Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Abilio Guerra comenta a sessão inaugural da Feira Literária Internacional de Paraty – a Flip 2015 –, onde se apresentaram Beatriz Sarlo, Eliane Robert Moraes e Eduardo Jardim, e que contou com a inesperada participação do ator Pascoal da Conceição.

how to quote

GUERRA, Abilio. “Eu sou trezentos e um!”. Começa a Flip dedicada a Mário de Andrade. Drops, São Paulo, ano 16, n. 094.01, Vitruvius, jul. 2015 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/16.094/5600>.



Após Mauro Munhoz, diretor-presidente da Associação Casa Azul, e Paulo Werneck, curador do evento, darem as boas vindas aos participantes e declararem aberta a edição 2015 da Festa Literária Internacional de Paraty, subiram ao palco os convidados: Beatriz Sarlo, Eliane Robert Moraes e Eduardo Jardim. O fio condutor da conversa foram as ambivalências presentes na obra do escritor brasileiro Mário de Andrade ou na interpretação dos seus significados.

A conceituada crítica argentina apresentou um quadro comparativo entre as cenas modernistas de São Paulo e Buenos Aires nos anos 1920, onde o ponto em comum era a celebração da cidade moderna e todas suas aquisições maquínicas. Como contraponto mais importante, apontou para os projetos de busca de uma identidade nacional, que chegam a proposições muito distintas. Do lado brasileiro, a riqueza da diversidade cultural vai encontrar no trânsito incontido de Macunaíma por nossa geografia física e cultural sua mais profunda síntese. Percorrendo os polos mais urbanizados do país – São Paulo e Rio de Janeiro –, o herói sem nenhum caráter vai retornar à mata virgem para se tornar constelação. A história, a mitologia, a fabulação, as culturas africana, indígena e brancas de várias origens, tudo misturado e fundido no projeto cultural de Mário. Enquanto isso, na Argentina, Jorge Luis Borges e colegas traçam um projeto equivalente, mas limitado pelo arco mais estreito da diversidade. O gaúcho síntese do homem portenho teria surgido em um momento onde o gaúcho histórico, que toca o gado pelos pampas, já era um personagem soterrado pelas transformações econômicas e sociais do país. Quando não havia mais gaúchos, afirma Sarlo, o “argentino” se torna em um deles.

Eliane Robert Moraes, especialista em literatura erótica, vai busca em passagens da obra de Mário de Andrade a manifestação de uma sexualidade exaltada, mas contida pelos códigos sociais vigentes na época. Do ponto de vista da elaboração estética, destaca uma passagem em Macunaíma onde o personagem, preocupado em aperfeiçoar seu português escrito e seu brasileiro falado, ganha uma flor de uma “cunhatã”. Trata-se de uma passagem deliciosa do romance, que reproduzo aqui:

“Macunaíma passeava passeava e encontrou uma cunhatã com uma urupema carregadinha de rosas. A mocica fez ele parar e botou uma flor na lapela dele, falando: — Custa milréis. Macunaíma ficou muito contrariado porque não sabia como era o nome daquele buraco da máquina roupa onde a cunhatã enfiara a flor. E o buraco chamava botoeira. Imaginou escarafunchando na memória bem, mas nunca não ouvira mesmo o nome daquele buraco. Quis chamar aquilo de buraco porém viu logo que confundia com os outros buracos deste mundo e ficou com vergonha da cunhatã. ‘Orifício’ era palavra que a gente escrevia mas porém nunca ninguém não falava ‘orifício’ não. Depois de pensamentear pensamentear não havia meios mesmo de descobrir o nome daquilo e pôs reparo que da rua Direita onde topara com a cunhatã já tinha ido parar adiante de São Bernardo, passada a moradia de mestre Cosme. Então voltou, pagou pra moça e falou de venta-inchada: — A senhora me arrumou com um dia-de-judeu! Nunca mais me bote flor neste... neste puíto, dona!”

A partir desta passagem, Eliane Robert Moraes faz uma série de interpretações dos deslizamentos de significados de “buraco”, sua oscilação nos universos culto e popular da língua, a incapacidade do personagem em assimilar por completo a parte nobre, mas sua perspicácia em encontrar na palavra “puíto” uma saída para o caso. Achando graça do termo indígena e desconhecendo seu significado original – ânus –, a cunhatã, a moça branca da cidade, achou graça da “palavra-feia” e se pôs a perguntar a todos se queriam “que ela botasse uma rosa no puíto deles”. Temos aqui uma vitória do termo interditado, onde o universo popular serve de válvula de escape para o universo reprimido da sexualidade.

Por fim, Eduardo Jardim comentou aspectos da trajetória ambivalente e, em alguma medida, ambígua do homem e literato Mário de Andrade. “Eu sou trezentos”, expressão do escritor, é o ponto de partida de suas ilações, que apontam para as tensões presentes em uma trajetória que vai se abrindo em meio aos pares opostos – nacional e universal, popular e erudito, comedido e detemperado, apolíneo e dionisíaco, o urbano e o rural... Jardim vai encontrar em dois retratos de Mário feitos por amigos as construções paradigmáticas deste jogo de opostos.

Repetindo em parte a apresentação que fez para um público menor na preliminar paulista da Flip, ocorrida no Sesc nos meses de maio e junho, o crítico carioca lembra primeiro a descrição feita por Alceu Amoroso Lima, feita no apogeu da atuação do grande líder cultural, descrito como um homem alto, de ombros largos, cara grande e sorriso largo, uma pessoa expansiva, dona de si, talhada para o papel histórico para o qual foi escolhido e escolheu. O segundo perfil de Mário de Andrade foi feito por Rubens Borba de Moraes, intelectual carioca que encontra o escritor paulista andando pelo centro de São Paulo. Sua descrição aponta para um homem frágil, esverdeado, adoecido, ensimesmado em uma solidão desacorçoada.

Jardim vê nas duas descrições a complexa, interessante, poliédrica personalidade de um homem que atravessa sua curta vida divido entre o compromisso intelectual coletivo e a possibilidade de uma obra individual, entre o papel a ser cumprido no meio culto de uma sociedade patriarcal e o desejo da satisfação sensual e sexual em larga medida reprimida. Segundo Jardim, é justamente estas tensões nunca apaziguadas e jamais “sequestradas” que sustentam toda sua obra e lhe garante sua profundidade e abrangência.

Quando Jardim terminava sua apresentação e lia um trecho de “Meditações sobre o Tietê”, obra crepuscular do autor modernista, eis que invade a cena uma encarnação assombrada de Mário de Andrade, protagonizada pelo ator Pascoal da Conceição, que entoava em tom mais alto do meio da plateia outras passagens do mesmo autor. O abraço entre constrangido e emocionado de Jardim e Conceição é a cena final do primeiro ato da Flip 2015.

sobre o autor

Abilio Guerra é professor de graduação e pós-graduação da FAU Mackenzie e editor, com Silvana Romano Santos, do portal Vitruvius e da Romano Guerra Editora.

Eduardo Jardim e Pascoal da Conceição como Mário de Andrade
Foto divulgação

 

comments

094.01 festa literária
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

094

094.02 festa literária

A poesia é uma ameaça

O duelo que não aconteceu entre Antonio Risério e Eucanaã Ferraz

Abilio Guerra

094.03 teoria

A casa da casa

Ensaio por uma nova epistemologia da produção arquitetônica

Gabriel Ferreira Canabarra

094.04 política

Uma nova aurora da ágora grega?

Evandro Fiorin

094.05 colonização

No coração das trevas

A colonização do Congo belga durante o reinado de Leopoldo II

Adson Cristiano Bozzi Ramatis Lima

094.06 habitar

Habitando o imaginário de Elias

Julian Grub and Geisa Zanini Rorato

094.07 critica

Modernidad incumplida

Acerca de nuevos proyectos en México

Humberto González Ortiz

094.08 meio ambiente

Um código florestal próprio para as cidades

Álvaro Rodrigues dos Santos

094.09 homenagem

Urbanismo apaixonado

O amor de Luiz Paulo Conde pela arquitetura e pelo Rio

Sérgio Magalhães

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided