Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Kykah Bernardes, viúva do arquiteto Sergio Bernardes, comenta os equívocos históricos presentes no filme Flores Raras, de Bruno Barreto.

how to quote

BERNARDES, Kykah. Fatos raros. Quando a ficção não é melhor que a realidade. Drops, São Paulo, ano 14, n. 073.01, Vitruvius, out. 2013 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.073/4891>.



Desde que o filme Flores Raras foi lançado, habituei-me a ouvir, cotidianamente, a pergunta... E aí, assistiu ao filme? Frente à resposta “ainda não”, teciam-se comentários, sempre em tom indignado, a respeito dos equívocos percebidos no roteiro.

Ter finalmente assistido ao filme obriga-me a comentar o que percebi. O que mais me tocou foi o pouco compromisso com a pesquisa histórica que imagino ter havido. Perde-se a oportunidade de esclarecer, entre outras coisas, as idiossincrasias nas relações profissionais que Lota Macedo Soares mantinha com o chamado grupo de trabalho, que era, diga-se de passagem, um fato raro. Tratava-se de uma mulher no comando de uma equipe de profissionais extraordinariamente talentosos. Isso não iria desmerecer de forma alguma a capacidade empreendedora, apaixonada e determinada que uma mulher, como Lota, sustentou durante quase uma década, até as ultimas consequências, em defesa de seu sonho.

Explicar o filme a partir da realização da obra do Parque do Flamengo chamaria atenção para o projeto de urbanização que já existia, para o aterro e suas vias, quatro pistas, oito, não importa... Nada disso partira de Lota; coube a ela, sim, o projeto visionário de construir um parque urbano nos moldes de um “Central Park”. Perdemos todos! O filme e o público, que não foi informado corretamente sobre a história recente da cidade – capital da República na ocasião –, o Rio de Janeiro que trazia uma efervescência cultural e desfrutava, ainda, da idade de ouro de nossa moderna arquitetura.

Mas, e a casa? É linda!!! Foi Sergio (1) quem fez, não foi? Continuava meu interlocutor... Sim e não, respondo! A casa do filme é deslumbrante, porém, é projeto de Oscar Niemeyer e sua localização no terreno é oposta ao daquela descrita por Elizabeth Bishop, premiada poeta americana, no poema em sua homenagem. A casa como personagem dessa história, a verdadeira casa – não menos deslumbrante... –, foi projetada por Bernardes e pousada no alto da montanha, bem ao seu gosto. Ao pé da rocha, como uma asa delta que às vezes aparece e outra se deixa envolver numa nuvem particular como podemos ver no belo poema “Canção para a estação das chuvas”.

Havia tanta independência e coragem por parte desses protagonistas que penso no preço pago por cada um. Longe daquela banalização – que o filme exacerba no glamour de uma sociedade burguesa, arrogante e alienada do final dos anos 1950 –, na verdade, havia uma pulsação eletrizante no ar.

Permitindo a história e o clima da época transparecer, a excepcional maestria e capacidade administrativa com que aquela mulher franzina conduzia o grupo de trabalho seria muito melhor avaliada aos olhos do público, sem tantos enganos. E, para citar membros deste grupo: Affonso Eduardo Reidy, autor do projeto de urbanização do Aterro Glória-Flamengo e do projeto do MAM; Jorge Machado Moreira, autor do projeto da Cidade Universitária, na Ilha do Fundão; Roberto Burle Marx que concebeu o paisagismo do parque; Luiz Emydio de Mello Filho, botânico responsável por introduzir espécies nativas na arborização pública; e Sergio Bernardes (2), autor do Sanatório de Curicica, do pavilhão de São Cristóvão e da premiada residência de Samambaia e pavilhão para Miss Bishop, no distrito de Petrópolis, projetos com autoria declarada por Lota no filme... Isso soa chocante para quem tem um mínimo de informação e conhecimento sobre arquitetura. Apenas para citar alguns disparates, como o fato de Lota ter uma prancheta e, se dizer autora de várias obras. O grupo sim, era formado por arquitetos, engenheiros, botânicos e paisagistas, além de outros profissionais não menos competentes que os já citados.

É notório que no Brasil quase ninguém sabe nada. Admito a tendência global à superficialidade e sei que à ficção são dadas licenças poéticas. Mas, não tiro o mérito de uma obra bem acabada incluindo elenco, direção de arte e figurino. Confesso que estaria menos angustiada se fosse um filme mal feito.

notas

1
A casa de Samambaia foi premiada em 1953, por um júri de notáveis, na Segunda Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, e o prêmio foi entregue ao jovem arquiteto Sergio Bernardes pelas mãos dos grandes arquitetos Alvar Aalto e Walter Gropius.

2
Sergio, apesar de não ser afeito a comentários, confidenciou-me certa ocasião, ter participado da concepção do Parque e da criação de alguns de seus elementos.

sobre a autora

Kykah Bernardes é graduada em Comunicação Social pela PUC-RJ, trabalhou com Sergio no LIC – Laboratório de Investigações Conceituais, onde coordenou projetos e produziu textos. Na Fundação Oscar Niemeyer colaborou na criação do setor responsável pelo licenciamento de direitos autorais e no Projeto Arquitetur. Organizou com Lauro Cavalcanti, em 2010, o livro Sergio Bernardes, pela Artviva Editora, e atualmente, desenvolve projetos de pesquisa sobre a obra de Sergio Bernardes através do Projeto Memória.

 

comments

073.01 cinema
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

073

073.02 evento

SAL Bogotá 2013

15º Seminario Latinoamericano

María Elvira Madriñán

073.03 história

BR-PT: Oswaldo Bratke e Carlos Botti em Portugal

Ricardo Rocha

073.04 cidade

Rígido caos

Flávio Higuchi Hirao

073.05 direitos autorais

Os babacas

A desconstrução dos ídolos da música popular brasileira

Abilio Guerra

073.06 cinema

Os sentidos da ficção

João Masao Kamita

073.07 crítica

Acerca del oficio del escribidor de arquitectura

Humberto González Ortiz

073.08 patrimônio

O patrimônio (brasileiro) frente ao espelho do tempo

Ricardo Rocha

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided