Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

drops ISSN 2175-6716

sinopses

português
Após o rescaldo do incêndio que provocou o desmoronamento do edifício Wilton Paes de Almeida no centro novo de São Paulo, Martin Jayo aponta para inscrições escondidas que surgem dos escombros.

como citar

JAYO, Martin. Cidade palimpsesto. A tragédia urbana do Largo do Paissandu revela um painel publicitário esquecido. Drops, São Paulo, ano 18, n. 128.03, Vitruvius, maio 2018 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.128/6972>.



Palimpsesto é uma palavra de origem grega, que em sentido literal significa “aquilo que se raspa para escrever de novo”.

O Google nos ensina que a origem do termo tem a ver com o uso do pergaminho como suporte para a escrita, na antiguidade e na idade média. Um palimpsesto é um escrito que guarda vestígios de outro escrito anterior, que existiu sobre a mesma superfície. Essa prática de apagar para reescrever era comum por razões de economia: o pergaminho era um material escasso e caro, por isso o costume de raspar um texto para fazer outro em cima, sobre seus restos.

Cidades também podem ser lidas como palimpsestos: elas resultam do acúmulo de sucessivos “textos” parcialmente apagados, que guardam sentidos e memórias materiais de diferentes épocas (1). Compreender uma cidade exige habilidade para reconhecer e decifrar essas diferentes camadas de historicidade, às vezes pouco acessíveis ao olhar comum.

São Paulo é uma cidade que se desenvolveu marcada por sucessivas demolições e reconstruções, ou apagamentos e reescrituras, e por isso se apresenta como palimpsesto. Uma demonstração disto surgiu neste 1º de maio, em meio à tragédia do Largo do Paissandu. O desmoronamento do edifício Wilton Paes de Almeida fez ressurgir um pequeno vestígio de texto anterior, de uma época em que a cidade era menos brutal e beber Caracu era beber saúde.

notas

NA – Republicação ligeiramente modificada de: JAYO, Martin. Cidade palimpsesto. Blog Quando a cidade era mais gentil, São Paulo, 02 mai. 2018 <https://quandoacidade.wordpress.com/2018/05/02/cidade-palimpsesto>.

1
Sobre o palimpsesto como metáfora da cidade: “A cidade de São Paulo é um palimpsesto – um imenso pergaminho cuja escrita é raspada de tempos em tempos, para receber outra nova”. TOLEDO, Benedito Lima de. São Paulo três cidades em um século. São Paulo, Duas Cidades, 1981. Ver também: PESAVENTO, Sandra Jatahy. Com os olhos no passado: a cidade como palimpsesto. Esboços, Florianópolis, vol. 11 n.11, 2004. <https://periodicos.ufsc.br/index.php/esbocos/article/view/334>

sobre o autor

Martin Jayo é professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP e editor do blog Quando a Cidade era Mais Gentil.

 

comentários

128.03 memória urbana
sinopses
como citar

idiomas

original: português

compartilhe

128

128.01 arquitetura e sociedade

Duas narrativas sobre uma tragédia

Incêndio e desmoronamento do Edifício Wilton Paes de Almeida

José Lira

128.02 tragédia urbana

Enquanto morar for privilégio, ocupar é um direito

#quemocupanãotemculpa

Entidades e organizações sociais

128.04 homenagem

Alexandre Wollner, 1928-2018

O imortal que faleceu

Ethel Leon

128.05 exposição

Abrindo arquivos: o arquiteto Auguste Perret e o projeto para o museu da Faap

Exposição sobre o edifício sede da Fundação Armando Alvares Penteado

Maria Cristina Wolff de Carvalho e Francisco Barros

128.06 imprensa marrom

Carmen Silva, uma líder acima de qualquer suspeita

Eliane Caffé

jornal


© 2000–2018 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada