Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Acervo do fotógrafo Haruo Ohara, depositado no Instituto Moreira Salles, registra as manifestações culturais e o labor no campo dos imigrantes para o interior do Brasil.

how to quote

BURGI, Sergio. Haruo Ohara. Exposição de fotos do acervo do Instituto Moreira Salles. Drops, São Paulo, ano 14, n. 070.02, Vitruvius, jul. 2013 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.070/4796>.



Por decisão da família do fotógrafo Haruo Ohara (1909-1999), seu acervo foi doado ao Instituto Moreira Salles em janeiro de 2008 e passou então a ser tratado e preservado na Reserva Técnica Fotográfica do Instituto Moreira Sales – IMS no Rio de Janeiro, principal instalação dedicada à conservação da memória fotográfica no Brasil.

Este importante acervo, de um dos grandes nomes da fotografia brasileira da segunda metade do século 20, é composto por cerca de oito mil negativos em preto-e-branco, dez mil negativos coloridos, dezenas de álbuns e centenas de fotografias de época, além de equipamentos fotográficos, objetos, documentos pessoais, diários e livros. A reunião desse conjunto permite um estudo aprofundado da obra do fotógrafo e de sua vida como imigrante e pequeno agricultor na cidade de Londrina, no norte do estado do Paraná.

Imigrante, lavrador e fotógrafo, Haruo Ohara nasceu no Japão em 1909. Imigrou aos 17 anos para o Brasil com os pais e irmãos, cultivou a terra ao longo de boa parte de sua vida adulta com dedicação e arte – e simultaneamente fotografou sua vida e de seus familiares.

Sua obra, alinhada com a fotografia moderna e humanista de meados do século 20, contribui para mostrar que alguns dos antagonismos atávicos da cultura brasileira, como aquele que contrapõe o campo e a cidade como símbolos do arcaico e do moderno, herança de nosso período colonial extrativista e escravocrata, não resiste ao surgimento de uma nova personagem histórica na passagem do século 19 para o 20: o imigrante europeu ou asiático, que renova culturalmente e economicamente o país a partir do campo e que, no caso específico de Haruo Ohara, encarna tanto o homem da terra quanto o homem da cultura. Ao lado do trabalho diário na lavoura, Haruo cultivou a delicadeza dos infindáveis registros fotográficos possíveis da luz, delineando formas abstratas a partir de volumes e texturas dos objetos e da natureza presentes em seu ambiente e entorno. Produziu também marcantes imagens documentais e humanistas de sua família, de sua região e do mundo do trabalho associado à abertura da nova fronteira agrícola no norte do Paraná pelos imigrantes japoneses e de outras nacionalidades que para lá acorreram.

A fotografia em preto-e-branco, como técnica e forma de expressão artística, é uma linguagem que exige de quem a pratica o domínio preciso da luz no momento do registro da cena e grande domínio técnico e sensibilidade nos trabalhos de laboratório de revelação e ampliação final da imagem.

Fotógrafos que, em meados do século 20, desenvolveram-se nessa linguagem construíram um universo marcante de referências culturais e estéticas, influenciando nosso olhar contemporâneo sobre o presente e o passado recente. No Brasil, nomes como Marcel Gautherot, José Medeiros, Thomaz Farkas e Hans Gunter Flieg; e no exterior, Minor White, Edward Weston, Walker Evans e Ansel Adams, entre outros, formam uma linhagem que deixou sua marca autoral, estabelecida pessoalmente ou sob sua supervisão direta, nos dois momentos principais do processo fotográfico preto-e-branco: o da tomada da fotografia e o de posterior tradução dessa imagem capturada na câmera em imagem sobre papel que represente em preto-e-branco e tons de cinza o momento, a luz e as formas visualizadas originalmente.

Se a maior parte dos nomes citados é de fotógrafos que, ao longo de suas carreiras, atuaram nos principais centros urbanos no Brasil e no exterior, em meio a referências culturais e estéticas suas contemporâneas, o trabalho de Haruo, ainda que mais isolado por ter se realizado na nova fronteira agrícola do sul do Brasil, é realizado também dentro de um quadro de referências fotográficas e artísticas – associadas a sua participação ativa nos fotocineclubes da região de Londrina e no Foto Cine Clube Bandeirante de São Paulo,  local de atuação de outros importantes nomes da fotografia brasileira como German Lorca, Farkas, Geraldo de Barros e Chico Albuquerque.

Da mesma maneira que os frutos da terra, as fotografias em preto-e-branco produzidas por Haruo entre os anos 1940 e 1970 e reunidas nesta mostra também exigiram seu próprio tempo de processamento e maturação. A emoção do fotógrafo em ver sua intuição e pré-visualização de uma determinada cena lentamente materializando-se no papel fotográfico processado na penumbra do laboratório, certamente foi semelhante à emoção do lavrador Haruo, que, na luz atenuada do amanhecer ou entardecer, contemplava o esforço de seu trabalho desabrochando em flor e fruto em seus campos cultivados.

Tanto é assim que Haruo sempre transcreveu em seus diários, álbuns fotográficos e cartas os seguintes dizeres: “Hoje você vê a flor. Agradeça a semente de ontem.”

Não apenas a urbanização crescente do país como também a mudança da base tecnológica da fotografia em direção à fotografa digital tornam tais processos pouco compreensíveis às novas gerações. Dentro de um quadro de intensa urbanização e industrialização em escala mundial, como o de hoje, a crescente velocidade e artificialidade dos ciclos econômicos e tecnológicos pretende-se impor como a “ordem natural” dos mercados e da vida moderna e contemporânea.

O trabalho de Haruo aponta, entretanto, para o fato de que, mesmo nesse momento de forte transformação e aceleração tecnológica, talvez apenas o tempo real de maturação das flores, frutos e filhos fortemente representados em sua obra seja também o tempo real e necessário para a criação artística. E essa insistente sinalização para o verdadeiro ciclo da vida e da terra, com seus ritmos ancestrais, é o seu principal legado.

nota

Texto curatorial da exposição Haruo Ohara – Fotografias, Instituto Moreira Salles, Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, Rio de Janeiro, de 29 de junho a 8 de setembro de 2013, de terça a domingo, das 11h às 20h.

sobre o autor

Sergio Burgi é graduado em Ciências Sociais pela USP (1981) e possui diploma do Master of Fine Arts in Photography e Associate in Photographic Science pelo Rochester Institute of Technology de Nova York, ambos com trabalhos específicos na área de conservação fotográfica. Foi coordenador do Centro de Conservação e Preservação Fotográfica da Fundação Nacional de Arte, no Rio de Janeiro, entre 1984 e 1991. É membro do Grupo de Preservação Fotográfica do Comitê de Conservação do Conselho Internacional de Museus (ICOM) e, desde 1999, coordena a área de fotografia e a Reserva Técnica Fotográfica do Instituto Moreira Salles (IMS), principal instituição voltada para a guarda e preservação de acervos fotográficos no Brasil.

Enxada no ar, Chácara Arara, Londrina PR, 1948
Foto Haruo Ohara [Acervo Instituto Moreira Salles]

Crianças apreciando o arco-íris, Chácara Arara, Londrina PR, 1950
Foto Haruo Ohara [Acervo Instituto Moreira Salles]

Auto-retrato – plantio de milho, Chácara Arara, Londrina PR, 1943
Foto Haruo Ohara [Acervo Instituto Moreira Salles]

Maria, filha de Haruo, e Maria Tomita, sobrinha, Sítio Tomita, Londrina PR, 1955
Foto Haruo Ohara [Acervo Instituto Moreira Salles]

 

comments

070.02 fotografia
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

070

070.01 patrimônio

Mercado Municipal de Arriaga

A demolição de um patrimônio da arquitetura moderna mexicana

Juan Ignacio del Cueto

070.03 acervo

Vilanova Artigas no Beaubourg

Desenhos originais do arquiteto entram no acervo da instituição

Laura Artigas

070.04 democracia e urbanismo

Espaços da democracia

Luiz Fernando Janot

070.05 manifestação popular

Manifestações: o nome do jogo

Jorge Wilheim

070.06 patrimonio

Antonio Maceo

El rescate de su huella en Nicoya

Lohania Aruca Alonso

070.07 meio ambiente

Lições da Serra do Mar

Álvaro Rodrigues dos Santos

070.08 arte

Vanguarda e contemporaneidade

Breve relato do circuito de arte na Bahia

Antônio Luiz M. de Andrade (Almandrade)

070.09

É hora de tornar a Cidade Maravilhosa realmente “verde”!

Cecilia P. Herzog

newspaper


© 2000–2014 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided