Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
O arquiteto e urbanista Jorge Mario Jáuregui, um dos maiores especialistas no Brasil em projetar Habitação de Interesse Social (HIS), concede entrevista a Antônio Agenor Barbosa, Rachel Paterman e Alberto Goyena.

español
Entrevista con el arquitecto y urbanista Jorge Mario Jáuregui, concedida a Antônio Agenor Barbosa, Rachel Paterman y Alberto Goyena el 29 de noviembre de 2013.

how to quote

BARBOSA, Antônio Agenor; PATERMAN, Rachel; GOYENA, Alberto. O mestre da habitação social. Entrevista com o arquiteto e urbanista Jorge Mario Jáuregui. Entrevista, São Paulo, ano 16, n. 064.01, Vitruvius, out. 2015 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/16.064/5667>.


Jorge Mario Jáuregui
Foto divulgação [Acervo Jorge Mario Jáuregui]

Nascido na Argentina e radicado no Rio de Janeiro há cerca de trinta anos, o arquiteto e urbanista Jorge Mario Jáuregui tem o seu nome associado, principalmente, a projetos de urbanização e de planejamento em comunidades onde todos os aspectos da informalidade são a tônica dos seus desenvolvimentos urbano-arquitetônicos e sociais.

Na entrevista, realizada no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ, Jáuregui nos fez uma exposição detalhada sobre sua trajetória profissional na cidade, expondo os fundamentos teóricos e metodológicos com base nos quais vincula a atuação de arquiteto e urbanista a preocupações de ordem social e política. A esse respeito, destacam-se em sua fala referências constantes à Filosofia e à Psicanálise, a seu ver fundamentais à construção de uma perspectiva capaz de unir teoria e prática. A interlocução permanente com tais elaborações participa do modo como concebe e problematiza o fenômeno urbano, que compreende nos termos de uma trama complexa: segundo suas palavras, uma interseção de fluxos e fixos, que é preciso interpretar e ordenar.

Por sua vez, a favela é lida por Jáuregui do ponto de vista da ideia de caos – que, conforme ressalta, diz respeito a uma ordem complexa, não uma desordem, suscetível a planejamento a partir da escuta da demanda. Tais ideias são discutidas pelo arquiteto conforme ele descreve o desenvolvimento de alguns projetos, tais como os que realizou no Complexo do Alemão e em Manguinhos – descrição esta que coloca em relevo questões e desafios incontornáveis à intenção de abordar a tensa relação entre cidade “formal” e “informal” no Rio de Janeiro.

Vale conferir no texto os temas que são elaborados por Jáuregui em resposta a algumas provocações, relativas, dentre outros pontos, à sua intenção de humildade na interlocução com moradores das comunidades em que atua; à sua perspectiva sobre patrimônio arquitetônico; e, finalmente, à problemática, senão polêmica, distinção entre projeto arquitetônico e a construção em curso na favela – que, a seu ver, teria a ver menos com um trabalho de composição estética do que com a criatividade de uma população, a sua infinita atividade, capacidade de construção, de mobilização.

Por fim, é preciso considerar a crítica que o arquiteto direciona ao debate sobre a relação formal-informal na cidade, a seu ver pouco consolidado e desenvolvido.

comments

064.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

064

064.02

Lava, arquitetura visionária em Berlim

Gabriela Celani

064.03

Entrevista com Jayme Zettel

Wilson Levy

064.04

Um edifício, um detalhe

Maycon Sedrez

064.05

Aprendendo com os erros dos outros

Gabriela Celani

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided