Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
O arquiteto Vitor Pena faz paralelos entre a demontagem da maquete do Monumento à III Internacional Comunista, de Vladmir Tátlin, peça apresentada na exposição “Vkhutemas – o futuro em construção”, e a realidade política brasileira atual.

how to quote

PENA, Vitor. A desmontagem do monumento de Tátlin e o momento brasileiro. Drops, São Paulo, ano 19, n. 133.04, Vitruvius, out. 2018 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/19.133/7137>.



Terça-feira, 9 de outubro, desmontamos a maquete que fizemos para o Monumento à III Internacional Comunista, projeto de Vladmir Tátlin, 1917, que compunha a exposição Vkhutemas – O futuro em construção, exposta no Sesc Pompeia, de 27 de junho a 07 de outubro de 2018. O Monumento à III Internacional simboliza a criatividade propositiva de uma organização pedagógica revolucionária, que tinha como motivação a reconfiguração da sociedade instrumentalizada pela arte, pela ciência, pela técnica e pela cultura.

A desmontagem foi feita de forma que todos os componentes fossem devidamente desparafusados, ordenados e nomeados, não havendo desperdício de um único parafuso. A racionalização da desmontagem garante, além de não danificar as peças, que a torre possa ser erguida de novo em sua configuração completa, em outra oportunidade.

Ao finalizar a desmontagem da torre de Tatlin, e vê-la sendo devidamente protegida, empacotada e encaixotada, tivemos uma espécie de alívio. A torre, e o que ela representa, não compartilhariam nossa angústia sobre um futuro próximo e incerto.

Neste dia estávamos recém informados sobre os riscos colocados para o segundo turno da eleição presidencial brasileira: o fortalecimento, ou renascimento de um obscurantismo moralista, pseudo religioso, misógino, dogmático e violento. Um retrocesso brutal.

Enquanto desmontávamos a maquete, só conseguíamos pensar no desmonte em curso. O desmonte da democracia vem sendo cultivado e se intensificou nos últimos três anos no Brasil. Os frutos que dele colhemos, a contragosto, são as perdas de direitos sociais, trabalhistas, o desmantelamento das instituições de cultura, ciência e tecnologia, colocando em xeque a soberania popular.

A liberdade civil caminha para a berlinda. Não são só as instituições que calibram os instrumentos de perseguição. A censura é violenta e ela vem do próximo. Ela se manifesta no público, na rede social, na tv, na praça, no metrô. O ódio se materializa em agressão, repressão, incompreensão. Sabemos que não se tratam de figuras de linguagem ; relacionam-se a ocorrências deprimentes, legitimadas por uma espécie de cegueira arbitrária. O ódio é um instrumento de manipulação para o desmonte da democracia.

O desmonte aproxima-se da demolição e, assim, se opõe à desmontagem. Na construção civil, os processos de desconstrução são diferenciados entre demolição e desmontagem. A demolição pressupõe esforços destrutivos, gerando resíduos e inutilizando os componentes, reduzindo-os a entulho. A desmontagem considera a desconexão inteligente entre as partes, possibilitando reutilização.

A constituição do edifício, ou seja, a maneira como foi projetado, determina as possibilidades de sua desconstrução. Uma construção racionalizada, através da articulação entre partes independentes, permite a flexibilidade para reconfiguração e desmontagem inteligente, sem que se jogue nada fora, permitindo vida nova para os componentes.

Nesse momento, de convulsão e ruptura, entendemos que o estado de direito democrático brasileiro, que aparentava sólido, é um aglomerado de improvisos rebocado. Um monolito inflexível, que não foi projetado para transformações racionalizadas, sofrendo com ela, e que parece só poder ser desconstruído ou reconfigurado através da demolição. Retrato da sua fragilidade constitutiva.

O que estamos prestes a testemunhar e protagonizar – no campo político, psicológico e social – caso seja inevitável, em nada se assemelha à desmontagem da maquete do Monumento, em que todas as peças foram cuidadosamente desvinculadas, nomeadas e embaladas para uma montagem futura. Essa transitoriedade de estados determinou o projeto da maquete desde o início.

Não é possível desmontar e encaixotar a democracia brasileira com a esperança de que ela seja montada outra vez, num futuro próximo. O desmonte é a demolição. Esse processo gera danos irreparáveis e imprevisíveis. Tendo em vista esse cenário, o primeiro passo é compreender que existe um grande trabalho de reconstrução pela frente.

Projetar a reconstrução de algo que está sendo demolido exige cuidado, agilidade e perspicácia. É preciso compartilhar inteligência, racionalizar os recursos e projetar de maneira simultânea à desconstrução. Ao mesmo tempo em que caem os destroços, catalogamos e os utilizamos com outro significado e função. Essa imagem simboliza a construção da resiliência associada à emergência.

O convite à ação que o contexto nos faz exige criatividade e precisa estar referenciado. Referências históricas, artísticas e humanistas. Ainda que munidos de tudo isso, dependemos de união, articulação.

Pode ser que a reconstrução tenha que acontecer simultaneamente à destruição, ou pode ser que o esforço destrutivo supere o esforço construtivo, e precisaremos recomeçar de terra arrasada. Em ambos os casos, nos resta encarar a solicitação e planejar um bom canteiro de obras para essa situação provisória, enquanto projetamos uma nova torre com a garantia de que suas fundações sejam essencialmente democráticas.

sobre o autor

Vítor Pena, é arquiteto pela Escola da Cidade (2011), integrante do coletivo Goma Oficina. Participou de trabalhos como Vila Flores (Bienal de Veneza, 2016) e Fronteira Livre (Bienal Iberoamericana de Design, 2018). Atualmente desenvolve pesquisa sobre sistemas industrializados, reconfiguráveis e desmontáveis pelo mestrado profissional em Habitação, na área de concentração de Tecnologia e Construção de Edificações (TCE) no IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas.

 

comments

133.04 exposição
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

133

133.01 apropriação urbana

Do garimpo urbano

Shopping-chão nas calçadas do bairro da Glória

Luiz Carlos Toledo

133.02 exposição

Paisagens de pedra

Sobre as fotografias de José Tabacow

Abilio Guerra

133.03 homenagem

Ao amigo Paulo Jardim de Moraes

Pablo César Benetti

133.05 memória

Rua Maria Antônia

Em memória de 1968

Diogo Cavallari Bella, Isadora Marchi de Almeida and Victor Berbel Monteiro

133.06 política e educação

Manifestação da Anparq sobre a situação nacional

Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo comenta os riscos à democracia presentes no processo eleitoral de 2018

133.07 homenagem

O centenário da Bauhaus

Ethel Leon

newspaper


© 2000–2018 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided