Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

drops ISSN 2175-6716

sinopses

português
O autor acompanha o desaparecimento de um palacete em favor da construção de um caixote para abrigar uma drogaria no Higienópolis.

english
The author follows the disappearance of a mansion in favor of the construction of a box to host a drugstore in Higienópolis.

español
El autor acompaña el desaparecimiento de un palacete en favor de la construcción de un cajote para abrigar una drogaria en Higienópolis.

como citar

JAYO, Martin. Do sobrado ao caixote. Ou da diferença que meio metro faz. Drops, São Paulo, ano 18, n. 129.06, Vitruvius, jun. 2018 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.129/7035>.



Em Higienópolis, região central da cidade de São Paulo, um trecho da rua Maranhão por onde eu circulo diariamente ganhou, alguns meses atrás, um desengonçado caixote. Sempre de passagem, eu pude observar todo o processo.

O endereço, rua Maranhão 812, já era há muito tempo um ponto comercial. Desde a década de 1970 vários restaurantes e bares funcionaram ali, instalados em um belo sobrado remanescente dos tempos em que o bairro ainda não era verticalizado. O último foi o que mais tempo ficou: um restaurante vegetariano que fechou as portas do palacete em julho de 2017, depois de 20 anos instalado nele.

A demolição aconteceu em julho mesmo, e a construção do caixote começou logo em seguida, avançando dia a dia.

Mas o que será que iria funcionar ali? Minha curiosidade foi satisfeita em meados de setembro, quando uma grande faixa horizontal, em tons de verde e azul, cobriu de um lado a outro o caixote, já em pé. A faixa era parte da identidade visual de uma rede de drogarias.

Mas com isto veio outra indagação: por que essa grande rede considerou que uma casa tão rara e bela como aquela não servia para abrigar uma farmácia? Terão achado que as pessoas não iam querer entrar para comprar seus remédios? Que uma drogaria não pode dar certo se seu prédio não for, ele também, uma droga?

Nem mesmo a falta de espaço para estacionamento poderia ter sido a razão. Na frente do sobrado antigo, em área originalmente ocupada por jardim, havia seis generosas vagas!

A resposta mais plausível me foi dada, mais uma vez, pela grande faixa horizontal.

É que a velha casa não comportava o expediente ético para o qual o caixotão foi especialmente projetado: recuar a marca da rede meio metro para dentro do prédio, ajudando a burlar a legislação municipal que restringe o tamanho de anúncios e letreiros instalados na fachada.

Quem diria: uma casa inteira derrubada por um simples jeitinho.

sobre o autor

Martin Jayo é professor da EACH-USP e editor do blog "Quando a cidade era mais gentil".

Casa em demolição na rua Maranhão 812, São Paulo, 25 jul. 2017
Foto Martin Jayo

Drogaria em construção na rua Maranhão 812, São Paulo, 19 set. 2017
Foto Martin Jayo

Drogaria em funcionamento na rua Maranhão 812, São Paulo, 4 mai. 2018
Foto Martin Jayo

 

comentários

129.06 metamorfose urbana
sinopses
como citar

idiomas

original: português

compartilhe

129

129.01 homenagem

Cultura, gênese da arquitetura e da atuação política

Sobre a trajetória de Briane Bicca

Thiago de Andrade

129.02 crônica

Elevadores, pânico e o "design do futuro"

Natália Leon Nunes

129.03 desenho

Epitáfio do traço tremido

Rodrigo Queiroz

129.04 política pública

Prefeitura corta R$854 milhões dos corredores de ônibus

Sâmia Bomfim

129.05 crônica

Da dobradura

Crônicas de andarilho 21

Abilio Guerra

129.07 exposição

O olhar de Paulo Mendes da Rocha

Exposição na Maison d’Architecture de Genebra

Catherine Otondo

jornal


© 2000–2018 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada