Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Roberto Gervitz comenta a acolhida por parte de público e crítica de seu novo filme, Prova de coragem, lançado na seção competitiva do 39º Festival de Filmes do Mundo, de Montreal.

how to quote

GERVITZ, Roberto. Prova de coragem. Sobre o lançamento do filme no Canadá. Drops, São Paulo, ano 16, n. 097.05, Vitruvius, out. 2015 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/16.097/5761>.



No dia 4 de setembro de 2015, o meu filme Prova de coragem (1) teve a sua première mundial  dentro da seção competitiva do 39º Festival de Filmes do Mundo, de Montreal. O filme foi exibido no imponente Cinema Imperial, construído em 1913, de início para apresentações de teatro vaudeville. O Festival de Montreal é presidido por Serge Losique, seu fundador – um senhor de 84 anos, amante inveterado do cinema.

A sala de 900 lugares, portanto muito grande, estava parcialmente tomada em ambas as sessões (seiscentas pessoas) – uma às 11h30 da manhã e a outra às 21h30 – mas o público  assistiu ao meu filme, de pegada delicada e intimista, em pleno e concentrado silêncio. No final do filme, nada catártico, como se saísse de um sonho, a plateia foi aos poucos deixando essa zona íntima à qual acredito que foi levada pelo filme e aplaudiu em sincero reconhecimento que se revelou plenamente na quantidade de pessoas que vieram cumprimentar pessoalmente o ator Armando Babaioff por sua atuação, bem como ao músico Luiz Henrique Xavier pela composição da trilha musical e eu.

De minha parte, não posso negar a tensão vivida antes da projeção do filme que se seguiu ao prazer de ver a grande tela do Imperial refletindo com brilho a bela fotografia de Lauro Escorel e o trabalho dos atores (Armando Babaioff, Mariana Ximenes, Aurea Maranhão, Cesar Troncoso e Daniel Volpi), muito elogiado por aqui. Posso dizer que, como diretor, naquele momento me emocionei ao ver consubstanciada finalmente a combinação do trabalho de toda uma equipe comandada pela produtora Monica Schmiedt.

A conferência de imprensa foi bem interessante e ganhou tensão, principalmente, no embate que se estabeleceu entre mim e uma crítica canadense. Ela pretendia estabelecer uma hierarquia entre os temas dos filmes e eu lhe respondi que os temas são sempre os mesmos desde os tempos primordiais – o amor, a morte, o poder, a natureza. Cabe aos criadores combiná-los de forma autêntica e verdadeira. Ela também colocou questões de estilo e eu lhe disse que nos meus filmes não busco colocar a minha câmera à frente dos meus personagens e da narrativa, pois isso me parece mais uma manifestação de narcisismo que é marca de nosso tempo e inclusive subtema de meu filme.

Entre as muitas pessoas que nos procuraram e teceram comentários após a sessão, destaco o depoimento de uma senhora durante o debate que se seguiu à projeção de Prova de coragem: “Eu acho que muitos homens deveriam assistir a esse filme pois vão identificar no personagem principal algo de muito entranhado no jeito de ser e sentir masculinos, algo arquetípico que ultrapassa as barreiras culturais”.

Aos poucos vou descobrindo com a ajuda dos espectadores mais sensíveis e atentos ao meu trabalho, que a observação e reflexão sobre o homem contemporâneo aflora dos meus personagens às voltas com o desejo e o medo de viver.

notas

NE – Publicação original do texto: GERVITZ, Roberto. Diretor do filme Prova de Coragem fala de seus personagens, desejos e medos. O Estado de S.Paulo,  9 set. 2015.

1
Prova de coragem, roteiro e direção de Roberto Gervitz; fotografia de Lauro Escorel; com Mariana Ximenes, Armando Babaioff, César Troncoso. Brasil, 2015.

sobre o autor

Roberto Gervitz dirigiu os longas-metragens Prova de coragem (2015), Jogo subterrâneo (2005); Feliz ano velho (1988); Braços cruzados, máquinas paradas (1979). Formatou e dirigiu mais de 80 filmes para a série televisiva Gente que faz (1992 a 1996) e 4 filmes para série televisiva Carandiru – outras histórias (2005).

 

comments

097.05 cinema
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

097

097.01 preservação

Jornadas do Patrimônio

Como valorizar a arquitetura e o patrimônio histórico

Nadia Somekh

097.02 exposición

Arquitectas

Videoentrevista documental con 10 arquitectas

Ariadna Cantis

097.03 fotografia

Thomaz Farkas, subversivo e elegante

Coleção Ipsis de Fotografia Brasileira

Eder Chiodetto

097.04 ensino de arquitetura

Universidade na berlinda

Luiz Fernando Janot

097.06 racismo

Te colocando no teu devido lugar

Sobre as empregadas domésticas brancas do filme A que horas ela volta?

Débora Carvalho

097.07 ensino

Do status ao estudo

Um novo olhar sobre o ensino do design de interiores no Brasil

Andrea Guariglia

097.08 ética

Projetando edifícios, construindo vidas

Bárbara Bergold

097.09 segurança pública

Violência banalizada

Luiz Fernando Janot

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided