Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Juliana Monferdini analisa as razões que levaram às manifestações populares e reflete sobre o ficará desse momento histórico no Brasil

how to quote

MONFERDINI, Juliana. Escutando a marcha. O que vai restar quando a poeira baixar? Drops, São Paulo, ano 14, n. 071.06, Vitruvius, ago. 2013 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.071/4847>.



Em nossas grandes cidades sentimos o peso da herança de um mal urbanismo praticado há muito tempo, que despreza e ignora nossos desejos e necessidades cotidianas.

Vivenciamos nos últimos anos uma piora significativa nos transportes, públicos ou não, saturados ou congestionados em vias entupidas de carros novos, vendidos em financiamentos facilitados, que impactam e dificultam nossa circulação diária.

Sentimos o boom imobiliário nos proibir de comprar nossa casa, transformando nossos antigos apartamentos alugados em fortunas de um milhão de reais. Não queremos viver em kitnets rebatizadas de studio-loft, com 36 metros quadrados a 11 mil reais o metro. Nem podemos.

Não gostamos das torres quadrigêmeas que pipocam do dia para a noite, entupindo as vias com SUVs e seus motoristas autoritários. Torres que também escurecem nossas ruinhas secretas, matando seus frágeis ipês cor-de-rosa.

Nossas cidades experimentam agora os efeitos predatórios de iniciativas duvidosas justificadas para fazer frente à crise internacional de 2008, que mantiveram o crescimento da economia e do emprego no país, e que agora mostram seu preço. Os megaeventos – Copa do Mundo e Olimpíadas – só parecem dar mais gás aos mesmos mecanismos de destruição e exclusão urbana, apoiados por grandes empreiteiras, empresas de ônibus, de coleta de lixo, entre outros gigantes que não só lucram com o processo, garantem sua perpetuação ao financiarem campanhas eleitorais.

É importante reparar como essas iniciativas que modificam a cidade estão associadas à idéia de "melhoramento" urbano, higienização e, principalmente, a idéia de progresso. A reurbanização que expulsa populações pobres e coloca no chão bairros inteiros como a Luz, é movida pela mesma lógica especulativa que remove os antigos bordéis da Rua Augusta para dar lugar a torres com terraço gourmet e 4 vagas de garagem por apartamento.

A ladainha acima se faz escutar nas escolas de arquitetura a pelo menos 10 anos, mas nunca foi capaz de mobilizar ninguém. Aproveitemos então a deixa, para fazer ecoar nossas angústias, há tanto tempo guardadas no peito. Que não se menosprezem os "sem-causa", sem partido, os jovens indignados que agora tomam nossas ruas. Poderá sua indignação se tornar revolução de fato? Tomara.

Ainda que após o êxtase, a euforia inicial se dissipe, que fique o sentimento de determinação e o inconformismo.

Depois que as fotos tremidas e os vídeos do youtube deixem de ser visitados, quando os depoimentos postados no calor dos acontecimentos deixarem de ser populares, que fique a energia que alimentou esse amplo engajamento autoconvocado e o sentimento de esperança. Lembremos da sensação compartilhada de amizade que se fez sentir em meio à multidão. A alegria entusiasmante de tomar a rua, que fez todos gritarem e chamarem os outros para compartilhá-la.

Vem prá rua, vem!

sobre a autora

Juliana Aoun Monferdini é arquiteta e urbanista pela IAU EESC-USP e mestre pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Manifestações em São Paulo
Foto Ed Reis

 

comments

071.06 manifestação popular
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

071

071.01 manifestação popular

Uma pauta para a redemocratização

Jorge Wilheim

071.02 centralidade urbana

A esquizofrenia do poder

Luiz Fernando Janot

071.03 arquitetos

Censo do CAU e os desafios na formação em Arquitetura e Urbanismo (parte1)

Érico Masiero

071.04 arquitetura digital

CAAD Futures 2013

Xangai hospeda o futuro da arquitetura digital

Gabriela Celani

071.05 exposição itinerante

Arquitetura do desenho

Zeuler Lima

071.07 crítica

Criticando a los críticos… ¿Se me permite la palabra?

Humberto González Ortiz

071.08 artes visuais

Entre a razão e o riso

Antônio Luiz M. de Andrade (Almandrade)

071.09 ensino

A cidade como ponto de partida para o projeto de arquitetura

Experiência da disciplina de projeto de arquitetura no morro do Jaburu (Vitória-ES)

Lutero Proscholdt Almeida, Eloisa Guedes Caetano, Juliana Pimentel Freitas, Daiani Rodrigues Lavino, Jéssica Marinho Sartório, Raiza Barcellos Claudio and Carla Roberta Malheiros Soares

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided