – a arquitetura integrada de Gropius – faz com que a ideologia do público dê um salto a frente” (4).

Uma ideologia do público implantada na qual a esfera privada é extensão da vida pública tornada espaço por uma cadeia produtiva montada em ruas, lotes, avenidas, torres de vidro, edifícios em alvenaria, campos agricultáveis, buracos de mineração, plataformas marítimas de petróleo, conformando um sistema produtivista da vida.

Indo contra o interior burguês, abarrotado de pequenas memorabilias compradas em lojas de departamento como já delineava Walter Benjamin em suas críticas ao interior burguês (5), o ideário arquitetônico modernista pensava inocentemente que era possível desenhar do garfo a cidade. Entretanto, tal inocência é perversidade e ingenuidade pelos críticos: é isto que ocorre hoje, uma inocência alçada ao patamar de radicalidade por uma idéia de Modernidade e progresso que tudo engloba.

2.

Depois do período entre guerras e a partir dos anos 1960, o capitalismo industrial tornou-se cognitivo, deixando de ser apenas econômico para se tornar também cultural e cotidiano, entendendo o último não como o que se apresenta materialmente, mas como potência virtual a ser desenhada, como coloca Otilia Arantes ao descrever o cultural turn sofrido pela arquitetura e urbanismo a partir dos anos 1970 e 1980 (6). O resultado produzido é o que autodenominado cineasta francês Guy Debord chama de espetáculo. O desenvolvimento de um modelo econômico que se tornou modelo perceptivo e (des)engajado socialmente em relação ao mundo. “O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas relações sociais mediadas por imagens” (7).

Se desenhar o mundo visto como imagem de uma grande cadeia produtiva só pode levar ao esgotamento de um modelo econômico, o fordista, cujo clímax viu-se nos fervilhantes e contraventores anos 1960 e 1970, a economia não deve mais então ser determinada por uma produtividade relacionada a oferta, mas atrelada ao que está além do produtível, na demanda: o desejo. O objetivo é transformar tal desejo, deslocando-o e anulando-o, passando de impulsos destrutivos de um modo de vida, como se viu nas ruas nos anos sessenta, em motor de geração uma cadeia produtiva economicamente viável e lucrativa infinitamente. O desejo como realidade palpável e passível de ser comprado, como mercadoria então, desejado sempre como imagem virtual que media a maneira como pessoas estabelecem socialmente relações entre si, como já apontava Debord a partir da frase acima citada. O desejo não corporificado em um objeto em si, mas como um valor impalpável que serve de parâmetro para todo tipo de relacionamento social que se dará daí por diante.

Ainda que mais de 50 anos depois e num contexto especificamente brasileiro, interessante como o sociólogo Jessé de Souza já alerta que o que está por detrás da idéia de tipo já não é mais um modelo econômico e social entendido como renda. Tal asserção é falsa e leva a conclusões desviadas, especialmente no caso brasileiro a respeito do falsete "nova classe média", como ele coloca, e que aqui é alçado a chave para compreender um novo degrau nos modos de apropriação do imaginário social pelo capitalismo (8). O que subentende-se a partir da leitura desta obra de Jessé de Souza é que o que está desenhado há anos e que ainda não está claro para grande parte dos que estudam o Brasil a partir de seus números – PIB, renda média, renda per capita – é a necessidade de compreender que classes sociais e desigualdade entre estas não se quantifica em cifras do salário.  O que é relevante é o que esse significa em relação às diferenças em termos de direitos a diversidade, distinção sócio-cultural, acesso a bens culturais e educacionais como aponta Pierre Bordieu (9). Ou seja, a sua própria circunscrição que o difere dos demais é o que ganha relevo: renda, diversidade, acesso, distinção.

Seguindo o raciocínio do sociólogo brasileiro, a arquitetura não é mais apenas tipo-forma como materialidade formal desconectada de um entorno social como fazia-se crer a crítica ao modelo tábula rasa do urbanismo moderno. Arquitetura é sim tipologia extremamente indicadora e produtora/produzida desse social porque, virtualmente, sua difusão como padrão depende de desejos de distinção e acesso a cultura que estão no interior da própria sociedade.

3.

Tem-se como resultado uma sociedade cega as suas próprias idiossincrasias culturais e afeita a desejos de compatibilidade a modelos culturais importados – sempre importados porque mesmo o conceito de brasilidade, colorido e alegre, é incutido como imagem de um país dócil que hoje não é espelho da realidade, haja visto as Jornadas de Junho de 2013 ocorridas em mais de duzentas cidades do país com grande salto de arroubos de violências praticados pela polícia. A própria noção de nacionalidade ou de individualidade hoje está em questão, assim como qualquer noção do que se é como identidade, dada a priori, se for colocada em pauta a crítica pós-estruturalista e pós-colonialista a noções como identidade, diferença e nacionalismo pois ser brasileiro não significa mais do que ser qualquer outra coisa.

O que se tem hoje gestado, instalado e propagado através dos mais diversos canais de comunicação e produção de cultura, na qual a arquitetura é uma delas, é um Transtorno Obsessivo Compulsivo: vontade de ser tipo. O que se assiste hoje nos bairros de elite não são padrões arquitetônicos que são reproduzidos ad infinitum pelas cidades devido a sua qualidade ou beleza, mas reproduzidos por desejos de distinção social. Padrões esses que são expostos tanto ali como em casas localizadas em zonas periféricas usados (in) distintamente.

Portanto, isto não é uma via de mão única.

Azulejos brancos são usados em fachadas no exterior em bairros da periferia para imitar casas brancas e limpas, despregnadas de qualquer sujeira que impeça uma imagem de perfeição e limpeza. Ao mesmo tempo, pastilhas de cerâmica 10X10 são usadas à exaustão em fachadas de edifícios residenciais em bairros em crescimento com a mesma finalidade. Ambas as tentativas tem algo em comum: uma cor e material que imita o interior residencial. Limpa-se de vestígios quaisquer a arquitetura assim como o interior de sua própria casa, que deve ser asséptico e higienizado continuamente contra todo e qualquer tipo de invasor. O mesmo deve ocorrer no exterior. O que é “fora” é tratado como “dentro”. Uma higienização radical e perversa de qualquer desejo que não seja controlado e passível de tipificação. Uma face pública desprovida de contaminação e de troca.

O espaço urbano se constitui enquanto resultado do consumo dos interiorismos privados, resultando na homogeneização das cidades para/por um cidadão apático e reificado. Este tornado objeto físico privado de qualidades pessoais ou de individualidade que não aquelas ditadas por imagens já dadas, surge como produto e reprodutor dessas imagens de poder que são apresentadas cotidianamente: padrões. Não desqualificado ou privado de qualificação como potencialmente indicador da emergência de um “povo que falta” segundo Deleuze sobre a superioridade do imaginário anglo-saxão frente ao europeu pela literatura (10), ou de uma “comunidade que vem” por Agamben, mas cheio de indicativos e esvaziado de desejo de exemplaridade, de unicidade, de motor para uma multiplicação de sujeitos possíveis (11).

A cidade enquanto espaço construído pela aderência das errâncias dos habitantes aos suportes físicos existentes, cotidianamente é transformada em mercadoria e desejo espetacular. Nessa relação das pessoas e espaço, o consumo exerce protagonismo não apenas pelo seu poder de transformar tudo em cifras, mas pela potência distintiva de tudo tornar tudo mais do mesmo dentro de uma diversidade controlada.

Tal padronização repetida gera uma estabilidade a longo prazo, um asseguramento potencialmente permanente do atual estado das coisas: o que está dentro se assemelha ou condiciona o que é reproduzido fora, sendo que essa relação enquanto espetacular, dada pelo espelhamento material, acaba por reproduzir também modos de vida e hábitos sociais. A cidade é cada vez mais percebida não pelo que coletivamente só pode ser criado e desejado como desvio, mas através do que apenas individualmente o mercado de imagens requer e produz com garantia.

A negação do que é exterior, do coletivo, do que é improvável em função do interior estanque, asséptico, sem calor, sem sol, totalmente controlado onde a aparência externa é simplesmente um resultado das escolhas que beneficiam o interior, é como as cidades tem sido conformadas. Interior privilegiado e um exterior espelho consequência. Na montagem, toda a cidade, do ambiente doméstico ao espaço exterior, se torna um contínuo produtivo: mapear e controlar desejos de fuga e diferença em modelos espetaculares de distinção.

4.

Sendo tais padrões construídos por uma omissão imaginativa e pelo desejo aprisionado, o que resta são defaults, definidos aqui como configurações repetidas a exaustão, ou erros continuamente em produção.

O projeto “Default Urbano” é um trabalho apresentando pela primeira vez na X Bienal de São Paulo em 2013 e entendido como processo de reflexão contínuo: um exercício crítico em andamento. Seu objetivo é explicitar os padrões com os quais as cidades vêm sendo conformadas na contemporaneidade.

São dez os defaults apresentados:

Embanheiramento do mundo

Dentro das residências temos banheiros revestidos de pastilhas ou azulejos de cores mais neutras possíveis. Fácil é a limpeza. A imagem é sem qualquer marca. As fachadas dos prédios, para garantir estanqueidade e a mínima manutenção, tem sido comumente revestidas em cerâmica 10x10.

Os horizontes urbanísticos são conformados como grandes banheiros desprovidos de função e imageticamente dúbios, não trazendo à cidade nada que não seja uma (falsa) neutralidade. Edifícios construídos com essas cerâmicas se transformam em mostruários a céu aberto.

O banheiro, intimidade última do homem em seu refúgio domiciliar, é virado ao avesso e suas entranhas são expostas a todos. O fétido do lugar onde os excrementos são eliminados em sua brancura hospitalar é , urbanamente, sinônimo de ordem.

#embanheiramento  #avesso #estanqueidade #10x10

Sob o sol: palmeira em cidade quente

As palmeiras trazem à cidade uma monumentalidade asséptica e enrijecida. Usadas com função de marcar eixos ou valorizar a arquitetura com sua conformação longilínea, não trazem à cidade nada. Não proporcionam sombras ou aconchego, reafirmando a cidade – imagem para ser observada de longe. Elemento paisagístico protagonista em maquetes eletrônicas que promovem lançamentos comerciais, a palmeira impõe sua presença.

Em informes publicitários, sua verticalidade traduz hierarquia, alçar ao céu. Na vida prática, elas emanam uma tropicalidade genérica que quer aderir a qualquer contexto. De baixo, sem sombreamento, só resta dizer que a culpa é do “aquecimento global” (termo cada vez mais genérico e esvaziadamente difundido apagado de qualquer conotação política que possa apontar causas humanas).

#oasis #sahara #deserto #alala-ô #Dypsisdecaryi #Roystoneaolerhea # tropicalidadegenérica

Reflexão: vidros espelhados

Os vidros espelhados se tornaram a imagem sinônimo de nobreza. Transeuntes sob tais vidros ficam sujeitos ao calor que eles refletem e a serem surpreendidos por um raio cegante de luz refletida que chega ao ponto de escaldar. São novos sóis que se apresentam.

São espelhos que não deixam penetrar, refletindo o que está fora. Não há nada do outro lado que não seja o que se apresenta refletidamente: interior-exterior são faces gêmeas.

#walkie-talkie #derretimento #calda #20 #40 #60 #ray-ban #película #insufilm #brilhou  #pijamadeseda #espelhoespelhomeu

Linha reta: maior distância entre dois pontos

A linha reta vista pelo google earth é a distância mais rápida ou confortável para um percurso. Na condição de pedestre, o percurso em linha reta revela que estas direções planificadas ignoram comumente a topografia, e condições de mobilidade urbana tão adversas que a definição matemática da linha reta como a menor distância entre dois pontos torna-se uma idiossincrasia.

A topografia é o desenho natural de um lugar indesejado pelo googlearth. De cada lugar se vê de uma maneira. De cada ponto mais alto, têm-se uma relação paisagística diversa.

O plano tudo planifica. O plano tudo tipifica porque produz indiferença. O desejo é a distinção pela indiferença ao lugar.

#terraplanar #plantismo #arrasar #tobogã #sobe-desce #topográfico #relevante #planar #planificação #tabula rasa #circular

Circular e colisões: faixas e guias

A cidade se organiza pela hierarquização e separação dos fluxos. Os pontos de contato são pontos nevrálgicos. O percurso do carro segue sempre em linha reta. O impedimento se dá pela parada dos carros, com motoristas protegidos pelo seu envoltório interiorizante. Aos pedestres, em contato direto com as condições corporais da cidade, tal percurso em linha reta não é permitido: sempre um sinal, sempre uma faixa de pedestre que o faz dar voltas. A eles resta voltar para atravessar ou seguir as guias da cidade.

Asfalto para carros. Guias para pessoas com mobilidade reduzida. Calçadas para pedestres. Faixas para pedestres. Ciclovias para bicicletas. Faixas exclusivas de ônibus para ônibus. Faixa exclusiva para ambulâncias. Azulejo para banheiro. Cerâmica para cozinha. Granito para sala. Piso laminado de madeira para quartos. Cada revestimento de piso para cada tipo de pessoa em seu veículo motor. Cada revestimento de piso para a função de cada cômodo. Nada se mistura com nada. Serão necessários sinais de trânsito e placas de PARE nas casas para controlar fluxos; eles já existem para controlar o trânsito das ruas.

Ninguém se encontra com ninguém. Ninguém usa o espaço para uma função que não seja aquela definida pelo imaginário imobiliário – estar, cozinha, quarto ou aqui se fica, aqui se prepara a comida, aqui se dorme..não se dorme onde se fica. Assim, colisões são controladas.

#divagar #devagar #podotátil #guia #faixas

Placas

Em espaços públicos, placas de gramas recém-plantadas funcionam como dispositivos de dispersão territorial. Higienizam a cidade não permitindo qualquer ocupação. Padronizam e controlam a natureza vegetada. Em espaços privados, funcionam como base para jardins ornamentais exóticos e quadras esportivas para uma classe abastada. A grama como símbolo ambiental torna-se principal instrumento estratégico para uma apatia espacial.

Num plano maior, a grama tornou-se o novo muro, a nova grade, a nova placa de Pare. “Por favor, não pise na grama”. Verde e bonita para não ser tocada: natureza para ver.

#verde #gramar #permeável #diagramar #40X40

Conveniência=convivência

Espaço kids, lan house, cozinha gourmet, gazebo zem, home office, garage band, espaço fitness, espaço beauty, são padrões de espaço coletivos disseminados nos condomínios verticais privados. Mais do que isso, produzem padrões de convivência que enquadram comportamentos sociais e coletivos. Produzem acordos entre moradores mirando uma conveniência costurada por regras condominiais.

Parque, sala com computadores, cozinha, estes são os sinônimos e traduções despidos de seu caráter distintivo dos espaços acima citados. O inglês é a língua que constrói uma nova linguagem de padrões, imobiliária e habitacional.

#gourmet #kids #office #zen #gazebo zen #garage band #fitness #beauty #swimming #spa #condominial #pilotis #playground #hometheater

Pregnância

Revestimentos dos edifícios construídos nas áreas chamadas formais contrastam cada vez mais com áreas informais. Contra os edifícios sempre por se fazer da periferia compostos de cores berrantes e materiais “bregas”, surgem cores brancas, beges e cinzas claros para expor um padrão de tonalidade que subverte tatilmente o que deveria apenas ser visto.

O branco e cinza tornam-se agentes de limpeza, pois quando convertidos em material, impedem a pregnância da sujeira. Não é isso que se deseja quando vê-se nas ruas das periferias casas com fachadas nuas em tijolos com interiores revestidos de granito?

#despregnar #impregnar #Alzheimer #digitais #impressões digitais #SMARCAD1 #liso #lisura

Ver e não tocar

Com os gradis envidraçados, a vida interior dos edifícios tornam-se telas onde quem está do outro lado limita-se como num aquário. Elas são as novas vitrines de um lifestyle oferecido nas propagandas do mercado imobiliário. Assim  só resta ver e nunca poder tocar.

#anestesia #lepra #hanseníase #penumbra #intatibilidade #cegueira #amaurose #aquário

notas

NA – O projeto Default Urbano mapeia e explicita os padrões com os quais as cidades vêm sendo conformadas na contemporaneidade. Entende-se esse trabalho como processo de reflexão contínuo: um exercício crítico em andamento. O projeto Default Urbano foi apresentado em forma de exposição na X Bienal de Arquitetura de São Paulo – Modos de Fazer Modos de Usar. Nessa exposição os presentes eram convidados a quantificar a existência desses padrões a partir de carimbadas nos próprios painéis de exposição. Uma segunda fase está em processo de elaboração.

notas

1
FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopoltica. São Paulo, Martins Fontes, 2008.

2
LEFÈBVRE, Henri. A revolução urbana. Belo Horizonte, Editora UFMG, 1999.

3
BRENNER, Neil. Implosions/Explosions: Towards a Study of Planetary Urbanization. Jovis, 2014.

4
TAFURI, Manfredo. Projeto e utopia. Lisboa, Editorial Presença, 1985, p. 70.

5
BENJAMIN, Walter. Paris. Capital do Século XIX. Passagens. São Paulo, Belo Horizonte, Imprensa Oficial, EdUFMG, 2009.

6
ARANTES, Otilia, VAINER, Carlos, MARICATO, Ermínia. A cidade do pensamento único. São Paulo; Vozes, 1999.

7
DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro, Contraponto,1997, p. 12.

8
Cf. SOUZA, Jessé de. Ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2009.

9
BORDIEU, Pierre. A distinção: critica social do julgamento. Porto Alegre, Zouk, 2007.

10
DELEUZE, Gilles. Diálogos. São Paulo, Escuta, 1998.

11
AGAMBEN, Giorgio. A comunidade que vem. Belo Horizonte, Autentica, 2013.

sobre autores

Frederico Canuto é pesquisador do grupo de pesquisa Narrativas Topológicas e Professor Adjunto Classe 02 no Departamento de Urbanismo da Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais.

Luciana Souza Bragança é pesquisadora do grupo de pesquisa Indisciplinar, Professora Auxiliar no curso de Design da Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais e no curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix.

comments

199.01 crítica
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

199

199.00 urbanização

A metrópole híbrida

Uma perspectiva histórica da urbanização de Fortaleza

Ricardo Alexandre Paiva

199.02 história

Para além das reformas

Reflexões sobre o lugar de memória do Maracanã pelo viés da ambiência

Natália Rodrigues de Melo and Cristiane Rose de Siqueira Duarte

199.03 planejamento urbano

Entendendo os vazios urbanos de Campo Grande MS

Ângelo Marcos Arruda

199.04 tecnologia

Avaliação do Ciclo de Vida Energético (Acve) de uma habitação de light steel framing

Avaliação do desempenho térmico e simulação computacional

Lucas Caldas and Rosa Maria Sposto

199.05 patrimônio

O bairro histórico de Paraty

Autenticidade, homogeneidade e integridade

Mariana Freitas Priester and Analucia Thompson

199.06 história

Acácio Gil Borsoi

A formação clássica do arquiteto moderno

Amanda Rafaelly Casé Monteiro

199.07 urbanismo

Redesenhos para Marabá PA

Aspectos socioambientais e desenho urbano

Luna Bibas and Ana Cláudia Cardoso

199.08 história

Arquitetura de Chácara no Recife

A história e o traço de Giácomo Palumbo em uma reforma estética e higienista de sobrado residencial

Juliana Cunha Barreto

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided