Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
O curador Eder Chiodetto comenta as obras de Giselle Beiguelman, exibidas na exposição Cinema Lascado, que acontece na Caixa Cultural São Paulo.

how to quote

CHIODETTO, Eder. Imagens que pensam imagens. Drops, São Paulo, ano 17, n. 106.04, Vitruvius, jul. 2016 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/17.106/6088>.



As obras criadas, provocadas, arruinadas por Giselle Beiguelman são como imagens flagradas em trânsito, a meio caminho entre uma representação acerca do mundo exterior e uma espécie de auto análise sobre a própria natureza das imagens. Num só movimento essas ruidosas imagens expressam uma possível visibilidade da paisagem agenciada entre diferentes aparatos e também se auto interrogam sobre sua capacidade em tornar efetiva tal operação.

Dessa forma, o conjunto formado pelas obras de Cinema Lascado (1) não deve ser visto como imagens totalizantes que aspiram clarear os contornos de um projeto estético acabado. São imagens que, entre a possibilidade de enunciarem um referente, adulando-o por meio de uma representação enfática, ou de renunciarem a um lugar no mundo, renegando e abstraindo aquilo que a artista confrontou com o aparato de captação de imagens, optam por nos questionar: o que é, afinal, uma imagem?

Essas imagens que pensam imagens, formadas por superfícies rugosas, quebradiças e por vezes com cores inesperadas provenientes de relações binárias conflituosas, levam a percepção ocular a procurar a origem da sua instabilidade. Território resultante de forças distintas e contrárias que, a partir de movimentos tectônicos provocados pela artista em seu interior, resultam em superfícies que se esforçam por harmonizar e criar uma estética errática a partir dos escombros formados por essas forças antagônicas.

Por meio do diálogo forçado entre aparatos que não falam a mesma língua – um aplicativo de edição de vídeo para imagens de baixa resolução que a artista o obriga a processar imagens estáticas de alta resolução, por exemplo – ocorre um esgarçamento da imagem, uma série de fraturas que corrompem o arquivo original e geram, no núcleo da imagem, um novo tempo. O tempo do olhar alongado, desacelerado. Esse tempo que interroga a nossa percepção visual anuncia o que podemos denominar de uma "imagem pensante" que deambula entre transparências e opacidades.

Segundo o pesquisador Emmanuel Alloa “através da superexposição do grão, a materialidade da imagem introduz areia nas engrenagens do visual e cria um tempo, o do olhar” (1). Como nos lembra Roland Barthes, esse é o instante preciso em que a fotografia se faz subversiva, “não quando se assusta, repele, ou mesmo estigmatiza, mas quando é pensativa” (2).

Essa espécie de estética dos escombros resultantes de operações de choque entre imagens e aparatos tecnológicos trazem à tona a fragilidade das imagens binárias e voláteis, que geramos quase espontaneamente no dia a dia, ao mesmo tempo em que potencializa sua anatomia instável que, reconfigurada, oferece aos artistas um vasto território para a criação de originais abordagens sobre a percepção no mundo contemporâneo.

O teórico Vilém Flusser em seu incontornável texto Filosofia da caixa preta, convocava artistas a desvendarem o interior da caixa preta das câmeras, com o intuito de desprogamarem o automatismo e a visão pasteurizada desses aparatos. Beiguelman, a partir de suas trincheiras, desarma a potência comunicativa unidirecional das imagens, revela suas fraturas e nos leva a conviver com a dialética. Operação extremamente saudável que investe contra o excesso de ideologização na comunicação, abrindo flancos para a reflexão acerca dos significados mais complexos e menos dogmáticos das imagens. Imagem e imaginação, nos lembram as obras de "Cinema Lascado", não devem jamais ser dissociados.

notas

NE – Sobre a mostra Cinema Lascado: com curadoria de Eder Chiodetto, a exposição faz uma recorte dos últimos 10 anos de produção de Giselle Beiguelman. Explora as estéticas das ruínas tecnológicas e do ruído do processamento maquínico (Glitch), com um apanhado de obras que transitam entre e o hi e o low-tec, o acidente e o projeto, a intensidade da cor e a pretensa assepsia dos meios digitais. Composta por duas vídeo instalações, projeções e mais de 20 imagens inéditas, recupera, ainda, o já “clássico” trabalho de Beiguelman com celulares – a série de vídeos de 2006, Fast/Slow_Scapes. De forte impacto visual, a exposição explora o olhar da artista sobre as paisagens urbanas e seus processos de desfetichização da tecnologia. Cinema Lascado, exposição de Giselle Beiguelman, curadoria de Eder Chiodetto, Caixa Cultural São Paulo, de 16 jul. a 25 set. 2016.

1
ALLOA, Emmanuel. Entre a transparência e a opacidade – o que a imagem dá a pensar. In: ALLOA, Emmanuel (org.). Pensar a imagem. Belo Horizonte, Autêntica, 2015.

2
BARTHES, Roland. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1984.

sobre o autor

Eder Chiodetto é mestre em Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. Atuou como repórter-fotográfico (1991-1995), editor (1995-2004) e crítico de fotografia (1996-2010) no jornal Folha de S.Paulo. Hoje, reúne as funções de jornalista, professor, curador e pesquisador de fotografia.

Giselle Beiguelman, Minhocão, videoinstalação, 2010, frame
Foto divulgação

 

comments

106.04 exposição
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

106

106.01 prêmio

Alejandro Aravena

Mis opiniones acerca de un Premio Priztker vacuo

Humberto González Ortiz

106.02 exposição

A caixa de sombras de Felipe Russo

Abilio Guerra

106.03 exposição

Cidade inacabada

A fotografia de Tuca Vieira

Guilherme Wisnik

106.05 homenagem

Eco em Milão

Discreta homenagem da cidade ao cidadão

Luís Antônio Jorge

106.06 premiação

Prêmio IAB-PB 2015

Breve comentário

Xico Costa

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided