Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
A corrupção envolvendo políticos e empresas públicas e privadas, tal como no Brasil, existe na sociedade da Europa Ocidental, mas a principal diferença consiste na reação da sociedade como um todo.

how to quote

LIMA, Adson Cristiano Bozzi Ramatis. Sobre a corrupção no Primeiro Mundo: isto existe? Drops, São Paulo, ano 18, n. 120.07, Vitruvius, set. 2017 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.120/6709>.



Acostumados que estamos com os escândalos financeiros que se repetem em nosso país de maneira quase cotidiana, envolvendo políticos e empresários, caberia uma pergunta – na realidade, duas: é assim em todos os países nos quais há políticos e empresários que vivem em uma relação de quase promiscuidade? E, por outro lado, se a pergunta for respondida positivamente, qual seria a sua extensão, isto é, qual seria o seu enraizamento nestas sociedades?

No Brasil, sabemos do que se trata: silêncio ou mesmo cumplicidade (no seu mais estrito sentido) por parte das chamadas “grandes mídias”, ações ilegais e criminosas por parte de empresários e a res publica nacional se tornando um grande empreendimento por parte de políticos de quase todos os partidos e dos mais variados espectros ideológicos. E esta última expressão, a saber, “ideologia”, deve ser vista com certo cuidado. Mas tudo isto já sabemos, conhecemos, do berço à tumba, a qualidade da nossa élite (e de novo temos uma expressão que deve ser usada com cuidado e precações). Voltando à pergunta aludida acima: como se dá este processo em outros países?

Como exemplo usarei um país cuja realidade política conheço relativamente bem, a Bélgica, e a nossa escolha recai neste pequeno país porque a sua realidade é fantasiada por muitos brasileiros. Ora, se a Bélgica é, de fato, um pequeno – e jovem – país no Norte da Europa, não é, certamente, pacífico e próspero como se costuma imaginar. Recentemente, um escândalo ético e financeiro emergiu e abalou o país: o chamado escândalo Publifin, envolvendo administradores e políticos. E do que tratar-se-ia, então? A citada empresa é uma “intercomunal”, isto é, uma empresa criada por diversas comunas (ou cidades) com o objetivo de administrar diversas atividades de interesse comum, que, no caso desta empresa, eram, entre outras, “a energia, a telecomunicação e as mídias” (1) E como a lei belga proíbe que um político em atividade exerça de maneira cumulativa um cargo – por exemplo, o de prefeito – e um cargo de direção em uma intercomunal, criou-se um “jeitinho belga”:

“Na realidade, a intercomunal Publifin praticamente não existia. Nos fatos, a sua filial privada Nethys – empresa tentacular – se encarregava de todos os aspectos operacionais. E entre as duas as regras de transparência e gestão são bem diferentes. Um prefeito não pode dirigir uma intercomunal, mas há um vazio jurídico em relação às empresas privadas. Resultado: no caso de Publifin, Stephane Moureau (Partido Socialista) – CEO de Nethys – aproveitou esta falha para ficar na sua direção, e quando ele era prefeito da comuna de Ans” (2).

Estratagema bem conhecido por nós: leis falhas – ou omissas – e políticos interessados em usá-las em interesse próprio e não no interesse comum, e é este, justamente, o caso de Moureau, uma vez que ele recebia pelo exercício da função na intercomunal. E qual seria o montante do pró-labore (uso irônico da expressão) percebido? “Políticos eleitos [...] eram pagos por até 500 Euros por minuto [isto mesmo, você leu corretamente!...] para reuniões das quais eles não participavam: no fim de 2016, esta revelação caiu como uma bomba no mundo político valão” (3).

Ora, seria exatamente isto o que muitos políticos no Brasil fazem: recebem valores astronômicos por um trabalho não realizado. Mas, devemos nos perguntar: se não há dúvida de que o comportamento é antiético, os valores percebidos – indevidamente – seriam, de fato, astronômicos?

“Isto [500 Euros por minuto] equivale a montantes entre 1.340 e 2.871 Euros brutos por mês para reuniões que Le Vif [revista semanal belga] qualifica de ‘inúteis’. Cúmulo do absurdo: um eleito recebendo mais de 20.000 Euros brutos em três anos... E sem participar de uma única reunião” (4).

Se a jornalista conhecesse a realidade política brasileira ela iria, certamente, relativizar o tal “cúmulo do absurdo”... E na esteira do escândalo algumas carreiras políticas acabaram (definitivamente), ministros foram obrigados a se demitir, coalisões foram desfeitas. Flagrado em um escândalo semelhante, o ex-prefeito de Bruxelas, Yvan Mayer, renunciou a qualquer participação na vida pública:

“O ex-prefeito da cidade de Bruxelas não participará da vida política, afirmou ele quarta-feira à noite, após a sua longa audiência diante da comissão de inquérito sobre a gestão do Samusocial [outra intercomunal], na qual ele defendeu o trabalho de associação na ajuda aos sem-teto da capital, em todos os seus níveis. O antigo socialista já havia sido obrigado a se desfilhar do PS no final de junho” (5).

O que pode parecer aos olhos anestesiados de um brasileiro algo desimportante e até mesquinho – uma vez que por aqui qualquer conta pequena tem pelos menos sete dígitos – não foi assim percebido pela sociedade belga, que tratou parte da sua classe política de “máfia”. Talvez os políticos belgas – assim como os seus eleitores – devessem conhecer a realidade desta triste região dos trópicos para aprender a relativizar um pouco... Ou não seria, justamente, o contrário?

notas

1
DULCZWSKI, Alice. Vous n'avez pas tout compris à l'affaire Publifin? On fait le point. RTBF, Bruxelas, 05 fev. 2017 <https://www.rtbf.be/info/belgique/detail_vous-n-avez-pas-tout-compris-a-l-affaire-publifin-on-fait-le-point?id=9521035>. Tradução o português do autor. Acessado em 22 de Agosto de 2017.

2
Idem, ibidem.

3
Idem, ibidem.

4
Idem, ibidem.

5
RTBF + BELGA. Scandale Samusocial: Yvan Mayeur annonce son retrait de la vie politique. RTBF, Bruxelas, 20 jul. 2017 <https://www.rtbf.be/info/belgique/detail_scandale-samusocial-yvan-mayeur-annonce-son-retrait-de-la-vie-politique?id=9664222>. Tradução o português do autor. Acessado em 22 de Agosto de 2017.

sobre o autor

Adson Cristiano Bozzi Ramatis Lima é arquiteto e urbanista graduado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Especialista em Filosofia Contemporânea pela UFES, Mestre em Estudos Literários pela UFES, Doutor em História e Teoria da Arquitetura e Urbanismo pela FAU USP e Estágio Pós-Doutoral pela FAU USP.

 

comments

120.07 política
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

120

120.01 coletivo

Goma oficina

Horizontalidade, troca e aprendizagem contínua

Maria Claudia Levy and Vitor Pena

120.02 homenagem

Parabéns, papai

Ana Paula Bruno

120.03 crítica

Um olhar sobre Exodus de Rem Koolhaas

Emílio Bertholdo Neto

120.04 censura

Erotismo em tempos de cólera e boçalidade

Jorge Coli

120.05 urbanização

Definitivamente, Brasília não é uma cloaca!

Concordando com Milton Hatoum

Aldo Paviani

120.06 cidade

O retorno dos criativos

A Galeria Metrópole e os edifícios multifuncionais

Emílio Bertholdo Neto

120.08 premio

RCR Arquitectes

Premio Pritzker, o que lo improbable suceda en el espacio

Humberto González Ortiz

120.09 urbanização

A Rocinha não precisa e não quer banho de loja, quer e merece muito mais!

Luiz Carlos Toledo

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided