Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Nesta entrevista, Renato Viégas fala sobre sua formação, o início da carreira e seus dilemas, a opção pelo trabalho no Estado e as possibilidades de realizar grandes obras de infra-estrutura em São Paulo

how to quote

JEREZ, Clarissa Turin; MELLO, Joana. Renato Viégas. Entrevista, São Paulo, ano 09, n. 035.02, Vitruvius, jul. 2008 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/09.035/3286>.


ERPLAN Marília, elevação Oeste

Clarissa Turim Jerez: E como foi a seqüência do seu trabalho no Metrô?

Renato Viégas: Quando cheguei no Metrô, em agosto de 1972, o Departamento de Arquitetura cuidava, basicamente, da análise dos projetos elaborados pelas empresas de consultoria. Logo após começaram a surgir necessidades novas, como os Terminais de Integração, e outros pequenos projetos – programas não previstos pela HMD (Hochtief, Montreal e Deconsult), consórcio que concebeu o metrô de São Paulo.

Comecei a estudá-los e fui autorizado a convidar alguns colegas para ingressar no departamento, agora com essa mudança de perfil. Veio o Roberto Mac Fadden, que havia sido meu sócio, e a Meire Selli, outra colega de Mackenzie.

Começamos então a pensar na linha Paulista e também na Leste-Oeste. Esta com poucos recursos, ainda sem topografia. O José Paulo de Bem, que já estava no Metrô, também começou a pensar nas estações para essa linha.

O ritmo do trabalho de repente arrefeceu. Coincidentemente, em 1975, um amigo de ginásio, o escritor O. C. Louzada Filho, me convidou para trabalhar em sua empresa. Pretendia construir e vender, com recursos próprios. Além de responsável técnico eu iria montar uma área de projeto – voltada para a elaboração de outros que não os da construtora. Foi quando participei do concurso para sede do ERPLAN (Escritórios Regional de Planejamento) de Marilia. Foi um concurso bastante concorrido. Previam-se sedes em mais algumas outras cidades. Não havia um há muito tempo. Os premiados ficaram expostos na FAU. Fiquei em 2° lugar. Projetei e construí uma série de residências. O projeto mais interessante foi um conjunto habitacional em alvenaria auto portante. Uma mesa moldada em loco, deixando o térreo livre, com mais 3 andares. Foi realizada uma pesquisa de mercado pela FGV. Seria destinado a operários da região – era próximo à Av. Nossa Senhora do Sabará. No terreno ficava o depósito da empresa. Já havia dado entrada na prefeitura quando a empresa decidiu mudar de rumo. Estávamos em 77. Fui procurar emprego na Promon. O pessoal do Metrô soube e me convidou para voltar.

Conjunto Habitacional, elevação. Arquiteto Renato Viégas

comments

035.02
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

035

035.01

Igor Guatelli

André Teruya Eichemberg

035.03

Paul Oliver

Rosana S. B. Parisi and Ana Cristina Villaça

035.04

Maria Helena Flores Guinle e Luiz Guinle

Abilio Guerra

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided