Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Entrevista com o professor português Duarte Cabral de Mello abordando sua trajetória como crítico e acadêmico

español
Entrevista con el profesor portugués Duarte Cabral de Mello se acerca su carrera como crítico y académico

how to quote

FERREIRA, M. Piedade; GUTIÉRREZ MOZO, María Elia. Entrevista com Duarte Cabral de Mello. Intelectual português aborda sua trajetória como crítico e acadêmico. Entrevista, São Paulo, ano 14, n. 055.04, Vitruvius, ago. 2013 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/14.055/4830>.


Duarte Cabral de Mello, Elia Gutiérrez Mozo e João Cabral, VII Bienal Iberoamericana de Arquitetura e Urbanismo, Lisboa, 2008
Foto divulgação [Acervo BIAU]

Conheci Duarte Cabral de Mello em Madri, em novembro de 2007. Ambos éramos membros do Júri de Projetos de Pesquisa da VI Bienal de Arquitetura e Urbanismo que se realizaria em Lisboa, Portugal, na primavera de 2008. Além disso, Duarte foi o presidente da Associação Francisco d'Ollanda, articulando o convênio que viabilizou o evento e, para tanto, ele foi o Diretor Executivo do VI BIAU. Por parte do Ministério da Habitação do governo da Espanha, eu atuava como Coordenadora Geral.

Organizar Bienais Ibero-americanas não é tarefa fácil, dada a variedade de linhas de trabalho que incluem: obras, publicações, pesquisas, concursos, mostras, etc, além de catálogos, exposições, programas acadêmicos... e um grande número de pessoas envolvidas nos dois lados do Atlântico.

Então, trabalhamos duro tanto em Portugal como na Espanha, para concluir com êxito o VI BIAU em circunstâncias difíceis e anunciando a crise em que estamos imersos hoje. No entanto, lembro-me muito agradavelmente porque tive a sorte de contar com o apoio incondicional, a inteligência, a generosidade e o bom humor de Duarte, sempre.

Sobre este trabalho "ombro a ombro" e uma corrente torrencial de simpatia mútua que fluiu desde o primeiro momento, cimentamos uma amizade que foi crescendo nesse curto porém intenso período até sua morte.

Duarte foi convocado para as reuniões do Conselho de Administração da BIAU que preparou a edição de Medellín, Colômbia, de 2010, em nome de Portugal e ele foi sempre trazendo as questões substanciais que o preocupavam e com as quais se sentia comprometido, em especial e concretamente, a ética, em sua opinião, como pedra fundamental para compreender e lidar com o presente.

Fui a Lisboa para fazer um teaching staff na primavera de 2010, na Universidade Técnica em que ele era um professor e, como ele próprio gostava de dizer, "jovem doutor". Sua tese de doutorado "A Arquitetura Dita: Anamorfose & Projeto" é uma prova de sua força intelectual e sua juventude inabalável. Nela, Duarte retratou e nos deixou seu legado: a partir da dedicação à sua esposa, Maria Manuel, e seus filhos, através de Heidegger e seu "Construir, Habitar, Pensar", até a epígrafe final sobre o projeto e a responsabilidade. A vida decantada em uma proposta de ética prática da arquitetura.

Duarte veio a VII BIAU de Medellín em outubro de 2010. Antes de partir, ele me disse que sua doença. Sua companhia nessa viagem tornou esta ocasião uma das minhas memórias mais queridas. Com olhos recém operados, todos pensavam que eu estava o apoiando: posso afirmar que foi exatamente o oposto. Nós gostamos de visitar a arquitetura dos parques bibliotecas de Medellin juntos e, se possível, sozinhos. Conversar com as pessoas. Passear. Sentarmos. Tomar uma cerveja. Desfrutar. Viver.

Fui com minha família para Lisboa em setembro de 2012... para descansar e o ver. Encontramos com ele e Maria Manuel, em sua belíssima casa, voltamos a caminhar pela redor da cidade pombalina e pelo Centro Cultural de Belém. Prometemos não deixar muito tempo passar sem se ver para celebrar o dom da amizade.

Nesta primavera, Duarte morreu em Lisboa. No dia primeiro de maio, Maria Manuel escreveu:

Queridos amigos,
Lamento muito em lhes dizer que Duarte morreu ontem.
Como sabiam, ele tinha leucemia, que se agravou há três semanas. Estava em boa forma até dois dias antes de morrer.
abraços

Perdemos um amigo. Um companheiro. Um homem sábio e bom. Alguém que fazia o mundo tornar-se mais amável, mais compreensível, mais habitável. Alguém cujo modo de estar e agir no mundo era reflexo da forma como o via. Um arquiteto.

Descanse em paz.

comments

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided