Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Nessa entrevista, feita em Stuttgart, Milos Dimcic descreve o tipo de trabalho que faz e fala sobre as dificuldades de ser contratado por arquitetos para desenvolver projeto algorítmico e participar nas fases iniciais do processo.

english
In this interview, set in Stuttgart, Milos Dimcic describes his work area and talks about the difficuties of being hired by architects to develop algorithm projects and participate in the initial steps of the architectural process.

how to quote

CELANI, Gabriela. Aprendendo com os erros dos outros. Entrevista com Milos Dimcic. Entrevista, São Paulo, ano 16, n. 064.05, Vitruvius, dez. 2015 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/16.064/5824>.


Parametric System Schüco [Foto divulgação]


GC: Nós estamos fazendo uma pesquisa sobre o retorno do ornamento na arquitetura. Em sua opinião isso está realmente acontecendo? Você fez alguma programação que envolveu ornamento, trabalhando com superfícies e gerando ornamentos automaticamente?

MD: Eu acho que o ornamento deveria retornar. Isso significa mais trabalho para nós, porque o ornamento é algo que você pode programar e parametrizar. Eu fiz um plug in para gerar ornamentos. Se chama Eve Ornament. Mas esse plug in não está no meu site para download, pois esse não é gratuito.

GC: O que ele faz?

MD: Minha esposa é uma arquiteta e ela trabalha para uma grande empresa que constrói edifícios em Meca para clientes muçulmanos. Eles têm um departamento de ornamento com 30 pessoas e um casal de amigos trabalha neste departamento. Eles tentaram fazer parametricamente, mas eles não têm as habilidades, então eu fui lá e mostrei a eles o que pode ser feito. Por isso eu fiz esse plug in, para mostrar a eles. Ele permite desenhar o que você quiser dentro de um quadrado, e ele podem popular uma superfície com isso. Você também pode extrudar em 3D... Eu fiz alguns sliders para mostrar a eles o que eu posso fazer, e depois disso você pode exportar para uma máquina CNC. E eu disse a eles que eu fiz em 2D, mas você pode ter padrões muito mais complexos, etc. E você sabe o que aconteceu depois da apresentação? Eles têm algumas pessoas no escritório que sabem trabalhar com Grasshopper, então eles os chamaram para uma reunião depois que eu saí, eles disseram a eles para tentar fazer o que eu havia acabado de mostrar. Depois de um ano eles não fizeram nada realmente útil, mas eles não se importam, pois é um escritório gigante, eles têm 200 pessoas trabalhando lá, eles têm projetos de qualquer forma... Teoricamente eu poderia ir para o rei da Arábia Saudita e dizer: olhe eu posso fazer esses ornamentos parametricamente, mas como eu chego até o rei da Arábia Saudita? E ele se importa se ele está pagando um milhão ou cem milhões para a mesma coisa? No mundo prático é muito irreal. Eu posso fazer melhor que eles, mas eles não se importam. Eles vão tentar fazer internamente no escritório, e eu já enfrentei isso muitas vezes: sim, você é mais eficiente, sim, você pode fazer um monte de coisas, mas eles ainda (preferem tentar fazer por si próprios).

GC: Isto é uma aplicação bem específica para ornamento na arquitetura Islâmica. E sobre arquitetura contemporânea em geral? Qual a sua opinião sobre isso? Você tem incorporado no projeto estrutural?

MD: Ainda não, mas eu gostaria, pois eu acredito no projeto inspirado pela natureza, e eu gostaria de saber se a arquitetura de 2100 terá formas orgânicas, como na ficção científica, com Voronois, e isso incluiria ornamento, pois a natureza é cheia de ornamentos. Mas eu não tive contato com ninguém que quisesse isso. Eu gostaria realmente de fazer um algoritmo nessa área, pois eu acho interessante. Ornamentação não é necessária, e isso me incomoda um pouco, pois eu gosto de fazer coisas que são eficientes, necessárias, é o meu lado engenheiro, mas mesmo sendo desnecessário seria legal (trabalhar nisso).

GC: Há outro tópico que tem sido objeto na nossa pesquisa, que é o detalhamento, ou mais especificamente o detalhe digital. A revista AD recentemente publicou uma edição especial sobre futuro do Detalhe e a revista Detail também tem uma edição especial sobre detalhes digitais e analógiccos. Você acha que surge uma nova teoria do detalhe com esta nova forma de projetar com programação e fabricação digital?

MD: Sim, e isso é outra área no qual eu ainda não tive a oportunidade de fazer nada, mas na qual eu gostaria muito, muito de mergulhar. Quando você faz arquitetura de formas livres os detalhes se tornam complexos, e é isso que eu quero fazer; algo que seja complicado. Isto é outra razão pelo qual eu não trabalho na fase de projeto, pois eles fazem coisas de um jeito muito conceitual e simples. Mas assim que você tem a sua forma você precisa produzir os elementos de fechamento e saber como conectá-los com parafusos e tudo isso... Por exemplo, a fachada paramétrica da Schüco que eu mostrei na minha palestra (no CAAD Futures). Eu estou fazendo a análise estática de diferentes elementos, pois eles têm todos diferentes geometrias. Esses elementos podem ser triangulares ou quadrangulares, e tem diferentes tipos. Eles podem ser como uma pirâmide, mas o ponto mais alto pode variar. Você pode fazer uma fachada em que cada elemento seja diferente, mas quando eles são montados juntos eles formam um padrão (emergente).  E eu disse a eles que me deixassem fazer os detalhes automaticamente, mas eles disseram não, nós faremos com nossos funcionários.

GC: Eles farão um por um?

MD: Não, eles estão fazendo automaticamente, mas com seus funcionários. Então isso resolve o problema. Eles apenas me chamam para coisas que eles não conseguem fazer sozinhos. Eu gostaria de ter contatos então eles diriam vamos fazer isso tudo juntos.

GC: Outra edição da revista AD foi sobre tolerância zero na arquitetura. Qual sua opinião? Nós ainda precisamos de tolerância com a fabricação digital?

MD: Nós ainda trabalhamos com tolerância, mas a diferença é que nossa tolerância agora é de 0.5 milímetro. Tolerância zero é apenas na teoria, pois as máquinas de produção não são tão precisas, e você monta na obra, e tem dilatação, etc. Mas eu gosto da precisão. Você está perguntando as perguntas certas: ornamento, detalhes, tolerância, isso é o que nós fazemos.

comments

064.05
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: english

share

064

064.01

O mestre da habitação social

Antônio Agenor Barbosa, Rachel Paterman and Alberto Goyena

064.02

Lava, arquitetura visionária em Berlim

Gabriela Celani

064.03

Entrevista com Jayme Zettel

Wilson Levy

064.04

Um edifício, um detalhe

Maycon Sedrez

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided