Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
O francês Antoine Picon, professor da Harvard Graduate School of Design e teórico preocupado com as múltiplas relações entre a arquitetura e a tecnologia digital, é entrevistado pela dupla de professores brasileiros Gabriela Celani e David Sperling.

english
Antoine Picon, a professor at the Harvard Graduate School of Design and a theorist who is concerned with the multiple relationships between architecture and digital technology, is interviewed by the Brazilian duo Gabriela Celani and David Sperling.

how to quote

CELANI, Gabriela; SPERLING, David. A arquitetura dá significado à vida. Entrevista com Antoine Picon. Entrevista, São Paulo, ano 18, n. 074.02, Vitruvius, jun. 2018 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/18.074/7014>.


Antoine Picon
Foto divulgação

Antoine Picon pode ser considerado como um dos poucos teóricos contemporâneos que vem assumindo a tarefa de inscrever a arquitetura digital na historiografia da arquitetura, apontando criticamente as singularidades de sua condição ontológica, sem desvinculá-la de um lastro histórico e cultural. Sua formação em engenharia e arquitetura, e doutorado em história, confere à sua obra um claro assento na reflexão acerca das técnicas e seus desdobramentos estéticos, assim como em considerações filosóficas acerca dos atravessamentos da arquitetura com as ciências e as tecnologias.

Com uma vasta obra composta por livros e artigos, Picon vem escrevendo regularmente sobre estes temas deste 1998. Em 2003, com Architecture and the sciences: exchanging metaphors, viria a direcionar seu interesse pela historiografia e crítica da arquitetura contemporânea, diante das potencialidades e dos dilemas que se apresentam com as tecnologias digitais. Títulos como Digital Culture in Architecture: An Introduction for the Design Profession (2010), Ornament: The Politics of Architecture and Subjectivity (2013) e, o mais recente comentado nesta entrevista pelo autor, La materialité de l'architecture (2018), constroem sua fortuna crítica em um contexto marcado em grande medida pelo pragmatismo e positividade dos processos digitais.

Nesta entrevista, organizada em seis partes, Picon recupera aspectos inerentes à disciplina da arquitetura que vêm sendo reconfiguradas pelo digital. Em “Arquitetura e computadores”, afirma-se o projeto como estratégia, na qual a criação de cenários opera por meio de alteridades. Picon defende que o projeto se posiciona cada vez mais como articulação entre experimentação com materiais e “ser” computacional, apontando os modelos baseados em informação (BIM) e os modelos paramétricos como realidades distintas que se apresentam para a arquitetura no futuro.

Em “Estatutos em transformação”, o autor defende que a própria profissão estaria diante de profundas alterações, em decorrência das transformações por que passam o projeto, as formas e os modos de fabricação. Neste contexto, as lógicas que regem o star system, e o imperativo de ser um arquiteto reconhecido ou perecer, estariam sendo confrontadas por distintas formas de cooperação que permitem os sistemas digitais, além de um interesse renovado pela política e pela justiça por parte dos estudantes.

No bloco “Arquitetura e inovação” discute-se os desafios da educação em arquitetura em um mundo em transformação, a necessidade de inovação e uma certa condição do arquiteto como empreendedor, assim como as limitações das pesquisas realizadas por escritórios de arquitetura. E, como historiador, Picon acaba por defender a História e a Cultura não como receituários, mas como instrumentos para pensar sobre os problemas contemporâneos e sobre mudanças.

Em “Produção do bem comum”, o autor enfatiza a importância do resgate do ornamento pela arquitetura digital e a reconexão que promove com as subjetividades e os significados. Advoga por um realismo, assumindo que a arquitetura raramente é democrática e emancipatória, pois está vinculada a sistemas de poder. O papel da arquitetura seria, então, o de criar ambientes “com significado para a vida humana”.

Nas duas últimas partes, Picon fala de suas impressões acerca das arquiteturas brasileira e latino-americana, encerrando a entrevista com um comentário sobre seu livro recentemente publicado, acerca da materialidade na arquitetura, novamente diante da condição digital.

Detalhe da capa de “Ornament: The Politics of Architecture and Subjectivity”, de Antoine Picon
Foto divulgação

comments

074.02
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: english

share

074

074.01

Uma conversa com o cenógrafo Paulo Mendes da Rocha

Fernanda S. Ferreira

newspaper


© 2000–2018 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided