Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Nesta entrevista, Renato Viégas fala sobre sua formação, o início da carreira e seus dilemas, a opção pelo trabalho no Estado e as possibilidades de realizar grandes obras de infra-estrutura em São Paulo

how to quote

JEREZ, Clarissa Turin; MELLO, Joana. Renato Viégas. Entrevista, São Paulo, ano 09, n. 035.02, Vitruvius, jul. 2008 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/09.035/3286>.


Residência Atibaia. Arquitetos Renato Viégas e Mariana Viégas
Foto Bebete Viégas

Clarissa Turim Jerez: Qual o impacto que a ditadura militar teve para a arquitetura e para (no sentido mais amplo) a cultura no país?

Renato Viégas: Perguntinha danada, que abrange temas tão diversos.

Antes de 64 havia um esforço de compreender e afirmar um país possível. Após o golpe o foco volta-se, pouco a pouco, para a resistência à opressão. Após 68 chega-se, nas mais diversas áreas, à confrontação limite: entre o fazer e a resistência armada.

O mundo também experimentou várias crises durante o período que durou o golpe. Modificou-se muito. Finda a ditadura não dava mais para repensar o país, retomando-o como ele havia sido no início da década de 60. Acho difícil, hoje, isolar o período e identificar os impactos da ditadura. Seria necessário imaginar o país que poderia ter sido e não foi – isso parece sina. Inegável é a perda de tantas vidas e o atraso, de no mínimo 20 anos, no aperfeiçoamento da democracia e das relações institucionais. Vive-se, hoje, um momento de grande perplexidade decorrente da nova face da economia mundial.

CTJ: Quais as transformações que a categoria sofreu nos dias de hoje?

RV: Acho que a transformação mais presente no quotidiano, não só entre nós mas para todas as categorias, está nas relações de trabalho. Quase não há mais emprego.

Entrei na arquitetura sonhando com escritório próprio e trabalho de ateliê. Acabei por ingressar numa estatal que permitia desenvolver um bom trabalho em equipe – equipe multidisciplinar. As estatais eram apoiadas ainda por grandes projetistas que ofereciam, também, bons empregos. Na geração de meus filhos isso acabou. Tendo trabalho já está muito bom. Vejo que abre, por outro lado, um campo interessante e diverso de parcerias e associações. Algo que não sei bem como vai caminhar. O trabalho de arquitetura ainda é muito pouco valorizado.

CTJ: Na sua opinião, qual o papel do arquiteto na sociedade contemporânea?

RV: Papel ligado à construção das cidades à organização de seus espaços. As grandes metrópoles vão deter um percentual enorme da população – prevê-se que cerca de 70% vai viver em grandes cidades.

CTJ: Qual a possível contribuição dos arquitetos para o equacionamento dos problemas das cidades brasileiras?

RV: Equacionar os problemas das cidades é tarefa para toda a sociedade. Nossa formação, nosso saber vai no caminho de participar das sínteses – planos e projetos. Tomar os estudos de diversas áreas de conhecimento e lançar mão dos desenvolvimentos das técnicas construtivas para dar forma a uma nova realidade urbana.

CTJ: Como você encara os problemas atuais do ensino de arquitetura e o fato de haver tantas faculdades, nem todas preocupadas com a qualidade da formação de seus estudantes?

RV: Não os conheço em profundidade. Seria um chute falar em ensino. Dessas grandes levas que se formam creio que há poucos trabalhando com arquitetura e de outro lado tanto a fazer. Como já disse é uma profissão muito desvalorizada, ainda não se impôs como um saber específico.

CTJ: Qual a sua posição diante da questão tecnológica no tocante ao trabalho dos arquitetos?

RV: Não dá para pensar em construir algo sem procurar saber como fazê-lo. Para chegar ao objeto arquitetônico, como já disse, é preciso lançar mão de diversos conhecimentos. Trata-se do domínio de uma linguagem, de um saber específico, que aponta para uma síntese. Henri Lefebvre usou uma máxima muito boa para marcar posição sobre a questão: Toda tecnologia investida no cotidiano.

Residência Atibaia. Arquitetos Renato Viégas e Mariana Viégas
Foto Bebete Viégas


comments

035.02
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

035

035.01

Igor Guatelli

André Teruya Eichemberg

035.03

Paul Oliver

Rosana S. B. Parisi and Ana Cristina Villaça

035.04

Maria Helena Flores Guinle e Luiz Guinle

Abilio Guerra

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided