Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Veja a entrevista de Antônio Agenor Barbosa e Juliana Mattos com o arquiteto Marcos Konder, cujo mais conhecido projeto é o Monumento aos Mortos da II Guerra Mundial, no Aterro da Glória, Rio de Janeiro

english
Vea la entrevista de Antônio Agenor Barbosa y Juliana Mattos con el arquitecto Marcos Konder, cuyo más conocido proyecto es el Monumento a los Muertos de la II Guerra Mundial, en el Aterro de la Gloria, Río de Janeiro

español
Read the interview of Antonio Agenor Barbosa and Juliana Mattos with architect Mark Konder, whose best known project is the monument to the dead of World War II, in aterro Gloria, Rio de Janeiro

how to quote

BARBOSA, Antônio Agenor; MATTOS, Juliana. Marcos Konder. Entrevista, São Paulo, ano 08, n. 029.02, Vitruvius, jan. 2007 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/08.029/3297>.


Monumento aos Mortos da 2ª Guerra. Arquitetos Marcos Konder e Helio Ribas Marinho
Foto Antônio Agenor Barbosa

Antônio Agenor Barbosa e Juliana Mattos: Qual a sua avaliação sobre as intervenções urbano-arquitetônicas ocorridas no Rio de Janeiro na última década, tais como Rio Cidade e Favela Bairro? O senhor já foi consultado pelo Poder Público em algum momento para opinar a respeito ou para participar de algum projeto ligado a estes temas?

Marcos Konder: Eu não tenho sido muito consultado. Quanto ao Rio Cidade eu acho que é um projeto que cumpre sim suas funções embora seja tudo muito de natureza mais “cosmética” infelizmente. Mas acho que há um valor de fazer com que haja uma reflexão sobre as obras públicas na cidade, no espaço público, mesmo que eu não seja totalmente a favor de muita coisa que foi realizada. Mas eu até participei sim de uma equipe do Rio Cidade em que fizemos um projeto para a Rua São Clemente, no bairro de Botafogo, mas que nunca foi executada.

Quanto ao Favela-Bairro eu acompanho sim e acho que há um grande mérito neste programa. Eles foram desenvolvidos pelo Sergio Magalhães que é um arquiteto de valor. Mas este é, ao mesmo tempo, um programa perigoso, pois a meu ver parte da premissa de que aquilo que lá está na informalidade é algo bom e que cabe a nós apenas uma correção de certos parâmetros e etc. Quando na verdade não podemos achar que a favela é uma coisa totalmente positiva e digna de se viver. As pessoas só estão lá, como todos sabem, devido à falta de oportunidades de terem acesso a uma rede de crédito para financiar e construir suas casas em áreas mais dignas, organizadas e, sobretudo, bem servida por uma rede de infra-estrutura e de transporte. Mas isto ainda está muito longe de acontecer, infelizmente. De maneira que o Programa Favela-Bairro atua mais como um instrumento de correção de certas áreas mais desorganizadas e até perigosas do ponto de vista da segurança de algumas construções. E buscam, a medida do possível, levar algo de infra-estrutura a estes lugares. E sou a favor sim de uma política clara de controle da favelização da cidade.

Monumento aos Mortos da 2ª Guerra. Arquitetos Marcos Konder e Helio Ribas Marinho
Foto Antônio Agenor Barbosa

comments

029.02
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

029

029.01

Julio Roberto Katinsky

Gabriel Rodrigues da Cunha

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided