Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Crônica de Mauro Ferreira compara dois momentos do bairro do Tatuapé, em São Paulo, separados por meio século, tendo como referência as mudanças urbanas sofridas pelos logradouros, em especial a mudança do nome da rua do Ouro, hoje padre Estevão Pernet.

how to quote

FERREIRA, Mauro. O Padre Perneta. Anacrhônicas da Franca do Imperador. Drops, São Paulo, ano 18, n. 118.06, Vitruvius, jul. 2017 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.118/6611>.



Fui a São Paulo pela primeira vez em julho de 1965. Meu objetivo principal era completar minha coleção de gibis “Combate”, com histórias em quadrinhos da II Guerra Mundial. Levado por meu irmão Marcão, desembarcamos na casa de meus tios Maneco e Aparecida e dos primos Zé Roberto e Flávio, que viviam no então distante e periférico bairro do Tatuapé, próxima às linhas de trem de subúrbio da Central do Brasil. Era uma pequena casa de fundos na rua do Ouro, vizinha ao meu outro tio Walter, próxima à praça Silvio Romero, o centro do bairro, que lembrava uma pequena cidade do interior à época. Se não estou enganado, a rua era pavimentada com paralelepípedos e não tinha movimento algum, nem parecia que estávamos em São Paulo.

Para ir ao centro de São Paulo, não havia metrô e o trem era complicado, havia poucos horários. Pegávamos um ônibus na praça Silvio Romero e seguíamos pelas movimentadas e congestionadas avenidas Celso Garcia e Rangel Pestana, a Radial Leste ainda estava em obras. Meus tios enviavam cartas para meus pais com o endereço da rua do Ouro, “que ficava paralela à rua da Platina”, diziam meus primos paulistanos (infelizmente, falecidos precocemente) com aquele sotaque tão diferente do nosso francano-mineiro.

Tempos atrás, fui participar de um evento científico na região e, no horário de almoço, resolvi fazer uma incursão ao local das minhas lembranças adolescentes, era uma viagem curta, uma única estação de metrô. A diferença de cinquenta anos é brutal. Da estação Tatuapé do metrô o acesso é direto a um grande shopping center. Dali, por uma rua com intenso comércio são duas ou três quadras até a praça Silvio Romero, passando pela antiga rua do Ouro. A praça não tem mais nada das minhas memórias, mas ainda lembra uma antiga praça do interior, com velhos jogando cartas, agências bancárias e comércio a sua volta, o ponto de táxi. A igreja no centro da praça foi modernizada, não consegui reconhecer uma única referência de outros tempos.

E a rua do Ouro? Lembro que, tradição das décadas de 1950 e 1960, todo início do ano as cartas que meu pai recebia dos meus tios que moravam no Tatuapé começaram a chegar, a partir de 1966, com um novo endereço, padre Estevão Pernet.

Eu li perneta, padre perneta, dei risadas do nome. Rua Padre Perneta. O fato é que decreto municipal de 28 de dezembro de 1965 mudou o nome da rua do Ouro para Padre Estevão Pernet. A rua da Platina, ao lado, não foi atingida. E quem teria sido esse padre perneta? Era um religioso da Congregação dos Padres Assuncionistas, criada na França. Pernet faleceu em 1899, em Paris. Algum vereador ou assessor do prefeito resolveu mudar o nome da rua sem pedir a opinião dos moradores e a rua virou “Padre Perneta”. Só que não tem mais nada a ver com a rua da minha adolescência, é congestionada e cheia de edifícios altos.

sobre o autor

Mauro Ferreira é arquiteto.

Av. Conde de Frontim, continuação da Av. Radial Leste-Oeste, nas imediações do Metrô Tatuapé e linha da estrada de ferro RFFSA, São Paulo, 1970
Foto Ivo Justino [Acervo Fotográfico do Museu da Cidade de São Paulo]

 

comments

118.06 crônica
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

118

118.01 política urbana

Seres sem alma

A politica de drogas e o urbanismo militar

Marcos Antonio Francelino da Silva

118.02 política

13 de dezembro de 2006

O dia em que a Bélgica acabou

Adson Cristiano Bozzi Ramatis Lima

118.03 urbanidade

A cidade dos Dorian Grays

Marcio Martins

118.04 homenagem

Morre Ecléa Bosi

Sobre a informalidade, o senso de humor e a ousadia intelectual da professora emérita da USP

José Lira

118.05 leis ambientais

Seriam mesmo exageradas as exigências ambientais?

Álvaro Rodrigues dos Santos

118.07 crônica

Feliz Dia do Homem!

Ana Paula Bruno

118.08 iconografia

L'Arrivée d'un train à La Cantareira

Mais iconografia do Trem das Onze

Martin Jayo

118.09 homenagem

Marco Aurélio Garcia, o scholar orgânico da classe trabalhadora

Alexandre Freitas Barbosa

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided