Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
O Brasil perdeu um de seus grandes personagens políticos e intelectuais com o falecimento de Marco Aurélio Garcia, Secretário de Relações Internacionais do PT durante o governo Lula.

how to quote

BARBOSA, Alexandre Freitas. Marco Aurélio Garcia, o scholar orgânico da classe trabalhadora. Drops, São Paulo, ano 18, n. 118.09, Vitruvius, jul. 2017 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.118/6617>.



Ainda abalado com a morte do meu ex-professor e referência política e intelectual não apenas dos tempos de juventude. Infelizmente, não posso dizer ter sido seu amigo, mas acompanhei com alguma proximidade sua trajetória. Tratava-o com certa reverência pelo respeito que por ele nutria. Algumas lembranças se encadeiam na minha memória de maneira quase cronológica.

Primeiro, na sala de aula, na graduação. Acendia um enorme charuto e começava a sua palestra. Não tinha anotações. Simplesmente começava a falar. Por vezes, dava umas baforadas no charuto para que o mesmo não apagasse. Neste momento, o ritmo da sua fala esmorecia, para depois seguir adiante. Não perdia as suas aulas por nada. Poucos sabem que Marco Aurélio Garcia não tinha mestrado e nem doutorado. Achava perda de tempo fazer tese. Pro tipo de pensamento que ele produzia, talvez fosse mesmo.

Depois o vejo na Secretaria de Relações Internacionais do PT e na Prefeitura de São Paulo, como Secretário de Cultura. Lembro-me especialmente de um almoço em Porto Alegre, durante o Fórum Social Mundial, quando ele e o nosso amigo em comum, Jorge Mattoso, me contaram em detalhes as suas peripécias junto ao MIR chileno. Marco Aurélio lembrava-se rindo e eu "via" a cena: ele no aeroporto de Paris, trocando de passaporte falso, e fazendo a barba no banheiro, trazendo para o Chile os microfilmes confidenciais no fundo falso da mala.

Durante o governo, encontrei com ele várias vezes, mas sempre de maneira muita rápida. Certa vez, num evento no México, em 2005, lhe perguntei: “você está escrevendo o livro?” Ele me respondeu assustando: “que livro?” Então eu lhe disse como se fosse agora eu o professor: “Marco Aurélio, você tem a noção do que significa a posição que você ocupa no governo. Você precisa, e logo, se não o fez ainda, escrever as suas anotações sobre as suas viagens com o Lula e sobre os bastidores da política externa. Você está vivendo e fazendo história”. Ele se foi, puxado pelo embaixador, que o ciceroneava.

Marco Aurélio era um exímio orador. Mas o seu forte não eram as palavras de efeito para levantar a multidão. Era uma espécie de scholar orgânico da classe trabalhadora e dos movimentos sociais. Suas análises eram meticulosas. Começavam com uma descrição do quadro mais amplo e depois apontavam os cenários possíveis. Isso tanto na política externa como na interna. Trazia um olhar crítico à esquerda, ao mesmo tempo que buscava orientar suas ações, num sentido mais pragmático, mas sem atenuar o horizonte utópico. É uma pena que tenha escrito tão pouco. O seu pensamento era essencialmente político, desbravando oportunidades a serem construídas nos cenários sempre complexos e cambiantes da política latino-americana. Tornou-se um exímio articulador e negociador político, atuando sempre nos bastidores. Vai dar muitas teses e livros, mas não será fácil a vida dos historiadores de Marco Aurélio Garcia. Apesar de ser um causeur nato, ele não deixava rastros.

A última vez que o vi foi entre o primeiro turno e o segundo turno das eleições presidenciais passadas. Ele disse assim: "Nós (referindo-se ao PT) ainda não conseguimos construir uma narrativa sobre o significado da nossa passagem pelo governo". Referia-se à necessidade de reflexão crítica sobre as transformações processadas no país e no próprio PT. Era o quadro mais capaz de liderar esta reflexão dentro do PT. Eu perdi um mestre e uma referência em vários sentidos, outros perderam um amigo sempre gentil e brincalhão, o PT perde o seu principal pensador. O Brasil perde uma parte importante de sua história que precisa ser contada.

sobre o autor

Alexandre Freitas Barbosa é graduado em Ciências Econômicas (Unicamp, 1991), mestre em História Econômica (USP, 1997) e doutor em Economia Aplicada (Unicamp, 2003) e pós-doutor (Cebrap, 2007-2009). É professor de História Econômica e Economia Brasileira no IEB/USP.

 

comments

118.09 homenagem
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

118

118.01 política urbana

Seres sem alma

A politica de drogas e o urbanismo militar

Marcos Antonio Francelino da Silva

118.02 política

13 de dezembro de 2006

O dia em que a Bélgica acabou

Adson Cristiano Bozzi Ramatis Lima

118.03 urbanidade

A cidade dos Dorian Grays

Marcio Martins

118.04 homenagem

Morre Ecléa Bosi

Sobre a informalidade, o senso de humor e a ousadia intelectual da professora emérita da USP

José Lira

118.05 leis ambientais

Seriam mesmo exageradas as exigências ambientais?

Álvaro Rodrigues dos Santos

118.06 crônica

O Padre Perneta

Anacrhônicas da Franca do Imperador

Mauro Ferreira

118.07 crônica

Feliz Dia do Homem!

Ana Paula Bruno

118.08 iconografia

L'Arrivée d'un train à La Cantareira

Mais iconografia do Trem das Onze

Martin Jayo

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided