Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

drops ISSN 2175-6716

sinopses

português
Na exposição que comemora os trinta anos de sua construção, os curadores Marcelo Ferraz e André Vainer apresentam aspectos da construção do Sesc Pompeia e da participação de Lina Bo Bardi.

español
Marcelo Ferraz y André Vainer hablan la época de construcción del Sesc Pompeia y la participación de Lina Bo Bardi en el marco de la exposición que conmemora los treinta años de su construcción.

como citar

FERRAZ, Marcelo; VAINER, André . Arquitetura para todos. Drops, São Paulo, ano 13, n. 066.01, Vitruvius, mar. 2013 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/13.066/4671>.



Em maio de 1982, um novo lugar desponta em São Paulo.

Esse lugar, o Sesc Pompeia, foi fruto de um longo e dedicado trabalho de projeto iniciado quase seis anos antes, quando a arquiteta Lina Bo Bardi entrou pela primeira vez na antiga fábrica de tambores dos irmãos Mauser, no coração da Pompeia, bairro operário não distante do centro de São Paulo.

A convite do Sesc, que havia adquirido o imóvel anos antes e ali pretendia construir um novo Centro Cultural e Desportivo, Lina foi contratada para realizar o projeto que viria a mudar a vida cultural da cidade e do país. A arquiteta trazia na bagagem a experiência de ter projetado, no final dos anos 1950, o Museu de Arte Popular da Bahia, no Solar do Unhão, e o Museu de Arte de São Paulo, na avenida Paulista.

Paris acabara de inaugurar o Centro Georges Pompidou, o Beaubourg, no Marais, bairro que ainda guardava as características de uma cidade que havia sido radicalmente transformada no final do século XIX, na esteira das grandes transformações políticas e econômicas do final daquele século.

Ao contrário daquela iniciativa que demoliu alguns quarteirões para a construção do novo Centro, o Sesc resolve manter a velha fábrica e reabilitá-la às novas funções, em vez de demoli-la para a construção de um novo conjunto.

Em 1977, Lina instala seu escritório na obra - opção radical já antes experimentada no projeto para o Solar do Unhão e no Masp - e, com uma equipe de dois jovens colaboradores, comanda, durante nove anos, o projeto e sua construção, rara fórmula cada vez mais distante da prática usual. Na Pompeia, arquitetos, engenheiros, mestres, encarregados e operários convivem cotidianamente experimentando métodos construtivos e acabamentos, estabelecendo uma rotina de trabalho que abrange desde a formulação do programa de ocupação até as soluções arquitetônicas empregadas para executá-lo.

Lina, em toda sua trajetória profissional, construiu seus projetos a partir de uma postura ética/ideológica que buscava sempre criar espaços para o convívio: palco de disputas e entendimentos, e produção de conhecimento, onde cada um pode estabelecer para si o significado das experiências ali vivenciadas.

A arquitetura como agente da integração entre os homens e a cidade em que vivem, trabalham, estudam, amam, criam filhos, se alimentam, praticam esporte e estabelecem os limites da convivência e da cidadania.

Esta exposição procura mostrar como se deu esta incrível experiência e como, durante os trinta anos de sua existência, o Sesc Pompeia concretizou o ideal de Lina, estabelecendo-se como o mais importante equipamento urbano da cidade de São Paulo.

nota do editor

Texto curatorial da exposição “Sesc Pompeia: 30 anos”, Sesc Pompeia, São Paulo, 28 de fevereiro a 30 de junho de 2013.

sobre os autores

André Vainer e Marcelo C. Ferraz. Arquitetos colaboradores de Lina Bo Bardi no desenvolvimento do projeto e obra do Sesc Fábrica da Pompeia.

Exposição “Sesc Pompeia: 30 anos”, André Vainer e Marcelo C. Ferraz
Foto divulgação

Exposição “Sesc Pompeia: 30 anos”, André Vainer e Marcelo C. Ferraz
Foto divulgação

 

comentários

066.01 exposição
sinopses
como citar

idiomas

original: português

outros: español

compartilhe

066

066.02 exposição

Busca-me

Fotografias de Boris Kossoy

Diógenes Moura

066.03 homenagem

Roberto Segre, 1934-2013

Sérgio Magalhães

066.04 exposição

A maquete do Solar do Unhão e a Bahia de Lina Bo Bardi

Antônio Luiz M. de Andrade (Almandrade)

066.05 cinema

Amor de Thanatos

Helena Guerra

066.06 planejamento

O acidente na Imigrantes

Álvaro Rodrigues dos Santos

066.07 inauguração

Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin

Projeto arquitetônico de Eduardo de Almeida e Rodrigo Mindlin Loeb

Abilio Guerra

066.08 homenagem

Roberto Segre

Turim, Itália, 1934 - Niterói, Brasil, 2013

Ramón Gutiérrez

066.09 exposição

Mário de Andrade: etnógrafo-fotógrafo-poeta

Adrienne Firmo

jornal


© 2000–2017 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada