Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Entrevista com o professor português Duarte Cabral de Mello abordando sua trajetória como crítico e acadêmico

español
Entrevista con el profesor portugués Duarte Cabral de Mello se acerca su carrera como crítico y académico

how to quote

FERREIRA, M. Piedade; GUTIÉRREZ MOZO, María Elia. Entrevista com Duarte Cabral de Mello. Intelectual português aborda sua trajetória como crítico e acadêmico. Entrevista, São Paulo, ano 14, n. 055.04, Vitruvius, ago. 2013 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/14.055/4830>.


Duarte Cabral de Mello
Foto Paulo Miguel Melo [revista Ascensor]


Estudou Arquitetura na Faculdade de Belas-Artes de Lisboa, onde usufruiu da promiscuidade entre a prática artística e a da arquitetura, bem como do contacto com outras áreas do conhecimento como a Química, a Física, a Matemática, a Geometria e a Sociologia, lecionadas na altura na Faculdade de Ciências nas Ruas da Escola Politécnica. Na sua aula do júbilo, a que chamou “Primeira Aula” referiu também a sua experiência enquanto aluno no ensino primário onde conviveu no mesmo contexto de “sala de aula” com vários níveis de ensino.

M. Piedade Ferreira: Pensa que terão sido estas experiências que o levaram a ter uma maior abertura a diferentes áreas do conhecimento, construindo os alicerces para uma perspectiva mais alargada do que é projetar?

Duarte Cabral de Mello: Também eu gostaria de ter uma resposta simples para a essa pergunta. Só que são sempre complexas as situações, ou os diferentes estados de coisas, presentes sempre que tomamos decisões.

Quero acreditar que as experiências que referi nessa Primeira Aula terão marcado muitas das minhas escolhas sobre o que é projetar. Não sei é se foram mais ou menos determinantes do que as conversas com as pessoas que faziam parte do meu círculo familiar – artistas plásticos, poetas, escritores, engenheiros, músicos, filósofos, médicos, juristas – ou com os amigos de várias idades, nacionalidades e formações que têm vindo a enriquecer-me a vida.

MPF: Até que ponto o seu contato com os colegas na Escola de Belas Artes o levou a interessar-se pela “poesia concreta”? Tratou-se sempre de um interesse estético em si mesmo ou já na altura se preocupava em cruzar esta dimensão semiótica da transmissão das ideias através da imagem e/ou da palavra, no contexto da Arquitetura?

DCM: A escrita sempre fez parte da minha vida que nunca consegui encarar como uma seleção de “atividades discretas”, mas como um jogo entre pensar, registrar, transmitir e operar sobre o retorno de tudo isto, não necessariamente por esta ordem. E foi a minha vida quando, aos vinte anos e após duas operações oftálmicas, estive privado da visão durante uns meses.

A poesia concreta surgiu do cruzamento do que ia escrevendo e o convívio breve mas muito intenso que, no final dos anos 60, tive com a artista Mira Schendel e a escritora Vilma Arêas, ambas brasileiras, que conheci através do meu amigo Luís Noronha da Costa.

comments

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided