Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

my city ISSN 1982-9922

abstracts

português
O governo paulista combate as enchentes exclusivamente com grandes obras e operações de desassoreamento dos rios maiores, ao invés de enfrentar as verdadeiras causas do fenômeno: a baixa retenção das águas de chuva, a erosão e o lixo urbano.

how to quote

SANTOS, Álvaro Rodrigues dos. Enchentes. A repetida derrota de um modelo. Minha Cidade, São Paulo, ano 15, n. 176.01, Vitruvius, mar. 2015 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/15.176/5452>.



A seqüência de grandes enchentes que vêm infernizando a vida da grande metrópole paulista deveria, ao menos, convencer o governo paulista e os prefeitos metropolitanos sobre o flagrante fracasso de uma estratégia de combate às inundações baseada exclusivamente nas medidas ditas estruturais de alargamento e aprofundamento de calhas de rios, canalizações e construção de piscinões.

As enchentes urbanas têm suas causas associadas ao incrível aumento do volume de águas de chuva que aflui, em tempos sucessivamente menores, para um sistema de drenagem (córregos, rios, bueiros, galerias, canais...) progressivamente incapaz de lhe dar a devida vazão.

Esse aumento do volume de água e a redução do tempo em que chega às drenagens são promovidos essencialmente pela impermeabilização do solo urbano e pela cultura de canalização e retificação de drenagens naturais.

Como agravante a esse quadro, considere-se ainda o fantástico grau de assoreamento dessas drenagens por sedimentos provenientes dos intensos processos erosivos que ocorrem particularmente nas faixas periféricas de expansão da cidade, e, suplementarmente, por entulho de construção civil e por lixo urbano. Esse assoreamento acaba por reduzir ainda mais a já comprometida capacidade de vazão de toda a rede drenagem, implicando em enchentes a cada ano mais frequentes e abrangentes.

Diga-se de passagem que a poluição química e biológica de nossas águas urbanas superficiais e o fantástico grau de assoreamento promovido pelos processos erosivos têm transformado nossos deletérios piscinões em verdadeiros atentados urbanísticos, ambientais e sanitários, fato que não os recomenda como peça essencial de um plano de redução de enchentes.

Enfim, o governo paulista, ao manter sua estratégia de combate às enchentes apoiada exclusivamente na realização de grandes obras e nas dispendiosas operações de desassoreamento dos rios maiores, tem se recusado inexplicavelmente a enfrentar as verdadeiras causas do fenômeno, alternativa que automaticamente o levaria a priorizar a recuperação da capacidade das cidades em reter ao máximo as águas de chuva e, paralelamente, a combater incisivamente a erosão e o lançamento irregular de lixo urbano e entulho da construção civil. São vários os expedientes que poderiam ser utilizados para maior retenção de águas de chuva: reservatórios domésticos e empresariais de acumulação e infiltração, disseminação de bosques florestados, obrigatoriedade de uso de pisos e pavimentos drenantes, valetas e calçadas drenantes etc., com o que, adicionalmente, muito se contribuiria para a alimentação de nossas águas subterrâneas do lençol freático.

Será quanto a sociedade paulistana deverá mais ainda ser sacrificada para que nossos administradores públicos reconheçam seus erros e decidam-se por, corajosamente, corrigi-los?

sobre o autor

Álvaro Rodrigues dos Santos, geólogo, ex-Diretor de Planejamento e Gestão do IPT e Ex-Diretor da Divisão de Geologia, autor dos livros Geologia de engenharia: conceitos, método e prática, A grande barreira da Serra do Mar, Cubatão e Diálogos geológicos, consultor em Geologia de Engenharia, Geotecnia e Meio Ambiente.

comments

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided