Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Escrito como diversão por Álvaro Rodrigues dos Santos, esse breve texto tem a pretensão de registro linguístico do uso cotidiano e popular de expressões em português vulgar – os populares palavrões, um rico acervo de expressões chulas.

how to quote

SANTOS, Álvaro Rodrigues dos. Das expressões chulas e vulgares. Drops, São Paulo, ano 16, n. 099.06, Vitruvius, dez. 2015 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/16.099/5863>.



Os palavrões não nasceram por acaso. São recursos extremamente válidos e criativos para prover nosso vocabulário de expressões que traduzam com a maior fidelidade nossos mais fortes e genuínos sentimentos. É o povo fazendo sua língua. Como o latim vulgar, será esse português vulgar que vingará plenamente um dia. Sem que isso signifique a “vulgarização” do idioma, mas apenas sua maior aproximação com a gente simples das ruas e dos escritórios, seus sentimentos, suas emoções, seu jeito, sua índole.

O texto a seguir foi-me inspirado por um núcleo inicial de idéias que me chegaram por obséquio de uma querida sobrinha. Ainda que de minha autoria, esse texto já andou rodando a Internet sob pretensas várias autorias, algumas, aliás, que me honraram muito, como a do Millor (obviamente, à sua revelia). Sem dúvida, uma indicação de que possa ter algum valor. Senão literário, ao menos lingüístico. Assim, resolvi por bem divulgá-lo mais, vamos dizer, oficialmente, pois tenho-lhe, desculpem-me, com algum orgulho.

E vejam, é um texto em aberto, há outros palavrões que não estão descritos e que merecem todo o nosso respeito. Sinta-se a vontade para descrevê-los.

Abençoados palavrões

Pra caralho", por exemplo. Qual expressão traduz idéia de maior quantidade do que "Pra caralho"? "Pra caralho" tende ao infinito, é quase uma expressão matemática, física. A Via-Láctea tem estrelas pra caralho, o Sol é quente pra caralho, o Universo é antigo pra caralho, eu gosto dela pra caralho, entende?

No gênero do “Pra caralho”, mas no caso expressando a mais absoluta negação, está o famoso e crescentemente utilizado “Nem fodendo!”. Que “Não, não e não!” o quê! E nem tão pouco o nada eficaz e já sem nenhuma credibilidade “Não, absolutamente não!”. O “Nem fodendo” é irretorquível, liquida o assunto. Te libera , com a consciência e o ego tranqüilos, para outras atividades de maior interesse em tua vida. Aquele filho pentelho de 17 anos te atormenta pedindo o carro pra ir surfar no litoral? Não perca tempo nem paciência. Solte logo um definitivo “Huguinho, presta atenção, filho querido, nem fodendo!”. O impertinente se manca na hora e vai pro Shopping se encontrar com a turma numa boa, e você fecha os olhos e volta a curtir o novo CD do Lupicínio.

Por sua vez, o “porra nenhuma!” atendeu tão plenamente as situações onde nosso ego exigia não só a definição de uma negação, mas também o justo escárnio contra descarados blefes, que hoje é totalmente impossível imaginar que possamos viver sem ele em nosso cotidiano social e profissional. Como comentar a bravata daquele chefe idiota senão com um “é PhD porra nenhuma!”, ou “ele redigiu aquele relatório sozinho porra nenhuma!”. O “porra nenhuma”, como vocês vêem, nos provê sensações de incrível bem estar interior. É como se estivéssemos fazendo a tardia e justa denúncia pública de um canalha.

Há outros palavrões igualmente clássicos. Pense na sonoridade de um "Puta-que-pariu!", ou de seu correlato “Puta-que-o-pariu!”, falados assim, cadenciadamente, sílaba por sílaba...Diante de uma notícia irritante ou que te cause algum espanto, qualquer um Puta-que-o-pariu! dito assim te coloca outra vez em teu eixo. Teus neurônios têm o devido tempo e clima para se reorganizar e sacar a atitude que te permitirá dar um merecido troco ou o safar-te de maiores dores de cabeça.

E o que dizer de nosso famoso “vai tomar no cu!”? E sua maravilhosa e reforçadora derivação vai tomar no olho do seu cu!”. Você já imaginou o bem que alguém faz a si próprio e aos seus quando, passado o limite do suportável, se dirige ao canalha de seu interlocutor e solta: “Chega! Quer saber mesmo de uma coisa? Vai tomar no olho do seu cu!”. Pronto, você retomou as rédeas de sua vida, sua auto-estima. Desabotoa a camisa e saia à rua, vento batendo na face, olhar firme, cabeça erguida, um delicioso sorriso de vitória e renovado amor-íntimo nos lábios.

Seria tremendamente injusto, em que pesem ainda inexplicáveis e preconceituosas resistências à sua palavra-raiz, não registrar aqui a expressão de maior poder de definição do PV (português vulgar): “Embucetou!”. E sua derivação mais avassaladora ainda: “Embucetou de vez!”. Você conhece definição mais exata, pungente e arrasadora para uma situação que atingiu o grau máximo imaginável de ameaçadora complicação? Expressão, inclusive, que uma vez proferida insere seu autor em todo um providencial contexto interior de alerta e auto-defesa. Algo assim como o comentário de um vizinho para sua esposa ao sacar que no auge da violenta briga do casal da residência ao lado, chegam de súbito a amante, o filho espúrio e o cunhado bêbado com o resultado do exame de DNA: “Querida, fecha a porta que embucetou de vez!”.

O nível de stress de uma pessoa é inversamente proporcional à quantidade de foda-se!” que ela fala. Existe algo mais libertário do que o conceito do “foda-se!”? O ”foda-se!” aumenta nossa auto-estima, nos torna pessoas melhores. Reorganiza as coisas. Liberta. “Não quer mesmo sair comigo? Então foda-se!". “Vai querer decidir essa merda sozinho(a) mesmo? Então foda-se!” O direito ao ”foda-se!” deveria estar assegurado na constituição brasileira. Liberdade, Igualdade, Fraternidade e Foda-se.

sobre o autor

Álvaro Rodrigues dos Santos, geólogo, ex-Diretor de Planejamento e Gestão do IPT e Ex-Diretor da Divisão de Geologia, autor dos livros Geologia de engenharia: conceitos, método e prática, A grande barreira da Serra do Mar, Cubatão e Diálogos geológicos, consultor em Geologia de Engenharia, Geotecnia e Meio Ambiente.

 

comments

099.06 cultura
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

099

099.01 homenagem

Aprendendo com Cosac Naify

A editora que revolucionou a editoria em arte e arquitetura no Brasil

Abilio Guerra

099.02 política

A sociedade brasileira precisa reinventar a esperança

Intelectuais anti-impeachment

099.03 homenagem

Carlos Lemos, escritor

Homenagem aos 90 anos do arquiteto

Abilio Guerra

099.04 exposição

Rest Mass, pinturas de Glen Lasio

Projeto Marieta realiza segundo evento teste

Giovanni Pirelli and Glen Lasio

099.05 arquitetura

Em meio à arquitetura da Fondation Louis Vuitton

Sobre o museu de artes plásticas contemporânea e design projetado por Frank Gehry

Lutero Proscholdt Almeida and Milene Migliano Gonzaga

099.07 derecho a la ciudad

Rún, rún arquitectónico

Humberto González Ortiz

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided