Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
No Dia do Homem, uma deliciosa crônica de como ser uma mulher prendada, do lar e alegre, ma non tropo.

how to quote

BRUNO, Ana Paula. Feliz Dia do Homem! Drops, São Paulo, ano 18, n. 118.07, Vitruvius, jul. 2017 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.118/6614>.



Você acorda mais cedo, mesmo tendo dormido pouco, mesmo estando frio, mesmo nunca sendo ninguém antes das oito (nem o padeiro).

Você passa o café, arruma uma mesa simples mas bonita, com o pão simples mas gostoso e ainda fresco que comprou ontem à noite.

Você tenta sem sucesso não fazer muito barulho, você apronta tudo e espera o despertador tocar. Você entra no quarto com duas xícaras cheias e quentes. A sua, você bebe. A outra, você entrega junto com um pacote de afagos, beijinhos, bons dias e tudo isso.

Ele abre os olhos, sorri, espreguiça, me puxa pra junto, eu deixo. Fico ali uns minutos, depois me reergo, tomo outra golada. Ele se encoraja, se ajeita, traga com vontade e ... faz a cara mais indecifrável que já vi na minha vida...

Arregala os olhos, estica a bochecha, aponta para o líquido: agora eu entendo, é uma súplica! Mas por que, diabos?

Ele se desvencilha (eu ainda ali, em cima), corre, cospe. Antes me dá a xícara, eu provo. Forte, quente, frio, morno, fraco, doce? Não!

Que foi isso, maquinista? Café com sal café com sal café com sal café com sal café com sal café com sal...

E no fundo do túnel a luz que vinha era um trem.

Dedico esta crônica do sal anunciado a todos aqueles que marcaram, marcam ou marcarão reuniões matinais com quem definitivamente não é ninguém antes das oito; mais ninguém ainda que – e principalmente – o padeiro. Talvez apenas uma sádica. Ou homicida. Triplamente desqualificada.

[Com referências a Rubem Braga, Manuel Bandeira e Gabriel Garcia Márquez]

sobre autora

Ana Paula Bruno, escorpiana de 8 de novembro de 1976, graduada e doutora em arquitetura e urbanismo pela Universidade de São Paulo. Servidora pública, trabalhou na Prefeitura de São Paulo até 2009, quando mudou para Brasília para trabalhar no Ministério das Cidades, onde está até hoje. É filha de Iansã, apaixonada por pessoas, por cidades e pela língua portuguesa.

 

comments

118.07 crônica
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

118

118.01 política urbana

Seres sem alma

A politica de drogas e o urbanismo militar

Marcos Antonio Francelino da Silva

118.02 política

13 de dezembro de 2006

O dia em que a Bélgica acabou

Adson Cristiano Bozzi Ramatis Lima

118.03 urbanidade

A cidade dos Dorian Grays

Marcio Martins

118.04 homenagem

Morre Ecléa Bosi

Sobre a informalidade, o senso de humor e a ousadia intelectual da professora emérita da USP

José Lira

118.05 leis ambientais

Seriam mesmo exageradas as exigências ambientais?

Álvaro Rodrigues dos Santos

118.06 crônica

O Padre Perneta

Anacrhônicas da Franca do Imperador

Mauro Ferreira

118.08 iconografia

L'Arrivée d'un train à La Cantareira

Mais iconografia do Trem das Onze

Martin Jayo

118.09 homenagem

Marco Aurélio Garcia, o scholar orgânico da classe trabalhadora

Alexandre Freitas Barbosa

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided