Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Uma foto foi adquirida pela internet em Lamadelaine, pequena cidade em Luxemburgo, por 20 euros e retornou a São Paulo em 2017. Martin Jayo, o comprador, comenta a imagem que retrata o início das operações da estrada de ferro da Cantareira.

how to quote

JAYO, Martin. L'Arrivée d'un train à La Cantareira. Mais iconografia do Trem das Onze. Drops, São Paulo, ano 18, n. 118.08, Vitruvius, jul. 2017 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/17.118/6616>.



Em junho de 2016, em um pequeno artigo na revista Drops do portal Vitruvius (1), eu mostrava uma rara descoberta que acabara de fazer: um conjunto de imagens em cores do tramway da Cantareira, o lendário “trem das onze” de Adoniran Barbosa. Eram fotos de 1963, quando o trem já estava prestes a ser desativado.

Volto agora ao assunto porque caiu nas minhas mãos mais uma imagem interessante do trem das onze. Ao contrário daquelas, que o mostravam em seus últimos momentos, esta o registra bem no início da carreira.

Embora não traga nenhuma indicação de data, a foto tem todo o jeito de ser da última década do século 19. É contemporânea, portanto, do primeiro filme exibido pelos irmãos Lumière, L’Arrivée d’un train à La Ciotat (1895). Coincidentemente, também mostra a chegada de um trem numa estação. Mas esta estação é a Cantareira, ponto final da linha de mesmo nome que muito tempo depois seria cantada por Adoniran.

A linha começou a operar em 1893, inicialmente transportando materiais para a construção do sistema de abastecimento de água da cidade. Em 1895, já operava com trens de passageiros como o da foto. Sua estação final, ao que parece, era muito procurada nos finais de semana, pois ficava (e fica até hoje) em um local aprazível, próprio para passeios e piqueniques. A estação ainda está em pé, sem trilhos nem trens, e o lugar virou clube recreativo dos funcionários da Sabesp.

O que eu mais gosto na foto são os personagens que aparecem nelas. São doze ao todo: 8 homens, uma mulher e três crianças. Pelas roupas e fisionomias, não me parece que estejam ali para piqueniques. Acho mais provável que sejam, na maioria, trabalhadores da ferrovia e do “Restaurant Fabien”, que, como vemos, funcionava em frente.

notas

NA – A foto foi parar em Lamadelaine, pequena cidade em Luxemburgo. Foi posta à venda na internet por 20 euros e retornou a São Paulo em 2017.

1
JAYO, Martin. Quaiscalingudum. Iconografia do Trem das Onze de Adoniran Barbosa. Drops, São Paulo, ano 16, n. 105.08, Vitruvius, jun. 2016 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/17.105/6078>.

sobre o autor

Martin Jayo é professor da EACH-USP e editor do blog “Quando a cidade era mais gentil”.

 

comments

118.08 iconografia
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

118

118.01 política urbana

Seres sem alma

A politica de drogas e o urbanismo militar

Marcos Antonio Francelino da Silva

118.02 política

13 de dezembro de 2006

O dia em que a Bélgica acabou

Adson Cristiano Bozzi Ramatis Lima

118.03 urbanidade

A cidade dos Dorian Grays

Marcio Martins

118.04 homenagem

Morre Ecléa Bosi

Sobre a informalidade, o senso de humor e a ousadia intelectual da professora emérita da USP

José Lira

118.05 leis ambientais

Seriam mesmo exageradas as exigências ambientais?

Álvaro Rodrigues dos Santos

118.06 crônica

O Padre Perneta

Anacrhônicas da Franca do Imperador

Mauro Ferreira

118.07 crônica

Feliz Dia do Homem!

Ana Paula Bruno

118.09 homenagem

Marco Aurélio Garcia, o scholar orgânico da classe trabalhadora

Alexandre Freitas Barbosa

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided