Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Cherubino Gambardella é arquiteto e professor em Nápoles. Realiza edifícios, espaços urbanos e instigantes desenhos. Escreveu dez livros com sua teoria. Protagonista na produção italiana contemporânea, através do específico napolitano chega à novidade.

italiano
Cherubino Gambardella é nato a Napoli. Progetta e realizza architettura, interni, spazi pubblici, ed anche suggestivi disegni. Ha scritto dieci libri dove espone le sue teorie. Propone un approccio visionario a partire dalla specificitá della sua cittá.

how to quote

HESPANHA, Sérgio; CALABRESE, Federico. Cherubino Gambardella. Arquitetura italiana contemporânea: entre o desenho e o projeto. Entrevista, São Paulo, ano 15, n. 057.03, Vitruvius, fev. 2014 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/15.057/5050>.


Nascido em 1962, o napolitano Cherubino Gambardella graduou-se arquiteto em 1987 pela Universidade de Nápoles, onde vive e mantém seu estúdio: um laboratório artesanal de projeto, restauro e paisagismo, como ele mesmo chama.

É professor de projeto arquitetônico na Faculdade Luigi Vanvitelli, na Segunda Universidade de Nápoles, em Aversa. 

O estúdio Gambardella Architetti teve início no final dos anos 50 com os pais de Cherubino, os arquitetos Alfonso e Virginia Gambardella (professores na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Nápoles), à época um estúdio especializado em restauro e paisagismo. Em 1987, com a participação de Cherubino, o estúdio volta-se para a composição, criação e pesquisa em arquitetura e urbanismo. Em 1997 Simona Ottieri Gambardella associa-se à Gambardella Architetti. 

Com seus projetos e obras, obteve reconhecimento público e premiações, tais como: em 1996, o Prêmio de Arquitettra 39 da Academy of Architecture, Art and Sciences, de Los Angeles; em 2002, é convidado a expor seus projetos em Tóquio no âmbito da mostra “Do futurismo ao futuro possível - arquitetura italiana contemporânea”; em 2004 o seu projeto Kunsthall na Mostra d’Oltremare di Napoli foi escolhido para a seleção final do Prêmio Mies Van der Rohe em Barcelona; em 2005 foi convidado a fazer uma conferência sobre seu próprio trabalho na Cornell University de Ithaca, Nova York; também em 2005 foi um dos oito arquitetos escolhidos pelo diretor de “Lotus”, Pierluigi Nicolin, a realizarem uma instalação em forma de wunderkammer (1) na mostra Conflitti /architettura contemporanea in Italia; em 2006 foi finalista para Medaglia d’oro da arquitetura italiana, seção “Cultura e tempo livre”, com seu projeto Kunsthall na Mostra d’Oltremare di Napoli.

Salti e saltimbanchipub
Cherubino Gambardella

O trabalho de Cherubino Gambardella é caracterizado pelo intenso uso do desenho à mão livre, inclusive como expressão gráfica independente do processo projetual, o que resulta em exposições de interesse gráfico e artístico. Traços de valorização do desenho, comuns à sua geração de arquitetos italianos, são identificáveis também em Benamino Servino, Carmelo Baglivo e Fabio Alessandro Fusco. Estes agem contra a corrente nestes tempos de emprego intenso e disseminado de softwares para a elaboração de representações, que se tornou obrigatório na modelagem das formas arquitetônicas. Este grupo informal tem no desenho uma ferramenta importante, vista e entendida a partir do olhar do arquiteto projetista, sem que nos seja possível separar o que é ilustração do que é projeto. 

Esses arquitetos italianos trazem-nos oportunidades interessantes de mescla entre recursos que se acumulam e não são vistos como mutuamente descartáveis. Não se trata de recursos marcados mais pelas suas possibilidades históricas de origem do que justamente pelo que representam contemporaneamente, e também para o futuro, pois as suas possibilidades não se deixam ameaçar por novas técnicas e oportunidades. 

É preciso saber misturá-las: até para não ficarmos reféns de novidades constantemente inventadas no processo de “obsolescência programada” que nos faria simples “novidadeiros”, nunca capazes de retirar o melhor do que fora já inventado ao longo de um tempo mais dilatado. E retirar o melhor também de suas misturas. Num campo como o da arquitetura, também um campo de invenção, isto é fundamental.

A pesquisa de Gambardella apóia-se especialmente no desenho e em viagens (alguns de seus livros registram isto), onde coleta informações e constrói impressões, indagando através de imagens sobre situações projetuais mais ou menos próximas do próprio projeto. Produz um material rico em referências externas à historiografia e à teoria da arquitetura, estas mais centradas em si mesmas. Nesta busca para si, ele nos revela ativadores da invenção arquitetônica.

Cherubino Gambardella. Torre del vento a bagnoli, Nápoles

Cherubino Gambardella. Torre dello Ziro, Pontone d'Amalfi
Foto Peppe Maisto

Cherubino Gambardella. Torre dello Ziro, Pontone d'Amalfi

O arquiteto deambula por escritas e leituras de geografias, arqueologias, paisagens, culturas, todas filtradas por seu olhar de designer. Tais formam os vetores de uma contemporaneidade marcada pela fabulação; um presente eclético que busca a liberdade da beleza democrática.

Nápoles e região (na verdade, todo o sul) compõe a Itália de referência (e preferência) de Cherubino Gambardella. Ele percorre sua diversidade, sua harmonia e desarmonia, incluindo tudo, nada excluindo, e relativizando, para o olhar mais convencional, os padrões do belo e do feio; confiando num futuro feito mais do presente que do passado, investindo numa contemporaneidade que se aceita, não se exaure. Visionário num sentido próprio, o arquiteto busca a expressividade de uma arte imperfeita feita de elementos corriqueiros, sob o signo de um novo equilíbrio entre o sublime e o pitoresco; revela-se sua capacidade de imaginar a arquitetura do futuro como soma de itens, aberta à vida colorida que pode habitar a cidade que conhecemos (certamente de modo mais intenso no caso de Nápoles). 

Sempre interessado na reflexão teórica simultânea à de projeto, publicou dez livros, entre os quais destacam-se: “Il sogno bianco. Architettura e mito mediterraneo nell' Italia degli anni '30” (Clean, 1989); “La casa del mediterraneo. Napoli tra memoria e progetto” (Officina edizioni, Roma 1995); “Centomila balconi” (Alinea, 2005); “Codice policromo. Architettura e tecniche di invenzione” (Alinea, 2008) e “70/50. Due modi di dire architettura. Purini Franco, Gambardella Cherubino” (Il Nuovo Melangolo, 2013). 

Sua atividade profissional tem se caracterizado por projetos baseados em premissas teóricas que nos propõe os conceitos de Regionalismo Visionário e de Beleza Democrática. Recomenda-nos a “viver o presente”, “agitar bem antes de usar” e “escrever sobre a escritura interrompida”. Adiante, veremos  o que Cherubino Gambardella nos diz sobre isto, em entrevista e imagens.

Cherubino Gambardella. Casa em forma de chapéu, Nápoles
Foto Peppe Maisto

Cherubino Gambardella. Casa em forma de chapéu, Nápoles
Foto Peppe Maisto

Cherubino Gambardella. Casa em forma de chapéu, Nápoles
Foto Peppe Maisto

notas

NA
Ver <http://www.gambardellarchitetti.com/index.html

1
Do alemão, “câmara das maravilhas”, lugar onde uma coleção de curiosidades e raridades é exibida.

comments

057.03 entrevista
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: italiano

share

057

057.01

Entrevista com o arquiteto paisagista Haruyoshi Ono

Antônio Agenor Barbosa and Stella Rodriguez

057.02

Gottfried Böhm e sua obra no Brasil

João Francisco Noll and Silvia Odebrecht

057.04

Entrevista com Ana Carla Fonseca Reis

Geise B. Pasquotto

057.05

Eva Kail: espacios inusuales en Viena

Eva Álvarez and Carlos Gómez

057.06

A nova casa

Julia Buenaventura

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided